Entrevista à "Vida Nueva"

Papa anuncia “encontro para a paz” com dirigentes religiosos em Abu Dabi

| 4 Ago 2023

papa Francisco e lideres religiosos no encontro de santo egidio 2022 foto Vatican Media (1200 × 612 px)

Papa Francisco e lideres religiosos no encontro de Santo Egídio 2022. Foto Vaticano Media 

 

O Vaticano está a organizar em novembro próximo em Abu Dabi, um encontro para a paz com dirigentes religiosos de todo o mundo, segundo anunciou o Papa Francisco numa entrevista publicada esta sexta-feira, 4, pela revista católica espanhola Vida Nueva.

O encontro, que se articula com a “ofensiva de paz” que o Vaticano está a desenvolver, a propósito da guerra na Ucrânia, está a ser coordenado ao mais alto nível pelo secretário de Estado da Santa Sé, o cardeal Pietro Parolin, e decorrerá imediatamente antes da Cimeira sobre o Clima, que as Nações Unidas organizam este ano no Dubai.

Na entrevista à Vida Nueva, Francisco passou em revista o conjunto de esforços que o Vaticano vem desenvolvendo em torno da busca de caminhos para a paz no conflito desencadeado pela Rússia, ao invadir a Ucrânia, no início de 2022, dando conta da intenção de designar um seu representante permanente “para servir de ponte entre as autoridades russas e ucranianas”. Confirmou, por outro lado, uma próxima deslocação à China do cardeal Zuppi, viagem que, juntamente com a que já fez a Washington, se justifica, do ponto de vista do Papa, “porque ambos têm também a chave para baixar a tensão do conflito”.

A entrevista à revista espanhola teve como pretexto o seu 65º aniversário e assumiu a forma de um “conselho de redação” (como os que semanalmente os responsáveis realizam), mas desta vez com a presença do bispo de Roma e com o objetivo de lhe colocar questões e o escutar.

Um dos assuntos que veio à baila foi o Sínodo sobre a sinodalidade, em vésperas de se iniciar a fase central, em Roma, o chamado Sínodo dos Bispos. Francisco passa em revista o modo como, no pós-Concílio, com Paulo VI, se percebeu que a Igreja do Ocidente tinha esquecido a sinodaliade. Refere algumas limitações da trajetória feita pelo Sínodo dos Bispos (por exemplo, como a máquina vaticana controlava o que era ou não era submetido a votação) e as experiências vividas já com ele como pontífice, em particular os sínodos sobre a família e sobre a Amazónia.

A dado passo é-lhe perguntado se o atual sínodo não pretenderá abarcar tudo – desde renovação litúrgica a comunidades mais evangelizadoras, acolhimento da comunidade LGBTQ, a opção pelos pobres…. E se ao Papa não terá ocorrido, em algum momento, dar-lhe forma de concílio. A resposta papal é enfática:

“As coisas não estão maduras para um concílio Vaticano III. Mas ele também não é necessário, neste momento, uma vez que ainda se não pôs em prática o Vaticano II.  Este foi muito arriscado e há que pô-lo em marcha. Mas há sempre esse medo que a todos nos contagiou, de forma velada, por parte dos ‘velhos católicos’ que, já no Vaticano I, se consideravam ‘depositários da verdadeira fé’. Há que apear com argumentos claros todas estas propostas de resistência. É importante afrontar os sofismas”.

Sobre o clero, um membro da equipa de jornalistas, por sinal presbítero, suscitou a questão dos padres novos e da sua alegada rigidez.

Para o Papa, essa rigidez é de “gente boa que quer servir o Senhor” e que reagem desse modo porque “têm medo perante um tempo de insegurança que estamos a viver” e, por isso, precisam de ser ajudados. Admitiu que o que designou por “couraça” possa esconder “muita podridão”, por vezes em resultado de facilitismo na admissão dos candidatos aos seminários, em vários casos acolhendo expulsos de outros seminários. “Não gosto da rigidez, porque isso é um mau sintoma de vida interior. O pastor não pode dar-se ao luxo de ser rígido, Tem de estar aberto ao que surja”.

A longa entrevista do Papa espraia-se por outros campos que a revista organizou em diferentes secções. Uma delas é a narrativa pormenorizada como o então cardeal Bergoglio se viu eleito pelos seus pares como Papa. Os interessados poderão estar interessados em aceder a ela através do site da Vida Nueva.

 

Vaticano não identificou “má conduta ou abuso” por parte de cardeal Lacroix

Investigação suspensa

Vaticano não identificou “má conduta ou abuso” por parte de cardeal Lacroix novidade

A Sala de Imprensa da Santa Sé anunciou esta terça-feira, 21 de maio, que a investigação canónica preliminar solicitada pelo Papa Francisco para averiguar as acusações de agressão sexual contra o cardeal canadiano Gérald Cyprien Lacroix não prosseguirá, visto que “não foi identificada qualquer ação como má conduta ou abuso” da parte do mesmo. O nome do prelado, que pertence ao Conselho dos Cardeais (C9), foi um dos apontados numa grande ação coletiva a decorrer no Canadá, listando supostas agressões sexuais que terão ocorrido na diocese do Quebeque, nos anos 1980.

Prémio de direitos humanos para marroquina Amina Bouayach é “instrumento de propaganda”

AAPSO denuncia

Prémio de direitos humanos para marroquina Amina Bouayach é “instrumento de propaganda” novidade

Amina Bouayach, Presidente do Conselho Nacional dos Direitos Humanos (CNDH) de Marrocos, recebeu esta terça-feira, 21 de maio, na Assembleia da República, em Lisboa, o Prémio de Direitos Humanos do Centro Norte-Sul do Conselho da Europa 2023. Mas a Associação de Amizade Portugal – Sahara Ocidental (AAPSO) considera, no mínimo, “estranha” a atribuição do galardão à marroquina.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Senhora do Rosário: Que batalhas há para vencer?

Senhora do Rosário: Que batalhas há para vencer? novidade

A exposição, intitulada «Mês de Maio. Mês de Maria», que tem por curador o Prof. José Abílio Coelho, historiador, da Universidade do Minho, conta com as principais ‘apresentações’ de Nossa Senhora do Rosário, sobretudo em escultura e pintura, que se encontram dispersas por igrejas e capelas do arciprestado de Póvoa de Lanhoso. Divulgamos o texto, da autoria do Padre Joaquim Félix, publicado no catálogo da exposição  «A Senhora do Rosário no Arciprestado Povoense».

Igreja portuguesa precisa de “abertura de horizontes” no âmbito da evangelização

Bispos após encontro com Secretaria do Sínodo

Igreja portuguesa precisa de “abertura de horizontes” no âmbito da evangelização novidade

O vice-presidente da Conferência Episcopal Portuguesa, Virgílio Antunes, reconheceu que a Igreja Católica em Portugal tem necessidade de uma “abertura de horizontes” no âmbito da evangelização, nomeadamente no “acolhimento das pessoas”. Para o bispo de Coimbra, – que falou aos jornalistas após o encontro com a Secretaria Geral do Sínodo, que decorreu esta segunda-feira, 20 de maio, em Roma – é preciso fomentar “uma relação mais eficaz e mais eclesial entre os membros da hierarquia, a generalidade dos cristãos leigos, dos consagrados do povo de Deus”.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This