Munique

Papa apoia cardeal Marx, mas recusa pedido de resignação

| 11 Jun 21

Reinhard Marx Foto © Klaus D. Wolf/Erzbischöfliches Ordinariat München

Reinhard Marx Foto © Klaus D. Wolf/Erzbischöfliches Ordinariat München

O Papa Francisco não aceitou o pedido de resignação do cardeal Reinhardt Marx do cargo de arcebispo de Munique e Freising que este havia apresentado em maio último e anunciado publicamente na passada sexta-feira, dia 4.

Numa carta que lhe enviou, com data deste 10 de junho, menos de uma semana depois da divulgação da carta do cardeal, Francisco começa por agradecer a coragem de Marx. “É uma coragem cristã – sublinha – que não teme a cruz, não teme aniquilar-se perante a tremenda realidade do pecado. Isso é o que o Senhor fez (Carta aos Filipenses 2, 5-8). É uma graça que o Senhor te deu e vejo que queres assumi-la e guardá-la para que dê frutos. Obrigado”.

Referindo um passo do pedido de resignação em que o cardeal dizia que gostaria de dedicar os próximos anos “de forma mais intensa à pastoral e a lutar pela renovação espiritual da Igreja”, Francisco observa: “Esta é a minha resposta, querido irmão. Continua como propões, mas como arcebispo de Munique e Freising. E se te sentes tentado a pensar que, ao confirmar a tua missão e não aceitar a tua renúncia, este bispo de Roma (teu irmão que te ama) não te entende, pensa no que Pedro sentiu diante do Senhor quando, à sua maneira, apresentou-lhe a resignação: ‘afasta-te de mim, que sou um pecador’, e ouve a resposta: ‘apascenta as minhas ovelhas’”.

Sobre a crise sentida pelo próprio cardeal Marx, que é também crise da Igreja alemã e da Igreja Católica no seu todo, por causa do problema dos abusos sexuais do clero, Francisco adverte que “a Igreja hoje não pode dar um passo em frente sem assumir esta crise”. “A política de avestruz não leva a nada, e a crise deve ser assumida desde a nossa fé pascal” acrescenta.

O Papa adianta que esta crise é pessoal e também comunitária e concorda com Marx quanto ao modo como ele colocou o problema institucional. Concorda ainda com ele quando diz que “nem toda a gente quer aceitar essa realidade, mas é o único caminho, porque tomar “resoluções” de mudança de vida sem “colocar a carne na grelha” não leva a lugar nenhum. E, mais adiante, deixa este recado: “Portanto, na minha opinião, cada bispo da Igreja deve assumi-lo e perguntar-se: o que devo fazer diante desta catástrofe?”

 

Taizé dinamiza vigília para jovens em Glasgow

Cimeira do Clima

Taizé dinamiza vigília para jovens em Glasgow novidade

A Comunidade de Taizé foi convidada pelo Comité Coordenador da COP26 das Igrejas de Glasgow para preparar e liderar uma vigília para estudantes e jovens em Glasgow durante a Cimeira do Clima. Mais de sete mil pessoas passaram por Taizé, desde junho, semana após semana, apesar do contexto da pandemia que se vive.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

O outro sou eu

O outro sou eu novidade

Há tanto que me vem à cabeça quando penso em Jorge Sampaio. Tantas ocasiões em que o seu percurso afetou e inspirou o meu, quando era só mais uma adolescente portuguesa da primeira geração do pós-25 de Abril à procura de referências. Agora, que sou só uma adulta que recusa desprender-se delas, as memórias confundem-se com valores e os factos com aspirações.

Líbano: Siro-católicos dizem-se marginalizados

Líbano tem novo Governo

Líbano: Siro-católicos dizem-se marginalizados novidade

O novo Governo do Líbano, liderado pelo muçulmano sunita Najib Mikati, obteve nesta segunda-feira, 20 de setembro, o voto de confiança do Parlamento. A nova estrutura de Governo reflete na sua composição a variedade do “mosaico” libanês, nomeadamente do ponto de vista das diversas religiões e confissões religiosas, mas os siro-católicos dizem ter sido marginalizados.

Fale connosco

Pin It on Pinterest

Share This