Papa apoia resolução de cessar fogo da ONU e pede que esta seja “eficaz e rápida”

| 7 Jul 20

Cópia de Um soldado de paz da Missão Multidimensional Integrada para Estabilização das Nações Unidas do Mali (MINUSMA), em patrulha na cidade de Timbuktu, no Mali. Foto_ ONU _ Harandane Dicko

Um soldado “capacete azul” da Missão Multidimensional Integrada para Estabilização das Nações Unidas do Mali, em patrulha na cidade de Timbuktu. Foto: ONU/Harandane Dicko

 

O Papa manifestou este domingo, 5 de julho, o seu total apoio à resolução adotada pelo Conselho de Segurança da ONU de um cessar-fogo global pelo período de 90 dias, tendo em vista facilitar a luta contra a pandemia de covid-19. Francisco pediu que a decisão seja posta em prática de forma rápida e eficaz e que este seja o início do caminho em direção à paz no mundo, avançou o Vatican News.

“É louvável o pedido de um cessar-fogo global e imediato, que permitiria a paz e a segurança indispensáveis para fornecer a assistência humanitária tão urgentemente necessária”, afirmou o Papa no final da oração do Angelus. “Espero que tal decisão venha a ser implementada de maneira eficaz e rápida para o bem de tantas pessoas que estão a sofrer.” Francisco acrescentou ainda que espera também que esta resolução “possa ser um primeiro passo corajoso para um futuro de paz”.

A resolução foi aprovada por unanimidade no Conselho de Segurança da ONU na passada quarta-feira, 1 de julho, após três meses de negociações, e visa apoiar o apelo feito a 23 de março pelo secretário-geral das Nações Unidas, António Guterres.

Este apelo tem vindo a reunir inúmeros apoios, entre os quais o do Papa e de quase 180 países e mais de 20 grupos armados, mas Guterres lamentou, antes da aprovação da resolução, a “falta de atos concretos para acabar com as hostilidades”.

Ao longo dos últimos meses, a resolução do Conselho de Segurança terá sido alvo do bloqueio por parte da China e dos Estados Unidos, uma vez que os dois países (que são dois dos cinco membros permanentes e que têm direito de veto) divergiam sobre o destaque a ser dado à Organização Mundial da Saúde (OMS) no documento.

O documento, considerado a primeira posição oficial do Conselho de Segurança da ONU relacionada com a pandemia, pede agora “uma pausa humanitária de pelo menos 90 dias consecutivos” para facilitar a assistência internacional às populações, com exceção da luta contra os grupos “jihadistas”.

A organização católica Pax Christi International divulgou entretanto uma carta aberta apelando ao “desarmamento humanitário”, tendo em vista “um mundo melhor pós-pandemia”. Apoiada por mais de 150 instituições de diversas áreas a nível mundial, a carta defende que “o dinheiro investido em armas inaceitáveis seria melhor gasto com objetivos humanitários” e pode ainda ser assinada no site da ONG.

Também a Comissão Justiça e Paz da Conferência Episcopal Suíça (CES) manifestou, no passado dia 2 de julho, ser contra o aumento de exportações de armas do país, apoiando a chamada “iniciativa de retificação”. De acordo com os bispos, as exportações de armas deverão deixar de ser regulamentadas por portarias do governo, e passar a ser determinadas pela Constituição e legislação, o que permitiria ao Parlamento e aos cidadãos, por referendo, expressar a sua opinião e garantiria uma maior transparência.

 

Artigos relacionados

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

De 1 a 31 de Julho

Helpo promove oficina de voluntariado internacional

  Encerram nesta sexta-feira, 24 de Junho, as inscrições para a Oficina de Voluntariado Internacional da Helpo, que decorre entre 1 e 3 de Julho. A iniciativa é aberta a quem se pretenda candidatar ao Programa de Voluntariado da Organização Não Governamental para...

Isenção de propinas

Católica lança programa de bolsas para refugiados

A Universidade Católica Portuguesa vai atribuir 24 bolsas de estudo para refugiados com isenção de propinas. a Universidade declara que “junta-se ao esforço nacional de acolhimento e integração dos refugiados com o lançamento de um programa de atribuição de bolsas”, num comunicado enviado ao 7MARGENS.

Inscreva-se aqui
e receba as nossas notícias

Boas notícias

Doação de ara romana reforça espólio do Museu D. Diogo de Sousa

Ocaere, divindade autóctone

Doação de ara romana reforça espólio do Museu D. Diogo de Sousa

A doação de uma ara votiva romana guardada ao longo de várias décadas pela família Braga da Cruz, de Braga, enriquece desde esta sexta-feira, dia 1, o espólio do Museu de Arqueologia D. Diogo de Sousa (MADDS), estando já exposta para fruição do público. A peça, que passou a integrar a coleção permanente daquele Museu, foi encontrada num quintal particular no município de Terras de Bouro, pelo Dr. Manuel António Braga da Cruz (1897-1982), que viria, depois, a conseguir que o proprietário lha cedesse.

É notícia

Entre margens

As armas e a vida

Quando se discute esta questão da maior ou menor facilidade de acesso à posse de armas, e do mais ou menos restritivo regime legal desse acesso, não posso deixar de recordar vários casos com que lidei ao longo da minha carreira de juiz. Casos em que só o acesso a uma arma poderá explicar o seu desfecho trágico de perda de vida humanas.

Saúde mental dos jovens: a urgência de um novo paradigma

A saúde mental dos jovens tem-se vindo a tornar, aos poucos, num tema com particular relevância nas reflexões da sociedade hodierna, ainda que se verifique que estas possam, muitas das vezes, não resultar em concretizações visíveis e materializar em soluções para os problemas que afetam os membros desta mesma sociedade. A verdade é que, apesar de todos os esforços por parte dos profissionais de saúde e também das pessoas, toda a temática é, ainda, envolvida por uma “bolha de estigmas”, o que a transforma numa temática-tabu.

Cultura e artes

Novo disco dos Fontaines D.C.

Lápide gaélica foi proibida num cemitério inglês — e ganhámos uma bela canção

A Igreja de Inglaterra proibiu uma inscrição em irlandês numa lápide fúnebre, em Coventry, argumentando que a frase teria de ser traduzida para inglês para que as pessoas não a confundissem com uma declaração política. A família de Margaret Keane foi para tribunal e ganhou – e os irlandeses Fontaines D.C. fizeram desta história uma belíssima canção.

Luz e negrume

As obras de Pedro Costa, cineasta, Rui Chafes, escultor, e Paulo Nozolino, fotógrafo, e de Simon Hantaï, artista plástico, estão expostas em Paris, respectivamente no Centre Georges Pompidou e na Fundação Louis Vitton. Um autor, identificado como Anonymous, estabelece com elas um diálogo em dois poemas traduzidos por João Paulo Costa, investigador na área de filosofia e autor de À sombra do invisível (Documenta, 2020).

Sete Partidas

Acolher sem porquês

Eu e o meu namorado vivemos na Alemanha e decidimos desde o início da guerra na Ucrânia hospedar refugiados em nossa casa. Pensámos muito: nenhum de nós tem muito tempo disponível e sabíamos que hospedar refugiados não é só ceder um quarto, é ceder paciência, muita paciência, compreensão, ajuda com documentos…

Aquele que habita os céus sorri

Agenda

[ai1ec view=”agenda” events_limit=”3″]

Ver todas as datas

Parceiros

Fale connosco

Pin It on Pinterest

Share This