Papa apoia resolução de cessar fogo da ONU e pede que esta seja “eficaz e rápida”

| 7 Jul 20

Cópia de Um soldado de paz da Missão Multidimensional Integrada para Estabilização das Nações Unidas do Mali (MINUSMA), em patrulha na cidade de Timbuktu, no Mali. Foto_ ONU _ Harandane Dicko

Um soldado “capacete azul” da Missão Multidimensional Integrada para Estabilização das Nações Unidas do Mali, em patrulha na cidade de Timbuktu. Foto: ONU/Harandane Dicko

 

O Papa manifestou este domingo, 5 de julho, o seu total apoio à resolução adotada pelo Conselho de Segurança da ONU de um cessar-fogo global pelo período de 90 dias, tendo em vista facilitar a luta contra a pandemia de covid-19. Francisco pediu que a decisão seja posta em prática de forma rápida e eficaz e que este seja o início do caminho em direção à paz no mundo, avançou o Vatican News.

“É louvável o pedido de um cessar-fogo global e imediato, que permitiria a paz e a segurança indispensáveis para fornecer a assistência humanitária tão urgentemente necessária”, afirmou o Papa no final da oração do Angelus. “Espero que tal decisão venha a ser implementada de maneira eficaz e rápida para o bem de tantas pessoas que estão a sofrer.” Francisco acrescentou ainda que espera também que esta resolução “possa ser um primeiro passo corajoso para um futuro de paz”.

A resolução foi aprovada por unanimidade no Conselho de Segurança da ONU na passada quarta-feira, 1 de julho, após três meses de negociações, e visa apoiar o apelo feito a 23 de março pelo secretário-geral das Nações Unidas, António Guterres.

Este apelo tem vindo a reunir inúmeros apoios, entre os quais o do Papa e de quase 180 países e mais de 20 grupos armados, mas Guterres lamentou, antes da aprovação da resolução, a “falta de atos concretos para acabar com as hostilidades”.

Ao longo dos últimos meses, a resolução do Conselho de Segurança terá sido alvo do bloqueio por parte da China e dos Estados Unidos, uma vez que os dois países (que são dois dos cinco membros permanentes e que têm direito de veto) divergiam sobre o destaque a ser dado à Organização Mundial da Saúde (OMS) no documento.

O documento, considerado a primeira posição oficial do Conselho de Segurança da ONU relacionada com a pandemia, pede agora “uma pausa humanitária de pelo menos 90 dias consecutivos” para facilitar a assistência internacional às populações, com exceção da luta contra os grupos “jihadistas”.

A organização católica Pax Christi International divulgou entretanto uma carta aberta apelando ao “desarmamento humanitário”, tendo em vista “um mundo melhor pós-pandemia”. Apoiada por mais de 150 instituições de diversas áreas a nível mundial, a carta defende que “o dinheiro investido em armas inaceitáveis seria melhor gasto com objetivos humanitários” e pode ainda ser assinada no site da ONG.

Também a Comissão Justiça e Paz da Conferência Episcopal Suíça (CES) manifestou, no passado dia 2 de julho, ser contra o aumento de exportações de armas do país, apoiando a chamada “iniciativa de retificação”. De acordo com os bispos, as exportações de armas deverão deixar de ser regulamentadas por portarias do governo, e passar a ser determinadas pela Constituição e legislação, o que permitiria ao Parlamento e aos cidadãos, por referendo, expressar a sua opinião e garantiria uma maior transparência.

 

Artigos relacionados

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

Sondagem

Brasil deixa de ter maioria católica 

Algures durante este ano a maioria da população brasileira deixará de se afirmar maioritariamente como católica. Em janeiro de 2020, 51% dos brasileiros eram católicos, muito à frente dos que se reconheciam no protestantismo (31%). Ano e meio depois os números serão outros.

Investigação

Quem traiu Anne Frank?

Quem traiu Anne Frank, a autoria do conhecido Diário, e a sua família? Uma equipa que se entregou à tarefa de investigar acredita ter encontrado a chave do mistério. Mas trata-se de “um cenário provável”, sem certezas absolutas.

Inscreva-se aqui
e receba as nossas notícias

Boas notícias

É notícia

Entre margens

A roseira que defende a vinha: ainda a eutanásia novidade

Há tempos, numa visita a uma adega nacional conhecida, em turismo, ouvi uma curiosa explicação da nossa guia que me relembrou imediatamente da vida de fé e das questões dos tempos modernos. Dizia-nos a guia que é hábito encontrar roseiras ao redor das vinhas como salvaguarda: quando os vitivinicultores encontravam algum tipo de doença nas roseiras, algum fungo, sabiam que era hora de proteger a vinha, de a tratar, porque a doença estava próxima.

Esta é a Igreja que eu amo!

Fui um dos que, convictamente e pelo amor que tenho à Igreja Católica, subscrevi a carta que 276 católicas e católicos dirigiram ao episcopado português para que, em consonância e decididamente, tomassem “a iniciativa de organizar uma investigação independente sobre os crimes de abuso sexual na Igreja”.

Onde menos se espera, aí está Deus

Por vezes Deus descontrola as nossas continuidades, provoca roturas, para que possamos crescer, destruir em nós uma ideia de Deus que é sempre redutora e substituí-la pela abertura à vida, onde Deus se encontra total e misteriosamente. É Ele, o seu espírito, que nos mostra o nosso nada e é a partir do nosso nada que podemos intuir e abrir-nos à imensidão de Deus, também nas suas criaturas, todas elas.

Cultura e artes

Crónicas portuguesas dos anos 80

As causas que sobrevivem às coisas

O Portugal de A Causa das Coisas e de Os Meus Problemas, publicados nos anos 80, fazem sentido neste século XXI? Miguel Esteves Cardoso ainda nos diz quem e o que somos nós? Haverá coisas que hoje se estranham, nomes fora de tempo, outras que já desapareceram ou caíram em desuso. Já as causas permanecem. Pretexto para uma revisitação a crónicas imperdíveis, agora reeditadas.

Carta a Filémon

A liberdade enquanto caminho espiritual

A Epístola a Filémon – um dos mais pequenos escritos do Novo Testamento – constitui o estímulo e o contexto para uma bela reflexão sobre a vivência da liberdade enquanto caminho espiritual. Adrien Candiard – dominicano francês a residir na cidade do Cairo – consegue em breves páginas apresentar um exercício de leitura rico e incisivo sobre a qualidade da vida cristã, mantendo um tom coloquial próprio do contexto de pequenos grupos nos quais este livro encontrou a sua origem.

O filme de Almodóvar

As dores para dar à luz a verdade

Fique dito, desde já, que estamos perante um dos melhores e mais amadurecidos filmes de Almodóvar. Intenso como outros, magnificamente construído e filmado como é habitual, talvez mais profundamente moral do que muitos, Mães Paralelas é um filme tecido de segredos íntimos e dolorosos, à volta da maternidade, mas também da Guerra Civil espanhola. No centro, esplendorosa, está Penélope Cruz.

Sete Partidas

Ser pai no inverno da Estónia

Estou a viver na Estónia há oito anos e fui pai recentemente. Vim para aqui estudar e, como acontece a muitos outros portugueses espalhados por esse mundo, apaixonei-me por uma mulher deste país, arranjei trabalho, casei e o mais recente capítulo da minha história é o nascimento do meu filho, no mês de dezembro de 2021.

Aquele que habita os céus sorri

Agenda

[ai1ec view=”agenda” events_limit=”3″]

Ver todas as datas

Parceiros

Fale connosco

Pin It on Pinterest

Share This