Fruto do Sinodo

Papa aprova estatutos da Conferência Eclesial da Amazónia

| 21 Out 2022

cardeal pedro barreto e bispo eugenio coter, da presidencia da CEAMA, com o papa Francisco em setembro de 2022, foto Vatican media

O cardeal Pedro Barreto e o bispo Eugenio Coter, da presidência da CEAMA, com o papa Francisco em setembro de 2022, aquando da entrega da proposta de estatutos do organismo. Foto © Vatican Media.

 

Há quem diga que se trata do “fruto mais visível e também profético do Sínodo da Amazónia”, não apenas na América Latina, mas para toda a Igreja: a Conferência Eclesial da Amazónia (CEAMA) foi esta quinta-feira, 20, reconhecida formal e canonicamente pelo Papa Francisco, que aprovou os seus estatutos.

A CEAMA nasceu em junho de 2020, oito meses após a celebração do Sínodo, durante o qual havia sido reconhecida “a necessidade de criar um organismo episcopal que contribuísse para realizar um plano pastoral de conjunto para a região amazónica”. Os seus documentos estatutários haviam sido entregues há pouco mais de um mês, a 2 de setembro, e foram aprovados sem quaisquer alterações.

O vice-presidente da CEAMA, Mauricio López, sublinha que estes estatutos constituem um “instrumento necessário para continuar a avançar na missão no território Amazónico, com os seus povos e a Igreja que ali peregrina”. E recorda a forma carinhosa como o Papa Francisco, ao recebê-los no início do mês passado, descreveu a CEAMA: “uma pequena planta, recém-nascida, que precisa de tempo, cuidado, atenção, mas ao mesmo tempo não se pode colocar um bastão para tentar forçá-la numa direção específica de crescimento, e sim precisa de avançar, e este avanço terá sucessos, terá erros, mas é necessário avançar”.

Em declarações ao Vatican News, Mauricio López destaca que o importante é que “o Papa Francisco acredita no processo do Sínodo Amazónico, acredita nos frutos do discernimento da Igreja em peregrinação neste território, e a partir daí está a dar-nos as ferramentas necessárias para avançarmos”. Ele não hesita em afirmar que “a CEAMA é um meio, não é um fim, é um meio para levar adiante alguns dos desafios discernidos e frutos do Sínodo que exigem uma visão mais estrutural ou a longo prazo, e que nos chamam a uma perspectiva futura em complementaridade e subsidiariedade com a REPAM [Rede Eclesial Pan-Amazónica] e os muitos organismos que trabalham para tecer a vida neste território”.

Acima de tudo, conclui o vice-presidente da CEAMA, “sentimos O seu profundo amor por este território e pela sinodalidade que é um trabalho em andamento”.

 

Visite o andar-modelo. Há muitos e bons livros para lembrar Abril

Três obras para ler

Visite o andar-modelo. Há muitos e bons livros para lembrar Abril novidade

Abril, livros mil é o cliché óbvio, e até preguiçoso, para o manancial de edições no mercado livreiro português sobre os 50 anos do 25 de Abril ou que, aproveitando a efeméride redonda da Revolução dos Cravos, se inscrevem na história da ditadura do Estado Novo e da democracia nascida em 1974. O 7MARGENS traz três (breves) propostas. Abril é sinónimo de diversidade e as férias podem ser ocasião para descobrir mais como se fez a democracia que vivemos há cinco décadas.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Jovens bahá’ís dedicam férias de verão ao serviço comunitário

De norte a sul do país

Jovens bahá’ís dedicam férias de verão ao serviço comunitário novidade

O período do verão é muitas vezes utilizado pelos jovens bahá’ís como uma oportunidade para dedicar tempo ao serviço, e este ano não está a ser diferente. A Caravana de Serviço, um projeto que reúne jovens de diversas localidades para atividades de serviço comunitário de norte a sul do país, começou com grande entusiasmo no final de junho com o evento Reconecta, realizado em Monchique, e já em julho com um  acampamento nacional, em Palmela.

Palavras violentas, consequências violentas

Palavras violentas, consequências violentas novidade

Com uma percentagem significativa do país armada, e pelo menos uma percentagem violentamente zangada, temos de concordar que a única esperança para a paz é, como se diz, “reduzir a retórica”. – A reflexão de Phyllis Zagano sobre o panorama atual nos EUA

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This