Mudanças na Doutrina da Fé

Papa “castiga” bispo que “proibiu” bênçãos homossexuais

| 10 Jan 2022

Adivinham-se mudanças profundas na Congregação para a Doutrina da Fé. Foto: DR/7Margens.

 

A revista America, dos jesuítas dos Estados Unidos, fala de um primeiro passo dado pelo Papa Francisco, nesta segunda-feira, 10 de Janeiro, para reorganizar a Congregação para a Doutrina da Fé (CDF), um dos dois organismos mais importantes do Vaticano, a par da Secretaria de Estado: o número dois da CDF, que terá sido o responsável pelo polémico documento do ano passado sobre a interdição de bênçãos de casais do mesmo sexo, foi nomeado para uma diocese italiana, deixando o lugar no Vaticano.

O arcebispo Giacomo Morandi, actual secretário da Congregação, foi escolhido para bispo da diocese italiana de Reggio Emilia-Guastalla. A mudança equivale a uma despromoção, diz a America: tendo o título de arcebispo, Morandi vai para uma “pequena” diocese, não para uma arquidiocese, como seria normal. O título de arcebispo será mantido pelo próprio, anunciou o Vaticano.

Morandi foi considerado por vários meios de comunicação como estando por detrás do documento de Março do ano passado que indignou a comunidade gay, para a qual Francisco tem pedido mais acolhimento no interior da Igreja. O documento dizia que a Igreja Católica não abençoa as uniões homossexuais porque Deus “não pode abençoar o pecado”. O documento, como é normal nestes casos, dizia que o Papa tinha sido informado do seu conteúdo, mas muitos comentários apontaram o “facto consumado” com que o Papa teria sido confrontado.

A CDF tem por missão interpretar a doutrina para a Igreja Católica universal, sancionando dissidências e tratando de casos de abuso sexual de menores por parte do clero. Morandi entrou para a CDF como subsecretário em 2015 e foi promovido a secretário, o número dois, em 2017.

A America recorda que o Papa Francisco tem protagonizado vários gestos de aproximação aos católicos homossexuais. Recentemente, o Papa escreveu uma carta à irmã Jeannine Gramick, que em tempos tinha sido sancionada pela CDF, pelos seus 50 anos de ministério junto da comunidade LGBTQ.

Actualmente, o responsável da Congregação é o cardeal jesuíta Luis Ladaria, que completa 78 anos em Abril, três anos para além da idade normal de reforma dos bispos – o que o deve levar deixar o cargo em breve.

A mudança de Morandi e a possível saída de Ladaria sugerem, acrescenta a America, que podem estar para breve mudanças profundas na Congregação. Mas estas podem ser anunciadas apenas quando for divulgada a nova constituição apostólica que regulará o funcionamento da Cúria Romana, o que poderá acontecer até à Páscoa, se estiverem concluídas as traduções do documento para as diferentes línguas.

 

Igreja precisa mais dos média do que o contrário

Debate 7M: A Igreja e os média (1)

Igreja precisa mais dos média do que o contrário novidade

Quando se pergunta se em Portugal a relação da Igreja com os média e os jornalistas é boa, uma resposta simplista é sempre uma má resposta, principalmente porque estamos a falar de uma instituição, a Igreja Católica, que por si só é uma multiplicidade de realidades. Para ser honesto, prefiro responder que não há uma resposta, mas muitas respostas, tantas quanto as instituições ou os serviços que constituem a Igreja portuguesa.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

… E de novo tostões e milhões!

[Segunda Leitura]

… E de novo tostões e milhões! novidade

Para o sr. Berardo, pelos vistos, um milhão de euros deve ser uma ninharia. Porque ele deve cerca de 900 milhões. Ou seja: gente como nós precisava de viver novecentas vidas para acumular esse montão de notas. E como é que alguém, no espaço de meia dúzia de anos, consegue ficar a dever 900 milhões de euros?… Como?…

O melhor seria

O melhor seria novidade

Tive três filhos e perdi quatro. Por um deles, que não sobreviveu in utero, fui levada para uma ala da maternidade onde havia mulheres com os seus filhos, já nascidos ou prestes a nascer. Havia uma outra ala, a de quem estava para abortar.

A Igreja tem de aprender a prestar contas

Abusos sexuais

A Igreja tem de aprender a prestar contas

Gostaria de falar, em primeiro lugar, acerca da Igreja enquanto instituição de poder, porque essa é uma das maiores premissas que orientam o meu trabalho enquanto jornalista que se dedica à cobertura dos assuntos religiosos e, em especial, ao escrutínio da atividade da Igreja Católica. Que não haja dúvidas: a Igreja é uma instituição de poder.

Agenda

Fale connosco

Pin It on Pinterest

Share This