"Crimes contra a humanidade", diz ONU

Papa compara governo da Nicarágua à ditadura de Hitler

| 10 Mar 2023

Tomada de posse de Daniel Ortega como Presidente da Nicarágua, em 2012. Numa entrevista divulgada esta sexta-feira, o Papa comparou a sua ditadura à de Hitler na Alemanha. Foto © Cancillería del Ecuador.

 

Numa entrevista dada ao site argentino Infobae, divulgada esta sexta-feira, 10 de março, o Papa Francisco foi incisivo na crítica à situação vivida na Nicarágua, sob o regime de Daniel Ortega: “Não me resta senão pensar num desequilíbrio da pessoa que lidera [o país]”, afirmou acrescentando que “é como trazer de volta a ditadura comunista de 1917 ou a ditadura de Hitler de 1935”.

Questionado pelo jornalista e fundador do site, Daniel Hadad, sobre os ataques de que a Igreja Católica tem sido alvo, o Papa não hesitou em referir a situação do bispo Rolando Álvarez. “Temos um bispo na prisão, um homem muito sério, muito capaz. Ele quis dar o seu testemunho e não aceitou o exílio”, sublinhou Francisco, reiterando que a Nicarágua está a viver numa “ditadura grosseira”.

Na última semana, registaram-se novas medidas repressivas contra a Igreja: duas universidades católicas foram forçadas a encerrar, assim como a Fundação Mariana de combate ao Cancro, e ainda os dois escritórios da Cáritas no país, denunciou também esta sexta-feira a Fundação Ajuda à Igreja que Sofre (AIS).

Recentemente, as autoridades haviam também decretado a proibição de realizar qualquer procissão nas ruas durante a Quaresma e Semana Santa, uma restrição que foi conhecida exatamente duas semanas depois da condenação do bispo Rolando Álvarez a 26 anos de prisão, na sequência de se ter recusado a assinar a sua expulsão para os Estados Unidos da América (ver 7MARGENS).

 

ONU denuncia “crimes contra a humanidade”

bispo rolando álvarez, nicaragua, foto infobae

Detenção do bispo Rolando Álvarez, em agosto de 2022. Segundo um relatório divulgado pela ONU, “a meta é eliminar qualquer oposição no país”. Foto © Infobae.

 

Um relatório divulgado pela ONU revelou no passado dia 2 de março que “estão a acontecer crimes contra a humanidade” na Nicarágua. O documento afirma que as violações são da autoria do governo e que estão a acontecer por razões políticas e deixa um apelo à comunidade internacional para que puna os responsáveis – instituições ou indivíduos – com a imposição de sanções.

Segundo o relatório, “as alegações de abusos, que incluem execuções extrajudiciais, prisões arbitrárias, tortura, privação arbitrária da nacionalidade e do direito de permanecer no seu próprio país, não são casos isolados, mas sim o produto deliberado do desmantelamento de instituições democráticas e da destruição do espaço cívico-democrático”.

Um dos relatores independentes, Jan Simon, assegura que “essas violações estão a ser cometidas de forma sistemática e configuram crimes contra a humanidade de assassinato, encarceramento, tortura, violência sexual, deportação e perseguição política”.

Simon afirma que as autoridades do governo conseguiram instrumentalizar os poderes executivo, legislativo, judicial e as divisões eleitorais nicaraguenses para formar um quadro jurídico de repressão das liberdades fundamentais. “A meta é eliminar qualquer oposição no país”, conclui.

Outro elemento do grupo de peritos em direitos humanos que levou a cabo este estudo, Angela Maria Buitrago, destaca que “milhares de defensores de direitos humanos, trabalhadores de ONG, jornalistas, líderes estudantis e religiosos, artistas e líderes da oposição foram obrigados a deixar o país”.

Desde dezembro de 2018, pelo menos 3.144 organizações civis foram fechadas, e praticamente todos os canais independentes de média e de organizações de direitos humanos estão a operar a partir do exterior.

Em fevereiro, 222 pessoas foram expulsas do país após serem acusadas de “trair a pátria”, grupo no qual o bispo Rolando Álvarez estaria incluído, caso não tivesse recusado a deportação.

 

Na primeira nação cristã do mundo, está a acontecer o segundo genocídio

Nagorno-Karabakh

Na primeira nação cristã do mundo, está a acontecer o segundo genocídio novidade

Não é algo que se costume referir quando se fala da Arménia, mas sem dúvida que é uma informação importante para compreender o que se passa no enclave de Nagorno-Karabakh (internacionalmente reconhecido como parte do Azerbaijão, mas governado de facto por arménios desde o colapso da União Soviética): trata-se da primeira nação do mundo a ter adotado o cristianismo como religião de Estado, no início do século IV. E o enclave, ao qual os habitantes locais chamam Artsakh, é o território ancestral de 120 mil pessoas, dos quais 98% são arménios cristãos, e lar de inúmeras igrejas e mosteiros que estão entre os mais antigos do mundo.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

 

Vaticano anuncia

Escolhidos os temas das próximas JMJ “locais” novidade

“Alegres na esperança” (cf. Rm 12, 12) e “Aqueles que esperam no Senhor caminham sem se cansar” (cf. Is 40, 31) são os temas escolhidos pelo Papa Francisco para as duas Jornadas Mundiais da Juventude (JMJ) que serão celebradas nas Igrejas particulares em 2023 e 2024, por ocasião da solenidade de Cristo Rei. O anúncio foi feito esta terça-feira, 26 de setembro, pelo Dicastério para os Leigos, a Família e a Vida, e divulgado pelo Vatican News.

O 7MARGENS no Sínodo católico em Roma

Editorial

O 7MARGENS no Sínodo católico em Roma novidade

Houve quem já comparasse a importância da assembleia sinodal da Igreja Católica, que na próxima quarta-feira, 4, se inicia em Roma, à que teve o II Concílio do Vaticano (1962-65): tal como então, estamos diante de uma assembleia magna que pretende traçar um diagnóstico do actual estado da Igreja e apontar caminhos de futuro ao nível da comunhão, participação e missão.

Servir sociedades destroçadas

Que espero do Sínodo católico? (2)

Servir sociedades destroçadas novidade

Espero que esta Assembleia-Geral seja um sinal de grande abertura para continuarmos a caminhar juntos. Que seja uma etapa de onde saiam um renovado entusiasmo e novos desafios para mais um ano de encontros, reflexão, propostas e concretizações por parte de grupos de católicos em todo o mundo. Que seja um momento de espanto para crentes e não crentes: “tanta coisa os separa, tantas opiniões opostas, tantos modos diferentes de expressar a fé e, no entanto… tanta vontade, tanto gosto, tanta certeza em permanecerem juntos”.

Pontes para o divino- Calendário Litúrgico Ortodoxo

Pontes para o divino- Calendário Litúrgico Ortodoxo novidade

No Cristianismo o calendário litúrgico é uma importante ferramenta para organizar e estruturar os eventos e celebrações religiosas ao longo do ano, com base em acontecimentos significativos dos Evangelhos, dos santos e da história das igrejas locais e universais. Na ortodoxia o ano litúrgico inicia-se a 1 de Setembro, tendo como primeira festa, a 8 do mesmo mês, a Natividade da Virgem Maria (Esta comemoração é como uma fonte para celebrar todas as festas do Senhor abrindo a história do Evangelho – Metropolita Epifânio).

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This