"A história repete-se"

Papa compara guerra na Ucrânia ao extermínio de judeus na Polónia

| 7 Dez 2022

papa Francisco em audiencia geral, foto Vatican Media

Ao saudar os peregrinos de língua polaca presentes na Aula Paulo VI, Francisco recordou o 80º aniversário da “Operação Reinhard”. Foto © Vatican Media.

 

O Papa comparou, no final da audiência geral desta quarta-feira, 7 de dezembro, o que está a acontecer na Ucrânia com o que se passou há 80 anos na Polónia, com o extermínio de milhares de judeus pelos nazis.

Ao saudar os peregrinos de língua polaca presentes na Aula Paulo VI, e na presença do presidente da Câmara de Lviv, Andrii Sadovy, acompanhado de um grupo de pessoas que trabalham no centro de reabilitação Unbroken para vítimas de guerra na Ucrânia, Francisco recordou o 80º aniversário do plano secreto que os nazis lançaram na II Guerra Mundial para exterminar os judeus polacos, conhecido como “Operação Reinhard”. “A História repete-se, vemos o que está a acontecer agora na Ucrânia”, afirmou.

Francisco concluiu depois a audiência pedindo à Virgem da Imaculada, cuja solenidade se celebra esta quinta-feira, que “dê conforto a todos os afetados pela brutalidade da guerra” e “especialmente à martirizada Ucrânia”, além de exortar os fiéis a rezar pelo povo ucraniano “martirizado” e “tão sofrido”.

Já na audiência do passado dia 23 de novembro, o Papa havia relacionado o sofrimento atual dos ucranianos com o “genocídio causado por Estaline” nos anos 30, conhecido como Holodomor, em que o ditador soviético foi acusado de causar fome na Ucrânia, o que terá vitimado mais de 3 milhões de pessoas.

 

“Uma encíclica sobre a paz na Ucrânia”

papa francisco livro uma enciclica sobre a paz na ucrania

A obra está disponível online, para já apenas em italiano, e conta com uma introdução escrita pelo Papa.

A propósito da posição de Francisco relativamente à guerra na Ucrânia, foi lançado esta terça-feira, 6 de dezembro, em Itália, um livro que reúne as suas intervenções sobre o conflito. Intitulada “Uma encíclica sobre a paz na Ucrânia”, a obra está disponível online, para já apenas em italiano, e conta com uma introdução escrita pelo Papa e traduzida pelo Vatican News para língua portuguesa.

Nesse texto, inédito, Francisco critica a “indiferença cobarde” de quem poderia intervir a favor da paz e questiona: “Quantas tragédias ainda teremos de testemunhar antes que todos os envolvidos em cada guerra compreendam que esta é apenas uma estrada de morte, que ilude apenas alguns a acreditarem que são os vencedores?”

O texto reforça a rejeição de uma “guerra santa” e de qualquer justificação religiosa para os conflitos. “Os horrores da guerra, de toda a guerra, ofendem o santíssimo nome de Deus. E ofendem-no ainda mais quando o seu nome é abusado para justificar tal indizível massacre”, pode ler-se.

E deixa ainda um alerta: “Não devemos, por nenhuma razão no mundo, acostumar-nos a isto, quase tomando como certa esta terceira guerra mundial em pedaços que se tornou, diante de nossos olhos, uma guerra mundial total”.

 

Sínodo, agora, é em Roma… que aqui já acabou

Sínodo, agora, é em Roma… que aqui já acabou novidade

Em que vai, afinal, desembocar o esforço reformador do atual Papa, sobretudo com o processo sinodal que lançou em 2021? Que se pode esperar daquela que já foi considerada a maior auscultação de pessoas alguma vez feita à escala do planeta? – A reflexão de Manuel Pinto, para ler no À Margem desta semana

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Nada se perde: um antigo colégio dos Salesianos é o novo centro de acolhimento do Serviço Jesuíta aos Refugiados

Inaugurado em Vendas Novas

Nada se perde: um antigo colégio dos Salesianos é o novo centro de acolhimento do Serviço Jesuíta aos Refugiados novidade

O apelo foi feito pelo Papa Francisco: utilizar os espaços da Igreja Católica devolutos ou sem uso para respostas humanitárias. Os Salesianos e os Jesuítas em Portugal aceitaram o desafio e, do antigo colégio de uns, nasceu o novo centro de acolhimento de emergência para refugiados de outros. Fica em Vendas Novas, tem capacidade para 120 pessoas, e promete ser amigo das famílias, do ambiente, e da comunidade em que se insere.

Bispos católicos de França apelam à fraternidade e justiça, mas não se demarcam da extrema-direita

Com as eleições no horizonte

Bispos católicos de França apelam à fraternidade e justiça, mas não se demarcam da extrema-direita novidade

O conselho permanente dos bispos da Igreja Católica de França considera, num comunicado divulgado esta quinta-feira, 20 de junho, que o resultado das recentes eleições europeias, que deram a vitória à extrema-direita, “é mais um sintoma de uma sociedade ansiosa, dividida e em sofrimento”. Neste contexto, e em vésperas dos atos eleitorais para a Assembleia Nacional, apresentaram uma oração que deverá ser rezada por todas as comunidades nestes próximos dias.

“Precisamos de trabalhar num projeto de sociedade que privilegie a ativação da esperança”

Tolentino recebeu Prémio Pessoa

“Precisamos de trabalhar num projeto de sociedade que privilegie a ativação da esperança” novidade

Na cerimónia em que recebeu o Prémio Pessoa 2023 – que decorreu esta quarta-feira, 19 de junho, na Culturgest, em Lisboa – o cardeal Tolentino Mendonça falou daquela que considera ser “talvez a construção mais extraordinária do nosso tempo”: a “ampliação da esperança de vida”. Mas deixou um alerta: “não basta alongar a esperança de vida, precisamos de trabalhar num projeto de sociedade que privilegie a ativação da esperança e a deseje fraternamente repartida, acessível a todos, protagonizada por todos”.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This