Discurso de Natal

Papa: Cúria Romana deve “viver com transparência, sem favoritismos”

| 24 Dez 2021

Papa no seu discurso de Natal. Foto © Vatican News/Facebook

 

No tradicional discurso de Natal à Cúria Romana, o Papa Francisco desafiou esta quinta-feira os colaboradores da Cúria Romana a serem os primeiros disponíveis para se converterem “à sobriedade” e a procurarem “viver com transparência, sem favoritismos nem partidarismos”.

“Se a Igreja percorre o caminho da sinodalidade, nós devemos ser os primeiros a converter-nos a um estilo diferente de trabalho, colaboração, comunhão. E isto só é possível pelo caminho da humildade”, acrescentou.

A Cúria Romana “não é apenas um instrumento logístico e burocrático”, deve antes promover um “estilo diferente de trabalho” onde a experiência sinodal “deve começar”, apontou o Papa.

Para o bispo de Roma, citado pela Agência Ecclesia, “a sinodalidade é um estilo, ao qual, os primeiros a converter-se, devemos ser nós que estamos aqui e vivemos a experiência do serviço à Igreja universal através do trabalho na Cúria Romana”.

No encontro de Natal da Cúria Romana, Francisco disse que a humildade é a palavra que expressa “todo o mistério do Natal” e a condição para dar seguimento ao percurso sinodal iniciado a 17 de outubro, e que vai decorrer durante os próximos dois anos, com o propósito de ouvir “todos, para dialogar e discernir” .

“O Sínodo é a experiência de nos sentirmos, todos, membros de um conjunto maior”, sublinhou o Papa, acrescentando que “todos” “não é palavra que se preste a equívocos” e lembrando que o clericalismo é uma “tentação” que “insinua diariamente” as estruturas eclesiais e “faz pensar num Deus que fala apenas a alguns, enquanto os outros devem apenas escutar e cumprir”.

Francisco lembrou que a Cúria Romana não é apenas “um instrumento logístico e burocrático para as necessidades da Igreja universal”, antes “o primeiro organismo chamado a dar testemunho”.

“Na medida em que assume pessoalmente os desafios da conversão sinodal a que é chamada também ela, cresce a sua credibilidade e eficácia. A organização que devemos implementar não é de tipo empresarial, mas evangélico”, disse o Papa.

«Não deixar ninguém sem trabalho» no Vaticano

Aos funcionários da Santa Sé e do governatorato da cidade, também citado pela Ecclesia, o Papa disse que o Vaticano mantém “o compromisso de não deixar ninguém sem trabalho”.

“É claro que administrar o período de fechamento não foi fácil. Espero que soluções satisfatórias possam ser encontradas através do diálogo, procurando o encontro, sempre respeitando os direitos dos trabalhadores e o bem comum”, explicou Francisco, esta manhã, no auditório Paulo V, no Vaticano.

 

Papa Francisco no Congo: A ousadia de mostrar ao mundo o que o mundo não quer ver

40ª viagem apostólica

Papa Francisco no Congo: A ousadia de mostrar ao mundo o que o mundo não quer ver novidade

O Papa acaba de embarcar naquela que tem sido descrita como uma das viagens mais ousadas do seu pontificado, mas cujos riscos associados não foram motivo suficiente para que abdicasse de a fazer. Apesar dos problemas de saúde que o obrigaram a adiá-la, Francisco insistiu sempre que queria ir à República Democrática do Congo e ao Sudão do Sul. Mais do que uma viagem, esta é uma missão de paz. E no Congo, em particular, onde os conflitos já custaram a vida de mais de seis milhões de pessoas e cuja região leste tem sido atingida por uma violência sem precedentes, a presença do Papa será determinante para mostrar a toda a comunidade internacional aquilo que ela parece não querer ver.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

 

Normas inconstitucionais

Eutanásia: CEP e Federação Portuguesa pela Vida saúdam decisão do TC novidade

O secretário da Conferência Episcopal Portuguesa (CEP) saudou a decisão do Tribunal Constitucional (TC), que declarou inconstitucionais algumas das normas do decreto sobre a legalização da eutanásia. “A decisão do TC vai ao encontro do posicionamento da CEP, que sempre tem afirmado a inconstitucionalidade de qualquer iniciativa legislativa que ponha em causa a vida, nomeadamente a despenalização da eutanásia e do suicídio assistido”, disse à agência Ecclesia o padre Manuel Barbosa.

Eutanásia: CEP e Federação Portuguesa pela Vida saúdam decisão do TC

Normas inconstitucionais

Eutanásia: CEP e Federação Portuguesa pela Vida saúdam decisão do TC novidade

O secretário da Conferência Episcopal Portuguesa (CEP) saudou a decisão do Tribunal Constitucional (TC), que declarou inconstitucionais algumas das normas do decreto sobre a legalização da eutanásia. “A decisão do TC vai ao encontro do posicionamento da CEP, que sempre tem afirmado a inconstitucionalidade de qualquer iniciativa legislativa que ponha em causa a vida, nomeadamente a despenalização da eutanásia e do suicídio assistido”, disse à agência Ecclesia o padre Manuel Barbosa.

Debate: Deficiência, dignidade e realização humana

Debate: Deficiência, dignidade e realização humana novidade

Quando ambos falamos de realização humana, talvez estejamos a referir-nos a coisas diferentes. Decerto que uma pessoa com deficiência pode ser feliz, se for amada e tiver ao seu alcance um ambiente propício à atribuição de sentido para a sua existência. No entanto, isso não exclui o facto da deficiência ser uma inegável limitação a algumas capacidades que se espera que todos os seres humanos tenham (e aqui não falo de deficiência no sentido da nossa imperfeição geral).

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This