Papa defende “uma lei de união civil” para os homossexuais

| 22 Out 20

Num documentário, o Papa manifesta abertura às uniões civis de homossexuais. Já o fizera noutras ocasiões, mas agora fica dito de forma mais clara. Francisco insiste na ideia do acolhimento das pessoas como a mais importante, mas estas afirmações serão um indício de que pretende pelo menos o debate no interior da Igreja? Ou quer mesmo levar à mudança do pensamento católico oficial sobre o tema?…

Homofobia. Homossexualidade

Manifestação em Estrasburgo, em Janeiro de 2013: “Perante a homofobia, Jesus grita”, diz o cartaz. Foto © Claude Truong-Ngoc/WikiCommons

 

“Os homossexuais têm o direito a ter uma família. Eles são filhos de Deus. O que temos de ter é uma lei de união civil. Assim beneficiam de proteção legal. Eu defendi isso.”

A afirmação do Papa Francisco espalhou-se rapidamente na tarde desta quarta-feira, 21, depois da exibição do documentário Francesco, do realizador Evgeny Afineevsky, que estreou no Festival de Cinema de Roma, e será exibido nesta quinta nos Jardins do Vaticano, para receber o 18º prémio Kinéo.

O filme, de acordo com as agências internacionais reproduzidas em vários média, aborda diversos temas que têm sido objecto de tomadas de posição do Papa, como o ambiente, a pobreza, as migrações, a desigualdade racial e a discriminação.

“Ninguém deve ser expulso de casa ou obrigado a sentir-se miserável por causa disso”, diz ainda Francisco no documentário.

Mesmo se não é a primeira vez que o Papa Francisco abre esta porta, é a primeira que o faz de forma tão clara. Em Março de 2014, em entrevista ao Corriere della Sera, o Papa afirmou que é preciso analisar caso a caso as uniões civis para casais homossexuais, embora afirmando que “o casamento é entre um homem e uma mulher”. Na semana seguinte, o cardeal Timothy Dolan, arcebispo de Nova Iorque, confirmou a vontade de Francisco de estudar as uniões homossexuais e os motivos que têm levado vários países a legislar sobre o tema.

 

Um diálogo com Dominique Wolton
papa francisco. dominique wolton

O Papa Francisco com o sociólogo francês Dominique Wolton, durante as suas conversas publicadas no livro Um Futuro de Fé. Foto: Direitos reservados

 

Em 2017, no livro de conversas com o sociólogo francês Dominique Wolton, Um Futuro de Fé (ed. Planeta), o Papa argentino também admite essa possibilidade. O diálogo sobre o tema é o seguinte:

Papa Francisco: Não gostaria que se confundisse a minha posição em relação à atitude face às pessoas homossexuais com a questão da teoria do género.

Dominique Wolton: Sim, é evidente. A diferença é essencial! É possível que a ‘união civil’ fosse suficiente. Mas há, neste momento, uma aspiração à legitimidade por parte da comunidade homossexual. Uma necessidade de ultrapassar séculos de domínio e exclusão. No fundo, de os legitimar, mesmo que isso se pareça com uma ideologia da igualdade.

Papa Francisco: Sim, é uma ideologia.

Dominique Wolton: Mas é compreensível que exista, depois de tantos séculos de desprezo, de culpabilização e de repressão! Na verdade, há muitos homossexuais que não são necessariamente favoráveis ao ‘casamento’. Alguns preferem a união civil. Tudo isso é complicado. Para lá da ideologia da igualdade, há também, na palavra ‘casamento’ uma procura de reconhecimento.

Papa Francisco: Mas não é um casamento, é uma união civil. ‘Não há outro meio’, deixemos estar assim…” (p. 241)

Do diálogo tido, Wolton também concluía, como disse em Madrid, em Março de 2018, que para o Papa as uniões civis eram possíveis.

 

A mesma posição de base há anos

Enquanto arcebispo de Buenos Aires, o então cardeal Jorge Mario Bergoglio também falara do assunto no contexto do debate sobre as uniões do mesmo sexo na Argentina. A sua posição da época – estávamos em 2009/2010 –, apresentava já muitas das linhas do que ele tem dito enquanto Papa.

No livro Sobre o Céu e a Terra (ed. Clube do Autor), em que se registam diálogos com o rabi judeu Abraham Skorka, Bergoglio diz que há que respeitar as pessoas homossexuais na sua vida privada, as instituições religiosas não as devem perseguir espiritualmente e o carácter do matrimónio deve ser preservado independentemente da legislação sobre as uniões civis.

Se é perceptível, agora, alguma evolução sobre o tema, na clareza com que admite a possibilidade de união civil, com a sua afirmação no documentário – “O que temos de ter é uma lei da união civil” – Francisco dá a entender que mantém, ao mesmo tempo, a sua opção de distinguir o matrimónio/casamento, de um lado, e as uniões civis homossexuais, do outro.

Com as afirmações no documentário, Francisco contraria, entretanto, duas posições anteriores do magistério católico. Em Junho de 2003, o então cardeal Joseph Ratzinger, que seria eleito dois anos depois como Papa, era prefeito da Congregação para a Doutrina da Fé e publicou a carta Considerações sobre os projectos de reconhecimento legal das uniões entre pessoas homossexuais.

No documento, escrevia ele que “as legislações que favorecem as uniões homossexuais são contrárias à recta razão, porque dão à união entre duas pessoas do mesmo sexo garantias jurídicas análogas às da instituição matrimonial”. Por isso, “o Estado não pode legalizar tais uniões sem faltar ao seu dever de promover e tutelar uma instituição essencial ao bem comum, como é o matrimónio”. E acrescentava: “Em presença do reconhecimento legal das uniões homossexuais ou da equiparação legal das mesmas ao matrimónio, com acesso aos direitos próprios deste último, é um dever opor-se-lhe de modo claro e incisivo. Há que abster-se de qualquer forma de cooperação formal na promulgação ou aplicação de leis tão gravemente injustas e, na medida do possível, abster-se também da cooperação material no plano da aplicação. Nesta matéria, cada qual pode reivindicar o direito à objecção de consciência.”

Já em Março de 2016, na sequência das duas assembleias do Sínodo dos Bispos sobre a família, Francisco publicou a exortação Amoris Laetitia (“A Alegria do Amor”), na qual registava o que se passara nos debates, embora sem avançar, neste caso, com a sua doutrina acerca do tema: “No decurso dos debates sobre a dignidade e a missão da família, os Padres sinodais anotaram, quanto aos projectos de equiparação ao matrimónio das uniões entre pessoas homossexuais, que não existe fundamento algum para assimilar ou estabelecer analogias, nem sequer remotas, entre as uniões homossexuais e o desígnio de Deus sobre o matrimónio e a família.”

Aliás, no Sínodo de 2015, o parágrafo sobre o acolhimento de homossexuais nas comunidades foi um dos dois –o outro foi sobre a comunhão dos divorciados recasados – que não teve a maioria de dois terços necessária para a aprovação.

 

Acolhimento e encorajamento

cartaz do filme Francesco, de

Cartaz do filme Francesco, de Evgeny Afineevsky.

 

Do que fica dito, depreende-se que, para o Papa, o que está em causa é o reconhecimento de um estatuto legal e jurídico diferenciado entre o matrimónio/casamento e as uniões civis entre pessoas do mesmo sexo. Mas as afirmações do documentário indiciam também que o Papa pode querer pelo menos debater o tema no interior da Igreja e levar a uma mudança na posição oficial sobre a matéria.

Mesmo sabendo que há resistências a isso da parte de muitos membros da hierarquia, também é claro que cada vez mais bispos ou cardeais defendem mesmo a possibilidade de bênçãos religiosas às uniões do mesmo sexo. Nos Estados Unidos ou na Alemanha, por exemplo, há quem defenda essa opção, como o 7MARGENS já noticiou em várias ocasiões.

No documentário, conta a Renascença, um dos momentos mais comoventes do filme é o do telefonema de Francisco a um casal homossexual que cuida de três filhos pequenos, em resposta a uma carta deles lamentando a falta de acolhimento na paróquia católica.

O conselho de Bergoglio a Rubera, o membro do casal com quem o Papa falou, foi que levasse as crianças à paróquia, em qualquer caso, independentemente de quaisquer julgamentos, ainda segundo a mesma fonte. Rubera acrescenta no filme que a decisão foi acima de tudo benéfica para os menores e que, na conversa tida, o Papa não fez qualquer comentário sobre a sua decisão de viver com outro homem. “Ele não disse qual era a sua posição sobre a minha família. Provavelmente segue a doutrina em relação a isso”, afirma, elogiando Francisco, contudo, pelo acolhimento manifestado e pelo encorajamento dado.

Nos últimos anos, aliás, Francisco teve vários gestos do género em relação a casais homossexuais. Com eles deu sequência à sua pergunta, no voo de regresso do Rio de Janeiro, logo em 2013, pouco depois da sua eleição: “Quem sou eu para julgar?” os gays, perguntou.

 

Imagens “de grande impacto”

Papa Francisco, durante a Oração pela Humanidade, na Praça de São Pedro.

O Papa Francisco, durante a Oração pela Humanidade em Março, na Praça de São Pedro. Foto da transmissão vídeo do Vatican Media.

 

O documentário de Evgeny Afineevsky, realizador russo nascido em Kazan em 1972, mas a viver nos Estados Unidos, inclui entrevistas com o Papa e o seu antecessor, Joseph Ratzinger, além de familiares de Bergoglio e outros depoimentos. Os temas abordados, noticia o Vatican News, abrangem os desafios contemporâneos mais urgentes a precisar de resposta e a missão da Igreja em dar atenção aos que sofrem injustiças.

Afineevsky, que teve o seu filme Winter on Fire: Ukraine’s Fight for Freedom (Inverno em Chamas: A Luta da Ucrânia pela Liberdade) nomeado para o Óscar de Melhor documentário em longa metragem em 2016, concluiu as filmagens de Francesco em Junho, já em plena pandemia de covid-19. Outro filme do realizador, Cries from Syria (“Gritos da Síria”), teve, em 2018, três nomeações para os prémios Emmy.

Diz ainda o Vatican News que são “de grande impacto” as imagens usadas em Francesco acerca de temas como a pandemia, o racismo, os abusos sexuais na Igreja, a guerra na Síria e na Ucrânia ou a perseguição dos muçulmanos rohingya. E o Papa responde a perguntas “com sabedoria e generosidade” e partilha “exemplos comoventes das suas lições de vida”, relançando ideais que “nos podem ajudar a construir uma ponte para um futuro melhor e a crescer como comunidade global“.

O Prémio Kinéo Cinema para a Humanidade, que esta quinta-feira será entregue ao realizador, é atribuído a obras que promovem temas sociais e humanitários. Este ano, informa o Vatican News, será entregue pessoalmente por Rosetta Sannelli, a criadora do galardão, que destaca o valor histórico do filme: “Cada uma das viagens do Papa Francisco a várias partes do mundo está documentada no trabalho de Afineevsky através de imagens e filmagens de notícias, e revela um autêntico vislumbre dos acontecimentos do nosso tempo.”

Continuar a ler...

 

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

Posição de Biden a favor do aborto legal faz sentir bispos dos EUA numa “situação difícil”

As posições do Presidente eleito dos EUA, Joe Biden, sobre imigração, ajuda aos refugiados, justiça racial, pena de morte e alterações climáticas dão aos bispos católicos do país “razões para acreditar que a sua fé o levará a apoiar algumas boas medidas”, de acordo com o presidente da Conferência dos Bispos Católicos dos Estados Unidos (USCCB, na sigla em inglês). Mas o episcopado está de tal modo preocupado com as posições do segundo Presidente católico do país sobre o aborto legal que decidiu criar um grupo de trabalho para tratar o tema. 

Jovens portugueses recebem símbolos da JMJ

Uma dezena de jovens portugueses estarão no Vaticano, no próximo domingo, 22 de Novembro, dia em que a Igreja Católica celebra a liturgia de Cristo Rei, para receber os símbolos da Jornada Mundial da Juventude (JMJ): a cruz peregrina e o ícone de Nossa Senhora Salus Populi Romani – informou o comité local da JMJ.

Rita Valadas nomeada como nova presidente da Cáritas Portuguesa

A Conferência Episcopal Portuguesa (CEP) nomeou neste sábado, 14 de Novembro, uma nova presidente para a Cáritas Portuguesa: Rita Valadas, que já integrou a direcção da instituição num dos últimos mandatos, sucede no cargo a Eugénio Fonseca, anunciou a CEP no final da sua assembleia plenária, que decorreu em Fátima desde quarta-feira.

Inscreva-se aqui
e receba as nossas notícias

Boas notícias

Dia Mundial dos Pobres: Vaticano oferece testes de covid-19 a sem-abrigo e distribui 5 mil cabazes de alimentos

Dia Mundial dos Pobres: Vaticano oferece testes de covid-19 a sem-abrigo e distribui 5 mil cabazes de alimentos

O Dia Mundial dos Pobres deste ano será assinalado, no próximo domingo, 15 de novembro: o Papa celebrará missa com um grupo de 100 pessoas na Basílica de São Pedro, serão oferecidos testes de covid-19 nas instituições do Vaticano que apoiam a população carenciada, e distribuídos cinco mil cabazes de alimentos para ajudar famílias em 60 paróquias de Roma.

É notícia

Como acompanhar A Economia de Francesco

O encontro A Economia de Francesco, que junta em videoconferência cerca de 2000 jovens, entre esta quinta-feira e sábado próximos, pode ser acompanhado no canal YouTube da iniciativa. O encontro começa às 13h (hora de Lisboa), com um curto filme com o título Ouvi o grito dos pobres para transformar a terra, preparado pelo movimento ATD Quarto Mundo.

O Papa mandará condolências pela morte do cardeal acusado de abusos?

Com 30 horas de diferença, entre os dias 15 e 16, morreram dois cardeais idosos e doentes: o equatoriano Eduardo Vela e o polaco Henryk Gulbinowicz. Nesta terça-feira, o Papa Francisco enviou à Igreja e ao povo do Equador um telegrama de condolências, mas até final da tarde do mesmo dia não fizera o mesmo com o antigo bispo polaco de Breslávia (Wroclaw).

Biden aumenta limite de refugiados nos EUA de 15 mil para 125 mil

O Presidente eleito dos EUA, Joe Biden, anunciou que irá aumentar exponencialmente o número limite de entradas de refugiados no país. Os 15 mil estabelecidos por Donald Trump para o ano de 2021 (que correspondiam ao número mais baixo de sempre) passarão a 125 mil, assegurou Biden numa mensagem de vídeo dirigida ao Serviço Jesuíta para os Refugiados, que assinalou na passada quinta-feira, 12 de novembro, o seu 40º aniversário.

Milhares de católicos manifestaram-se em França pelo regresso das missas

Bordéus, Nantes, Nice, Marselha, Toulouse, Versalhes. Estas foram apenas algumas das cidades francesas nas quais milhares de católicos saíram à rua na manhã deste domingo, 15 de novembro, para protestar contra a suspensão das missas durante o segundo período de confinamento decretado pelo Governo. Nessa mesma tarde, o primeiro ministro, Jean Castex, agendou um encontro com os líderes religiosos para esta segunda-feira, durante o qual informou que as celebrações públicas não serão retomadas antes do dia 1 de dezembro.

Entre margens

Bater o coração com novas músicas de Abril novidade

Sempre sonhei acordada: como seria se eu tivesse nascido e vivido antes do 25 de Abril? O que faria, que personagem era, quem seria eu dentro de um estado onde parte das minhas liberdades, direitos e garantias eram reduzidos ou inexistentes, se não tivesse a liberdade de conversar com quem eu queria, sobre o que queria? Ou ouvir qualquer tipo de música que me agrada e me faz pensar, ler os livros que bem entendo, dar a minha opinião acerca do que me rodeia?

Gonçalo – o jardineiro de Deus

Gonçalo Ribeiro Telles foi um católico inconformista e determinado. Subscreveu em 1959 e 1965 três importantes documentos de católicos em denúncia da ausência de liberdade, da censura, e da repressão, arcando com as consequências de uma tal ousadia. Os textos de 1959 intitulavam-se significativamente: “As relações entre a Igreja e o Estado e a liberdade dos católicos” e “Carta a Salazar sobre os serviços de repressão do regime”; ambos tinham como primeiros subscritores os Padres Abel Varzim e Adriano Botelho.

Ignorância útil

A disciplina de Cidadania e Desenvolvimento está nas escolas portuguesas desde 2018. No entanto, foi há cerca de dois meses que se levantou uma grande polémica em relação à obrigatoriedade da mesma, colocando em causa o papel do Estado na educação de matérias da responsabilidade educativa das famílias, tais como a Educação para os Direitos Humanos, a Educação Rodoviária, a Educação para a Igualdade de Género, a Educação Financeira, entre outras. 

Cultura e artes

Biblioteca Apostólica do Vaticano dedica Agenda de 2021 à “mulher e os livros”

“Não é possível fazer a história da Biblioteca dos Papas sem iluminar o contributo das mulheres”, escreve o cardeal português José Tolentino Mendonça, bibliotecário da Santa Sé, na apresentação da nova Agenda 2021 da Biblioteca Apostólica Vaticana, dedicada ao tema “A mulher e os livros. A mulher como construtora e guardiã das bibliotecas no tempo”.

Bonhoeffer, teólogo e resistente ao nazismo

O autor desta obra, escritor e historiador italiano, descreve pormenorizadamente o processo espiritual de um homem religioso do luteranismo alemão, Dietrich Bonhoeffer (1906-1945). Viveu na trágica situação da Europa antes da II Guerra Mundial, a ascensão do nazismo e do racismo anti-semita que colocou como objectivo final o extermínio total dos judeus: cerca de seis milhões de judeus foram massacrados; ciganos sinti e rom – entre 250 a 500 mil, além de muitos milhares de outros homens e mulheres.

O Espírito surpreende-nos

Este livro não tem índice. Não tem nem precisa. Seria redundante. É uma coleção de diários. Todos os dias, de 24 de março a 29 de maio. Um exercício de diálogo com a Palavra, com os acontecimentos do dia – dos mais próximos e pessoais, aos mais longínquos e de todos conhecidos –, com as inquietações, as esperanças e as alegrias de cada dia.

Sete Partidas

A geração perdida de Aberfan

Infelizmente, para muitos galeses, outubro no seu país significa também relembrar o desastre de Aberfan. Aberfan é uma terra dos vales galeses como qualquer outra: uma série de casas e estabelecimentos que se encontram entre duas montanhas com o ocasional rio a separá-las. Tem um parque, supermercado, pub, correios e cemitério. No dia 21 de outubro de 1966, o cemitério de Aberfan acolheu mais vidas do que merecia.

Aquele que habita os céus sorri

Agenda

Parceiros

Fale connosco