Papa deixa Moçambique: pela reconciliação, contra a corrupção e o regresso às armas

| 7 Set 19 | Cristianismo - Homepage, Igreja Católica, Newsletter, Papa Francisco, Últimas

O Papa na missa no estádio do Zimpeto, em Maputo. Foto: ReligionDigital/Direitos Reservados

 

Uma vigorosa denúncia da corrupção e novos apelos à reconciliação nacional, contra qualquer tentação de “vingança” pela força das armas marcaram a manhã de sexta-feira, última etapa da visita do Papa Francisco a Moçambique, antes da sua partida para Madagáscar, onde foi de novo recebido por uma multidão entusiasta.

Na missa que celebrou no estádio do Zimpeto, antes de deixar Maputo, o Papa referiu-se à pobreza e à corrupção que dela se aproveita, aproveitando a ajuda externa: “Moçambique possui um território cheio de riquezas naturais e culturais, mas paradoxalmente com uma quantidade enorme da sua população abaixo do nível de pobreza. E por vezes parece que aqueles que se aproximam com o suposto desejo de ajudar, têm outros interesses. E é triste quando isto se verifica entre irmãos da mesma terra, que se deixam corromper; é muito perigoso aceitar que a corrupção seja o preço que temos de pagar pela ajuda externa.”

Numa missa celebrada debaixo de chuva e perante uma multidão calculada em cerca de 80 mil pessoas, Francisco pediu que os moçambicanos ultrapassem as “histórias de violência, ódio e discórdias” que viveram nas últimas décadas, desde a independência em 1975. E voltou a repetir, como fizera no dia anterior, que a paz não é apenas a ausência de guerra, mas precisa de condições concretas: “Superar os tempos de divisão e violência supõe não só um acto de reconciliação ou a paz entendida como ausência de conflito, mas o compromisso diário de cada um de nós ter um olhar atento e activo que nos leva a tratar os outros com aquela misericórdia e bondade com que queremos ser tratados.”

Os alertas dirigiram-se a todos os sectores. Um mês depois da assinatura do (terceiro) “Acordo de paz definitiva”, e operante as ameaças de alguns dissidentes da Renamo (principal partido de oposição) voltarem a pegar em armas, o Papa disse que não se pode pensar no futuro recorrendo às “armas e à repressão violenta”. E acrescentou: “Não posso seguir Jesus, se a ordem que promovo e vivo é ‘olho por olho, dente por dente’. Nenhuma família, nenhum grupo de vizinhos ou uma etnia e menos ainda um país tem futuro, se o motor que os une, congrega e cobre as diferenças é a vingança e o ódio.”

 

Somos todos parte dum mesmo tronco

Antes da missa, o papa visitou o Hospital do Zimpeto, gerido pela Comunidade de Santo Egídio, grupo católico baseado em Roma, hoje presente em vários países e que esteve no centro da mediação que levou ao Acordo Geral de Paz, em Moçambique, em 1992. O hospital acolhe e trata gratuitamente doentes com sida, que é ainda um flagelo grave no país, dando prioridade às grávidas e à prevenção da transmissão da doença mãe-filho.

“A solicitude dos fiéis não pode limitar-se a uma forma de assistência – embora necessária e providencial num primeiro momento –, mas requer a atenção amiga que aprecia o outro como pessoa e procura o seu bem”, disse o Papa durante o encontro com doentes, médicos, enfermeiros e outros funcionários.

“Ouvistes aquele grito silencioso, quase inaudível, de inúmeras mulheres, de tantos que viviam envergonhados, marginalizados, julgados por todos. Por isso alargastes esta casa – onde o Senhor vive com aqueles que estão na berma da estrada – aos doentes de cancro, tuberculose e a centenas de desnutridos, sobretudo crianças e jovens”, acrescentou o Papa na mesma ocasião.

Francisco enalteceu ainda as pessoas que “transmitem esperança a muitas outras pessoas”, exemplificando com a arte local: “Como ensinam as esculturas de arte maconde, as ujamaa (família alargada, em suaíli, ou árvore da vida) com várias figuras agarradas umas às outras onde prevalece a união e a solidariedade sobre o indivíduo, devemos dar-nos conta de que somos todos parte dum mesmo tronco.”

Em Antananarivo, capital de Madagáscar, onde chegou às 16h30 locais de sexta, 6 de Setembro (mais duas horas que em Lisboa), o Papa tem à sua espera uma situação de pobreza – Madagáscar é um dos países mais pobres do mundo – e de grande instabilidade. Em declarações à agência Ecclesia, o pare dehoniano Agostinho Gonçalves diz que o povo “anseia pela paz numa situação de insegurança e violência generalizada”.

José Alfredo Caires, bispo português da diocese de Mananjary, descreve: “Estamos num país muito rico em recursos naturais, mas que vive na pobreza, eu diria na miséria.” O país não tem guerras “mas reina a corrupção em todos os sectores sociais e um banditismo galopante”, acrescenta o bispo, também em declarações à Ecclesia.

Artigos relacionados

“No tempo dividido” – Mistagogia da temporalidade na poesia de Sophia

“No tempo dividido” – Mistagogia da temporalidade na poesia de Sophia

Sophia chegou cedo. Tinha dez ou onze anos quando li O Cavaleiro da Dinamarca, cuja primeira edição data de 1964. É difícil explicar o que nos ensina cada livro que lemos. Se fechar os olhos, passados mais de 30 anos, recordo ainda que ali aprendi a condição de pe-regrino, uma qualquer deriva que não só nos conduz de Jerusalém a Veneza, como – mais profundamente – nos possibilita uma iniciação ao testemunho mudo das pedras de uma e às águas trémulas dos canais da outra, onde se refletem as leves colunas dos palácios cor-de-rosa.

Apoie o 7 Margens

Breves

Papa Francisco anuncia viagem ao Sudão do Sul em 2020 novidade

“Com a memória ainda viva do retiro espiritual para as autoridades do país, realizado no Vaticano em abril passado, desejo renovar o meu convite a todos os atores do processo político nacional para que procurem o que une e superem o que divide, em espírito de verdadeira fraternidade”, declarou o Papa Francisco, anunciando deste modo uma viagem ao Sudão do Sul no próximo ano.

Missionários constroem casa para cuidar e educar as vítimas do terramoto no Nepal

Mais de 400 crianças órfãs, pobres e com debilidades físicas vítimas do terramoto de 2015 no Nepal, residem hoje na casa de crianças Antyodaya em Parsa (centro do país). A casa, que foi construída em 13 de maio de 2017, tem o propósito “de alcançar as crianças mais desafortunadas das aldeias mais remotas, oferecendo-lhes educação e desenvolvimento pessoal”.

Inscreva-se aqui
e receba as nossas notícias

Boas notícias

É notícia

Entre margens

Manuela Silva e Sophia novidade

Há coincidências de datas cuja ocorrência nos perturbam e nos sacodem o dia-a-dia do nosso viver. Foram assim os passados dias 6 e 7 do corrente mês de Novembro. A 6 celebrou-se o centenário do nascimento de Sophia e a 7 completava-se um mês sobre a partida para Deus da Manuela Silva.

“Unicamente o vento…”

Teimosamente. A obra de Sophia ecoa. Como o vento. Como o mar. Porque “o poeta escreve para salvar a vida”. Aquela que foi. Que é. A vida num ápice. Luminosa e frágil. Do nascente ao ocaso. Para lá do poente. Celeste. Na “respiração das coisas”. No imprevisível ou na impermanência. A saborear o que tem. A usufruir do que teve. Na dor e na alegria.

Cultura e artes

Trazer Sophia para o espanto da luz

Concretizar a possibilidade de uma perspectiva não necessariamente ortodoxa sobre os “lugares da interrogação de Deus” na poesia, na arte e na literatura é a ideia principal do colóquio internacional Trazida ao Espanto da Luz, que decorre esta sexta e sábado, 8 e 9 de Novembro, no polo do Porto da Universidade Católica Portuguesa (UCP).

As mulheres grávidas e o olhar feminino sobre a crise dos refugiados

Uma nova luz sobre a história dos refugiados que chegam à Europa, evitando retratá-los como “heróis ou invasores”. Francesca Trianni, realizadora do documentário Paradise Without People (Paraíso sem pessoas, em Inglês), diz que o propósito do seu filme, a exibir nesta quinta-feira, 31 de outubro, em Lisboa, era mostrar a crise dos refugiados do ponto de vista feminino.

Sete Partidas

Visto e Ouvido

Agenda

Parceiros

Fale connosco