Papa deixa Moçambique: pela reconciliação, contra a corrupção e o regresso às armas

| 7 Set 19 | Cristianismo - Homepage, Igreja Católica, Newsletter, Papa Francisco, Últimas

O Papa na missa no estádio do Zimpeto, em Maputo. Foto: ReligionDigital/Direitos Reservados

 

Uma vigorosa denúncia da corrupção e novos apelos à reconciliação nacional, contra qualquer tentação de “vingança” pela força das armas marcaram a manhã de sexta-feira, última etapa da visita do Papa Francisco a Moçambique, antes da sua partida para Madagáscar, onde foi de novo recebido por uma multidão entusiasta.

Na missa que celebrou no estádio do Zimpeto, antes de deixar Maputo, o Papa referiu-se à pobreza e à corrupção que dela se aproveita, aproveitando a ajuda externa: “Moçambique possui um território cheio de riquezas naturais e culturais, mas paradoxalmente com uma quantidade enorme da sua população abaixo do nível de pobreza. E por vezes parece que aqueles que se aproximam com o suposto desejo de ajudar, têm outros interesses. E é triste quando isto se verifica entre irmãos da mesma terra, que se deixam corromper; é muito perigoso aceitar que a corrupção seja o preço que temos de pagar pela ajuda externa.”

Numa missa celebrada debaixo de chuva e perante uma multidão calculada em cerca de 80 mil pessoas, Francisco pediu que os moçambicanos ultrapassem as “histórias de violência, ódio e discórdias” que viveram nas últimas décadas, desde a independência em 1975. E voltou a repetir, como fizera no dia anterior, que a paz não é apenas a ausência de guerra, mas precisa de condições concretas: “Superar os tempos de divisão e violência supõe não só um acto de reconciliação ou a paz entendida como ausência de conflito, mas o compromisso diário de cada um de nós ter um olhar atento e activo que nos leva a tratar os outros com aquela misericórdia e bondade com que queremos ser tratados.”

Os alertas dirigiram-se a todos os sectores. Um mês depois da assinatura do (terceiro) “Acordo de paz definitiva”, e operante as ameaças de alguns dissidentes da Renamo (principal partido de oposição) voltarem a pegar em armas, o Papa disse que não se pode pensar no futuro recorrendo às “armas e à repressão violenta”. E acrescentou: “Não posso seguir Jesus, se a ordem que promovo e vivo é ‘olho por olho, dente por dente’. Nenhuma família, nenhum grupo de vizinhos ou uma etnia e menos ainda um país tem futuro, se o motor que os une, congrega e cobre as diferenças é a vingança e o ódio.”

 

Somos todos parte dum mesmo tronco

Antes da missa, o papa visitou o Hospital do Zimpeto, gerido pela Comunidade de Santo Egídio, grupo católico baseado em Roma, hoje presente em vários países e que esteve no centro da mediação que levou ao Acordo Geral de Paz, em Moçambique, em 1992. O hospital acolhe e trata gratuitamente doentes com sida, que é ainda um flagelo grave no país, dando prioridade às grávidas e à prevenção da transmissão da doença mãe-filho.

“A solicitude dos fiéis não pode limitar-se a uma forma de assistência – embora necessária e providencial num primeiro momento –, mas requer a atenção amiga que aprecia o outro como pessoa e procura o seu bem”, disse o Papa durante o encontro com doentes, médicos, enfermeiros e outros funcionários.

“Ouvistes aquele grito silencioso, quase inaudível, de inúmeras mulheres, de tantos que viviam envergonhados, marginalizados, julgados por todos. Por isso alargastes esta casa – onde o Senhor vive com aqueles que estão na berma da estrada – aos doentes de cancro, tuberculose e a centenas de desnutridos, sobretudo crianças e jovens”, acrescentou o Papa na mesma ocasião.

Francisco enalteceu ainda as pessoas que “transmitem esperança a muitas outras pessoas”, exemplificando com a arte local: “Como ensinam as esculturas de arte maconde, as ujamaa (família alargada, em suaíli, ou árvore da vida) com várias figuras agarradas umas às outras onde prevalece a união e a solidariedade sobre o indivíduo, devemos dar-nos conta de que somos todos parte dum mesmo tronco.”

Em Antananarivo, capital de Madagáscar, onde chegou às 16h30 locais de sexta, 6 de Setembro (mais duas horas que em Lisboa), o Papa tem à sua espera uma situação de pobreza – Madagáscar é um dos países mais pobres do mundo – e de grande instabilidade. Em declarações à agência Ecclesia, o pare dehoniano Agostinho Gonçalves diz que o povo “anseia pela paz numa situação de insegurança e violência generalizada”.

José Alfredo Caires, bispo português da diocese de Mananjary, descreve: “Estamos num país muito rico em recursos naturais, mas que vive na pobreza, eu diria na miséria.” O país não tem guerras “mas reina a corrupção em todos os sectores sociais e um banditismo galopante”, acrescenta o bispo, também em declarações à Ecclesia.

Artigos relacionados

Um ano de 7MARGENS

Um ano de 7MARGENS

Hoje, 7 de Janeiro de 2020, o 7MARGENS completa o primeiro ano de publicação. Garantir a pertinência diária de uma publicação deste tipo, única no panorama da informação religiosa, pela abrangência que marca o seu fluxo noticioso não foi tarefa fácil. Mas, com o apoio, a solidariedade, o contributo e o incentivo de muitas pessoas foi possível corresponder ao que de nós esperavam os que acreditaram neste projeto.

Apoie o 7 Margens

Breves

A mulher que pode ter autoridade sobre os bispos novidade

Francesca di Giovanni, nomeada pelo Papa para o cargo de subsecretária da Secção para as Relações com os Estados, considerou a sua escolha como “uma decisão inovadora [que] representa um sinal de atenção para com as mulheres.

Henrique Joaquim: “Assistencialismo não tira da rua as pessoas sem-abrigo”

“O assistencialismo não tira a pessoa da rua, não resolve o problema; ainda que naquela noite tenha matado a fome a uma pessoa, não a tira dessa condição”, diz o gestor da Estratégia Nacional de Integração dos Sem-abrigo, Henrique Joaquim, que esta quinta-feira, 2 de Janeiro, iniciou as suas funções.

Inscreva-se aqui
e receba as nossas notícias

Boas notícias

Do Porto a Bissau: um diário de viagem no 7MARGENS dá origem a livro

Do Porto a Bissau: um diário de viagem no 7MARGENS dá origem a livro

A viagem começou a 3 de Fevereiro, diante da Sé do Porto: “Quando estacionámos o jipe em frente à catedral do Porto, às 15h30, a aragem fria que fustigava o morro da Sé ameaçava o calor ténue do sol que desmaiava o seu brilho no Rio Douro.” Terminaria doze dias depois, em Bissau: “Esta África está a pedir, em silêncio e já há muito tempo, uma obra de aglutinação de esforços da comunidade internacional, Igreja incluída, para sair do marasmo e atonia de uma pobreza endémica que tem funestas consequências.”

É notícia

Entre margens

Cultura: novas histórias e paradigmas… novidade

“Torna-se necessária uma evangelização que ilumine os novos modos de se relacionar com Deus, com os outros e com o ambiente, e que suscite os valores fundamentais” – afirma a exortação pastoral Evangelii Gaudium. Na mesma linha em que o Papa João XXIII apelava ao reconhecimento da importância dos “sinais dos tempos”, o Papa Francisco afirmou que: “É necessário chegar aonde são concebidas as novas histórias e paradigmas, alcançar com a Palavra de Jesus os núcleos mais profundos da alma das cidades.

Um imperativo de coerência

Ao renunciar, num ato de humildade e, seguramente, após longa reflexão, Joseph Ratzinger declarou não se encontrar em condições físicas compatíveis com o exercício das funções de Papa. Após a renúncia, o colégio dos cardeais eleitores escolheu Jorge Mario Bergoglio, o atual Papa Francisco, alguém que tem procurado atender as necessidades da Igreja, ouvir os fiéis e responder às suas inquietações. Revelou-se uma feliz surpresa para a Igreja, apesar dos movimentos de contestação que surgem em várias frentes.

Esquecer Simulambuco

Como português que sou senti-me um pouco comprometido em Simulambuco, quando visitei Cabinda no mês passado. Portugal falhou aos cabindas talvez porque o que tem de ser tem muita força. É o caso do petróleo.

Cultura e artes

Que faz um homem com a sua consciência? novidade

Nem toda a gente gosta deste filme. Muitos críticos não viram nele mais do que uma obra demasiado longa, demasiado maçadora, redundante e cabotina. Como o realizador é Terrence Malick não se atreveram a excomungá-lo. Mas cortaram nas estrelas. E no entanto… é um filme de uma força absolutamente extraordinária. Absolutamente raro. Como o melhor de Mallick [A Árvore da Vida].

Sete Partidas

Guiné-Bissau: das “cicatrizes do tempo” ao renascer do povo

Este mês fui de visita à Guiné. Uma viagem de memória para quem, como eu, não tinha memórias da Guiné. Estive em Luanda ainda em criança, mas as memórias são as próprias da idade. Excepção à única em que o meu pai me bateu. Às cinco da tarde saí de casa e às dez da noite descobriram-me a assistir, divertida, ao baile no clube. Uma criança de cinco anos, branca e loura, desaparecida na Luanda dos anos 1960 não augurava coisa boa, o que gerou o pânico dos meus pais. Daí a tareia…

Visto e Ouvido

Aquele que habita os céus sorri

Agenda

Jan
21
Ter
Viagem pela Espiritualidade – Conversa com Luís Portela @ Fund. Engº António de Almeida
Jan 21@18:15_19:15

Conversa em torno do livro Da Ciência ao Amor – pelo esclarecimento espiritual, de Luís Portela, com apresentação de Guilherme d’Oliveira Martins e a participação de Isabel Ponce de Leão, Luís Carlos Amaral, Luís Miguel Bernardo, Luís Neiva Santos,
Manuel Novaes Cabral e Manuel Sobrinho Simões

Jan
23
Qui
Encontros de Santa Isabel – “Jesus, as periferias e nós” @ Escola de Hotelaria e Turismo de Lisboa
Jan 23@21:30_23:00

Conferência sobre “Periferias”, com Isabel Mota, presidente da Fundação Calouste Gulbenkian

Jan
30
Qui
Encontros de Santa Isabel – “Jesus, as periferias e nós” @ Escola de Hotelaria e Turismo de Lisboa
Jan 30@21:30_23:00

Debate sobre “Aqui e agora”, com Luís Macieira Fragoso e Maria Cortez de Lobão, presidente e vice-presidente da Cáritas Diocesana de Lisboa

Ver todas as datas

Parceiros

Fale connosco