Mensagem para o Dia Mundial da Paz

Papa desafia Humanidade a aprender com a História e caminhar em conjunto

| 16 Dez 2022

papa francisco durante audiencia, dezembro 2022, foto vatican media

“Podemos dizer que a maior lição que a covid-19 nos deixa em herança é a consciência de que todos precisamos uns dos outros”, sublinha o Papa na sua mensagem. Foto © Vatican Media.

 

O Papa desafia a Humanidade inteira a, passados três anos sobre o início da pandemia de covid-19, parar e colocar a questão: “O que é que aprendemos com esta situação?”. Na sua mensagem para o 56º Dia Mundial da Paz, que se assinala a 1 de janeiro, Francisco deixa já a sua resposta: “é juntos, na fraternidade e solidariedade, que construímos a paz, garantimos a justiça, superamos os acontecimentos mais dolorosos”.

Divulgada esta sexta-feira, 16 de dezembro, a mensagem do Papa começa com um convite inspirado na primeira Carta de São Paulo aos Tessalonicenses a “permanecer despertos, a não nos fechar no medo, na dor ou na resignação, não ceder à dissipação, nem desanimar, mas, pelo contrário, a ser como sentinelas capazes de vigiar vislumbrando as primeiras luzes da aurora, sobretudo nas horas mais escuras”.

Porque, segundo o Papa, “embora apareçam tão trágicos os acontecimentos da nossa existência sentindo-nos impelidos para o túnel obscuro e difícil da injustiça e do sofrimento, somos chamados a manter o coração aberto à esperança, confiados em Deus que Se faz presente, nos acompanha com ternura, apoia os nossos esforços e sobretudo orienta o nosso caminho”.

O caso da pandemia, que Francisco reconhece “ter transtornado inclusive as áreas mais pacíficas do nosso mundo, fazendo emergir inumeráveis fragilidades” é exemplo disso, pois trouxe consigo lições importantes. “Podemos dizer que a maior lição que a covid-19 nos deixa em herança é a consciência de que todos precisamos uns dos outros, que o nosso maior tesouro, ainda que o mais frágil, é a fraternidade humana, fundada na filiação divina comum, e que ninguém pode salvar-se sozinho”, sublinha. “De facto, as respostas mais eficazes à pandemia foram aquelas que viram grupos sociais, instituições públicas e privadas, organizações internacionais unidos para responder ao desafio, deixando de lado interesses particulares. Só a paz que nasce do amor fraterno e desinteressado nos pode ajudar a superar as crises pessoais, sociais e mundiais”, defende Francisco.

 

“O vírus da guerra é mais difícil de derrotar”

criança com badeira ucrania pintada nas maos foto olha romaniuk

A guerra na Ucrânia “juntamente com todos os outros conflitos espalhados pelo globo, representa uma derrota não apenas para as partes diretamente envolvidas mas também para a humanidade inteira”, diz Francisco. Foto © Olha Romaniuk.

 

Superado “o pior da noite da pandemia de covid-19, eis que se abateu sobre a humanidade uma nova e terrível desgraça”, assinala o Papa na sua mensagem, referindo-se à guerra na Ucrânia. “Assistimos ao aparecimento doutro flagelo – uma nova guerra – comparável em parte à covid-19 mas pilotado por opções humanas culpáveis. A guerra na Ucrânia ceifa vítimas inocentes e espalha a incerteza, não só para quantos são diretamente afetados por ela, mas de forma generalizada e indiscriminada para todos, mesmo para aqueles que, a milhares de quilómetros de distância, sofrem os seus efeitos colaterais: basta pensar nos problemas do trigo e nos preços dos combustíveis”, acrescenta.

Francisco reconhece que “não era esta, sem dúvida, a estação pós-covid que esperávamos ou por que ansiávamos” e que esta guerra, “juntamente com todos os outros conflitos espalhados pelo globo, representa uma derrota não apenas para as partes diretamente envolvidas mas também para a humanidade inteira”.

E enquanto para a covid-19 se encontrou uma vacina, “para a guerra ainda não se encontraram soluções adequadas”, lamenta, até porque “o vírus da guerra é mais difícil de derrotar do que aqueles que atingem o organismo humano, porque o primeiro não provem de fora, mas do íntimo do coração humano, corrompido pelo pecado”.

Perante este cenário, o que fazer, então? Francisco retoma a ideia inicial da sua mensagem: “não podemos continuar a pensar apenas em salvaguardar o espaço dos nossos interesses pessoais ou nacionais, mas devemos repensar-nos à luz do bem comum, com um sentido comunitário, como um ‘nós’ aberto à fraternidade universal”, insiste. Na opinião do Papa, “não se pode ignorar um dado fundamental: as variadas crises morais, sociais, políticas e económicas que estamos a viver encontram-se todas interligadas, e os problemas que consideramos como singulares, na realidade um é causa ou consequência do outro”.

Assim, deixa algumas propostas concretas: repassar o tema da garantia da saúde pública para todos; promover ações de paz para acabar com os conflitos e as guerras que continuam a gerar vítimas e pobreza; cuidar de forma concertada da nossa casa comum e implementar medidas claras e eficazes para fazer face às alterações climáticas; combater o vírus das desigualdades e garantir o alimento e um trabalho digno para todos, apoiando quantos não têm sequer um salário mínimo e passam por grandes dificuldades; desenvolver, com políticas adequadas, o acolhimento e a integração, especialmente em favor dos migrantes e daqueles que vivem como descartados nas nossas sociedades.

Tudo isto “na esperança de que, no novo ano, possamos caminhar juntos valorizando tudo o que a história nos pode ensinar”, conclui.

 

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Reunião do Conselho dos Cardeais com o Papa voltou a contar com três mulheres

Uma religiosa e duas leigas

Reunião do Conselho dos Cardeais com o Papa voltou a contar com três mulheres novidade

Pela quarta vez consecutiva, o papel das mulheres na Igreja voltou a estar no centro dos trabalhos do Papa e do seu Conselho de Cardeais – conhecido como C9 -, que se reuniu no Vaticano nos últimos dois dias, 17 e 18 de junho. Tratou-se de uma reflexão não apenas sobre as mulheres, mas com as mulheres, dado que – tal como nas reuniões anteriores – estiveram presentes três elementos femininos naquele que habitualmente era um encontro reservado aos prelados.

Liga Operária Católica apela aos trabalhadores que se sindicalizem

Reunida em Seminário Internacional

Liga Operária Católica apela aos trabalhadores que se sindicalizem novidade

“Precisamos que os sindicatos sejam mais fortes e tenham mais força nas negociações e apelamos a todos os os trabalhadores a unirem-se em volta das suas associações”. A afirmação é dos representantes da Liga Operária Católica/Movimento de Trabalhadores Cristãos (LOC/MTC), que estiveram reunidos no passado fim de semana no Museu da Central do Caldeirão, em Santarém, para o seu Seminário Internacional.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This