Dia Mundial dos Avós e dos Idosos

Papa destaca importância de quem acompanha os mais idosos e frágeis

| 25 Jul 2021

 

O Papa evoca o sofrimento dos mais velhos durante a pandemia, na mensagem para o I Dia Mundial dos Avós e dos Idosos, que a Igreja Católica vai celebrar este domingo. “A pandemia foi uma tempestade inesperada e furiosa, uma dura provação que se abateu sobre a vida de cada um, mas a nós, idosos, reservou-nos um tratamento especial, um tratamento mais duro”, escreve Francisco, de 84 anos, citado pela Ecclesia.

A mensagem, intitulada ‘Eu estou contigo todos os dias’, dirige-se na primeira pessoa aos avôs e avós de todo o mundo, num “tempo difícil”. “Muitíssimos de nós adoeceram – e muitos partiram –, viram apagar-se a vida do seu cônjuge ou dos seus entes queridos, e tantos – demasiados – viram-se forçados à solidão por um tempo muito longo, isolados”, recorda o Papa.

Francisco apresenta-se como um idoso e sublinha a importância de manter viva a fé, num momento de particular sofrimento. “Toda a Igreja está solidária contigo – ou melhor, connosco –, preocupa-se contigo, ama-te e não quer deixar-te abandonado”, refere.

O texto evoca a experiência de sofrimento de São Joaquim e Santa Ana, os pais de Maria, mãe de Jesus, para falar das “noites de insónia” de muitos idosos, “povoadas por lembranças, inquietações e anseios”. “Mesmo quando tudo parece escuro, como nestes meses de pandemia, o Senhor continua a enviar anjos para consolar a nossa solidão”, indica.

O Papa sublinha que este Dia Mundial se celebra pela primeira vez depois de “um longo isolamento e com uma retoma ainda lenta da vida social”. “Oxalá cada avô, cada idoso, cada avó, cada idosa – especialmente quem dentre vós está mais sozinho – receba a visita de um anjo”, deseja.

Francisco sustenta que os mais velhos têm um papel a desempenhar na Igreja e na sociedade, afirmando que “não existe uma idade para reformar-se da tarefa de anunciar o Evangelho, da tarefa de transmitir as tradições aos netos”. “Como sabeis, o Senhor é eterno e nunca vai para a reforma. Nunca”, acrescenta.

A mensagem considera que avós e idosos têm a missão de “salvaguardar as raízes, transmitir a fé aos jovens e cuidar dos pequeninos”. “Há necessidade de ti para se construir, na fraternidade e na amizade social, o mundo de amanhã: aquele em que viveremos – nós com os nossos filhos e netos –, quando se aplacar a tempestade”, realça.

O Papa aponta três “pilares” para esta reconstrução – “os sonhos, a memória e a oração” – em que os mais velhos têm um papel fundamental.

O texto cita Bento XVI, Papa emérito, “um idoso santo, que continua a rezar e trabalhar pela Igreja”, para referir que “a oração dos idosos pode proteger o mundo, ajudando-o talvez de modo mais incisivo do que a fadiga de tantos”.

Em janeiro deste ano, Francisco anunciou a instituição do “Dia Mundial dos Avós e dos Idosos”, que se vai assinalar anualmente no quarto domingo de julho, junto à celebração litúrgica de São Joaquim e Santa Ana (26 de julho).

 

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

“Seria grande caridade tratar do caso com urgência”

Cartas de Luiza Andaluz em livro

“Seria grande caridade tratar do caso com urgência” novidade

Preocupações com um homem que estava preso, com o funcionamento de uma oficina de costura para raparigas que não tinham trabalho, com a comida para uma casa de meninas órfãs. E também o relato pessoal de como sentiu nascer-lhe a vocação. Em várias cartas, escritas entre 1905 e 1971 e agora publicadas, Luiza Andaluz, fundadora das Servas de Nossa Senhora de Fátima, dá conta das preocupações sociais que a nortearam ao longo do seu trabalho e na definição do carisma da sua congregação.

Agenda

Fale connosco

Pin It on Pinterest

Share This