Papa e imã de Al-Azhar fazem denúncia vigorosa da miséria e do extremismo

| 5 Fev 19

Foto © Vicariato Apostólico do Sul da Arábia.

É com um convite à reconciliação e à fraternidade entre todos os crentes, entre crentes e não-crentes e entre todas as pessoas de boa vontade que termina a declaração subscrita nesta segunda-feira, 4 de Fevereiro, em Abu Dhabi (Emirados Árabes Unidos, EAU) pelo Papa Francisco e o Grande Imã da Mesquita e Universidade de Al-Azhar (Cairo), Ahmad Al-Tayyeb. Antes, há uma vigorosa denúncia das injustiças e da miséria que afectam grande parte da humanidade. A declaração, que se intitula “Documento sobre a fraternidade humana pela paz mundial e a convivência comum”, faz um apelo “a toda a consciência viva que repudia a violência aberrante e o extremismo cego” e “aos que amam os valores da tolerância e da fraternidade, promovidos e estimulados pelas religiões”.

O Papa e o Grande Imã (Al-Azhar é considerada a universidade mais prestigiada do islão sunita) querem que este gesto testemunhe “a grandeza da fé em Deus que une os corações divididos e eleva o espírito humano” e seja “um símbolo do abraço entre Oriente e Ocidente, entre Norte e Sul e entre todos os que crêem que Deus nos criou para nos conhecermos, para cooperarmos e para vivermos como irmãos que se amam”. Francisco e Ahmad Al-Tayyeb, que condenam com firmeza o terrorismo, dizem que é isto o que esperam e tentam realizar “para alcançar uma paz universal de que disfrutem todas as pessoas nesta vida”.

A declaração marcou o primeiro dia (com actos públicos, já que no domingo foi só a chegada) da visita do Papa aos EAU, que incluiu um encontro inter-religioso, no Memorial do Fundador, e um encontro privado com os membros do Conselho Muçulmano de Anciãos, na Grande Mesquita do Xeque Zayed. Nesta terça-feira, o Papa celebrou missa no Zayed Sports City, depois de realizar uma visita privada à catedral. O primeiro dia foi ainda aproveitado por Francisco, no discurso que fez no encontro inter-religioso, para condenar a crueldade das guerras, que nenhuma religião pode aceitar ou justificar, designadamente as que têm lugar no Iémen, na Síria, no Iraque e na Líbia.

Francisco e Ahmad Al-Tayyeb afirmam que as crises políticas, a injustiça e a falta de uma distribuição equitativa dos recursos naturais – “com o que apenas beneficia uma minoria de ricos, em detrimento da maioria dos povos da terra” – causaram e continuam a causar um grande número de vítimas em inúmeros países. Relativamente às crises “que conduzem à morte de milhões de crianças, reduzidas já a esqueletos humanos – a causa da pobreza e da fome –, reina um silêncio internacional inaceitável”.

O texto manifesta “a importância de reavivar o sentido religioso e a necessidade de o reanimar nos corações das novas gerações, através da educação sã e a adesão aos valores morais e ao ensino religioso adequado, para que se afrontem as tendências individualistas, egoístas, conflituosas, o radicalismo e o extremismo cego em todas as suas formas e manifestações”.

A “necessidade indispensável de reconhecer o direito das mulheres à educação, ao trabalho e ao exercício dos seus direitos políticos” é outro aspecto reclamado no documento, que pede que se trabalhe para libertar a mulher de pressões históricas e sociais contrárias aos princípios da própria fé e dignidade. Além disso, é necessário protegê-la da exploração sexual, do tratamento como uma mercadoria ou um meio de prazer, e da ganância económica”. 

Para lá dos direitos das crianças e das mulheres, Francisco e Ahmad Al-Tayyeb defendem que devem também ser protegidos os dos idosos, dos débeis, dos deficientes e dos oprimidos, uma necessidade que deve ser garantida e protegida através de legislações rigorosas e da aplicação das convenções internacionais.

A Igreja Católica e a Universidade Al-Azhar, através da cooperação conjunta, anunciam e prometem levar este Documento às autoridades, aos líderes influentes, aos religiosos de todo o mundo, às organizações regionais e internacionais competentes, às organizações da sociedade civil, às instituições religiosas e aos pensadores; e participar na difusão dos princípios desta declaração.

 

 

Breves

“Basta. Parem estas execuções”, pedem bispos dos EUA a Trump

O arcebispo Paul Coakley, responsável pelo comité de Justiça Interna e Desenvolvimento Humano na conferência episcopal dos EUA (USCCB), e o arcebispo Joseph Naumann, encarregado das ações pró-vida no mesmo organismo, assinaram esta semana um comunicado onde pedem , perentoriamente, ao presidente Donald Trump e ao procurador-geral William Barr que ponham fim às execuções dos condenados à pena de morte a nível federal, retomadas em julho após uma suspensão de quase duas décadas.

ONGs lançam atlas dos conflitos na Pan-Amazónia

Resultado do trabalho conjunto de Organizações Não Governamentais (ONGs) de quatro países, o Atlas de Conflitos Socioterritoriais Pan-Amazónico será lançado esta quarta-feira, 23 de setembro, e irá revelar os casos mais graves de violação dos direitos dos povos da região, anunciou a conferência episcopal brasileira.

Papa apoia bispos espanhóis para ajudar a resolver estatuto do Vale dos Caídos

O Papa Francisco recebeu os novos responsáveis da Conferência Episcopal Espanhola, com quem falou sobre o papel da Igreja Católica no apoio aos mais pobres e mais fragilizados pela pandemia e sobre dois temas que esta semana estarão em debate nas Cortes de Espanha: eutanásia e lei da memória histórica, com o futuro do Vale dos Caídos em questão.

Boas notícias

Sea-Watch 4 resgata 104 migrantes no Mediterrâneo

Sea-Watch 4 resgata 104 migrantes no Mediterrâneo

O Sea Watch 4 resgatou, de manhã cedo, neste domingo, 23 de Agosto, 97 pessoas que viajavam a bordo de uma lancha pneumática sobrelotada, já depois de ter salvo outras sete pessoas noutra lancha. A presença do navio desde há dias no Mediterrâneo central, é fruto da cooperação entre a Sea Watch, os Médicos Sem Fronteiras (MSF) e a Igreja Protestante alemã, que promoveu uma campanha de recolha de fundos para que ele pudesse zarpar.

Outras margens

Cultura e artes

Encarnando o irmão Luc novidade

Michael Lonsdale era, naquele final do dia, em Braga, o irmão Luc, assim dando corpo e espírito ao monge com o mesmo nome que foi assassinado na Argélia, em 1996. E é inesquecível a sua participação no filme Dos Homens e dos Deuses, que evoca a vida dos monges do mosteiro argelino de Tibhirine, sete dos quais (Bruno, Célestin, Christian, Cristophe, Michel, Paul, além de Luc) raptados e assassinados por um grupo de islamitas.

Michael Lonsdale: “Gostaria de morrer tranquilamente. Em Deus sobretudo”

Um dos mais fascinantes actores franceses, Michael Lonsdale morreu na passada segunda-feira, 21. Uns lembrar-se-ão de ele ter sido o vice-cônsul de Lahore no filme India Song, de Marguerite Duras, outros não ignorarão o facto de ele se ter empenhado em fazer a vida negra a James Bond. Mas Michael Lonsdale participou em filmes de Truffaut, Malle, Buñuel, Spielberg e outros realizadores não menos relevantes.

Pessoas

Não esquecer a memória

Não esquecer a memória

Não lembrei pessoalmente nestas páginas ainda a partida de Frei Mateus Cardoso Peres, O.P. (1933-2020), personalidade fascinante com uma rica obra de apostolado e de reflexão, e devo fazê-lo. Conheci-o bem e tenho pela sua vida e ação uma grande estima. O grupo de que fez parte dos “católicos inconformistas” integrou alguns dos meus grandes amigos, como António Alçada Baptista, Helena e Alberto Vaz da Silva e João Bénard da Costa.

Sete Partidas

A reunião de trabalho novidade

A reunião de trabalho convocada pela chefe chegou sem surpresa. Mais uma entre tantas. Comparecemos todos. Através do ecrã, a expressão no rosto e o tom da voz denotavam, no entanto, uma intenção outra. Um assunto especial. Havia efectivamente um assunto especial a abordar. Abertamente. Uma autenticidade sem pudor marcou o tom da conversa. Um cuidado humilde e generoso revelado sem condicionamentos.

Visto e Ouvido

Agenda

Entre margens

Rituais pós-nascimento: “Ku xlomula mamani ni ku humisa mwana” novidade

Nas culturas bantu do sul de Moçambique, especificamente na xironga e na xitswa, após o nascimento de um bebé, a mãe e a sua criança ficam, por algum tempo, interditados do convívio com a família alargada, por se considerar que os seus corpos não se encontram fortes o suficiente para conviver com agentes impuros, sejam do ambiente poluído de fora de casa, sejam os que com eles habitam, pelo facto de viverem entre o resguardo do lar e outras actividades que realizam fora de casa.

Os jovens do Torne na luta por “uma Igreja nova num Portugal novo”

Na década de sessenta do século passado, e até 1974, surgiu na paróquia de São João Evangelista (Vila Nova de Gaia), da Igreja Lusitana, Católica, Apostólica, Evangélica (IL), um grupo de jovens, que se intitulou Jovens do Torne – JT. No princípio englobado na “Liga do Esforço Cristão de Gaia”, foram prosseguindo um caminho ecuménico, alargado a todas as religiões e ateus.

Fale connosco