Papa e imã de Al-Azhar fazem denúncia vigorosa da miséria e do extremismo

| 5 Fev 19 | Destaques, Diálogo ecuménico e inter-religioso, Papa Francisco, Últimas

Foto © Vicariato Apostólico do Sul da Arábia.

É com um convite à reconciliação e à fraternidade entre todos os crentes, entre crentes e não-crentes e entre todas as pessoas de boa vontade que termina a declaração subscrita nesta segunda-feira, 4 de Fevereiro, em Abu Dhabi (Emirados Árabes Unidos, EAU) pelo Papa Francisco e o Grande Imã da Mesquita e Universidade de Al-Azhar (Cairo), Ahmad Al-Tayyeb. Antes, há uma vigorosa denúncia das injustiças e da miséria que afectam grande parte da humanidade. A declaração, que se intitula “Documento sobre a fraternidade humana pela paz mundial e a convivência comum”, faz um apelo “a toda a consciência viva que repudia a violência aberrante e o extremismo cego” e “aos que amam os valores da tolerância e da fraternidade, promovidos e estimulados pelas religiões”.

O Papa e o Grande Imã (Al-Azhar é considerada a universidade mais prestigiada do islão sunita) querem que este gesto testemunhe “a grandeza da fé em Deus que une os corações divididos e eleva o espírito humano” e seja “um símbolo do abraço entre Oriente e Ocidente, entre Norte e Sul e entre todos os que crêem que Deus nos criou para nos conhecermos, para cooperarmos e para vivermos como irmãos que se amam”. Francisco e Ahmad Al-Tayyeb, que condenam com firmeza o terrorismo, dizem que é isto o que esperam e tentam realizar “para alcançar uma paz universal de que disfrutem todas as pessoas nesta vida”.

A declaração marcou o primeiro dia (com actos públicos, já que no domingo foi só a chegada) da visita do Papa aos EAU, que incluiu um encontro inter-religioso, no Memorial do Fundador, e um encontro privado com os membros do Conselho Muçulmano de Anciãos, na Grande Mesquita do Xeque Zayed. Nesta terça-feira, o Papa celebrou missa no Zayed Sports City, depois de realizar uma visita privada à catedral. O primeiro dia foi ainda aproveitado por Francisco, no discurso que fez no encontro inter-religioso, para condenar a crueldade das guerras, que nenhuma religião pode aceitar ou justificar, designadamente as que têm lugar no Iémen, na Síria, no Iraque e na Líbia.

Francisco e Ahmad Al-Tayyeb afirmam que as crises políticas, a injustiça e a falta de uma distribuição equitativa dos recursos naturais – “com o que apenas beneficia uma minoria de ricos, em detrimento da maioria dos povos da terra” – causaram e continuam a causar um grande número de vítimas em inúmeros países. Relativamente às crises “que conduzem à morte de milhões de crianças, reduzidas já a esqueletos humanos – a causa da pobreza e da fome –, reina um silêncio internacional inaceitável”.

O texto manifesta “a importância de reavivar o sentido religioso e a necessidade de o reanimar nos corações das novas gerações, através da educação sã e a adesão aos valores morais e ao ensino religioso adequado, para que se afrontem as tendências individualistas, egoístas, conflituosas, o radicalismo e o extremismo cego em todas as suas formas e manifestações”.

A “necessidade indispensável de reconhecer o direito das mulheres à educação, ao trabalho e ao exercício dos seus direitos políticos” é outro aspecto reclamado no documento, que pede que se trabalhe para libertar a mulher de pressões históricas e sociais contrárias aos princípios da própria fé e dignidade. Além disso, é necessário protegê-la da exploração sexual, do tratamento como uma mercadoria ou um meio de prazer, e da ganância económica”. 

Para lá dos direitos das crianças e das mulheres, Francisco e Ahmad Al-Tayyeb defendem que devem também ser protegidos os dos idosos, dos débeis, dos deficientes e dos oprimidos, uma necessidade que deve ser garantida e protegida através de legislações rigorosas e da aplicação das convenções internacionais.

A Igreja Católica e a Universidade Al-Azhar, através da cooperação conjunta, anunciam e prometem levar este Documento às autoridades, aos líderes influentes, aos religiosos de todo o mundo, às organizações regionais e internacionais competentes, às organizações da sociedade civil, às instituições religiosas e aos pensadores; e participar na difusão dos princípios desta declaração.

 

 

Breves

Portugal é o terceiro país mais pacífico do Mundo

O Índice Global de Paz de 2019, apresentado em Londres, considera Portugal o terceiro país mais pacifico em todo o Mundo, subindo do quarto lugar em que estava classificado no ano transacto e ficando apenas atrás da Islândia e da Nova Zelândia.

Boas notícias

É notícia 

Cultura e artes

Frei Agostinho da Cruz, um poeta da liberdade em tempos de Inquisição

“Poeta da liberdade”, que “obriga a pensar o que somos”, viveu em tempos de Inquisição, quando as pessoas com uma visão demasiado autónoma “não eram muito bem vistas”. Uma Antologia Poética de frei Agostinho da Cruz, que morreu há 400 anos, será apresentada esta sexta, 14 de Junho, numa sessão em que Teresa Salgueiro interpretará músicas com poemas do frade arrábido.

Pessoas

Sete Partidas

A Páscoa em Moçambique, um ano antes do ciclone – e como renasce a esperança

Um padre que passou de refugiado a conselheiro geral pode ser a imagem da paixão e morte que atravessou a Beira e que mostra caminhos de Páscoa a abrir-se. Na região de Moçambique destruída há um mês pelo ciclone Idai, a onda de solidariedade está a ultrapassar todas as expectativas e a esperança está a ganhar, outra vez, os corações das populações arrasadas por esta catástrofe.

Visto e Ouvido

Agenda

Jun
18
Ter
Debate sobre “Mulheres, Igreja e Jornalismo”, com Fausta Speranza @ Instituto Italiano de Cultura
Jun 18@18:30_20:00

Fausta Esperanza é jornalista, da redação internacional do L’Osservatore Roman, jornal oficial da Santa Sé; a moderação do debate é de Lurdes Ferreira; a sessão terá tradução simultânea em italiano e português.

Ver todas as datas

Entre margens

Nas margens da filosofia – Um Deus que nos desafia

No passado dia 11 de Maio, o 7MARGENS publicou uma entrevista de António Marujo ao cardeal Gianfranco Ravasi. A esta conversa foi dado o título “O problema não é saber se Deus existe: é saber qual Deus”. É um tema que vem de longe e que particularmente nos interpela, não tanto num contexto teológico/metafísico quanto no plano da própria acção humana.

Migração e misericórdia

O 7MARGENS publicou, já lá vão algumas semanas, uma notícia com declarações do cardeal Robert Sarah, que considerava demasiado abstracto e já cansativo o discurso de Francisco sobre estes temas. Várias pessoas, entre muitos apoiantes do Papa, têm levantado a mesma questão. E porque Francisco é exemplo de quem procura sem medo a verdade e tem o dom do diálogo estruturante, devem ser os amigos e apoiantes a escutá-lo criticamente.

A Teologia mata?

A pergunta parecerá eventualmente exagerada mas não deixa de ser pertinente. O que mais não falta por esse desvairado mundo é quem ande a matar o próximo em nome da sua crença religiosa.

Fale connosco