Papa e imã de Al-Azhar fazem denúncia vigorosa da miséria e do extremismo

| 5 Fev 19

Foto © Vicariato Apostólico do Sul da Arábia.

É com um convite à reconciliação e à fraternidade entre todos os crentes, entre crentes e não-crentes e entre todas as pessoas de boa vontade que termina a declaração subscrita nesta segunda-feira, 4 de Fevereiro, em Abu Dhabi (Emirados Árabes Unidos, EAU) pelo Papa Francisco e o Grande Imã da Mesquita e Universidade de Al-Azhar (Cairo), Ahmad Al-Tayyeb. Antes, há uma vigorosa denúncia das injustiças e da miséria que afectam grande parte da humanidade. A declaração, que se intitula “Documento sobre a fraternidade humana pela paz mundial e a convivência comum”, faz um apelo “a toda a consciência viva que repudia a violência aberrante e o extremismo cego” e “aos que amam os valores da tolerância e da fraternidade, promovidos e estimulados pelas religiões”.

O Papa e o Grande Imã (Al-Azhar é considerada a universidade mais prestigiada do islão sunita) querem que este gesto testemunhe “a grandeza da fé em Deus que une os corações divididos e eleva o espírito humano” e seja “um símbolo do abraço entre Oriente e Ocidente, entre Norte e Sul e entre todos os que crêem que Deus nos criou para nos conhecermos, para cooperarmos e para vivermos como irmãos que se amam”. Francisco e Ahmad Al-Tayyeb, que condenam com firmeza o terrorismo, dizem que é isto o que esperam e tentam realizar “para alcançar uma paz universal de que disfrutem todas as pessoas nesta vida”.

A declaração marcou o primeiro dia (com actos públicos, já que no domingo foi só a chegada) da visita do Papa aos EAU, que incluiu um encontro inter-religioso, no Memorial do Fundador, e um encontro privado com os membros do Conselho Muçulmano de Anciãos, na Grande Mesquita do Xeque Zayed. Nesta terça-feira, o Papa celebrou missa no Zayed Sports City, depois de realizar uma visita privada à catedral. O primeiro dia foi ainda aproveitado por Francisco, no discurso que fez no encontro inter-religioso, para condenar a crueldade das guerras, que nenhuma religião pode aceitar ou justificar, designadamente as que têm lugar no Iémen, na Síria, no Iraque e na Líbia.

Francisco e Ahmad Al-Tayyeb afirmam que as crises políticas, a injustiça e a falta de uma distribuição equitativa dos recursos naturais – “com o que apenas beneficia uma minoria de ricos, em detrimento da maioria dos povos da terra” – causaram e continuam a causar um grande número de vítimas em inúmeros países. Relativamente às crises “que conduzem à morte de milhões de crianças, reduzidas já a esqueletos humanos – a causa da pobreza e da fome –, reina um silêncio internacional inaceitável”.

O texto manifesta “a importância de reavivar o sentido religioso e a necessidade de o reanimar nos corações das novas gerações, através da educação sã e a adesão aos valores morais e ao ensino religioso adequado, para que se afrontem as tendências individualistas, egoístas, conflituosas, o radicalismo e o extremismo cego em todas as suas formas e manifestações”.

A “necessidade indispensável de reconhecer o direito das mulheres à educação, ao trabalho e ao exercício dos seus direitos políticos” é outro aspecto reclamado no documento, que pede que se trabalhe para libertar a mulher de pressões históricas e sociais contrárias aos princípios da própria fé e dignidade. Além disso, é necessário protegê-la da exploração sexual, do tratamento como uma mercadoria ou um meio de prazer, e da ganância económica”. 

Para lá dos direitos das crianças e das mulheres, Francisco e Ahmad Al-Tayyeb defendem que devem também ser protegidos os dos idosos, dos débeis, dos deficientes e dos oprimidos, uma necessidade que deve ser garantida e protegida através de legislações rigorosas e da aplicação das convenções internacionais.

A Igreja Católica e a Universidade Al-Azhar, através da cooperação conjunta, anunciam e prometem levar este Documento às autoridades, aos líderes influentes, aos religiosos de todo o mundo, às organizações regionais e internacionais competentes, às organizações da sociedade civil, às instituições religiosas e aos pensadores; e participar na difusão dos princípios desta declaração.

 

 

Breves

Comissão Europeia reduz metas da luta contra a pobreza novidade

A Comissão Europeia (CE) reduziu o objetivo europeu quanto ao número de cidadãos que pretende tirar da pobreza daqui até 2030: a meta são agora 15 milhões no lugar dos 20 milhões que figuravam na estratégia anterior [2010-2020]. O plano de ação relativo ao Pilar dos Direitos Sociais proposto pela CE inclui ainda a “drástica redução” do número de sem-abrigo na Europa, explicou, em entrevista à agência Lusa, publicada nesta sexta-feira, dia 5 de março, o comissário europeu do Emprego e Direitos Sociais, Nicolas Schmit.

Hino da JMJ Lisboa 2023 em língua gestual portuguesa

Há pressa no ar, o hino da Jornada Mundial da Juventude (JMJ) Lisboa 2023, tem agora uma versão em língua gestual portuguesa, interpretada por Bruna Saraiva, escuteira do Agrupamento 714 (Albufeira) do Corpo Nacional de Escutas.

Boas notícias

Outras margens

Cultura e artes

Os lugares do Papa no Iraque: uma viagem de regresso, reencontro e reafirmação de fraternidade novidade

Os lugares da viagem do Papa ao Iraque erguem memórias que abarcam desde o berço da civilização nas planícies do sul da Mesopotâmia e de toda a sua história até ao berço da expansão judaico-cristã, nos vales e montanhas entre a Assíria e a vizinha Arménia. Ali começou a viagem de Abraão, ali Francisco regressa numa visita que traduz o reencontro e a reafirmação da fraternidade. Um percurso pelos lugares da viagem, ao encontro da memória desses lugares.

Arte de rua: amor e brilho no olhar novidade

Ouvi, pela vida fora, incontáveis vezes a velha história da coragem, a mítica frase “eu não era capaz”; é claro que não, sempre que o preconceito se sobrepõe ao amor, não é possível ser-se capaz. Coragem?? Coragem eu precisaria para passar pela vida sem realizar os meus desejos, nesse louco trapézio entre doses paralelas de coragem e cobardia.

O Karimojong português novidade

O padre Germano Serra, um missionário comboniano português, acaba de publicar o dicionário mais completo da língua karimojong, uma tribo semi-nómada do Uganda por que se apaixonou há quase quatro décadas.

Precisamos de nos ouvir (22) – António Durães: Talvez a arte nos possa continuar a salvar

Por força não sei de que determinação, o meu mundo, o mundo teatral, divide-se, também ele, em duas partes. Não há Tordesilhas que nos imponha o mundo assim, mas a verdade teatral determina-o: o mundo da sala e o mundo do palco. A cortina de ferro divide esses dois mundos de forma inexorável. Por razões de segurança, mas também por todas as outras razões. E esses dois mundos apenas se comunicam, quando o Encontro, como chamavam alguns antigos ao espectáculo, se dá.

Pessoas

O Karimojong português

O Karimojong português novidade

O padre Germano Serra, um missionário comboniano português, acaba de publicar o dicionário mais completo da língua karimojong, uma tribo semi-nómada do Uganda por que se apaixonou há quase quatro décadas.

Sete Partidas

Vacinas: Criticar sem generalizar

Alguns colegas de coro começaram a falar dos espertinhos – como o político que se ofereceu (juntamente com os seus próximos) para tomar as vacinas que se iam estragar, argumentando que assim davam um bom exemplo aos renitentes. Cada pessoa tinha um caso para contar. E eu ouvia, divertida.

Visto e Ouvido

Agenda

Entre margens

Arte de rua: amor e brilho no olhar novidade

Ouvi, pela vida fora, incontáveis vezes a velha história da coragem, a mítica frase “eu não era capaz”; é claro que não, sempre que o preconceito se sobrepõe ao amor, não é possível ser-se capaz. Coragem?? Coragem eu precisaria para passar pela vida sem realizar os meus desejos, nesse louco trapézio entre doses paralelas de coragem e cobardia.

Eternidade

A vida segue sempre e nós seguimos com ela, necessariamente, como se fôssemos empurrados pela passagem inexorável do tempo. Mas enquanto uns aceitam esse empurrão inexorável como um impulso para levantar voo – inclusive até lugares onde o tempo não domina –, outros deixam-se arrastar por ele até ao abismo. Porque quando o tempo não serve para moldar e edificar pedaços de eternidade, ele apenas dura e, portanto, a nada conduz (a não ser à morte), pois a sua natureza é durar, sem mais.

França: a Marianne de barrete frígio ficou traumatizada

Os políticos europeus em geral não sabem nada do fenómeno religioso. Pior. Fingem que sabem e não se rodeiam de quem os possa esclarecer. Entretanto, a França parece querer trilhar um caminho perigoso. Quando o governo coloca as leis republicanas ao mesmo nível da lei de Deus, faz da república uma deusa e do secularismo uma religião.

Fale connosco

Pin It on Pinterest

Share This