Papa em Marrocos ao encontro do islão e dos migrantes

| 30 Mar 19 | Destaques, Diálogo ecuménico e inter-religioso, Islão, Newsletter, Últimas

O bispo de Tânger, Santiago Agrelo Martinez, no encontro inter-religioso do início de Março. Foto reproduzida da página da diocese na Internet: http://diocesistanger.org/

 

O dia de sábado será para dialogar com o islão moderado, num encontro com imames, pregadores e pregadoras muçulmanos, e com imigrantes, num centro da Cáritas diocesana. O domingo será dedicado aos cristãos: um encontro com clero, religiosos e consagrados e responsáveis de outras confissões cristãs; e a celebração da eucaristia com cerca de 10 mil pessoas, último acto antes do regresso a Roma. A viagem do Papa a Marrocos, onde Francisco chega às 13h (de Lisboa) deste sábado, ali permanecendo até domingo ao fim da tarde, será mais uma ocasião de o Papa insistir em alguns dos seus temas prioritários.

Depois da sua participação no encontro inter-religioso de Abu Dhabi, no início de Fevereiro, o Papa argentino faz, desta viagem a Marrocos, mais uma etapa na sua aproximação ao islão – e, nomeadamente, ao islão que também está interessado no diálogo inter-religioso e que promove propostas de tolerância pacífica. Não por acaso, a visita a Marrocos começa com um encontro que inclui “o povo marroquino, as autoridades, a sociedade civil e o corpo diplomático”, na esplanada de Tour Hassan, às 14h portuguesas deste sábado, 30, uma hora depois da chegada.

Há já, entretanto, um caminho feito localmente que abre esta estrada do diálogo que o Papa quer promover: a 7 de Março, decorreu em Tetuán (nordeste de Marrocos, 40 quilómetros a sul de Ceuta), um encontro inter-religioso (Os católicos serão uns 40 mil em Marrocos, onde 99 por cento da população professa o islão. A maior parte dos católicos são imigrantes provenientes da África subsariana.)

Nesse encontro, os participantes afirmaram “comprometer-se seriamente na difusão da cultura de tolerância, da convivência e da paz”. O texto final do encontro, que retoma alguns excertos do documento sobre a Fraternidade Humana, assinado pelo Papa Francisco e pelo Grande Iman de Al-Azhar, Ahmad Al-Tayyeb, declara que muçulmanos e cristãos assumem a “cultura do diálogo como caminho; a colaboração comum como conduta e o conhecimento recíproco como método e critério”.

Muito antes disto, em 1985, João Paulo II foi o primeiro Papa a visitar Marrocos – e o único até agora. Nessa altura, Wotyla teve um encontro com 80 mil marroquinos – sobretudo jovens – a quem disse que cristãos e muçulmanos deviam aceitar as suas diferenças e mudar a oposição e conflito registados com frequência no passado.

Foi o rei de Marrocos, Mohammed VI, quem convidou o Papa para esta viagem, a terceira de Francisco a um país esmagadoramente muçulmano (depois do Egipto, em 2017, e dos Emirados Árabes Unidos, em Fevereiro último). Apesar de o rei estar pessoalmente interessado no diálogo inter-religioso, o proselitismo ou a tentativa de conversão de um muçulmano são crimes que podem ser punidos com seis meses a três anos de prisão. Na Constituição do país, apenas o islão sunita e o judaísmo são considerados religiões nativas, apesar de ter havido comunidades cristãs no território cerca de cinco séculos antes do aparecimento do islão, como recorda o Crux.

A visita do Papa a um instituto de formação de líderes muçulmanos é, nesta perspectiva, um momento alto desta visita. A funcionar desde 2015, o Instituto Mohammed VI acolhe mais de 700 alunos por ano, como parte da estratégia governamental, que vem desde 2004, no sentido de tentar conter as correntes extremistas.

 

Muçulmanos e cristãos a tocar a mesma música, no encontro inter-religioso do início de Março. Foto reproduzida da página da diocese na Internet: http://diocesistanger.org/

 
Talvez se um bispo morrer…

Outro tema no centro da viagem é o dos imigrantes e refugiados – ou seja, de uma das realidades remetidas para as periferias tão caras ao Papa. Ceuta, enclave espanhol em Marrocos, é uma das portas de entrada para muitos africanos que procuram a Europa – e que, por vezes, tentam forçar a entrada. Ainda no último Verão, recordava a AP, as autoridades reprimiram com violência tentativas de entrada em Ceuta e de atravessar o Mediterrâneo.  

Marrocos tem tentado pressionar a Europa a pagar para gerir as vagas de migrantes. Mas várias organizações de defesa dos direitos humanos, como a Amnistia Internacional e a Human Rights Watch, têm denunciado as medidas adoptadas pelas autoridades do país. Desde o início do ano, dizia ainda a mesma fonte citando a Organização Internacional de Migrações, quase 47.500 migrantes chegaram à Espanha por mar, enquanto 564 morreram ou desapareceram quando tentavam chegar à Europa.

Mais de metade dos católicos marroquinos são imigrantes no país e uma boa parte deles serão ilegais. No início de Março, numa conferência de imprensa preparatória da visita, o arcebispo de Tânger, o galego Santiago Agrelo Martinez, afirmou, citado pela AP, que a Igreja “sofre com falta de fundos: podemos dar a alguns migrantes alimentos, plásticos ou cobertores, mas não lhes podemos dar o respeito que merecem”. E acrescentava: “São pessoas e não animais.”

Cristobal Lopez Romero, arcebispo de Rabat, dizia por seu turno, ainda de acordo com a mesma fonte, que o Papa Francisco “gosta de ir às fronteiras, aos lugares de trânsito”. Por isso o programa inclui um encontro com imigrantes, num centro social da Cáritas, bem como uma visita a um centro social agrário, já fora da cidade de Rabat.

Em declarações ao Crux, o bispo Santiago Agrelo afirmou ter pensado em meter-se num barco de borracha, como fazem tantos migrantes. Tinha a ilusão de que, se um bispo morresse a atravessar o Estreito de Gibraltar, talvez algo mudasse.

“Quando ouço o clamor dos imigrantes que vêm para a Europa, sonho com uma Igreja em que todos podemos cantar a vitória”, dizia o bispo. “Mas antes que esse dia chegue, para que esse dia seja possível, todos os consagrados precisam de descer ao mais profundo, aos caminhos onde jaz abandonado e rejeitado o Filho de Deus, com todos os crucificados da terra.”

Artigos relacionados

Primeira missa depois do incêndio em Notre-Dame é neste sábado; 7M disponibiliza ligação em vídeo

Primeira missa depois do incêndio em Notre-Dame é neste sábado; 7M disponibiliza ligação em vídeo

Dois meses depois de ter sido muito danificada por um incêndio, a catedral de notre-Dame de Paris abrirá de novo as suas portas este sábado e domingo, para a celebração da missa, informou a diocese de Paris em comunicado. “A primeira missa em Notre-Dame será celebrada no fim-de-semana de 15 e 16 de Junho”, lê-se no texto. A celebração de sábado tem lugar às 17h de Lisboa. 

Apoie o 7 Margens

Breves

Portugal é o terceiro país mais pacífico do Mundo

O Índice Global de Paz de 2019, apresentado em Londres, considera Portugal o terceiro país mais pacifico em todo o Mundo, subindo do quarto lugar em que estava classificado no ano transacto e ficando apenas atrás da Islândia e da Nova Zelândia.

Inscreva-se aqui
e receba as nossas notícias

Boas notícias

É notícia 

Entre margens

Nas margens da filosofia – Um Deus que nos desafia

No passado dia 11 de Maio, o 7MARGENS publicou uma entrevista de António Marujo ao cardeal Gianfranco Ravasi. A esta conversa foi dado o título “O problema não é saber se Deus existe: é saber qual Deus”. É um tema que vem de longe e que particularmente nos interpela, não tanto num contexto teológico/metafísico quanto no plano da própria acção humana.

Migração e misericórdia

O 7MARGENS publicou, já lá vão algumas semanas, uma notícia com declarações do cardeal Robert Sarah, que considerava demasiado abstracto e já cansativo o discurso de Francisco sobre estes temas. Várias pessoas, entre muitos apoiantes do Papa, têm levantado a mesma questão. E porque Francisco é exemplo de quem procura sem medo a verdade e tem o dom do diálogo estruturante, devem ser os amigos e apoiantes a escutá-lo criticamente.

A Teologia mata?

A pergunta parecerá eventualmente exagerada mas não deixa de ser pertinente. O que mais não falta por esse desvairado mundo é quem ande a matar o próximo em nome da sua crença religiosa.

Cultura e artes

Frei Agostinho da Cruz, um poeta da liberdade em tempos de Inquisição

“Poeta da liberdade”, que “obriga a pensar o que somos”, viveu em tempos de Inquisição, quando as pessoas com uma visão demasiado autónoma “não eram muito bem vistas”. Uma Antologia Poética de frei Agostinho da Cruz, que morreu há 400 anos, será apresentada esta sexta, 14 de Junho, numa sessão em que Teresa Salgueiro interpretará músicas com poemas do frade arrábido.

Sete Partidas

A Páscoa em Moçambique, um ano antes do ciclone – e como renasce a esperança

Um padre que passou de refugiado a conselheiro geral pode ser a imagem da paixão e morte que atravessou a Beira e que mostra caminhos de Páscoa a abrir-se. Na região de Moçambique destruída há um mês pelo ciclone Idai, a onda de solidariedade está a ultrapassar todas as expectativas e a esperança está a ganhar, outra vez, os corações das populações arrasadas por esta catástrofe.

Visto e Ouvido

"Correio a Nossa Senhora" - espólio guardado no Santuário começou a ser agora disponibilizado aos investigadores

Agenda

Jun
18
Ter
Debate sobre “Mulheres, Igreja e Jornalismo”, com Fausta Speranza @ Instituto Italiano de Cultura
Jun 18@18:30_20:00

Fausta Esperanza é jornalista, da redação internacional do L’Osservatore Roman, jornal oficial da Santa Sé; a moderação do debate é de Lurdes Ferreira; a sessão terá tradução simultânea em italiano e português.

Ver todas as datas

Fale connosco