Carta manuscrita ao padre James Martin

Papa encoraja “trabalho pastoral” junto de comunidade LGBTI

| 29 Jun 2021

O padre James Martin com o Papa, em Setembro de 2019: Francisco elogia o “trabalho pastoral” de um padre com a comunidade LGBT. Foto reproduzida da página de James Martin na rede Facebook

 

O Papa Francisco agradeceu, com uma carta escrita pelo seu punho, o ministério do padre jesuíta James Martin, dos EUA, junto da comunidade LGBTI. “Quero agradecer-te pelo teu zelo pastoral e pela tua capacidade de estar perto das pessoas, com essa proximidade que Jesus tinha e que reflecte a proximidade de Deus”, escreve o Papa, que trata Martin por “querido irmão”. É a primeira vez que um Papa abençoa explicitamente este tipo de trabalho pastoral de algum padre.

A carta, redigida em espanhol, foi escrita por ocasião de um seminário em vídeo, que decorreu sábado passado, e que debateu o cuidado pastoral da comunidade cristã de homossexuais, lésbicas e transgéneros. A iniciativa teve a participação de mil pessoas, de acordo com a revista America, dos jesuítas, que divulgou o seu conteúdo.

Depois de se referir à última correspondência enviada por James Martin, e agradecer o seu “zelo pastoral”, o Papa acrescenta: “O nosso Pai Celestial aproxima-se com amor de cada um dos seus filhos, de cada um e de todos. O seu coração é abrir-se a cada um e a todos. Ele é Pai.”

“O ‘estilo’ de Deus tem três aspectos: a proximidade, a compaixão e a ternura. É assim que Ele se aproxima de cada um de nós”, escreve ainda Francisco, para comparar esse estilo com a missão de Martin: “Pensando no teu trabalho pastoral, vejo que procuras continuamente imitar este estilo de Deus. És um padre para todos.”

A carta termina com o Papa a escrever: “Rezo por ti para que continues assim, próximo, compassivo e com grande ternura. Rezo pelos teus fiéis, os teus ‘paroquianos’, todos aqueles que o Senhor te entrega para que possas cuidar deles, protegê-los, fazê-los crescer no amor de Nosso Senhor Jesus Cristo.”

 

Uma forma de encorajamento para outras pessoas

Manuscrito da carta escrita pelo Papa

 

Não sendo a primeira vez que o Papa usa expressões semelhantes – na exortação Amoris Laetitia, sobre a família, também já o fazia –, a novidade aqui é que o Papa fala deste trabalho pastoral de um padre. A America interpreta a carta não só como uma forma de encorajar o seu destinatário, mas também de o fazer com outras pessoas. O Papa escreveu dia 21, depois de Martin lhe ter comunicado a realização do seminário de sábado passado.

Muitas vezes, acrescenta a revista, o Papa telefona a pessoas, e vários desses telefonemas acabam por ser revelados; mas é mais raro saber-se das suas mensagens ou cartas escritas – normalmente em espanhol e em resposta a cartas que lhe enviaram. Por vezes, o Papa pede explicitamente que o conteúdo permaneça confidencial, noutras deixa ao destinatário a decisão sobre a sua divulgação. Neste caso, diz a revista, James Martin consultou várias pessoas na Casa de Santa Marta, em Roma, e decidiu que poderia divulgar o seu conteúdo.

O primeiro parágrafo da carta é mais pessoal e até humorístico, referindo-se a um sobrinho do padre Martin que se chama Francisco.

Esta não é a primeira vez que o Papa dá um sinal visível do seu apoio ao ministério de James Martin. Em 30 de Setembro de 2019, o padre jesuíta foi recebido por Francisco no Vaticano, conforme o 7MARGENS noticiou na ocasião.

A carta do Papa torna-se relevante também – e sobretudo? – pelo contexto em que surge, pois entra de alguma forma em contradição com mensagens recentes oriundas do Vaticano. No final de Fevereiro, a Congregação para a Doutrina da Fé publicou um Responsum que fechava a porta à possibilidade de bênção de casais homossexuais, porque “a Igreja não abençoa nem pode abençoar o pecado”.

Depois de o Papa ter dado a entender que não estava de acordo com o texto – apesar de este aparecer como tendo sido por ele aprovado –, muitos padres alemães organizaram, a 10 de Maio, uma espécie de dia de bênçãos de casais do mesmo sexo, em muitas igrejas da Alemanha. Mas não houve qualquer comentário do Vaticano ao facto, como recorda o Religión Digital.

Dias depois, Juan Carlos Cruz, homossexual assumido e uma das vítimas do antigo padre Karadima, do Chile, foi nomeado pelo Papa como membro da comissão anti-pedofilia do Vaticano.

Na semana passada, entretanto, o arcebispo Paul Richard Gallagher, responsável do Vaticano para as Relações com os Estados, enviou uma “nota formal” de protesto contra a próxima aprovação da lei contra a Homofobia e a Transfobia em Itália, considerando que ela violaria a Concordata” assinada com Mussolini em 1929, e que regula as relações entre a Igreja e o Estado no país transalpino.

Na nota, o responsável do Vaticano diz que a lei italiana contra a homofobia e a transfobia “poderia violar a Concordata” – uma invocação que acontece pela primeira vez.

O primeiro-ministro, o católico Mario Draghi, como recorda também o Religión Digital, respondeu com contundência, lembrando que a Itália é um “Estado secular, não confessional”. O secretário de Estado do Vaticano, Pietro Parolin, afirmou, numa tentativa de apaziguar os ânimos, que não se tratava de o Vaticano se intrometer nos assuntos italianos, mas sim “clarificar” as dificuldades que alguns aspectos da lei poderiam ter nos centros de educação católica.

 

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Uma coleção de livros infanto-juvenis que é uma missão para estas férias… e para o resto da vida

[O papel das estórias]

Uma coleção de livros infanto-juvenis que é uma missão para estas férias… e para o resto da vida novidade

Miúdos de férias rima com… leituras sérias. Calma: o objetivo era rimar, não assustar! Até porque os livros sobre os quais vos venho falar são, de facto, sobre temas sérios, mas não são nada aborrecidos. Ou, como diriam os miúdos a quem se dirigem: não são “uma seca”. Pelo contrário, podem ser uma lufada de ar fresco neste verão que se adivinha estar para aquecer.

Um casal em 2024

Um casal em 2024 novidade

“A D. Georgina e o Senhor Amaro comentam o trânsito dos jovens, ele irritado: isto é gente de fora, do karaté ou lá o que é, daquelas coisas chinesas de dar porrada. Ela, rancorosa: pois, deixam-nos vir para cá para aprenderem a fazer-nos mal, deviam era mandá-los a todos para a terra dele”. Um texto de Nuno Caiado, baseado num episódio real testemunhado em Lisboa.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This