Tensões na Terra Santa não foram esquecidos

Papa evoca conflitos mundiais na benção Urbi et Orbi

| 9 Abr 2023

O Papa Francisco na benção Urbi et Orbi de 2023. Foto retirada do vídeo do Vatican News.

O Papa Francisco na benção Urbi et Orbi de 2023. Foto retirada do vídeo do Vatican News.P

 

O Papa evocou hoje na sua Mensagem de Páscoa mais de uma dezena de conflitos que afetam o mundo, dando especial destaque à Terra Santa, falando sobre os ataques dos últimos dias de Israel à Palestina, que ameaçam o “desejado clima de confiança e mútuo respeito, necessário para que o diálogo entre israelitas e palestinos seja retomado, a fim de que a paz reine na Cidade Santa e em toda a região”.

Francisco continuou com a referência a Ucrânia, pedindo que a comunidade internacional promova soluções de paz. “Ajuda o amado povo ucraniano no caminho para a paz, e derrama a luz pascal sobre o povo russo. Conforta os feridos e quantos perderam os seus entes queridos por causa da guerra e faz que os prisioneiros possam voltar sãos e salvos para as suas famílias”, referiu Francisco, desde a varanda central da Basílica de São Pedro, antes da bênção ‘Urbi et Orbi’ [à cidade (de Roma) e ao mundo], no dia da festa mais importante para a Igreja Católica, que assinala a ressurreição de Jesus.

Francisco evocou ainda as comunidades cristãs que celebram este dia “em circunstâncias particulares, como sucede na Nicarágua e na Eritreia”, devido à situação política nestes países, rezando por quem “é impedido professar, livre e publicamente, a sua fé” e pediu “conforto às vítimas do terrorismo internacional, especialmente no Burquina Faso, Mali, Moçambique e Nigéria”, acrescentou.

Ainda em África, o Papa desejou a consolidação dos processos de paz e reconciliação na Etiópia e no Sudão do Sul, pedindo o fim da violência na República Democrática do Congo.

A reflexão pascal falou nas “pedras de tropeço” que impedem a humanidade de viver em paz, recordando “todos os conflitos que ensanguentam o mundo, a começar pela Síria, que ainda espera a paz”. Lá perto, pediu “ajuda, Senhor, o Líbano, ainda à procura de estabilidade e unidade, para que supere as divisões e todos os cidadãos trabalhem, juntos, pelo bem comum do país”.

Francisco deixou uma palavra para o povo da Tunísia, especialmente aos jovens e os que sofrem por causa dos problemas sociais e económicos, convidando-os a “não perder a esperança e colaborar na construção dum futuro de paz e fraternidade”. “Olha para o Haiti, que há vários anos está a sofrer uma grave crise sociopolítica e humanitária, e sustenta o empenho dos atores políticos e da Comunidade Internacional na busca duma solução definitiva para os inúmeros problemas que afligem aquela população tão atribulada”, prosseguiu.

O Papa falou ainda do Myanmar, desafiando os responsáveis políticos a “percorrer caminhos de paz”, antes de pedir justiça para o “martirizado povo rohingya”.

A intervenção, transmitida para milhões de pessoas, nos cinco continentes, apelou à defesa da dignidade de cada ser pessoa. “Que, no pleno respeito dos direitos humanos e da democracia, se curem estas chagas sociais, se procure sempre e só o bem comum dos cidadãos, se garanta a segurança e as condições necessárias para o diálogo e a convivência pacífica”, apontou.

 

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Clero de Angra pede “incremento da pastoral vocacional” assente no “testemunho do padre”

Face a "descredibilização" dos presbíteros

Clero de Angra pede “incremento da pastoral vocacional” assente no “testemunho do padre” novidade

Reconhecendo que o contexto da Igreja universal “é caracterizado pela descredibilização do clero provocada por diversas crises, pela redução do número de vocações ao sacerdócio ministerial e pela situação sociológica de individualismo e de crescente indiferença perante a questão vocacional”, os representantes do Clero diocesano de Angra (Açores) defendem o incremento da “pastoral vocacional assente na comunidade, sobretudo na família e no testemunho do padre”.

Por uma transumância outra

Por uma transumância outra novidade

Este texto do Padre Joaquim Félix corresponde à homilia do Domingo IV da Páscoa na liturgia católica – último dia da semana de oração pelas vocações – proferida nas celebrações eucarísticas das paróquias de Tabuaças (igreja das Cerdeirinhas), Vilar Chão e Eira Vedra (arciprestado de Vieira do Minho).  

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This