Terramoto em Marrocos

Papa expressa “profunda solidariedade”, missa celebrada em Marraquexe

| 9 Set 2023

Imagem de câmara de vídeovigilância que mostra o momento do terramoto, nas ruas de Marraquexe, partilhada nas redes sociais.

Imagem de câmara de vídeovigilância que mostra o momento do terramoto, nas ruas de Marraquexe, partilhada nas redes sociais.

 

O cardeal Pietro Parolin, secretário de Estado do Vaticano, enviou um telegrama de condolências ao povo marroquino em nome do Papa Francisco expressando a sua “profunda solidariedade” perante a “tragédia” do terramoto. Por sua vez, o arcebispo de Rabat anunciou que, na eucaristia deste domingo, celebrará por todas as vítimas da tragédia na cidade de Marraquexe.

No telegrama de Francisco, o bispo de Roma manifesta-se “entristecido por este acontecimento”. E acrescenta o texto: “O Papa exprime a sua profunda solidariedade para com aqueles que foram afetados, no corpo ou no coração, por esta tragédia: reza pelo repouso dos mortos, pela cura dos feridos e pela consolação daqueles que choram a perda dos seus entes queridos e das suas casas.”

De acordo com o Instituto Nacional de Geofísica de Marrocos, às 23h11 da noite de sexta-feira registou-se um sismo que a atingiu a magnitude de 7,0 na escala de Richter tendo por epicentro a localidade de Ighil, a 80 quilómetros a sudoeste de Marraquexe.

Já há mais de duas mil vítimas mortais (2012) e 2059 feridos, dos quais 1404 “em estado crítico”, segundo um comunicado do Ministério do Interior marroquino, publicado ao final da noite deste sábado, citado pela Reuters e divulgado no El País.

No telegrama enviado pelo secretário de Estado do Vaticano, o Papa Francisco exprime a “sua comunhão orante perante esta catástrofe natural” e “intercede junto do Altíssimo que ampare os marroquinos nesta provação e encoraja as autoridades civis e os serviços de socorro”.

O arcebispo de Rabat convocou uma celebração para este domingo, na cidade de Marraquexe, em memória das vítimas do sismo. “A Igreja Católica em Marrocos—diocese de Rabat deseja expressar a sua compaixão por todas as vítimas, em particular pelas famílias que estão de luto ou que ficaram feridas entre os seus membros”, afirma uma nota emitida este sábado pela arquidiocese de Rabat, citada pelo site da revista Vida Nueva.

Na declaração do arcebispo, o cardeal salesiano Cristóbal López, todos são convidados a pensar “também naqueles que perderam as suas casas e bens”. Segundo o texto, “as comunidades cristãs, tanto quanto sabemos, não sofreram perdas pessoais; apenas [se verificaram] ligeiros danos materiais nos edifícios das igrejas de Marraquexe e Ouarzazat”. Dada a situação, a Igreja faz “um apelo à solidariedade, afetiva e eficaz, com aqueles que se encontram em dificuldade neste momento. Através da Cáritas Diocesana queremos transmitir a ajuda que a nossa generosidade disponibilizará às necessidades mais urgentes”.

Cristóbal López convocou também uma missa “por todas as vítimas” para este domingo, 9 de setembro, em Marraquexe. Em sintonia com esta iniciativa, “o arcebispo apela a todas as comunidades para que rezem [hoje] em todas as missas, para expressar a nossa compaixão às autoridades locais e para organizar a solidariedade”.

 

“E tu, falas com Jesus?”

“E tu, falas com Jesus?” novidade

Em matéria de teologia, tendo a sentir-me mais próxima do meu neto X, 6 anos, do que da minha neta F, de 4. Ambos vivem com os pais e uma irmã mais nova em Londres. Conto dois episódios, para perceberem onde quero chegar. Um dia, à hora de deitar, o X contou à mãe que estava “desapontado” com o seu dia. Porquê? Porque não encontrara o cromo do Viktor Gyokeres, jogador do Sporting, um dos seus ídolos do futebol; procurou por todo o lado, desaparecera. Até pedira “a Jesus” para o cromo aparecer, mas não resultou. [Texto de Ana Nunes de Almeida]

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Fundadora da Comunidade Loyola castigada pelo Vaticano é ministra da comunhão em Braga

Decreto de extinção a marcar passo?

Fundadora da Comunidade Loyola castigada pelo Vaticano é ministra da comunhão em Braga novidade

A pouco mais de três meses de se completar um ano, prazo dado pelo Vaticano para extinguir a Comunidade Loyola, um instituto de religiosas fundado por Ivanka Hosta e pelo padre Marko Rupnik, aparentemente tudo continua como no início, com as casas a funcionar normalmente. No caso da comunidade de Braga, para onde Ivanka foi ‘desterrada’ em meados de 2023, por abusos de poder e espirituais, a “irmã” tem mesmo estado a desenvolver trabalho numa paróquia urbana, incluindo como ministra extraordinária da comunhão, com a aparente cobertura da diocese.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This