Papa Francisco: “Não tenho medo de um cisma, mas rezo para que não exista”

| 11 Set 19 | Cristianismo - Homepage, Destaque 2, Igreja Católica, Newsletter, Papa Francisco, Últimas

O Papa Francisco, durante uma audiência-geral de quarta-feira, na Praça de São Pedro. Foto © Mariordo (Mario Roberto Durán Ortiz)/Wikimedia Commons  

 

O Papa admitiu, no regresso da sua quarta viagem a África, que há o risco de um cisma na Igreja Católica, mesmo se ele não o deseja: “Há sempre a opção cismática na Igreja, sempre, é uma das opções que o Senhor deixa à liberdade humana” afirmou aos jornalistas, durante a habitual conferência de imprensa a bordo do avião.

Lamentando o comportamento de algumas pessoas que “apunhalam pelas costas”, acrescentou: “Eu não tenho medo de cismas, [mas] rezo para que não exista, porque está em jogo a saúde espiritual de tantas pessoas”.

Durante a viagem de regresso ao Vaticano, após a visita a Moçambique, Madagáscar e Ilhas Maurícias, já em pleno oceano Índico, o Papa respondeu ainda acerca das críticas de grupos dos Estados Unidos ao seu pontificado.

“As coisas que digo em relação a problemas sociais são as mesmas que o Papa João Paulo II disse”, sublinhou. “São as mesmas. Eu copiei-o”, afirmou.

Admitindo que haja quem o catalogue como um Papa “demasiado comunista”, disse que isso significa que a “ideologia se está a infiltrar na doutrina”. E quando “a doutrina desliza para a ideologia, existe a possibilidade de um cisma”, afirmou, citado ainda pela Ecclesia.

O Papa acrescentou que há hipocrisia da parte de alguns conservadores norte-americanos que o criticam. Apesar de apreciar quem lhe faz críticas com uma atitude construtiva, já não aprecia quem o faz sem intenção de dialogar.

“Se a sua crítica não está correta, tem de estar preparado para receber uma resposta e depois dialogar, ter uma discussão, chegar a um ponto de entendimento”, explicou Francisco. “Esta é a dinâmica da verdadeira crítica”, disse, citado pelo National Catholic Reporter.

O papa sublinhou ainda que as críticas ao seu pontificado não se limitam a setores católicos norte-americanos, mas “existem um pouco por toda a parte, mesmo na Cúria” Romana.

“Fazer uma crítica sem querer ouvir a resposta e sem fazer diálogo é não amar a Igreja, é seguir atrás de uma ideia fixa, mudar o Papa ou criar um cisma”, avisou, falando em grupos que se separam do povo e “da fé do povo de Deus”.

Recordando a passagem por Moçambique, Francisco assinalou que a paz naquele país lusófono africano “ainda é frágil”, assumindo que fará “todos os possíveis” para que este processo avance.

Questionado sobre o facto de ter visitado um país em campanha eleitoral, o Papa declarou que essa “foi uma opção decidida livremente, porque a campanha eleitoral começa nestes dias e ficava em segundo plano” em relação ao processo de paz. “O importante era ajudar a consolidar esse processo.”

Já nesta quarta-feira, na audiência-geral na Praça de São Pedro, o Papa resumiu também o sentido da sua viagem aos três países do Índico: “A Moçambique, fui espalhar sementes de esperança, paz e reconciliação numa terra que já sofreu tanto por causa dum longo conflito armado e, na primavera passada, foi atingida por dois ciclones devastadores”, afirmou. “Procurei encorajar os líderes do país a trabalhar juntos pelo bem comum e convidei os jovens a vencer a resignação e a ansiedade, difundindo a amizade social e conservando as tradições dos mais velhos.”

Nos outros dois países visitados, Madagáscar e Ilhas Maurícias, Francisco quis corroborar o “conhecido espírito de solidariedade” dos dois povos, no sentido de os ajudar “a harmonizar as diferenças num projeto comum e construir, juntos, o futuro nacional conjugando o respeito pelo meio ambiente com a justiça social”.

Artigos relacionados

“No tempo dividido” – Mistagogia da temporalidade na poesia de Sophia

“No tempo dividido” – Mistagogia da temporalidade na poesia de Sophia

Sophia chegou cedo. Tinha dez ou onze anos quando li O Cavaleiro da Dinamarca, cuja primeira edição data de 1964. É difícil explicar o que nos ensina cada livro que lemos. Se fechar os olhos, passados mais de 30 anos, recordo ainda que ali aprendi a condição de pe-regrino, uma qualquer deriva que não só nos conduz de Jerusalém a Veneza, como – mais profundamente – nos possibilita uma iniciação ao testemunho mudo das pedras de uma e às águas trémulas dos canais da outra, onde se refletem as leves colunas dos palácios cor-de-rosa.

Apoie o 7 Margens

Breves

Papa Francisco anuncia viagem ao Sudão do Sul em 2020 novidade

“Com a memória ainda viva do retiro espiritual para as autoridades do país, realizado no Vaticano em abril passado, desejo renovar o meu convite a todos os atores do processo político nacional para que procurem o que une e superem o que divide, em espírito de verdadeira fraternidade”, declarou o Papa Francisco, anunciando deste modo uma viagem ao Sudão do Sul no próximo ano.

Missionários constroem casa para cuidar e educar as vítimas do terramoto no Nepal

Mais de 400 crianças órfãs, pobres e com debilidades físicas vítimas do terramoto de 2015 no Nepal, residem hoje na casa de crianças Antyodaya em Parsa (centro do país). A casa, que foi construída em 13 de maio de 2017, tem o propósito “de alcançar as crianças mais desafortunadas das aldeias mais remotas, oferecendo-lhes educação e desenvolvimento pessoal”.

Inscreva-se aqui
e receba as nossas notícias

Boas notícias

É notícia

Entre margens

Manuela Silva e Sophia novidade

Há coincidências de datas cuja ocorrência nos perturbam e nos sacodem o dia-a-dia do nosso viver. Foram assim os passados dias 6 e 7 do corrente mês de Novembro. A 6 celebrou-se o centenário do nascimento de Sophia e a 7 completava-se um mês sobre a partida para Deus da Manuela Silva.

“Unicamente o vento…”

Teimosamente. A obra de Sophia ecoa. Como o vento. Como o mar. Porque “o poeta escreve para salvar a vida”. Aquela que foi. Que é. A vida num ápice. Luminosa e frágil. Do nascente ao ocaso. Para lá do poente. Celeste. Na “respiração das coisas”. No imprevisível ou na impermanência. A saborear o que tem. A usufruir do que teve. Na dor e na alegria.

Cultura e artes

Trazer Sophia para o espanto da luz

Concretizar a possibilidade de uma perspectiva não necessariamente ortodoxa sobre os “lugares da interrogação de Deus” na poesia, na arte e na literatura é a ideia principal do colóquio internacional Trazida ao Espanto da Luz, que decorre esta sexta e sábado, 8 e 9 de Novembro, no polo do Porto da Universidade Católica Portuguesa (UCP).

As mulheres grávidas e o olhar feminino sobre a crise dos refugiados

Uma nova luz sobre a história dos refugiados que chegam à Europa, evitando retratá-los como “heróis ou invasores”. Francesca Trianni, realizadora do documentário Paradise Without People (Paraíso sem pessoas, em Inglês), diz que o propósito do seu filme, a exibir nesta quinta-feira, 31 de outubro, em Lisboa, era mostrar a crise dos refugiados do ponto de vista feminino.

Sete Partidas

Visto e Ouvido

Agenda

Parceiros

Fale connosco