Papa Francisco: uma Teologia Moral que “suje as mãos”

| 19 Fev 19 | Entre Margens, Últimas

A Teologia Moral ou Ética Teológica é um dos saberes mais problemáticos e mais debatidos no seio da teologia e da Igreja. Isso decorre do seu próprio âmbito: a vida vivida, e a vida a viver, os valores presentes e, por vezes, em conflito, os ideais e as realidades concretas, a fragilidade humana, etc.

As temáticas são as do agir humano, do seu sentido e das suas possibilidades. Há as questões fundamentais, como a fonte do seu conhecimento: a razão humana e a fé, a liberdade e a autodeterminação, a lei, a consciência, os juízos morais, etc. Ao mesmo tempo e em circularidade, são tratadas as questões da vida afetiva, da sexualidade, da bioética, da política, da economia, etc. Como se vê, são temáticas não exclusiva ou prevalentemente teológicas; são partilhadas com outros saberes, sobretudo a filosofia e as ciências humanas, daí a amplitude da sua discussão e a pluralidade dos enfoques.

A Academia Alfonsiana – Instituto Superior de Teologia Moral, de Roma, instituto de investigação e de formação na área da Ética Teológica, muito tem contribuído para o cultivo deste ramo do saber teológico. Fá-lo na linha da proposta do Concílio Vaticano II (1962-1965). Aliás, alguns dos seus docentes tiveram nele notável influência. É de salientar Bernhard Häring (1912-1989) considerado o renovador da Teologia Moral. O Papa Francisco destacou-o em 2016: “Bernhard Häring foi o primeiro que começou a procurar um novo caminho para fazer reflorescer a Teologia Moral”. Até então estva muito marcada pela casuística.

No dia 9 deste mês de fevereiro, a Alfonsiana completou setenta anos. Foi recebida pelo Papa em audiência. No discurso que este fez, realçou a sua atividade e indicou caminhos, aliás já presentes em documentos precedentes. Destacamos algumas passagens:

Ao saber moral “compete a difícil, mas indispensável tarefa de fazer encontrar e acolher Cristo no concreto da vida quotidiana”. A investigação e ensino da Teologia Moral, “não se pode limitar à recordação daquilo que foi feito, mas deve sobretudo olhar em frente, para reencontrar entusiasmo na missão, para projetar passos corajosos de modo a responder melhor às expectativas do povo de Deus”.

Por isso tem que investir no “diálogo sem reservas; não como mera atitude tática, mas como exigência intrínseca para fazer a experiência comunitária da alegria da verdade e aprofundar o seu significado e implicações práticas”.

Há necessidade de “interdisciplinaridade” e “transdisciplinaridade” e atenção às várias tradições culturais e religiosas, “com a finalidade de estudar os problemas de grandeza epocal que hoje estão presentes na humanidade, chegando a propor pistas oportunas e realistas de resolução”.

Por outro lado, há que fomentar “uma teologia moral animada pela tensão missionária da Igreja em saída”, e que não fique “prisioneira em posições de escola e em juízos formulados longe da situação concreta e das efetivas possibilidades das pessoas e das famílias. Ao mesmo tempo, há que precaver-se de uma idealização excessiva da vida cristã”.

O caminho é colocar-se “em escuta respeitosa da realidade, procurando em conjunto discernir os sinais da presença do Espírito que gera libertação e novas possibilidades, para ajudar todos a caminhar com alegria no caminho do bem”. Escutar sobretudo “os sofrimentos e as esperanças”.

O seu âmbito é “o mundo, do qual não se trata de se defender e muito menos de condenar, mas de curar e libertar”. A Teologia Moral plasmada com a “lógica da misericórdia”.

Acentuando alguns pontos menos considerados no passado, pede que se supere uma “ética individualista”, se dê mais atenção às questões de ética social, à “dimensão ecológica”, ao “cuidado da casa comum mediante vias praticáveis de desenvolvimento integral”, ao “diálogo e ao compromisso” no “âmbito das novas possibilidades que o desenvolvimento das ciências biomédicas põe à disposição da humanidade”, assim como “o testemunho franco do valor incondicionado de todas as vidas”, sobretudo as “mais débeis e indefesas”.

Enfim, um “compromisso para uma Teologia Moral que não hesite em sujar as mãos com o concreto dos problemas, sobretudo com a fragilidade e o sofrimento daqueles que veem mais ameaçado o seu futuro”.

Jerónimo Trigo é padre católico e professor de Teologia Moral na Universidade Católica Portuguesa

Artigos relacionados

Breves

Um posto de saúde para os mais pobres na Praça de São Pedro

O Vaticano inaugurou um posto de saúde na Praça de São Pedro para ajudar os mais pobres e necessitados. O posto é composto por oito ambulatórios e, segundo um comunicado do Conselho Pontifício para a Promoção da Nova Evangelização, citado pelo Vatican News, serão disponibilizadas consultas médicas com especialistas, cuidados especiais, análises clínicas e outros exames específicos.

Papa Francisco anuncia viagem ao Sudão do Sul em 2020

“Com a memória ainda viva do retiro espiritual para as autoridades do país, realizado no Vaticano em abril passado, desejo renovar o meu convite a todos os atores do processo político nacional para que procurem o que une e superem o que divide, em espírito de verdadeira fraternidade”, declarou o Papa Francisco, anunciando deste modo uma viagem ao Sudão do Sul no próximo ano.

Boas notícias

É notícia

Entre margens

As cartas de D. António Barroso…

“António Barroso e o Vaticano”, de Carlos A. Moreira de Azevedo (Edições Alethêia, 2019), revela 400 cartas inéditas, onde encontramos um retrato de corpo inteiro de uma das mais notáveis figuras da nossa história religiosa, que catalisa a rica densidade da sua época.

A morte não se pensa

Em recente investigação desenvolvida por cientistas israelitas descobriu-se que o cérebro humano evita pensar na morte devido a um mecanismo de defesa que se desconhecia.

O regresso da eutanásia: humanidade e legalidade

As Perguntas e Respostas sobre a Eutanásia, da Conferência Episcopal Portuguesa, foram resumidas num folheto sem data, distribuído há vários meses. Uma iniciativa muito positiva. Dele fiz cuidadosa leitura, cujas anotações aqui são desenvolvidas. O grande motivo da minha reflexão é verificar como é difícil, nomeadamente ao clero católico, ser fiel ao rigor “filosófico” da linguagem, mas fugindo ao «estilo eclesiástico» para saber explorar “linguagem franca”. Sobretudo quando o tema é conflituoso…

Cultura e artes

O pensamento nómada do poema de Deus novidade

Uma leitura de “Uma Beleza que Nos Pertence”, de José Tolentino de Mendonça.

O aforismo, afirma Milan Kundera na sua Arte do romance (Gallimard, 1986), é “a forma poética da definição” (p. 144). Esta, prossegue o grande autor checo, envolvendo-se reflexivamente numa definição da definição, é o esforço, provisório, “fugitivo”, aberto, de dar carne de visibilidade àquelas palavras abstratas em que a nossa experiência do mundo se condensa como compreensão.

Pedro Abrunhosa a olhar para dentro de nós

É um dos momentos altos do concerto: no ecrã do palco, passam imagens de João Manuel Serra – o “senhor do adeus” que estava diariamente na zona do Saldanha, em Lisboa, a acenar a quem passava – e a canção dá o tom à digressão de Espiritual, de Pedro Abrunhosa, com o músico a convidar cada espectador a olhar para dentro de si.

Pedro Abrunhosa a olhar para dentro de nós

É um dos momentos altos do concerto: no ecrã do palco, passam imagens de João Manuel Serra – o “senhor do adeus” que estava diariamente na zona do Saldanha, em Lisboa, a acenar a quem passava – e a canção dá o tom à digressão de Espiritual, de Pedro Abrunhosa, com o músico a convidar cada espectador a olhar para dentro de si.

Trazer Sophia para o espanto da luz

Concretizar a possibilidade de uma perspectiva não necessariamente ortodoxa sobre os “lugares da interrogação de Deus” na poesia, na arte e na literatura é a ideia principal do colóquio internacional Trazida ao Espanto da Luz, que decorre esta sexta e sábado, 8 e 9 de Novembro, no polo do Porto da Universidade Católica Portuguesa (UCP).

Sete Partidas

30 anos de Alemanha: tão longe e tão perto (um testemunho)

No dia 4 de Novembro de 1989, um sábado, enquanto eu fazia as malas para me mudar para a Alemanha, na Alexanderplatz, em Berlim Leste decorria uma manifestação com um milhão de pessoas. Gritavam “nós somos o povo” contra um regime que roubava a liberdade às pessoas em nome do que entendia ser o interesse delas.

Visto e Ouvido

Igreja tem política de “tolerância zero” aos abusos sexuais, mas ainda está em “processo de purificação”

D. José Ornelas

Bispo de Setúbal

Agenda

Fale connosco