Papa Francisco: uma Teologia Moral que “suje as mãos”

| 19 Fev 19 | Entre Margens, Últimas

A Teologia Moral ou Ética Teológica é um dos saberes mais problemáticos e mais debatidos no seio da teologia e da Igreja. Isso decorre do seu próprio âmbito: a vida vivida, e a vida a viver, os valores presentes e, por vezes, em conflito, os ideais e as realidades concretas, a fragilidade humana, etc.

As temáticas são as do agir humano, do seu sentido e das suas possibilidades. Há as questões fundamentais, como a fonte do seu conhecimento: a razão humana e a fé, a liberdade e a autodeterminação, a lei, a consciência, os juízos morais, etc. Ao mesmo tempo e em circularidade, são tratadas as questões da vida afetiva, da sexualidade, da bioética, da política, da economia, etc. Como se vê, são temáticas não exclusiva ou prevalentemente teológicas; são partilhadas com outros saberes, sobretudo a filosofia e as ciências humanas, daí a amplitude da sua discussão e a pluralidade dos enfoques.

A Academia Alfonsiana – Instituto Superior de Teologia Moral, de Roma, instituto de investigação e de formação na área da Ética Teológica, muito tem contribuído para o cultivo deste ramo do saber teológico. Fá-lo na linha da proposta do Concílio Vaticano II (1962-1965). Aliás, alguns dos seus docentes tiveram nele notável influência. É de salientar Bernhard Häring (1912-1989) considerado o renovador da Teologia Moral. O Papa Francisco destacou-o em 2016: “Bernhard Häring foi o primeiro que começou a procurar um novo caminho para fazer reflorescer a Teologia Moral”. Até então estva muito marcada pela casuística.

No dia 9 deste mês de fevereiro, a Alfonsiana completou setenta anos. Foi recebida pelo Papa em audiência. No discurso que este fez, realçou a sua atividade e indicou caminhos, aliás já presentes em documentos precedentes. Destacamos algumas passagens:

Ao saber moral “compete a difícil, mas indispensável tarefa de fazer encontrar e acolher Cristo no concreto da vida quotidiana”. A investigação e ensino da Teologia Moral, “não se pode limitar à recordação daquilo que foi feito, mas deve sobretudo olhar em frente, para reencontrar entusiasmo na missão, para projetar passos corajosos de modo a responder melhor às expectativas do povo de Deus”.

Por isso tem que investir no “diálogo sem reservas; não como mera atitude tática, mas como exigência intrínseca para fazer a experiência comunitária da alegria da verdade e aprofundar o seu significado e implicações práticas”.

Há necessidade de “interdisciplinaridade” e “transdisciplinaridade” e atenção às várias tradições culturais e religiosas, “com a finalidade de estudar os problemas de grandeza epocal que hoje estão presentes na humanidade, chegando a propor pistas oportunas e realistas de resolução”.

Por outro lado, há que fomentar “uma teologia moral animada pela tensão missionária da Igreja em saída”, e que não fique “prisioneira em posições de escola e em juízos formulados longe da situação concreta e das efetivas possibilidades das pessoas e das famílias. Ao mesmo tempo, há que precaver-se de uma idealização excessiva da vida cristã”.

O caminho é colocar-se “em escuta respeitosa da realidade, procurando em conjunto discernir os sinais da presença do Espírito que gera libertação e novas possibilidades, para ajudar todos a caminhar com alegria no caminho do bem”. Escutar sobretudo “os sofrimentos e as esperanças”.

O seu âmbito é “o mundo, do qual não se trata de se defender e muito menos de condenar, mas de curar e libertar”. A Teologia Moral plasmada com a “lógica da misericórdia”.

Acentuando alguns pontos menos considerados no passado, pede que se supere uma “ética individualista”, se dê mais atenção às questões de ética social, à “dimensão ecológica”, ao “cuidado da casa comum mediante vias praticáveis de desenvolvimento integral”, ao “diálogo e ao compromisso” no “âmbito das novas possibilidades que o desenvolvimento das ciências biomédicas põe à disposição da humanidade”, assim como “o testemunho franco do valor incondicionado de todas as vidas”, sobretudo as “mais débeis e indefesas”.

Enfim, um “compromisso para uma Teologia Moral que não hesite em sujar as mãos com o concreto dos problemas, sobretudo com a fragilidade e o sofrimento daqueles que veem mais ameaçado o seu futuro”.

Jerónimo Trigo é padre católico e professor de Teologia Moral na Universidade Católica Portuguesa

Artigos relacionados

Breves

Núncio que era criticado por vários bispos, deixa Lisboa por limite de idade

O Papa Francisco aceitou nesta quinta-feira, 4 de Julho, a renúncia ao cargo do núncio apostólico (representante diplomático) da Santa Sé em Portugal, Rino Passigato, por ter atingido o limite de idade determinado pelo direito canónico, de 75 anos. A sua acção era objecto de críticas de vários bispos, embora não assumidas publicamente.

Arcebispo da Beira lamenta que o Papa só visite Maputo

O arcebispo da Beira (Moçambique) lamenta que o Papa Francisco não visite, em Setembro, a zona directamente atingida pelo ciclone Idai, em Março: “Todos esperávamos que o Papa chegasse pelo menos à Beira. Teria sido um gesto de consolação para as pessoas e uma forma de chamar a atenção para as mudanças climáticas e para esta cidade, que está a tentar reerguer-se”, disse Cláudio Dalla Zuanna.

Boas notícias

É notícia 

Entre margens

Criança no centro? novidade

Há alguns anos atrás estive no Centro de Arte Moderna (Fundação Gulbenkian) ver uma exposição retrospetiva da obra de Ana Vidigal. Sem saber exatamente porque razão, detive-me por largos minutos em frente a este quadro: em colagem, uma criança sozinha no seu jardim; rodeando-a, dois círculos concêntricos e um enredado de elipses. Ana Vidigal chamou àquela pintura: O Pequeno Lorde.

Uma espiritualidade democrática radical

Não é nenhuma novidade dizer que o modelo de democracia que temos, identificado como democracia representativa e formal (de origem liberal-burguesa) está em crise. Disso, entre outras razões, têm-se aproveitado muito bem os partidos de extrema-direita. Mas não só eles. Surgem também críticas fortes desde a própria sociedade civil a este modelo.

Cultura e artes

Mãos cheias de ouro, um canudo e uma intensa criatividade

Na manhã de 7 de Julho, a UNESCO (Organização das Nações Unidas para a Educação, Ciência e Cultura) inscreveu o Convento de Mafra, o santuário do Bom Jesus de Braga e o Museu Nacional Machado de Castro, em Coimbra, na sua lista de sítios de Património Mundial. Curta viagem escrita e alguns percursos falados, como forma de convite à viagem para conhecer ou redescobrir os três novos lugares portugueses do Património da Humanidade.

Uma exposição missionária itinerante, porque “parar é retroceder”

Um altar budista do Tibete; uma barquinha em chifres, de Angola; um calendário eterno dos aztecas; crucifixos de África ou da Índia; uma cuia da Amazónia; uma mamã africana e uma Sagrada Família, de Moçambique; uma placa com um excerto do Alcorão; e um nilavilakku , candelabro de mesa indiano – estas são algumas das peças que podem ser vistas até sábado, 19 de Junho, na Igreja de São Domingos, em Lisboa (junto ao Rossio).

Sete Partidas

A Páscoa em Moçambique, um ano antes do ciclone – e como renasce a esperança

Um padre que passou de refugiado a conselheiro geral pode ser a imagem da paixão e morte que atravessou a Beira e que mostra caminhos de Páscoa a abrir-se. Na região de Moçambique destruída há um mês pelo ciclone Idai, a onda de solidariedade está a ultrapassar todas as expectativas e a esperança está a ganhar, outra vez, os corações das populações arrasadas por esta catástrofe.

Visto e Ouvido

Igreja tem política de “tolerância zero” aos abusos sexuais, mas ainda está em “processo de purificação”

D. José Ornelas

Bispo de Setúbal

Agenda

Fale connosco