Papa Francisco: Visita aos EAU escreve “nova página na história do diálogo entre o cristianismo e o islão”

6 Fev 19Diálogo ecuménico e inter-religioso, Papa Francisco, Últimas

Foto © Vicariato Apostólico do Sul da Arábia.

O Papa Francisco afirmou que a sua visita, esta semana, aos Emirados Árabes Unidos (EAU) escreveu “uma nova página na história do diálogo entre o cristianismo e o islão” e na promoção da paz mundial baseada na fraternidade.

Citado pela Associated Press, Francisco descreveu, na audiência geral das quartas-feiras, no Vaticano, o seu encontro com líderes muçulmanos como contrário à “forte tentação” de afirmar que há um choque cultural entre as civilizações cristã e islâmica.

Na sua intervenção, o Papa argentino revelou ter conhecido o sacerdote mais idoso do país que, aos 92 anos, na cadeira de rodas e cego, continua o seu trabalho, sempre com um sorriso no rosto. Relembrou ainda que esta visita foi realizada “oitocentos anos após a visita de São Francisco de Assis ao Sultão al-Malik al-Kamil.”

Aquando da visita papal, num encontro inter-religioso com vários representantes de diferentes credos, o Papa Francisco sublinhou o dever de os líderes espirituais rejeitarem a guerra: “A guerra nada mais pode criar senão miséria; as armas nada mais, senão morte! A fraternidade humana impõe-nos, a nós representantes das religiões, o dever de banir toda a nuance de aprovação da palavra guerra. Restituamo-la à sua miserável crueza. Estão sob os nossos olhos as suas consequências nefastas. Penso em particular no Iémen, na Síria, no Iraque e na Líbia.”

Com isto, condenou a violência em nome de Deus: “Todas as formas de violência devem ser condenadas sem hesitação…Nenhuma violência pode ser justificada em nome da religião.”

Na primeira missa celebrada por um Papa na Península Arábica, foram milhares os peregrinos que compareceram e rejubilaram com o acontecimento, como disse o Papa nesta manhã: “Neste oásis multiétnico e multirreligioso que são os Emirados Árabes Unidos, existe um bom número de cristãos, trabalhadores originários de vários países, para quem celebrei a santa missa no estádio da cidade, anunciando-lhes o Evangelho das Bem-aventuranças”. A maioria da população nacional dos EAU são muçulmanos mas 90% dos que lá habitam são emigrantes, incluindo aproximadamente 1,2 milhões de cristãos.

Rosalie Ayuso, emigrante das Filípinas, e o seu marido Paul viajaram do Dubai (onde vive a maior comunidade católica no Golfo) e não dormiram durante 24 horas para chegar a tempo. Mas, segundo ela, “há que fazer sacrifícios se eles compensam no final.”

À CNN, Fareed Morcos, 33, um espectador da missa, expressou o quão maravilhado se encontrava: “Não estamos numa igreja e mesmo assim estamos todos juntos. Estamos num país muçulmano! É uma experiência fantástica. Muito emocional e espiritual. Espero que possa continuar a acontecer.”

Breves

Freira Indiana apela ao Vaticano contra a sua expulsão da ordem

A irmã Lucy Kalappura, da Congregação das Irmãs Clarissas Franciscanas, que protestou contra o bispo Franco Mulakkal devido à suposta acusação de violação de uma freira, apela ao Vaticano que evite a sua expulsão da ordem a que pertence, depois de lhe terem sido instauradas alegadas “ações disciplinares”.

Boas notícias

É notícia 

Cultura e artes

A potência benigna de Dietrich Bonhoeffer

O influente magistério de Dietrich Bonhoeffer, a sua vigorosa resistência ao nazismo e o singular namoro com Maria von Wedemeyer são três momentos da vida do pastor luterano que merecem uma peculiar atenção na biografia Dietrich Bonhoeffer. Teólogo e mártir do nazismo, da autoria do historiador italiano Giorgio Cavalleri. A obra, publicada pelas Paulinas em Maio, permite agora que um público mais vasto possa conhecer aquele que é geralmente considerado como um dos mais influentes teólogos do século XX.

Uma exposição missionária itinerante, porque “parar é retroceder”

Um altar budista do Tibete; uma barquinha em chifres, de Angola; um calendário eterno dos aztecas; crucifixos de África ou da Índia; uma cuia da Amazónia; uma mamã africana e uma Sagrada Família, de Moçambique; uma placa com um excerto do Alcorão; e um nilavilakku , candelabro de mesa indiano – estas são algumas das peças que podem ser vistas até sábado, 19 de Junho, na Igreja de São Domingos, em Lisboa (junto ao Rossio).

Pessoas

Sete Partidas

A Páscoa em Moçambique, um ano antes do ciclone – e como renasce a esperança

Um padre que passou de refugiado a conselheiro geral pode ser a imagem da paixão e morte que atravessou a Beira e que mostra caminhos de Páscoa a abrir-se. Na região de Moçambique destruída há um mês pelo ciclone Idai, a onda de solidariedade está a ultrapassar todas as expectativas e a esperança está a ganhar, outra vez, os corações das populações arrasadas por esta catástrofe.

Visto e Ouvido

Agenda

Entre margens

Bicentenário do Báb, “Manifestante de Deus” e fundador da Fé Bahá’í novidade

Uma das particularidades da religião bahá’í é ter na sua origem dois Profetas: o Báb e Bahá’u’lláh. E se na terminologia bahá’í os fundadores das grandes religiões mundiais são referidos como “Manifestantes de Deus” (porque manifestam características divinas), a origem dupla da Fé Bahá’í levou alguns autores a referir os seus fundadores como “Manifestantes Gémeos”.

A crise do capital, uma doença demolidora

Tenho para mim que o problema pode ser mais largo e profundo. Prefiro centrá-lo mais na longa e constante crise da doença destruidora do capitalismo mundial, nas suas mais diversas formas. Um sistema que, verdadeiramente, se encontra doente e não funciona em benefício da maioria da população.

Fale connosco