Papa lamenta terrorismo e “demasiadas guerras” e pede distribuição de vacinas

| 5 Abr 2021

Papa recordou Moçambique e vários outros países em guerra. Foto © Vatican News

 

O Papa Francisco lamentou neste Domingo de Páscoa, 4 de Abril, as situações de conflito e violência que ainda se verificam por todo o planeta: “No mundo, há ainda demasiadas guerras, demasiada violência! O Senhor, que é a nossa paz, nos ajude a vencer a mentalidade da guerra”, disse, na sua alocução antes da bênção pascal urbi et orbi (à cidade e ao mundo).

Evocando as vítimas do “terrorismo internacional”, o Papa referiu-se concretamente à situação em Cabo Delgado (Moçambique), bem como aos conflitos no Sahel, Nigéria, região de Tigré (Etiópia). Citado pela Ecclesia, Francisco falou também da crise humanitária no Haiti e na Birmânia (Myanmar), sublinhando a importância de lutar pela democracia. E aludiu ainda à tensão no Leste da Ucrânia e no Nagorno-Karabakh, entre a Arménia e o Azerbaijão.

As guerras na Síria, Iémen e Líbia foram também recordadas, em nome de “povos exaustos” que vivem em “condições desumanas”, disse, citado ainda na Ecclesia.

O Papa agradeceu ainda aos países que recebem refugiados, em particular a Jordânia e o Líbano, referindo a necessidade de apoiar os libaneses, a viverem “dificuldades e incertezas”. O conflito entre israelitas e palestinos e o Iraque recentemente visitado foram igualmente citados, tal como o Dia Mundial contra as Minas Antipessoais, que se assinalava neste 4 de Abril. O Papa pediu “um mundo sem estes instrumentos de morte” que “matam ou mutilam tantas pessoas inocentes”.

Na mesma ocasião, Francisco lembrou as vítimas da pandemia e pediu uma distribuição mundial das vacinas contra a covid-19, em particular para os mais pobres.

 

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

 

podcast

“Estado social: as crises são todas iguais?”

“Estará o Estado Social a definhar? Como reagiu o nosso Estado Social à crise financeira de 2010? E à pandemia? Como responderam o nosso e o dos outros? Qual das duas crises ‘infetou’ mais o Estado Social português?”

Agenda

There are no upcoming events.

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This