Novo livro em Novembro, sobre São Paulo

Papa oficializa nomeação de cardeal Tolentino para a Cultura e Educação

| 26 Set 2022

Papa Francisco, José Tolentino Mendonça, Biblioteca Apostólica Vaticano

O Papa Francisco com José Tolentino Mendonça na Biblioteca Apostólica do Vaticano, onde até agora o cardeal português era o máximo responsável. Foto: Direitos reservados/via Ecclesia

 

O cardeal português José Tolentino Mendonça foi nomeado pelo Papa Francisco, nesta segunda-feira, 26, para o cargo de prefeito do novo Dicastério para a Cultura e a Educação (DCE), tal como o 7MARGENS antecipara em primeira mão na sexta, 23.

De acordo com a notícia do portal Vatican News, o Papa nomeou ainda o padre Giovanni Cesare Pagazzi como secretário do DCE e o bispo Angelo Vincenzo Zani como arquivista e bibliotecário da Santa Sé, substituindo assim o cardeal Tolentino, que desempenhava este cargo desde Setembro de 2018.

Numa nota publicada na página oficial da Presidência da República, Marcelo Rebelo de Sousa, em visita oficial aos Estados Unidos (costa Oeste), manifestou o seu “mais profundo regozijo pela nomeação”, expressando ainda “o reconhecimento do Homem com um exemplar percurso de Fé e vulto maior da cultura contemporânea, promovendo sempre o diálogo com a densidade espiritual, intelectual e humana por todos testemunhado.”

O PR afirma-se ainda “amigo e admirador de longos anos”, e destaca, no novo responsável do DCE do Vaticano, o seu permanente “facilitador de encontros”, como o próprio cardeal Tolentino se definiu. “O Chefe do Estado em seu próprio nome e em nome de todos os portugueses deseja as maiores venturas para o exercício de tão relevantes funções”, conclui a nota.

Também o ministro da Cultura, Pedro Adão e Silva, afirmou que a nomeação do cardeal português é “o reconhecimento de uma grande personalidade da cultura portuguesa”.

De acordo com a agência Lusa, citada pela Rádio Renascença, o ministro acrescentou: “É mesmo uma grande satisfação do ponto de vista pessoal e um reconhecimento da sua singularidade, não apenas em Portugal, mas no contexto da Igreja Católica. É uma decisão que nos deixa a todos, portugueses, muito contentes.”

A actual editora de Tolentino Mendonça, a Quetzal, divulgou também um comunicado no qual “assinala o seu regozijo pela nomeação de José Tolentino Mendonça para estas importantes funções no Vaticano” e adianta que, em Novembro, publicará o novo livro de José Tolentino Mendonça, Metamorfose Necessária. Reler São Paulo, “um ensaio sobre o apóstolo e o seu contributo para os tempos presentes”.

Fruto de um trabalho de investigação de vários anos, o livro apresenta “de forma luminosa” a figura de São Paulo, cujos “textos são um clássico não só da religião, mas também da civilização ocidental”.

Tolentino Mendonça, 56 anos, assume deste modo um dos novos organismos do Vaticano, resultante da reforma da Cúria Romana promulgada pela constituição apostólica Praedicate Evangelium (PE).

O DCE é ainda resultado da fusão do ex-Conselho Pontifício para a Cultura e da ex-Congregação da Educação Católica.

 

Duas secções

Na constituição, estabelece-se que o novo Dicastério “trabalha para o desenvolvimento dos valores humanos nas pessoas dentro do horizonte da antropologia cristã, contribuindo para a plena realização do seguimento de Jesus Cristo”.

O Dicastério tem duas secções, correspondente aos dois sectores que herda: a de Cultura, que se dedica “à promoção da cultura, à animação pastoral e à valorização do património cultural”; e a de Educação, “que desenvolve os princípios fundamentais da educação com referência às escolas, institutos superiores de estudos e pesquisas católicos e eclesiásticos e é competente para os apelos hierárquicos em tais matérias”.

Como responsável máximo por estas áreas, o cardeal português terá sob a sua coordenação, no campo educativo, a rede escolar católica do mundo inteiro, com 1360 universidades católicas e 487 universidades e faculdades eclesiásticas com 11 milhões de alunos e outras 217 mil escolas com 62 milhões de crianças.

Na área da Cultura, o novo responsável coordenará o diálogo da Igreja universal com o mundo da cultura – não só a literatura ou as artes e o património, como também o desporto, a ciência e a Inteligência Artificial. Ao mesmo tempo, a constituição PE refere que, sob a sua alçada, estão também a Academia Pontifícia de Belas Artes e Letras dos Virtuosos do Panteão; a Academia Pontifícia Romana de Arqueologia; a Academia Pontifícia de Teologia; a Academia Pontifícia de São Tomás; a Academia Pontifícia Mariana Internacional; a Academia Pontifícia Cultorum Martyrum; e a Academia Pontifícia de Latinidade.

Nascido no Machico (Madeira) em 1965, padre desde 1990, bispo desde 2018 e nomeado cardeal em Outubro de 2019, Tolentino Mendonça é reconhecido sobretudo pelo seu trabalho de exegeta bíblico, em cuja especialidade se doutorou, e de poeta. A sua tese de doutoramento foi publicada com o título A Construção de Jesus (Paulinas), enquanto a sua poesia está reunida numa antologia com o título A Noite Abre Meus Olhos (Assírio e Alvim).

Ao longo da sua vida de padre, Tolentino Mendonça foi capelão, director da Faculdade de Teologia e vice-reitor da Universidade Católica, capelão da Capela do Rato, em Lisboa, reitor do Colégio Pontifício Português, em Roma, e director do Secretariado Nacional da Pastoral da Cultura.

Em 2018, o Papa convidou-o, por sugestão do cardeal Gianfranco Ravasi, a quem Tolentino vai suceder, para orientar o retiro quaresmal da Cúria Romana. Pouco depois nomeou-o arcebispo e, um ano mais tarde, cardeal.

Tolentino Mendonça foi ainda vencedor, em 2020, do Prémio Europeu Helena Vaz da Silva, atribuído pelo Centro Nacional de Cultural, em parceria com a rede Europa Nostra, e que pretende promover a divulgação do património cultural. No mesmo ano, Marcelo Rebelo de Sousa nomeou-o como presidente da Comissão Organizadora das Comemorações do Dia de Portugal, de Camões e das Comunidades Portuguesas.

 

Silêncio: a luz adentra no corpo

Pré-publicação 7M

Silêncio: a luz adentra no corpo novidade

A linguagem não é só palavra, é também gesto, silêncio, ritmo, movimento. Uma maior atenção a estas realidades manifesta uma maior consciência na resposta e, na liturgia, uma qualidade na participação: positiva, plena, ativa e piedosa. Esta é uma das ideias do livro Mistagogia Poética do Silêncio na Liturgia, de Rafael Gonçalves. Pré-publicação do prefácio.

pode o desejo

pode o desejo novidade

Breve comentário do p. António Pedro Monteiro aos textos bíblicos lidos em comunidade, no Domingo I do Advento A. Hospital de Santa Marta, Lisboa, 26 de Novembro de 2022.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

 

Bahrein

Descoberto mosteiro cristão sob as ruínas de uma mesquita

Há quem diga que este é o “primeiro fruto milagroso” da viagem apostólica que o Papa Francisco fez ao Bahrein, no início de novembro. Na verdade, resulta de três anos de trabalho de uma equipa de arqueólogos locais e britânicos, que acaba de descobrir, sob as ruínas de uma antiga mesquita, partes de um ainda mais antigo mosteiro cristão.

Manhã desta quinta-feira, 24

“As piores formas de trabalho infantil” em conferência

Uma conferência sobre “As piores formas de trabalho infantil” decorre na manhã desta quinta-feira, 24 de Novembro (entre as 9h30-13h), no auditório da Polícia Judiciária (Rua Gomes Freire 174, na zona das Picoas, em Lisboa), podendo assistir-se também por videoconferência. Iniciativa da Confederação Nacional de Ação Sobre o Trabalho Infantil (CNASTI), em parceria com o Instituto de Apoio à Criança (IAC), a conferência pretende “ter uma noção do que acontece não só em Portugal, mas também no mundo acerca deste tipo de exploração de crianças”.

Porque não somos insignificantes neste universo infinito

Porque não somos insignificantes neste universo infinito novidade

Muitas pessoas, entre as quais renomados cientistas, assumem frequentemente que o ser humano é um ser bastante insignificante, senão mesmo desprezível, no contexto da infinitude do universo. Baseiam-se sobretudo na nossa extrema pequenez relativa, considerando que o nosso pequeno planeta não passa de um “ponto azul” situado num vasto sistema solar.

Mais do que A Voz da Fátima

Pré-publicação

Mais do que A Voz da Fátima

Que fosse pedido a um incréu um texto de prefácio para um livro sobre A Voz da Fátima, criou-me alguma perplexidade e, ao mesmo tempo, uma vontade imediata de aceitar. Ainda bem, porque o livro tem imenso mérito do ponto de vista histórico, com o conjunto de estudos que contém sobre o jornal centenário, mas também sobre o impacto na sociedade portuguesa e na Igreja, das aparições e da constituição de Fátima e do seu Santuário como o centro religioso mais importante de Portugal. Dizer isto basta para se perceber que não é possível entender, no sentido weberiano, Portugal sem Fátima e, consequentemente, sem o seu jornal.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This