Apelo idêntico das igrejas cristãs

Papa pede acolhimento e proteção para refugiados afegãos

| 5 Set 2021

Papa Francisco, Angelus, Domingo da Alegria. 13 Dezembro 2020. Vaticano. Praça de São Pedro

Alocução do Angelus de dia 13 de Dezembro 2020, Domingo da Alegria, com o Papa Francisco. Praça de São Pedro. Foto © Tony Neves

Os refugiados afegãos mereceram este domingo a atenção do Papa Francisco, que, no Angelus, pediu que sejam acolhidos e protegidos. “Rezo para que muitos países acolham e protejam aqueles que buscam uma nova vida”, afirmou Francisco que disse rezar igualmente “pelos deslocados internos, para que tenham a assistência e a proteção necessárias”.

O Papa apelou a “que os jovens afegãos possam receber educação, um bem essencial para o desenvolvimento humano. E que todos os afegãos, tanto na pátria, como em trânsito e nos países anfitriões, possam viver com dignidade, em paz e fraternidade com seus vizinhos”.

Francisco evocou ainda as vítimas da tempestade Ida nos Estados Unidos da América.

Também a Comissão das Conferências Episcopais da União Europeia (COMECE) e a Conferência das Igrejas Europeias (CEC) vieram pedir à UE e aos estados-membros para “liderarem esforços comuns de solidariedade” no sentido de ajudarem os afegãos a “escapar à violência e ao terror”.

Numa declaração conjunta, assinada pelo cardeal Jean-Claude Hollerich, presidente da COMECE, e do reverendo Christian Krieger, presidente da CEC, e divulgada pela Rádio Renascença, refere-se que “é hora de mostrar humanidade no meio da crueldade enfrentada pelos afegãos, de provar que os valores da UE não são uma retórica vazia, mas princípios orientadores práticos que levam a ações baseadas em padrões éticos, para além de meras considerações políticas ou económicas”.

 

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

 

podcast

“Estado social: as crises são todas iguais?”

“Estará o Estado Social a definhar? Como reagiu o nosso Estado Social à crise financeira de 2010? E à pandemia? Como responderam o nosso e o dos outros? Qual das duas crises ‘infetou’ mais o Estado Social português?”

Agenda

There are no upcoming events.

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This