Apelando à libertação de reféns

Papa pede cessar-fogo imediato: “Basta, por favor! Parem!”

| 3 Mar 2024

O Papa Francisco rezou ainda pela “martirizada Ucrânia, onde todos os dias morrem muitas pessoas”. Foto © Vatican Media, divulgada pela Agência Ecclesia.

O Papa Francisco rezou ainda pela “martirizada Ucrânia, onde todos os dias morrem muitas pessoas”. Foto © Vatican Media, divulgada pela Agência Ecclesia.

 

O Papa apelou este domingo a um cessar-fogo “imediato” entre Israel e o Hamas, que permita a libertação de reféns e a distribuição de ajuda humanitária à população.

“Basta, por favor. Digamos, todos: basta, por favor! Parem! Encorajo a continuação das negociações, para um cessar-fogo imediato, em Gaza e em toda região”, disse, desde a janela do apartamento pontifício, após a recitação do ângelus, citado pela Ecclesia.

Francisco, que esteve limitado na última semana devido a problemas respiratórios, leu a sua reflexão dominical, tendo a multidão da Praça de São Pedro sublinhado um apelo à paz com uma salva de palmas.

O Papa pediu que os reféns sejam “libertados imediatamente e possam regressar até junto dos seus entes queridos, que os esperam com ansiedade” e que a população civil possa ter “acesso seguro à devida e urgente ajuda humanitária”.

“Trago todos os dias no coração, com dor, o sofrimento das populações na Palestina e Israel, devido às hostilidades em curso”, começou por dizer.

O Papa evocou as consequências do conflito, iniciado a 7 de outubro com ataques terroristas do Hamas e subsequente ação militar de Israel sobre a Faixa de Gaza.

“Milhares de mortos, feridos, deslocados e a imensa destruição causam dor, com tremendas consequências sobre os pequenos e indefesos, que veem o seu futuro comprometido”, advertiu. “Pergunto: pensa-se verdadeiramente construir um mundo melhor, deste modo? Pensa-se atingir a paz?”

A ONU alertou para um cenário de “fome generalizada quase inevitável” no norte da Faixa de Gaza. Este sábado, aviões militares norte-americanos ‘C-130’ lançaram, de paraquedas, cerca de 38 mil refeições sobre Gaza, dois dias após mais de 110 palestinos terem sido mortos pelo exército israelita enquanto abordavam camiões com ajuda humanitária. Joe Biden, Presidente dos EUA, disse esperar que um cessar-fogo entre Israel e o Hamas possa ser alcançado até ao Ramadão, o mês sagrado muçulmano, que começa na noite de 10 de março.

O Papa Francisco rezou ainda pela “martirizada Ucrânia, onde todos os dias morrem muitas pessoas”. “Há tanta dor”, lamentou.

A intervenção dominical indicou que, a 5 de março, se assinala o II dia internacional para a consciencialização sobre o desarmamento e a não-proliferação. “Quantos recursos são desperdiçados em despesas militares que, por causa da atual situação, continuam tristemente a aumentar. Desejo vivamente que a comunidade internacional compreenda que o desarmamento, é acima de tudo, um dever”, apelou Francisco.

“O desarmamento é um dever moral, coloquemos isto nas nossas cabeças. E isso exige a coragem, por parte de todos os membros da grande família das nações, de passar do equilíbrio do medo ao equilíbrio da confiança”, concluiu.

 

Uma exposição que é “um grito de alerta e de revolta” contra a perseguição religiosa

No Museu Diocesano de Santarém

Uma exposição que é “um grito de alerta e de revolta” contra a perseguição religiosa novidade

Poderá haver quem fique chocado com algumas das peças e instalações que integram a exposição “LIBERDADE GARANTIDA” (escrito assim mesmo, em letras garrafais), que é inaugurada este sábado, 20 de abril, no Museu Diocesano de Santarém. Mas talvez isso até seja positivo, diz o autor, Miguel Cardoso. Porque esta exposição “é uma chamada de atenção, um grito de alerta e de revolta que gostaria que se tornasse num agitar de consciências para a duríssima realidade da perseguição religiosa”, explica. Aqueles que se sentirem preparados, ou simplesmente curiosos, podem visitá-la até ao final do ano.

“Tenho envelhecido de acordo com aquilo que sempre gostaria de ter feito”

“Tenho envelhecido de acordo com aquilo que sempre gostaria de ter feito” novidade

O 7MARGENS irá publicar durante as próximas semanas os depoimentos de idosos recolhidos por José Pires, psicólogo e sócio fundador da Cooperativa de Solidariedade Social “Os Amigos de Sempre”. Este primeiro texto inclui uma pequena introdução de contextualização do autor aos textos que se seguirão, bem como o primeiro de 25 depoimentos. De notar que tanto o nome das pessoas como as fotografias que os ilustram são da inteira responsabilidade do 7MARGENS.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Dois meses e meio depois, está na hora de reconstruir

Mosteiro Trapista de Palaçoulo

Dois meses e meio depois, está na hora de reconstruir novidade

As obras de requalificação do Mosteiro Trapista de Palaçoulo já se iniciaram. Numa primeira fase, procedeu-se à retirada de escombros, pela mesma empresa que realizou a construção do mosteiro. Desde o fim do período pascal estão em andamento os processos de reconstrução, tendo estes começado por “destelhar a casa”. Em breve, esperam as irmãs, será possível “voltar a oferecer a hospedaria aos hóspedes”. 

A família nos dias de hoje e não no passado

A família nos dias de hoje e não no passado novidade

Quando dúvidas e confusões surgem no horizonte, importa deixar claro que a Constituição Pastoral Gaudium et Spes, aprovada pelo Concílio Vaticano II nos apresenta uma noção de família, que recusa uma ideia passadista e fechada, rígida e uniforme. Eis por que razão devemos reler os ensinamentos conciliares, de acordo com a atual perspetiva sinodal proposta pelo Papa Francisco, baseada na liberdade e na responsabilidade.

Convento das Capuchas: “Cem anos depois, aqui estamos… a ver as maravilhas multiplicar-se”

Comprado pela Madre Luiza Andaluz, em 1924

Convento das Capuchas: “Cem anos depois, aqui estamos… a ver as maravilhas multiplicar-se” novidade

Um século volvido sobre a compra do edifício do Convento das Capuchas, em Santarém, por Luiza Andaluz (fundadora da congregação das Servas de Nossa Senhora de Fátima) para ali acolher cerca de cem raparigas que haviam sofrido a pneumónica de 1918 ou que por causa dela tinham ficado órfãs… o que mudou? O 7MARGENS foi descobrir.

A Poesia na Rua

A Poesia na Rua novidade

“É preciso ajudar. Ajudar quem gostaria que a poesia estivesse na rua, que a alegria fosse um privilégio de todos. Ajudá-los contra os que lubrificam a máquina do cinismo e do ódio.” – A reflexão de Eduardo Jorge Madureira, na rubrica À Margem desta semana.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This