Papa pede cristãos “responsáveis pelos outros” e que não sejam indiferentes

| 21 Out 20

O Papa Francisco, o Patriarca Bartolomeu e o bispo Heinrich Bedford-Strohm, num momento do encontro pela paz e pelas vítimas da covid-19. Foto © Comunidade de Sant’Egidio

 

O Papa Francisco participou nesta terça-feira, 20 de Outubro, num encontro inter-religioso pela paz, promovido pela comunidade católica de Santo Egídio, pedindo que os cristãos sejam “unidos, mais fraternos” e rejeitem a indiferença perante quem sofre.

“Quanto mais estivermos agarrados ao Senhor Jesus, tanto mais seremos abertos e ‘universais’, porque nos sentiremos responsáveis pelos outros. E o outro será o caminho para nos salvarmos a nós mesmos: cada um dos outros, cada ser humano, seja qual for a sua história e o seu credo, a começar pelos pobres, os mais parecidos com Jesus”, disse, na Basílica de Santa Maria em Aracoeli, Roma.

Francisco considerou que “rezar juntos é uma dádiva”, agradecendo aos vários responsáveis cristãos presentes, entre eles o patriarca ecuménico Bartolomeu, de Constantinopla (Igreja Ortodoxa), e o bispo Heinrich Bedford-Strohm, presidente do Conselho da Igreja Evangélica na Alemanha.

Depois de, a 3 de outubro, ter visitado Assis para a assinatura da sua nova encíclica, Fratelli Tutti (“Todos irmãos”) o Papa voltou a sair do Vaticano para o encontro de oração pela paz com o tema “Ninguém se salva sozinho – Paz e Fraternidade”.

Francisco avisou contra a “a tentação de pensar só em defender-se a si mesmo ou ao próprio grupo” ou “ter em mente apenas os próprios problemas e interesses”.

A intervenção partiu do grito de escárnio “salva-te a Ti mesmo”, que os transeuntes e chefes religiosos dirigiam a Jesus Cristo, no momento da sua crucifixão. “Todos somos peritos em colocar os outros na cruz, contanto que nos salvemos a nós mesmos”, afirmou.

O Papa questionou também o culto do próprio “eu”, que “cresce e se alimenta mediante a indiferença para com o outro”. E disse: “Talvez nós também preferíssemos às vezes um deus espetacular em vez de compassivo, um deus poderoso aos olhos do mundo, que se impõe pela força e desbarata quantos nos querem mal. Mas este não é Deus; é o nosso eu.”

“O ‘evangelho’ do salva-te a ti mesmo não é o Evangelho da salvação. Antes, é o evangelho apócrifo mais falso, que coloca as cruzes aos ombros dos outros. Ao contrário, o Evangelho verdadeiro assume as cruzes dos outros”, alertou.

A “falta de amor” é a causa mais “profunda” dos males “pessoais, sociais, internacionais, ambientais” da actualidade. “Os braços de Jesus, abertos na cruz, assinalam uma mudança radical, porque Deus não aponta o dedo contra ninguém, mas abraça cada um. Pois só o amor apaga o ódio, só o amor vence completamente a injustiça. Só o amor dá espaço ao outro. Só o amor é o caminho para a plena comunhão entre nós”, acrescentou o Papa.

O Papa concluiu a intervenção propondo um caminho para que as Igrejas e comunidades cristãs sigam na “senda da fraternidade”, para serem “testemunhas credíveis do Deus verdadeiro”.

Por seu lado, o bispo Heinrich Bedford-Strohm questionou os presentes sobre a necessidade de identificar Jesus Cristo nas pessoas que mais sofrem: “E se realmente fosse Cristo que corre o risco de afogar-se no mar Mediterrâneo, por que a Europa não salva e até impede que os barcos civis ajudem? E se realmente fosse Cristo que encontramos na criança em Moçambique que não tem comida suficiente para viver?”

A celebração evocou as vítimas das guerras, do terrorismo e da actual pandemia, rezando pela paz no mundo e pelos cristãos perseguidos, citando neste pormenor a situação do Burkina-Faso.

Os participantes evocaram também os conflitos no Afeganistão, América Central, Bielorrússia, Burundi, Colômbia, R. D. Congo, Península Coreana, Iraque, Índia e Paquistão, Líbano, Líbia, Mali, México, o norte de Moçambique, Nigéria, República Centro-Africana, Síria, Cáucaso, Somália, Sudão do Sul, Ucrânia, Venezuela, Iémen e Terra Santa.

Após a oração cristã ecuménica, os representantes cristãos uniram-se a outros líderes religiosos e políticos, na Praça do Município de Roma, o Capitólio, para uma cerimónia pelas vítimas da covid-19 e de todas as guerras.

 

Vacinas, negacionistas, aborto e uniões homossexuais – e a missão de “proximidade” dos bispos

Papa regressou da Eslováquia

Vacinas, negacionistas, aborto e uniões homossexuais – e a missão de “proximidade” dos bispos novidade

O aborto é homicídio, mas os bispos têm de ser próximos de quem defende a sua legalização; os Estados devem apoiar as uniões de pessoas do mesmo sexo, mas a Igreja continua a considerar o sacramento do matrimónio apenas entre um homem e uma mulher; e as vacinas têm uma “história de amizade” com a humanidade, não se entendem por isso os negacionismos. Palavras do Papa a bordo do avião que o levou da Eslováquia de regresso a Roma.

Ator Mel Gibson cada vez mais contra a Igreja e o Papa

Enredado em movimentos tradicionalistas

Ator Mel Gibson cada vez mais contra a Igreja e o Papa novidade

São visíveis na Igreja Católica dos Estados Unidos da América, em especial nos últimos anos, movimentações de setores conservadores e tradicionalistas que, embora não assumindo o cisma, se comportam objetivamente como cismáticos. São numerosas as organizações que contam com o apoio de figuras de projeção mediática e que ostensivamente denigrem o Papa e uma parte dos bispos do seu país. Um nome aparece cada vez mais como elemento comum e de suporte: Carlo Maria Viganò, o arcebispo que foi núncio em Washington e que exigiu, em 2018, a demissão do Papa Francisco. Mais recentemente, outra figura de grande projeção pública que vem surgindo nestas movimentações é a do ator e realizador Mel Gibson.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Das trincheiras da Grande Guerra pode ter nascido este concerto sobre o mundo

Estreia na Igreja de São Tomás de Aquino

Das trincheiras da Grande Guerra pode ter nascido este concerto sobre o mundo novidade

“Os primeiros esboços deste texto terão surgido nas trincheiras da Primeira Guerra Mundial”, explica o compositor Alfredo Teixeira, autor da Missa sobre o Mundo, obra para órgão e voz recitante que terá a sua estreia mundial absoluta no próximo sábado, 18 de Setembro, às 16h30 (entrada livre, sujeita ao número de lugares existentes). A obra, construída a partir de excertos do texto homónimo de Pierre Teilhard de Chardin (1881-1955), padre jesuíta e paleontólogo, abrirá a temporada de concertos na Igreja Paroquial de São Tomás de Aquino, em Lisboa.

42 anos do SNS: memória e homenagem espirituais

42 anos do SNS: memória e homenagem espirituais novidade

Hoje, 15 de setembro, celebro e comemoro e agradeço e relembro António Arnaut, o criador em 1979 do Serviço Nacional de Saúde, o SNS da sobrevida de tantos de nós, portugueses. Depois de ter passado um dia de quase dez horas como doente de oncologia em imenso espaço de hospital, entre variadas mãos, procedimentos, cuidados, não posso deixar vazio na data.

Fale connosco

Pin It on Pinterest

Share This