Através do seu enviado ao país

Papa pede libertação de manifestantes em Cuba

| 9 Fev 2023

cardeal Beniamino Stella em Cuba, fevereiro 2023, foto twitter @RoberNoaFrometa

“É importante que os jovens que manifestaram o seu pensamento da forma que conhecemos possam voltar às suas casas”, afirmou o cardeal Stella, num dos últimos momentos da sua visita a Cuba. Foto reproduzida a partir do Twitter @RoberNoaFrometa.

 

O cardeal Beniamino Stella, enviado do Papa Francisco a Cuba, pediu esta quarta-feira, 7 de fevereiro, em Havana, que os manifestantes que participaram nos protestos antigovernamentais de 11 de julho de 2021 sejam libertados.

“É importante que os jovens que manifestaram o seu pensamento da forma que conhecemos possam voltar às suas casas”, afirmou Stella, num dos últimos momentos da sua visita a Cuba para assinalar o 25º aniversário da viagem do papa João Paulo II ao país, considerada na altura como um gesto histórico.

O enviado do Papa assegurou que durante a sua visita teve oportunidade de manifestar às autoridades cubanas este “desejo” da Igreja e expressou a sua esperança de que desta viagem “nasçam coisas novas para o povo cubano”, noticia a revista Vida Nueva.

O cardeal italiano chegou a Cuba no passado dia 23 de janeiro, e depois de alguns dias em Havana iniciou uma viagem para visitar todas as dioceses católicas do país.

De acordo com a organização cubana Justicia 11J, há neste momento 990 pessoas detidas e condenadas ou pendentes de julgamento, na sequência das manifestações pacíficas contra a situação económica do país e para pedir liberdade política.

 

A humildade do arcebispo

A humildade do arcebispo novidade

Chegou a estender a mão e a cumprimentar, olhos nos olhos, todos os presentes, um a um. É o líder da Igreja Anglicana, mas aqui apresentou-se com um ligeiro “Hi! I’m Justin” — “Olá, sou o Justin!” — deixando cair títulos e questões hierárquicas. [O texto de Margarida Rocha e Melo]

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Catarina Pazes: “Sem cuidados paliativos, não há futuro para o SNS”

Entrevista à presidente da Associação Portuguesa

Catarina Pazes: “Sem cuidados paliativos, não há futuro para o SNS” novidade

“Se não prepararmos melhor o nosso Serviço Nacional de Saúde do ponto de vista de cuidados paliativos, não há maneira de ter futuro no SNS”, pois estaremos a gastar “muitos recursos” sem “tratar bem os doentes”. Quem é o diz é Catarina Pazes, presidente da Associação Portuguesa de Cuidados Paliativos (APCP) que alerta ainda para a necessidade de formação de todos os profissionais de saúde nesta área e para a importância de haver mais cuidados de saúde pediátricos.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This