Papa pede que os Direitos Humanos estejam “no coração das políticas”

| 12 Dez 18 | Igreja Católica, Papa Francisco

 
O Papa Francisco apelou hoje a que “os direitos humanos sejam colocados no coração das políticas, incluindo políticas de desenvolvimento e cooperação – mesmo quando isto significa ir contra a maré”. Numa mensagem alusiva aos 70 anos da Declaração Universal dos Direitos Humanos, dirigida aos participantes numa conferência sobre o tema, promovida pela Universidade Pontifícia Gregoriana, destacou a “atenção especial que deve ser dada aos membros mais vulneráveis da comunidade” já que, na sociedade contemporânea, se encontram inúmeras contradições que nos levam a perguntar se a declaração das Nações Unidas é “reconhecida, respeitada, protegida e promovida sob qualquer circunstância.”
Sábado passado, 8 de dezembro, o Papa argentino já tinha pedido proteção para os mais frágeis. No dia em que o calendário católico assinala a festa da Imaculada Conceição, o Papa dirigiu-se à figura de Nossa Senhora: “Sabes o que significa trazer vida para o teu colo e sentir indiferença, rejeição e às vezes até desdém. Por isso peço-te que fiques perto das famílias que vivem hoje em Roma e em todo o mundo em situações semelhantes, para que elas não sejam abandonadas.”
Francisco dedicou as suas orações desse dia aos doentes, aos que estão em dificuldades, às famílias e aos padres. Em particular, pediu proteçãpara as mulheres que “carregam vida no seu ventre”: “A ti, uma Mulher consagrada em Deus, confio as mulheres leigas e religiosas. (…) Para elas peço a alegria de ser, como tu, esposas e mães, abundantes em oração, caridade e compaixão.”
Nesse dia, depois da oração aos pés da Imaculada, uma cerimónia tradicional presidida pelos papas, Francisco prestou homenagem à figura de Maria, tanto na Basílica de Santa Maria Maior como diante da imagem de Maria Imaculada, na Praça de Espanha, em Roma. Neste local, a estátua é rodeada de flores e, como é tradição desde 1857, os bombeiros trepam e colocam uma coroa no braço da estátua. 
O Papa Bergoglio aproveitou a proximidade entre a Praça de Espanha e o jornal Il Messageropara fazer uma paragem na redação do jornal. Ao voltar ao Vaticano, e em resposta a um convite de Franca Giansoldati, a “vaticanista” do diário de Roma, Francisco cumprimentou todos os trabalhadores, afirmando: “Sempre com espírito de serviço, explicando as coisas sem exageros e à procura do concreto. Essa é a virtude do jornalista: o facto.”
Com este gesto, Bergoglio tornou-se o primeiro Papa a visitar um jornal não-católico. Durante a visita aos dois andares do emblemático edifício romano, acrescentou que o Il Messageroé o único jornal que lê “antes de ir trabalhar”. E concluiu: “Desejo-lhe o melhor emais 140 anos.”
 

Breves

Boas notícias

É notícia

Cultura e artes

“Aquele que vive – uma releitura do Evangelho”, de Juan Masiá

Esta jovem mulher iraniana, frente ao Tribunal que a ia julgar, deu, autoimolando-se, a sua própria vida, pelas mulheres submetidas ao poder político-religioso. Mas não só pelas mulheres do seu país. Pelas mulheres de todo o planeta, vítimas da opressão, de maus tratos, de assassinatos, de escravatura sexual. Era, também, assim, há 2000 anos, no tempo de Jesus. Ele, através da sua mensagem do Reino, libertou-as da opressão e fez delas discípulas. Activas e participantes na Boa Nova do Reino de Deus.

Arte e arquitectura religiosa com semana cheia em Lisboa

Visitas à arte e arquitecura de igrejas e conventos e um curso livre sobre Arte Moderna e Arte da Igreja são várias iniciativas previstas para os próximos oito dias em Lisboa. O curso decorrerá na Capela do Rato (Lisboa), entre segunda e sexta da próxima semana (dias 23 a 27) e na Igreja de Moscavide (sábado, 28) e pretende evoca o livro publicado há 60 anos pelo padre Manuel Mendes Atanásio, mas também os 50 anos do fim do MRAR.

Pessoas

Manuela Silva: “Gostei muito de viver!”

Manuela Silva: “Gostei muito de viver!” novidade

“Diz aos meus amigos que gostei muito de viver.” Nos derradeiros momentos de vida, já no hospital, Manuela Silva pegara na mão da irmã que a acompanhou nos últimos meses, olhando-a e, com plena consciência de que vivia os instantes finais, deu-lhe o último recado: “Vou partir, mas diz aos meus amigos que gostei muito de viver.” A sua memória será recordada nesta segunda-feira, 14, às 19h15, na Capela do Rato, numa eucaristia presidida pelo patriarca de Lisboa.

Sete Partidas

Hoje não há missa

Na celebração dos 70 anos da República Popular da China (RPC), que se assinalam no próximo dia 1 de outubro, são muitas as manifestações militares, políticas, culturais e até religiosas que se têm desenvolvido desde meados de setembro. Uma das mais recentes foi o hastear da bandeira chinesa em igrejas católicas, acompanhado por orações pela pátria.

Visto e Ouvido

Agenda

Out
17
Qui
Apresentação do livro “Dominicanos. Arte e Arquitetura Portuguesa: Diálogos com a Modernidade” @ Convento de São Domingos
Out 17@18:00_19:30

A obra será apresentada por fr. Bento Domingues, OP e prof. João Norton, SJ.

Coorganização do Instituto São Tomás de Aquino e do Centro de Estudos de História Religiosa. A obra, coordenada pelos arquitetos João Alves da Cunha e João Luís Marques, corresponde ao catálogo da Exposição com o mesmo nome, realizada em 2018, por ocasião dos 800 anos da abertura do primeiro convento da Ordem dos Pregadores (Dominicanos em Portugal.

Nov
8
Sex
Colóquio internacional Teotopias – Sophia, “Trazida ao espanto da luz” @ Univ. Católica Portuguesa - Polo do Porto
Nov 8@09:00_19:30

Fundacional para a percepção e expressão do mistério, a linguagem poética é lugar de uma articulação paradoxal, nada acrescentando à representação descritiva do mundo [Ricoeur]. Encontrando-se o positivismo teológico em crise, paradigma que sempre cedeu demasiado à obsessão pela verdade, tem-se vindo a notar um crescente interesse pelo estudo teológico de produções literárias como lugares de redenção da linguagem referencial, própria do discurso tradicional da teologia. Na sua performatividade quase litúrgica, a linguagem poética aproxima o objecto do discurso teológico do seu eixo verdadeiramente referencial: “a transluminosa treva do Silêncio” [Pseudo-Dionísio Areopagita].

Cátedra Poesia e Transcendência | Sophia de Mello Breyner [UCP Porto], em parceria com a Faculdade de Teologia e o Secretariado Nacional da Pastoral da Cultura, organiza um congresso no âmbito das hermenêuticas do religioso no espaço literário, com especial incidência sobre a sua dimensão poética.
O colóquio terá lugar na Universidade Católica Portuguesa | Porto, nos dias 8 e 9 de novembro de 2019, e dará particular atenção aos seguintes eixos temáticos: linguagem poética e linguagem teológica: continuidades e descontinuidades; linguagem poética e linguagem mística: inter[con]textualidades; linguagem poética e sagrado: aproximações estético-fenomenológicas.

Nov
9
Sáb
Colóquio internacional Teotopias – Sophia, “Trazida ao espanto da luz” @ Univ. Católica Portuguesa - Polo do Porto
Nov 9@09:00_19:30

Fundacional para a percepção e expressão do mistério, a linguagem poética é lugar de uma articulação paradoxal, nada acrescentando à representação descritiva do mundo [Ricoeur]. Encontrando-se o positivismo teológico em crise, paradigma que sempre cedeu demasiado à obsessão pela verdade, tem-se vindo a notar um crescente interesse pelo estudo teológico de produções literárias como lugares de redenção da linguagem referencial, própria do discurso tradicional da teologia. Na sua performatividade quase litúrgica, a linguagem poética aproxima o objecto do discurso teológico do seu eixo verdadeiramente referencial: “a transluminosa treva do Silêncio” [Pseudo-Dionísio Areopagita].

Cátedra Poesia e Transcendência | Sophia de Mello Breyner [UCP Porto], em parceria com a Faculdade de Teologia e o Secretariado Nacional da Pastoral da Cultura, organiza um congresso no âmbito das hermenêuticas do religioso no espaço literário, com especial incidência sobre a sua dimensão poética.
O colóquio terá lugar na Universidade Católica Portuguesa | Porto, nos dias 8 e 9 de novembro de 2019, e dará particular atenção aos seguintes eixos temáticos: linguagem poética e linguagem teológica: continuidades e descontinuidades; linguagem poética e linguagem mística: inter[con]textualidades; linguagem poética e sagrado: aproximações estético-fenomenológicas.

Ver todas as datas

Entre margens

O politicamente incorrecto

Num debate em contexto universitário, precisamente em torno da questão do politicamente correcto, Ricardo Araújo Pereira afirmou que, embora fosse contra o “politicamente correcto”, não era a favor do “politicamente incorrecto”.

Fale connosco