No início da Semana Santa

Papa pede “trégua pascal” na Ucrânia

| 10 Abr 2022

O Papa Francisco durante a Missa de Domingo de Ramos no Vaticano. Foto © Vatican Media

O Papa Francisco pediu uma trégua que permita chegar à paz na Ucrânia. Foto © Vatican Media

 

O Papa apelou hoje no Vaticano a uma “trégua pascal” que possa abrir caminho à paz entre a Rússia e a Ucrânia. “Que se deponham as armas, que se inicie uma trégua pascal, mas não para recarregar as armas e voltar a combater. Não, uma trégua para chegar à paz, através de uma verdadeira negociação, dispostos mesmo a alguns sacrifícios, pelo bem da população”, declarou, antes da recitação do ângelus com que concluiu a celebração dos Ramos, na Praça de São Pedro, citado pela Ecclesia.

O Papa questionou ainda aos presentes na Praça de S. Pedro, “que vitória será aquela que plantar uma bandeira sobre um monte de destroços?”

Francisco dirigiu-se à multidão presente para a Missa que marca o início da Semana Santa, destacando que “nada é impossível a Deus”. “Nada é impossível a Deus, mesmo fazer cessar uma guerra de que não se vê o fim”, insistiu.

Na missa de Ramos, que precedeu o Angelus, o Papa já havia evocado as consequências da “loucura da guerra”, em que a violência cega as pessoas. “Vemo-lo na loucura da guerra, onde se torna a crucificar Cristo. Sim, Cristo é pregado na cruz, mais uma vez, nas mães que choram a morte injusta de maridos e filhos. É crucificado nos refugiados que fogem das bombas, com crianças nos braços. É crucificado nos idosos deixados sozinhos a morrer, nos jovens privados de futuro, nos soldados mandados a matar os seus irmãos”, disse, na homilia da celebração, que decorreu na Praça de São Pedro.

Francisco defendeu a necessidade de “romper o círculo vicioso do mal e dos queixumes”, respondendo ao mal com o perdão. “Se queremos verificar a nossa pertença a Cristo, vejamos como nos comportamos com quem nos feriu. O Senhor pede-nos para responder, não como nos apetece a nós nem como fazem todos, mas como Ele procede connosco”, precisou.

Foi a primeira missa, desde o início da pandemia, em que o Papa voltou a circular no papamóvel no meio dos fiéis, que encheram a Praça de S. Pedro e a Via da Conciliação, a avenida que fica em frente, embora ainda sem beijar crianças ou outro tipo de contactos com os doentes que costumam acompanhar sempre as missas na fila da frente.

Já no Santuário de Fátima, D. José Ornelas presidiu à missa de Ramos e também falou das consequências da guerra “fratricida e cruel” na Ucrânia. “O que encontramos hoje na Ucrânia é o contrário daquilo que celebramos hoje em Igreja”, afirmou D. José Ornelas, numa intervenção divulgada pelo Santuário de Fátima, acrescentando que “hoje nós vemos que aqueles que se afirmam como libertadores apresentarem-se nas cidades não para colher o aplauso da gente humilde, mas para destruir as cidades, para destruir os meios de vida , para causar o medo e a submissão, porque eles não vivem para essa gente que dizem querer libertar; vivem para submeter as pessoas ao seu serviço. Isto é o contrário do que celebramos hoje”.

 

Patriarca de Lisboa convida “todos” para “momento raro” na Igreja

A um mês da ordenação de dois bispos

Patriarca de Lisboa convida “todos” para “momento raro” na Igreja novidade

O patriarca de Lisboa, Rui Valério, escreveu uma carta a convocar “todos – sacerdotes, diáconos, religiosos, religiosas e fiéis leigos” da diocese para estarem presentes naquele que será o “momento raro da ordenação episcopal de dois presbíteros”. A ordenação dos novos bispos auxiliares de Lisboa, Nuno Isidro e Alexandre Palma, está marcada para o próximo dia 21 de julho, às 16 horas, na Igreja de Santa Maria de Belém (Mosteiro dos Jerónimos).

O exemplo de Maria João Sande Lemos

O exemplo de Maria João Sande Lemos novidade

Se há exemplo de ativismo religioso e cívico enquanto impulso permanente em prol da solidariedade, da dignidade humana e das boas causas é o de Maria João Sande Lemos (1938-2024), que há pouco nos deixou. Conheci-a, por razões familiares, antes de nos encontrarmos no então PPD, sempre com o mesmo espírito de entrega total. [Texto de Guilherme d’Oliveira Martins]

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

“Sempre pensei envelhecer como queria viver”

Modos de envelhecer (19)

“Sempre pensei envelhecer como queria viver” novidade

O 7MARGENS iniciou a publicação de depoimentos de idosos recolhidos por José Pires, psicólogo e sócio fundador da Cooperativa de Solidariedade Social “Os Amigos de Sempre”. Publicamos hoje o décimo nono depoimento do total de vinte e cinco. Informamos que tanto o nome das pessoas como as fotografias que os ilustram são da inteira responsabilidade do 7MARGENS.

“O 7 de outubro, a guerra em Gaza e as sombras da Shoah e da Nakba”

“O 7 de outubro, a guerra em Gaza e as sombras da Shoah e da Nakba” novidade

O último dia de “Reflexos e Reflexões” prometia uma tarde bem preenchida: o debate sobre “o 7 de outubro, a guerra em Gaza e as sombras da Shoah e da Nakba”, e a peça de teatro “House”, de Amos Gitai, pelo teatro La Colline. Aqui deixo uma síntese do debate, que tentei fazer com a maior fidedignidade possível, a partir dos apontamentos que fui tomando (era proibido tirar fotografias ou fazer gravações, para garantir que todos se sentiam mais livres para falar). [Texto de Helena Araújo]

Sínodo, agora, é em Roma… que aqui já acabou

Sínodo, agora, é em Roma… que aqui já acabou novidade

Em que vai, afinal, desembocar o esforço reformador do atual Papa, sobretudo com o processo sinodal que lançou em 2021? Que se pode esperar daquela que já foi considerada a maior auscultação de pessoas alguma vez feita à escala do planeta? – A reflexão de Manuel Pinto, para ler no À Margem desta semana

Nada se perde: um antigo colégio dos Salesianos é o novo centro de acolhimento do Serviço Jesuíta aos Refugiados

Inaugurado em Vendas Novas

Nada se perde: um antigo colégio dos Salesianos é o novo centro de acolhimento do Serviço Jesuíta aos Refugiados novidade

O apelo foi feito pelo Papa Francisco: utilizar os espaços da Igreja Católica devolutos ou sem uso para respostas humanitárias. Os Salesianos e os Jesuítas em Portugal aceitaram o desafio e, do antigo colégio de uns, nasceu o novo centro de acolhimento de emergência para refugiados de outros. Fica em Vendas Novas, tem capacidade para 120 pessoas, e promete ser amigo das famílias, do ambiente, e da comunidade em que se insere.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This