Papa pede um jornalismo que “gaste as solas dos sapatos’

| 24 Jan 21

Ciganos no Bairro dos Formarigos (Bragança)

Ciganos no Bairro dos Formarigos (Bragança): o Papa diz que é importante “omunicar encontrando as pessoas onde estão e como são.” Foto Catarina Marcelino, cedida pela autora.

 

É fundamental que o jornalismo que hoje se faz saia das redações e conte histórias que ajudem a compreender os fenómenos sociais mais graves e a destacar “as energias positivas que se geram nas bases da sociedade”. É esse o apelo do Papa Francisco na mensagem para o próximo Dia Mundial das Comunicações Sociais, divulgada neste sábado, 23, véspera do dia litúrgico de São Francisco de Sales, padroeiro dos jornalistas.

“Ir e ver” é o tema deste ano, inspirado no início do evangelho segundo João, em que se conta o modo como alguns discípulos encontraram Jesus. O tema é explicado no subtítulo: “Comunicar encontrando as pessoas onde estão e como são.”

Dirigindo-se a diferentes formas de expressão comunicativa, o Papa começa por focar o jornalismo e os media, hoje. Denuncia o risco de um nivelamento de jornais e noticiários de televisão, rádio e websites que são substancialmente iguais uns aos outros; lamenta a perda de espaço e qualidade de géneros como a entrevista e a reportagem perante uma informação pré-fabricada, “oficial”, autorreferencial, que “cada vez menos consegue captar a verdade das coisas e a vida concreta das pessoas, e já não é capaz de individuar os fenómenos sociais mais graves nem as energias positivas que se libertam da base da sociedade”.

A mensagem refere-se, depois, à “crise editorial” que, cada vez mais, conduz àquilo que se costuma chamar o jornalismo sentado, ou seja, que não vai para o terreno. Este fenómeno, alerta Francisco, “corre o risco de levar a uma informação construída nas redações, diante do computador, nos terminais das agências, nas redes sociais, sem nunca sair à rua, sem ‘gastar a sola dos sapatos’, sem encontrar pessoas para procurar histórias ou verificar com os próprios olhos determinadas situações”.

Estas tendências não impedem o reconhecimento da dignidade do jornalismo que “requer a capacidade de ir onde mais ninguém vai: mover-se com desejo de ver”.  E levam o Papa Francisco a “agradecer a coragem e determinação de tantos profissionais (jornalistas, operadores de câmara, editores, cineastas que trabalham muitas vezes sob grandes riscos)”, nomeadamente quando dão a conhecer “a difícil condição das minorias perseguidas em várias partes do mundo”, “abusos e injustiças contra os pobres e contra a criação”, “muitas guerras esquecidas”. E conclui: “seria uma perda não só para a informação, mas também para toda a sociedade e para a democracia, se faltassem estas vozes: um empobrecimento para a nossa humanidade”.

Relativamente à internet, Francisco reconhece que “pode multiplicar a capacidade de relato e partilha: muitos mais olhos abertos sobre o mundo, um fluxo contínuo de imagens e testemunhos”. “Entretanto – adianta – foram-se tornando evidentes, para todos, os riscos duma comunicação social não verificável” e com notícias e imagens facilmente manipuláveis. A consciência crítica “impele-nos, não a demonizar o instrumento, mas a uma maior capacidade de discernimento e a um sentido de responsabilidade mais maduro, seja quando se difundem seja quando se recebem conteúdos”.

A  pandemia de covid 19 é um desafio da atualidade e um convite a ‘ir e ver’. Porém, alerta a mensagem, “há o risco de narrar a pandemia ou qualquer outra crise só com os olhos do mundo mais rico, de manter uma ‘dupla contabilidade’”. Um exemplo que dá é o das vacinas e dos cuidados médicos em geral: “Quem nos contará a expetativa de cura nas aldeias mais pobres da Ásia, América Latina e África?”, pergunta.

Francisco chama ainda a atenção de todos, em particular dos crentes, para dimensões da comunicação que são, por vezes pouco valorizadas e que surgem de forma eloquente na vida e testemunho de Jesus: “Aos primeiros discípulos que querem conhecer Jesus, depois do seu Batismo no rio Jordão, Ele responde: ‘Vinde e vereis’, convidando-os a permanecer em relação com Ele”. Assim, a verdade da pregação de Jesus, mas sobretudo “a eficácia daquilo que dizia, [que] era inseparável do seu olhar, das suas atitudes e até dos seus silêncios” permitem compreender “o intenso fascínio de Jesus sobre quem O encontrava”. “A palavra só é eficaz, se se ‘vê’, se te envolve numa experiência, num diálogo”, acrescenta o documento.

Por tudo isto é que o Papa sublinha uma mensagem na qual tem vindo a insistir e a pôr em prática no seu pontificado: “Na comunicação, nada pode jamais substituir, de todo, o ver pessoalmente. Algumas coisas só se podem aprender, experimentando-as. Na verdade, não se comunica só com as palavras, mas também com os olhos, o tom da voz, os gestos”.

O texto papal termina com uma oração que resume a mensagem:

Senhor, ensinai-nos a sair de nós mesmos,
e partir à procura da verdade.

 Ensinai-nos a ir e ver,
ensinai-nos a ouvir,
a não cultivar preconceitos,
a não tirar conclusões precipitadas.

Ensinai-nos a ir aonde não vai ninguém,
a reservar tempo para compreender,
a prestar atenção ao essencial,
a não nos distrairmos com o supérfluo,
a distinguir entre a aparência enganadora e a verdade.

Concedei-nos a graça de reconhecer as vossas moradas no mundo
e a honestidade de contar o que vimos.

 

O segundo apagamento de Aristides

Comentário

O segundo apagamento de Aristides novidade

“Mesmo que me destituam, só posso agir como cristão, como me dita a minha consciência; se estou a desobedecer a ordens, prefiro estar com Deus contra os homens do que com os homens contra Deus.” Esta afirmação de Aristides de Sousa Mendes, cônsul de Portugal em Bordéus em 1940, confirmada por muitas outras de cariz semelhante, mostra bem qual foi o fundamento para a sua decisão de, contra as ordens expressas de Salazar, conceder indiscriminadamente vistos de passagem a milhares de pessoas em fuga do terror nazi.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Vaticano

Mundo não pode ignorar sofrimento de haitianos novidade

O mundo não pode mais ignorar o sofrimento do povo do Haiti, uma ilha que há séculos é explorada e pilhada por nações mais ricas, apontou o arcebispo Vincenzo Paglia, presidente da Pontifícia Academia para a Vida. “O grito de ajuda de uma nação não pode passar despercebido, especialmente pela Europa.”

Fale connosco

Pin It on Pinterest

Share This