Papa pediu fim da violência na Bioelorússia e deu 100 mil euros para combater falta de alimentos na Zâmbia

| 17 Ago 20

Cópia de papa francisco Foto Vatican Media

“Sigo com atenção a situação pós-eleitoral na Bielorrússia e apelo ao diálogo, à recusa da violência e ao respeito pela justiça e o Direito”, afirmou o Papa. Foto © Vatican Media

 

O Papa apelou ao fim da violência da Bielorrússia, palco de uma onda de protestos contra a reeleição, que muitos consideram fraudulenta, do Presidente Alexander Lukashenko.

“O meu pensamento vai também para a cara Bielorrússia. Sigo com atenção a situação pós-eleitoral neste país e apelo ao diálogo, à recusa da violência e ao respeito pela justiça e o Direito”, afirmou, na janela do apartamento pontifício, antes da recitação da oração do Angelus.

Lukashenko, no poder há 26 anos, é acusado pela União Europeia de fraude eleitoral e de repressão violenta das manifestações. E o arcebispo de Minsk, a capital palco de inúmeros protestos, condenou já a violência exercida sobre os manifestantes.

Perante centenas de pessoas reunidas na Praça de São Pedro, o Papa recordou ainda “outras situações dramáticas no mundo, que causam sofrimento às pessoas”, de um modo especial o Líbano, atingido no dia 4 por violentas explosões no porto de Beirute.

O Papa evocou também o tempo de férias, fazendo votos para que “possam ser um tempo para retemperar o corpo, mas também o espírito”, através da oração, do silêncio e do “contacto com a beleza da natureza, dom de Deus”. E acrescentou: “Que isto não nos faça esquecer os problemas que existem, por causa da covid, em tantas famílias que não têm trabalho, que perderam o emprego, que não têm o que comer. Que as nossas pausas de Verão sejam acompanhadas pela caridade e proximidade com estas famílias”, acrescentou, citado pela Ecclesia.

Francisco sugeriu ainda que todos os crentes tenham sempre consigo uma edição de bolso ou uma aplicação no telemóvel com o Novo Testamento, para criar “familiaridade” com Jesus, lendo todos os dias uma passagem do Evangelho.

 

100 mil euros para a Zâmbia

No sábado, o Vaticano anunciara entretanto que o Papa doou 100 mil euros à Igreja na Zâmbia com o objetivo de ajudar as pessoas “com deficiências nutricionais” e com falta de alimentos.

“Dos muitos pedidos que o Papa Francisco recebeu, ele optou por responder a uma solicitação de Zâmbia. Este dinheiro será distribuído através das dioceses para alcançar os mais necessitados, especialmente aqueles que sofreram com as recentes secas e cheias”, afirmou o padre Cleophas Lungu, secretário-geral da Conferência dos Bispos Católicos de Zâmbia, noticia o Vatican News.

Em Julho, o Papa já tinha enviado para a Zâmbia, através da nunciatura, três ventiladores, milhares de máscaras e produtos de higiene, que puderam “salvar vidas”, destaca o responsável.

“A dor e o sofrimento do povo foram aliviados por este gesto de solidariedade”, sublinhou o padre Lungu.

Mais de 2,5 milhões de pessoas foram afetadas pelas secas e cheias, tendo a Organização das Nações Unidas alertado, no início do ano, para uma “crise alimentar de proporções sem precedentes” em oito países da África central e austral, incluindo a Zâmbia, onde 20% da população está em situação de grave insegurança alimentar, à qual se soma a pandemia da covid-19.

 

Inquérito 7M sobre o Sínodo: entre as “baixas expectativas” e a “oportunidade de uma Igreja aberta”

Católicos portugueses pouco entusiasmados?

Inquérito 7M sobre o Sínodo: entre as “baixas expectativas” e a “oportunidade de uma Igreja aberta” novidade

O 7MARGENS entendeu auscultar um conjunto de 63 movimentos e associações católicas, procurando contemplar diversidade de carismas e de setores e mesmo de atitudes perante o futuro. A auscultação decorreu na segunda metade de julho, num momento em que já se conhecia o cronograma e dinâmica do Sínodo.

Líbano: Siro-católicos dizem-se marginalizados

Líbano tem novo Governo

Líbano: Siro-católicos dizem-se marginalizados novidade

O novo Governo do Líbano, liderado pelo muçulmano sunita Najib Mikati, obteve nesta segunda-feira, 20 de setembro, o voto de confiança do Parlamento. A nova estrutura de Governo reflete na sua composição a variedade do “mosaico” libanês, nomeadamente do ponto de vista das diversas religiões e confissões religiosas, mas os siro-católicos dizem ter sido marginalizados.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Às vezes, nem o amor consegue salvar-nos

Cinema

Às vezes, nem o amor consegue salvar-nos novidade

Falling, que em Portugal teve o subtítulo Um Homem Só, é a história de um pai (Willis) e de um filho (John) desavindos e (quase) sempre em rota de colisão, quer dizer, de agressão, de constante provocação unilateral da parte do pai, sempre contra tudo e contra todos.

A palavra que falta explicitar no “cuidar da criação”

A palavra que falta explicitar no “cuidar da criação” novidade

No dia 1 de setembro começou o Tempo da Criação para diversas Igrejas Cristãs. Nesse dia, o Papa Francisco, o Patriarca Bartolomeu e o Arcebispo de Canterbury Justin assinaram uma “Mensagem Conjunta para a Protecção da Criação” (não existe – ainda – tradução em português). Talvez tenha passado despercebida, mas vale a pena ler.

Fale connosco

Pin It on Pinterest

Share This