Líbano

Papa quer respostas internacionais para “grave crise”

| 1 Jul 21

papa francisco oracao libano, Foto Vatican News

Ao lado de um padre libanês que tinha ido assistir à audiência, Francisco convocou um dia de oração e jejum pelo país (2 de setembro de 2020). Foto: Vatican News.

 

O Papa Francisco encerrou a jornada ecuménica de oração e debate pela paz no Líbano, pedindo respostas internacionais para a “grave crise” no país do Médio Oriente e denunciando o que considerou “interesses e lucros alheios” ao país. 

“Reunimo-nos hoje para rezar e reflectir, impelidos por uma grande preocupação pelo Líbano ao ver mergulhado numa grave crise este país, que trago no coração e desejo visitar”, afirmou o Papa. A celebração final da jornada, que decorreu nesta quinta-feira, 1 de Julho, realizou-se na Basílica de São Pedro e contou com os responsáveis cristãos libaneses que participaram no encontro. 

Citado na agência Ecclesia, o Papa falou num povo “desiludido e exausto”, que precisa de “projectos de paz” para preservar o seu “tesouro de civilização e espiritualidade, que irradiou ao longo dos séculos sabedoria e cultura, que testemunha uma experiência única de convivência pacífica”.

“Chega de usar o Líbano e o Médio Oriente para interesses e lucros alheios! É preciso dar aos libaneses a possibilidade de serem protagonistas dum futuro melhor, na sua terra e sem interferências indevidas”, afirmou Francisco.

O Líbano, acrescentou, “não pode ser deixado à mercê do destino ou de quem busca sem escrúpulos os próprios interesses”, considerando o país como “uma mensagem universal de paz e fraternidade que se eleva do Médio Oriente”.

O encontro incluiu três momentos de debate, à porta fechada. A oração conclusiva contou com a presença de embaixadores da Santa Sé, comunidades religiosas e leigos libaneses residentes em Roma. Mas ela teve uma dimensão “exclusivamente religiosa”, pelo que não foram convocados responsáveis políticos do Líbano.

A oração ecuménica incluiu a proclamação de algumas passagens da Bíblia, orações e cantos das diferentes tradições cristãs presentes no Líbano, com textos em árabe, sírio, arménio e caldeu.

No final da celebração, alguns jovens entregaram aos participantes uma lâmpada, antes do discurso conclusivo do Papa. 

“Nestes tempos de desgraça, queremos afirmar com todas as forças que o Líbano é e deve continuar a ser um projeto de paz”, referiu Francisco, que falou numa crise económica, política e social e desafiou os políticos a encontrar “soluções urgentes e duradouras”.

A sua vocação é ser uma terra de tolerância e pluralismo, um oásis de fraternidade onde diferentes religiões e confissões se encontram, onde comunidades diversas convivem, sobrepondo o bem comum às vantagens particulares”.

Francisco referiu-se também aos “irmãos e irmãs muçulmanos e de outras religiões”, manifestando a abertura e disponibilidade da Igreja Católica para “colaborar na construção da fraternidade e na promoção da paz”.

“Espero que este dia seja seguido de iniciativas concretas sob o signo do diálogo, do empenho educativo e da solidariedade”, concluiu.

 

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Interiormente perturbador

Cinema

Interiormente perturbador novidade

Quase no início d’O Acontecimento, já depois de termos percebido que o filme iria andar à volta do corpo e do desejo, Anne conclui que se trata de um texto político. Também esta obra cinematográfica, que nos expõe um caso de aborto clandestino – estamos em França, nos anos 60 –, é um filme político.

Sondagem

Brasil deixa de ter maioria católica  novidade

Algures durante este ano a maioria da população brasileira deixará de se afirmar maioritariamente como católica. Em janeiro de 2020, 51% dos brasileiros eram católicos, muito à frente dos que se reconheciam no protestantismo (31%). Ano e meio depois os números serão outros.

Bispos pedem reconciliação e fim da violência depois de 200 mortes na Nigéria

Vários ataques no Nordeste do país

Bispos pedem reconciliação e fim da violência depois de 200 mortes na Nigéria

O último episódio de violência na Nigéria, com contornos políticos, económicos e religiosos, descreve-se ainda com dados inconclusivos, mas calcula-se que, pelo menos, duas centenas de pessoas perderam a vida na primeira semana de Janeiro no estado de Zamfara, Nigéria, após vários ataques de grupos de homens armados a uma dezena de aldeias. Há bispos católicos a sugerir caminhos concretos para pôr fim à violência no país, um dos que registam violações graves da liberdade religiosa. 

Fale connosco

Pin It on Pinterest

Share This