Papa vai ao encontro de jovens que não podem participar nas jornadas

| 23 Jan 19

Jovens detidos no Centro de Cumplimento de Menores Las Garzas de Pacora, a fazer um báculo que vão oferecer ao Papa.

 
Nem só de multidões se fazem as Jornadas Mundiais da Juventude (JMJ). Ao longo dos próximos cinco dias em que o Papa estará no Panamá para encontrar-se com jovens católicos de todo o mundo (estão inscritos mais de 100 mil participantes oriundos de 156 países, segundo os dados da organização, atualizados no dia 22 de janeiro), haverá dois momentos especiais, em que não deverá haver mais do que algumas dezenas de pessoas no encontro com Francisco. Trata-se das visitas que o Papa decidiu fazer a duas instituições onde se encontram jovens que não poderão participar nas JMJ: um estabelecimento prisional e um lar de acolhimento para doentes de HIV.
 
Papa confessa jovens detidos
 
Na próxima sexta-feira, 25 de janeiro, antes de se reunir com os participantes das jornadas para a habitual celebração da Via Sacra, Francisco irá ao encontro de 200 jovens detidos no “Centro de Cumplimento de Menores Las Garzas de Pacora”. O Papa presidirá a uma celebração penitencial, em que confessará alguns dos jovens presos, usando para o efeito confessionários que eles próprios construíram ao longo das últimas semanas.
Para o arcebispo do Panamá, José Domingo Ulloa Mendieta, o encontro do Papa com os jovens detidos vai ser “um acontecimento muito especial”, no qual “jovens privados de liberdade participarão numa liturgia penitencial com o Santo Padre, num ato de arrependimento, reconciliação e perdão”.
No domingo, 27 de janeiro, último dia das jornadas, será a vez da “Casa Hogar Buen Samaritano“, um lar que acolhe e apoia jovens portadores de VIH/Sida. O Papa visitará os pacientes e 25 voluntários do centro de acolhimento e ali rezará a oração do Angelus, acompanhado também pelos jovens do orfanato de San José de Malambo, do Centro São João Paulo, que acompanha dependentes de droga e álcool, do Lar São José, pertencente às Irmãs da Caridade, e da congregação Kkottongnae, que acolhe sem abrigo.
 
Proximidade de todas as periferias
 
O administrador do lar “Buen Samaritano”, Erick Rodríguez, disse em entrevista ao grupo ACI que a notícia da presença de Francisco foi recebida “com grande alegria e surpresa”, porque consideram que ainda são “uma obra muito pequena”. “A visita do Papa dá-nos um reconhecimento, diz-nos que estamos no caminho certo e também faz justiça às pessoas que se encontram nas periferias existenciais e que são marginalizadas até pela sua própria família”, afirmou o responsável pela instituição.
Nas JMJ anteriores, que se realizaram em 2016 na Polónia, o Papa Francisco fez questão de incluir no programa uma ida ao Hospital Pediátrico de Cracóvia. Em 2013, no Rio de Janeiro, tinha visitado uma favela. Nesta edição das JMJ, uma vez mais, o Papa mostra que quer estar próximo de todas as periferias existenciais, como ele próprio se refere a este tipo de realidades. 

Breves

Sondagem

Brasil deixa de ter maioria católica 

Algures durante este ano a maioria da população brasileira deixará de se afirmar maioritariamente como católica. Em janeiro de 2020, 51% dos brasileiros eram católicos, muito à frente dos que se reconheciam no protestantismo (31%). Ano e meio depois os números serão outros.

Boas notícias

Outras margens

Cultura e artes

Cinema

Interiormente perturbador

Quase no início d’O Acontecimento, já depois de termos percebido que o filme iria andar à volta do corpo e do desejo, Anne conclui que se trata de um texto político. Também esta obra cinematográfica, que nos expõe um caso de aborto clandestino – estamos em França, nos anos 60 –, é um filme político.

Crónicas portuguesas dos anos 80

As causas que sobrevivem às coisas

O Portugal de A Causa das Coisas e de Os Meus Problemas, publicados nos anos 80, fazem sentido neste século XXI? Miguel Esteves Cardoso ainda nos diz quem e o que somos nós? Haverá coisas que hoje se estranham, nomes fora de tempo, outras que já desapareceram ou caíram em desuso. Já as causas permanecem. Pretexto para uma revisitação a crónicas imperdíveis, agora reeditadas.

Carta a Filémon

A liberdade enquanto caminho espiritual

A Epístola a Filémon – um dos mais pequenos escritos do Novo Testamento – constitui o estímulo e o contexto para uma bela reflexão sobre a vivência da liberdade enquanto caminho espiritual. Adrien Candiard – dominicano francês a residir na cidade do Cairo – consegue em breves páginas apresentar um exercício de leitura rico e incisivo sobre a qualidade da vida cristã, mantendo um tom coloquial próprio do contexto de pequenos grupos nos quais este livro encontrou a sua origem.

Pessoas

Sete Partidas

Ser pai no inverno da Estónia

Estou a viver na Estónia há oito anos e fui pai recentemente. Vim para aqui estudar e, como acontece a muitos outros portugueses espalhados por esse mundo, apaixonei-me por uma mulher deste país, arranjei trabalho, casei e o mais recente capítulo da minha história é o nascimento do meu filho, no mês de dezembro de 2021.

Visto e Ouvido

Agenda

[ai1ec view=”agenda”]

Ver todas as datas

Entre margens

Thich Nhat Hanh: Buda e Jesus são irmãos novidade

Regressei ao cristianismo. Mas fui budista zen cerca de quinze anos, integrada na orientação budista zen do mestre japonês Taisen Deshimaru (Associação Zen Internacional); tendo como mestre um dos seus discípulos, Raphael Doko Triet. Gostaria de lhe prestar aqui a minha homenagem pois aprendi muito com ele, ligando-nos ainda – embora à distância – uma profunda amizade.

“A longa viagem começa por um passo”, recriemos…

Inicio o meu quarto ano de uma escrita a que não estava habituada, a crónica jornalística. Nos primeiros três anos escrevi sobre a interculturalidade. Falei sobre o modo como podemos, por hipótese, colocar as culturas moçambicanas e portuguesa a dialogarem. Noutras vezes, inclui a cultura judaica, no diálogo com essas culturas. De um modo geral, tenho-me questionado sobre a cultura, nas suas diferentes manifestações: literatura, costumes, comportamentos sociais, práticas culturais, modos de ser, de estar e de fazer.

O Sínodo dos Bispos não é o sínodo da Igreja

Está a Igreja Católica Romana a caminhar para mais um Sínodo dos Bispos, a acontecer em 2023, e para isso toda uma máquina funciona no sentido da obtenção de mais diretivas ao serviço do Evangelho. Vamos lá lembrar o que está a acontecer: já não é a primeira vez que se realiza um Sínodo dos Bispos para refletir sobre algumas questões colocadas, sem que, no entanto, se sintam alterações substantivas ao funcionamento da Igreja, dando vitalidade ao seu caminhar.

Fale connosco

Abusos na Igreja
Dar voz ao silêncio

Contactos da Comissão Independente

https://darvozaosilencio.org/

E-mail: geral@darvozaosilencio.org

Telefone: (+351) 91 711 00 00

You have Successfully Subscribed!

Pin It on Pinterest

Share This