Viagem apostólica

Papa visita Indonésia, Timor-Leste e Papua-Nova Guiné de 3 a 15 de setembro

| 1 Abr 2024

papa entra no aviao a caminho de kinshasa, congo, foto vatican media

Papa Francisco entra no avião com destino a Kinshasa, Congo, em Janeiro de 2024. Foto © Vatican Media

 

O Papa Francisco visitará a partir do próximo dia 3 de setembro a Indonésia, naquela que será a segunda visita de um líder da Igreja católica àquele arquipélago asiático de maioria muçulmana, onde João Paulo II esteve em 1989. A viagem prolonga-se até 15 de setembro, e incluirá paragens em Timor-Leste e na Papua-Nova Guiné.

A confirmarem-se estas datas, avançadas pelo Religión Digital, a viagem acontecerá mais de dois anos depois do convite oficial enviado pelo Governo indonésio, em junho de 2022. Recorde-se que a mesma chegou a estar prevista para setembro de 2020, mas foi cancelada devido à pandemia de covid-19.

O anúncio oficial deverá ser feito na próxima segunda-feira, 8 de abril, pela Conferência Episcopal da Indonésia, adiantou o arcebispo de Jacarta, cardeal Ignatius Suharyo, à UCA News.

Desde a sua eleição em 2013, o Papa Francisco fez 44 viagens. Para este ano, estão previstas outras duas viagens: à Bélgica – a propósito da comemoração do sexto centenário da universidade de Lovaina – e à sua terra-natal, a Argentina – à qual não voltou desde que foi eleito.

 

“E tu, falas com Jesus?”

“E tu, falas com Jesus?” novidade

Em matéria de teologia, tendo a sentir-me mais próxima do meu neto X, 6 anos, do que da minha neta F, de 4. Ambos vivem com os pais e uma irmã mais nova em Londres. Conto dois episódios, para perceberem onde quero chegar. Um dia, à hora de deitar, o X contou à mãe que estava “desapontado” com o seu dia. Porquê? Porque não encontrara o cromo do Viktor Gyokeres, jogador do Sporting, um dos seus ídolos do futebol; procurou por todo o lado, desaparecera. Até pedira “a Jesus” para o cromo aparecer, mas não resultou. [Texto de Ana Nunes de Almeida]

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Fundadora da Comunidade Loyola castigada pelo Vaticano é ministra da comunhão em Braga

Decreto de extinção a marcar passo?

Fundadora da Comunidade Loyola castigada pelo Vaticano é ministra da comunhão em Braga novidade

A pouco mais de três meses de se completar um ano, prazo dado pelo Vaticano para extinguir a Comunidade Loyola, um instituto de religiosas fundado por Ivanka Hosta e pelo padre Marko Rupnik, aparentemente tudo continua como no início, com as casas a funcionar normalmente. No caso da comunidade de Braga, para onde Ivanka foi ‘desterrada’ em meados de 2023, por abusos de poder e espirituais, a “irmã” tem mesmo estado a desenvolver trabalho numa paróquia urbana, incluindo como ministra extraordinária da comunhão, com a aparente cobertura da diocese.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This