Nomeações no Vaticano

Papel das mulheres na Igreja: serão os elogios ao Papa realmente justificados?

| 4 Out 21

O Papa Francisco, na Praça de São Pedro: as mulheres devem ter mais lugares de responsabilidade. Foto © Ashwin Vaswani/Unsplash

 

As recentes nomeações de teólogos de todo o mundo para a Comissão Teológica Internacional (CTI), da iniciativa do Papa Francisco, contrariam a “boa imprensa” de que ele goza quanto à promoção do papel da mulher na vida da Igreja Católica, segundo o editor do La Croix Internacional, Robert Mikens.

A CTI foi criada pelo Papa Paulo VI, na sequência do Concílio Vaticano II, abrindo assim campo a que os teólogos de projeção internacional pudessem continuar a ter influência em Roma, como tinham tido nos trabalhos conciliares, mas agora em interação próxima com a Congregação para a Doutrina da Fé.

Embora ser membro desta Comissão não se compare a “ter uma posição de destaque na Cúria Romana”, afirma Mickens, a verdade é que representa uma posição de destaque. Contudo, observa o jornalista do La Croix, “a coisa mais dececionante sobre as pessoas que Francisco acaba de selecionar para o mandato de 2021-2016 não é tanto que poucos possam ser considerados teólogos de classe mundial (ou pelo menos internacionalmente conhecidos). A verdadeira desgraça é que cerca de 78,6% deles são padres” e apenas cinco são mulheres (das quais três são membros de congregações religiosas).

Por conseguinte, entre os 28 teólogos que passam a compor a CTI, 82,2 por cento são homens (já que também há um leigo na lista) e 17,8 são mulheres, o que não reflete a teologia ou a Igreja hoje, sustenta o articulista.

“Em primeiro lugar, explica Robert Mickens, não reflete a realidade académica hoje, na maior parte do mundo, onde os leigos – muitos deles mulheres – estão cada vez mais a superar os clérigos nas faculdades de teologia – e por uma grande margem. E, em segundo lugar, não é propriamente um endosso retumbante da competência dos leigos, poucos dias antes do lançamento da fase preparatória da assembleia do Sínodo dos Bispos sobre a sinodalidade”.

Não acabam aqui as críticas do editor de La Croix Internacional. Se se olhar à geografia da proveniência dos novos membros da CTI, além de serem maioritariamente homens e clérigos, metade provêm da Europa, contra apenas três da África e dois da Ásia, por exemplo. Mantém-se assim “o status quo de uma Igreja eurocêntrica, que é surpreendentemente o oposto do que o papa argentino vem perseguindo durante seus mais de oito anos como bispo de Roma”.

Para ser justo com o Papa, o colunista reconhece que a lista de candidatos a membros da CTI é da responsabilidade do prefeito da Congregação para a Doutrina da Fé (CDF), que apresenta os nomes depois de ouvir as conferências episcopais nacionais em todo o mundo. Ele então apresenta a lista ao papa que, dizem, quase sempre a aprova sem alterações.

Mickens aproveita para contrariar também a ideia de que o Papa Francisco está a fazer “avanços significativos na promoção de mulheres para cargos importantes no Vaticano”. “O número de posições de primeiro plano não é significativo. É marginal” e, de um modo geral, o padrão é de “envio de mensagens contraditórias”, nesta matéria. E numa observação que faz o título da coluna esta semana acrescenta: “Francisco está a dançar cuidadosamente em torno da questão do papel das mulheres na Igreja. Não está claro quão sério ele realmente é, e até onde ele provavelmente irá, de forma a chegar à tomada de decisões e outras funções ministeriais”.

 

Comissão quer “dar voz ao silêncio” das vítimas dos “crimes hediondos” dos abusos do clero

Pedro Strecht apresentou membros

Comissão quer “dar voz ao silêncio” das vítimas dos “crimes hediondos” dos abusos do clero novidade

Daqui a um ano haverá relatório, que pode ser o fim do trabalho ou o início de mais. A comissão para estudar os abusos sexuais do clero português está formada e quer que as vítimas percam o medo, a vergonha e a culpa. Ou seja, que dêem voz ao seu silêncio. Pedro Strecht apresentou razões, o presidente dos bispos disse que não quer mais preconceitos nem encobrimentos, mas “autêntica libertação, autenticidade e dignidade para todos”.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Encontra um trabalho que não amas, não perderás um minuto da tua vida

Encontra um trabalho que não amas, não perderás um minuto da tua vida novidade

Ainda antes de acabar o curso fui à minha primeira entrevista de trabalho “a sério”, numa produtora de filmes num bairro trendy de Lisboa. Roubei um dia à escrita da tese de mestrado, apanhei o comboio e lá fui eu, tão nervosa quanto entusiasmada. O dono começou por me perguntar se fazer cinema era o meu sonho. Fiquei logo sem chão. Sofri, desde muito cedo, de um mal que me acompanha até hoje: sonhava demais e muitos sonhos diferentes.

Fale connosco

Pin It on Pinterest

Share This