Paquistão: telemóvel “blasfemo” condena à morte um casal de cristãos

| 26 Abr 21

Pode um conjunto de mensagens escritas no telemóvel condenar alguém à morte? No Paquistão, para Shagufta Kausar e o seu marido, Shafqat Emmanuel, a resposta é “sim”. Por causa disso, a Amnistia Internacional vai lançar uma campanha a pedir a libertação imediata e incondicional do casal cristão condenado por blasfémia.

 

Shafqat Emmanuel e Shagufta Kausar foram acusados de blasfémia no Paquistão. Foto © ACN Portugal

 

As leis sobre blasfémia no Paquistão violam as obrigações do país no campo dos direitos humanos e abrem caminho para outros abusos, incluindo ameaças de morte e execuções, considera a Amnistia Internacional (AI), na apresentação do caso de Shagufta Kausar e Shafqat Emmanuel.

Este casal de cristãos precisa de uma acção urgente dos defensores de direitos humanos, para que não se tornem “nas próximas vítimas destas leis injustas”. É isso que a Amnistia Internacional se propõe lançar e divulgar a partir da próxima quinta-feira, soube o 7MARGENS, mas o texto foi já colocado na página da Amnistia Internacional-Portugal, onde pode ser lido.

O caso conta-se rapidamente, de acordo com o resumo que dele faz a AI: em 2013, alguém comprou um cartão telefónico no Paquistão, registando-o em nome de Shagufta Kausar e instalando-o num telemóvel. Desse número, alguém enviou, ao imã de uma mesquita, várias mensagens insultuosas sobre o profeta Maomé.

Shagufta, em nome de quem foi feita a compra, e o seu marido, garantem que não mandaram quaisquer mensagens. Alguém terá usado o documento de identidade de Shagufta, sem a sua autorização, para comprar o cartão SIM e, com ele, agir em seu nome – alegam ambos. Certo é que, à conta das mensagens, a mulher e o marido, Shafqat Emmanuel, foram acusados de “blasfémia”. Daí até à prisão e, em Abril de 2014, a condenação à morte, foi um passo curto, apesar de eles continuarem a negar todas as acusações.

No Paquistão, o crime de blasfémia é punido com a morte, recorda a Amnistia – o que viola, aliás, as convenções internacionais segundo as quais a pena capital não deve abranger crimes que não implicaram a morte de alguém. “As condenações de Shagufta e Shafqat, ambos cristãos, são um claro exemplo dos perigos que as minorias religiosas enfrentam” naquele país, considera a Amnistia. E várias organizações de defesa de direitos humanos têm alegado que a lei em vigor é por vezes utilizada para vinganças pessoais, temendo os juízes serem vítimas de represálias, se não impuserem condenações severas.

 

Um apelo pronto a assinar

 

Mulheres cristãs no Paquistão: “as leis sobre blasfémia no Paquistão vão continuar a colocar minorias religiosas em perigo e mais vidas em risco se não forem revogadas”, diz a Amnistia. Foto © Magdalena Wolnik 

 

Desde 2014, ambos os membros do casal aguardam a apreciação de um recurso que apresentaram. Esta chegou a estar prevista para Abril de 2020, mas foi adiada por causa da pandemia. Pior: já este ano, em 2021, nas duas últimas audiências, os juízes abandonaram a sala no momento em que iria ser analisado o recurso contra as condenações, alegando que o horário laboral tinha terminado – conta ainda a Amnistia.

Para Emmanuel, as últimas semanas agravaram a situação: a sua saúde deteriorou-se, tem as pernas paralisadas e, para se movimentar, precisa de ajuda dos guardas prisionais – “que nem sempre estão disponíveis”. De acordo com o advogado, Shafqat tem várias feridas que não estão a ser devidamente tratadas e as dores pioram diariamente. E a família conta que o acusado esteve três dias em coma em Março, sem ter sido levado ao hospital.

A Amnistia considera que a condenação à morte por blasfémia “viola as obrigações do Paquistão em respeitar e proteger os direitos à vida, a liberdade de pensamento, consciência e religião ou crença, a liberdade de expressão ou até a igualdade de todas as pessoas perante a lei”.

Por isso, a organização tem pronto um apelo que pode ser assinado por qualquer pessoa interessada, pedindo a libertação imediata e incondicional do casal de cristãos e a revogação urgente da lei da blasfémia. A carta diz mesmo que todos os recursos foram negados ao casal, que deve ser libertado e colocados em segurança depois da libertação. “As leis sobre blasfémia no Paquistão vão continuar a colocar minorias religiosas em perigo e mais vidas em risco se não forem revogadas.”

No último relatório sobre a Liberdade Religiosa no Mundo, publicado na semana passada pela Ajuda à Igreja que Sofre, o Paquistão é colocado entre os 26 países com mais violações à liberdade religiosa, como o 7MARGENS referiu.

Ao mesmo tempo, o nacionalismo étnico-religioso do país é também apontado como factor que agrava a situação das minorias religiosas.

Um dos mais mediáticos casos de condenação à morte por blasfémia, no Paquistão, foi o de Asia Bibi, uma mulher cristã que foi libertada há dois anos e vive agora com a família no Canadá.

 

Escutar todos, com horizontes para lá das “fronteiras” da Igreja

Inquérito sobre o Sínodo

Escutar todos, com horizontes para lá das “fronteiras” da Igreja novidade

O Papa observava, no encontro sinodal com a sua diocese de Roma, no último sábado, 18, que escutar não é inquirir nem recolher opiniões. Mas nada impede que se consultem os cristãos sobre as “caraterísticas e âmbito” que “entendem dever ter a escuta que as igrejas diocesanas são chamadas a realizar, desde 17 de outubro próximo até ao fim de março-abril de 2022. Era esse o terceiro ponto da consulta feita pelo 7Margens, cujas respostas damos hoje a conhecer.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Nova estratégia de combate ao antissemitismo será apresentada em outubro

União Europeia

Nova estratégia de combate ao antissemitismo será apresentada em outubro novidade

A União Europeia (UE) deverá divulgar, no próximo mês de outubro, uma “nova estratégia de combate ao antissemitismo e promoção da vida judaica”. A iniciativa surge na sequência da disseminação do racismo antissemita em inúmeros países da Europa, associada a teorias da conspiração que culpabilizam os judeus pela propagação da covid-19, avançou esta quarta-feira, 22, o Jewish News.

Livrai-nos do Astérix, Senhor!

Livrai-nos do Astérix, Senhor! novidade

A malfadada filosofia do politicamente correcto já vai no ponto de apedrejar a cultura e diabolizar a memória. A liberdade do saber e do saber com prazer está cada vez mais ameaçada. Algumas escolas católicas do Canadá retiraram cerca de cinco mil títulos do seu acervo por considerarem que continham matéria ofensiva para com os povos indígenas.

A dança dos bispos continua em Leiria e Braga

João Lavrador deixa Açores para Viana

A dança dos bispos continua em Leiria e Braga novidade

Com a escolha de João Lavrador para a sede vacante de Viana fica agora Angra sem bispo. Mas Braga já está à espera de sucessor há dois anos, enquanto em Leiria se perspectiva a sucessão talvez até final do ano. Há bispos que querem sair de onde estão, outros não querem alguns para determinados sítios. “Com todas estas movimentações, é difícil acreditar que a nomeação de um bispo seja obra do Espírito Santo”, diz um padre.

Fale connosco

Pin It on Pinterest

Share This