Paquistão: telemóvel “blasfemo” condena à morte um casal de cristãos

| 26 Abr 2021

Pode um conjunto de mensagens escritas no telemóvel condenar alguém à morte? No Paquistão, para Shagufta Kausar e o seu marido, Shafqat Emmanuel, a resposta é “sim”. Por causa disso, a Amnistia Internacional vai lançar uma campanha a pedir a libertação imediata e incondicional do casal cristão condenado por blasfémia.

 

Shafqat Emmanuel e Shagufta Kausar foram acusados de blasfémia no Paquistão. Foto © ACN Portugal

 

As leis sobre blasfémia no Paquistão violam as obrigações do país no campo dos direitos humanos e abrem caminho para outros abusos, incluindo ameaças de morte e execuções, considera a Amnistia Internacional (AI), na apresentação do caso de Shagufta Kausar e Shafqat Emmanuel.

Este casal de cristãos precisa de uma acção urgente dos defensores de direitos humanos, para que não se tornem “nas próximas vítimas destas leis injustas”. É isso que a Amnistia Internacional se propõe lançar e divulgar a partir da próxima quinta-feira, soube o 7MARGENS, mas o texto foi já colocado na página da Amnistia Internacional-Portugal, onde pode ser lido.

O caso conta-se rapidamente, de acordo com o resumo que dele faz a AI: em 2013, alguém comprou um cartão telefónico no Paquistão, registando-o em nome de Shagufta Kausar e instalando-o num telemóvel. Desse número, alguém enviou, ao imã de uma mesquita, várias mensagens insultuosas sobre o profeta Maomé.

Shagufta, em nome de quem foi feita a compra, e o seu marido, garantem que não mandaram quaisquer mensagens. Alguém terá usado o documento de identidade de Shagufta, sem a sua autorização, para comprar o cartão SIM e, com ele, agir em seu nome – alegam ambos. Certo é que, à conta das mensagens, a mulher e o marido, Shafqat Emmanuel, foram acusados de “blasfémia”. Daí até à prisão e, em Abril de 2014, a condenação à morte, foi um passo curto, apesar de eles continuarem a negar todas as acusações.

No Paquistão, o crime de blasfémia é punido com a morte, recorda a Amnistia – o que viola, aliás, as convenções internacionais segundo as quais a pena capital não deve abranger crimes que não implicaram a morte de alguém. “As condenações de Shagufta e Shafqat, ambos cristãos, são um claro exemplo dos perigos que as minorias religiosas enfrentam” naquele país, considera a Amnistia. E várias organizações de defesa de direitos humanos têm alegado que a lei em vigor é por vezes utilizada para vinganças pessoais, temendo os juízes serem vítimas de represálias, se não impuserem condenações severas.

 

Um apelo pronto a assinar

 

Mulheres cristãs no Paquistão: “as leis sobre blasfémia no Paquistão vão continuar a colocar minorias religiosas em perigo e mais vidas em risco se não forem revogadas”, diz a Amnistia. Foto © Magdalena Wolnik 

 

Desde 2014, ambos os membros do casal aguardam a apreciação de um recurso que apresentaram. Esta chegou a estar prevista para Abril de 2020, mas foi adiada por causa da pandemia. Pior: já este ano, em 2021, nas duas últimas audiências, os juízes abandonaram a sala no momento em que iria ser analisado o recurso contra as condenações, alegando que o horário laboral tinha terminado – conta ainda a Amnistia.

Para Emmanuel, as últimas semanas agravaram a situação: a sua saúde deteriorou-se, tem as pernas paralisadas e, para se movimentar, precisa de ajuda dos guardas prisionais – “que nem sempre estão disponíveis”. De acordo com o advogado, Shafqat tem várias feridas que não estão a ser devidamente tratadas e as dores pioram diariamente. E a família conta que o acusado esteve três dias em coma em Março, sem ter sido levado ao hospital.

A Amnistia considera que a condenação à morte por blasfémia “viola as obrigações do Paquistão em respeitar e proteger os direitos à vida, a liberdade de pensamento, consciência e religião ou crença, a liberdade de expressão ou até a igualdade de todas as pessoas perante a lei”.

Por isso, a organização tem pronto um apelo que pode ser assinado por qualquer pessoa interessada, pedindo a libertação imediata e incondicional do casal de cristãos e a revogação urgente da lei da blasfémia. A carta diz mesmo que todos os recursos foram negados ao casal, que deve ser libertado e colocados em segurança depois da libertação. “As leis sobre blasfémia no Paquistão vão continuar a colocar minorias religiosas em perigo e mais vidas em risco se não forem revogadas.”

No último relatório sobre a Liberdade Religiosa no Mundo, publicado na semana passada pela Ajuda à Igreja que Sofre, o Paquistão é colocado entre os 26 países com mais violações à liberdade religiosa, como o 7MARGENS referiu.

Ao mesmo tempo, o nacionalismo étnico-religioso do país é também apontado como factor que agrava a situação das minorias religiosas.

Um dos mais mediáticos casos de condenação à morte por blasfémia, no Paquistão, foi o de Asia Bibi, uma mulher cristã que foi libertada há dois anos e vive agora com a família no Canadá.

 

Quando os padres não abusadores são as vítimas colaterais dos abusos do clero

Encontro “Cuidar” em Lisboa

Quando os padres não abusadores são as vítimas colaterais dos abusos do clero novidade

“O que encontramos assusta-me: desilusão, depressão, crise existencial, perda de identidade, fim da relação entre presbíteros, perda de confiança na instituição e na hierarquia.” O diagnóstico cáustico é feito ao 7MARGENS pelo padre inglês Barry O’Sullivan, 61 anos, da diocese de Manchester, que estudou o impacto dos abusos sexuais entre os padres não abusadores.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

 

De 1 a 31 de Julho

Helpo promove oficina de voluntariado internacional

  Encerram nesta sexta-feira, 24 de Junho, as inscrições para a Oficina de Voluntariado Internacional da Helpo, que decorre entre 1 e 3 de Julho. A iniciativa é aberta a quem se pretenda candidatar ao Programa de Voluntariado da Organização Não Governamental para...

Luz e negrume

Luz e negrume novidade

As obras de Pedro Costa, cineasta, Rui Chafes, escultor, e Paulo Nozolino, fotógrafo, e de Simon Hantaï, artista plástico, estão expostas em Paris, respectivamente no Centre Georges Pompidou e na Fundação Louis Vitton. Um autor, identificado como Anonymous, estabelece com elas um diálogo em dois poemas traduzidos por João Paulo Costa, investigador na área de filosofia e autor de À sombra do invisível (Documenta, 2020).

Paróquia de Nossa Senhora da Hora: Ouvir os leigos na nomeação de padres e bispos

Contributos para o Sínodo (23)

Paróquia de Nossa Senhora da Hora: Ouvir os leigos na nomeação de padres e bispos novidade

Os leigos devem ser ouvidos nos processos de nomeação de párocos e de escolha dos bispos e a Igreja deve ter uma lógica de reparação da situação criada pelos abusos de menores. Evitar o clericalismo e converter os padres a uma Igreja minoritária, pobre, simples, dialogante, sinodal é outra das propostas do Conselho Paroquial de Pastoral da Paróquia de Nossa Senhora da Hora (Matosinhos).

Saúde mental dos jovens: a urgência de um novo paradigma

Saúde mental dos jovens: a urgência de um novo paradigma novidade

A saúde mental dos jovens tem-se vindo a tornar, aos poucos, num tema com particular relevância nas reflexões da sociedade hodierna, ainda que se verifique que estas possam, muitas das vezes, não resultar em concretizações visíveis e materializar em soluções para os problemas que afetam os membros desta mesma sociedade. A verdade é que, apesar de todos os esforços por parte dos profissionais de saúde e também das pessoas, toda a temática é, ainda, envolvida por uma “bolha de estigmas”, o que a transforma numa temática-tabu.

Agenda

There are no upcoming events.

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This