Assembleia dos bispos italianos

“Para a Igreja os casos de abuso nunca prescrevem”, defende Zuppi

| 16 Nov 2023

cardeal matteo zuppi foto c CEI

No que diz respeito a indemnizações às vítimas, Zuppi deu uma resposta vaga: trata-se, observou, de “uma discussão muito aberta”. Foto © CEI

 

Na Igreja, não pode haver lugar para a prescrição dos abusos sexuais, afirmou esta quinta-feira. 16 de novembro, aos jornalistas o arcebispo de Bolonha e presidente da Conferência Episcopal Italiana (CEI), Matteo Zuppi.

Na conferência de imprensa no final da assembleia de inverno dos bispos italianos, Zuppi reconheceu que “a prescrição é um problema, mas na Igreja não há”. E explicou deste modo a sua posição sobre a matéria, segundo a agência católica SIR:

“Quem denuncia, mesmo depois de vários anos, é ouvido e, em qualquer caso, desencadeamos um procedimento interno. Em muitos casos, não há referência à pena porque prescreveu, mas não para nós. Há casos de pessoas que se reportam apenas à autoridade eclesiástica e não têm intenção de denunciar às autoridades civis, ainda que o nosso pedido seja também que se dirijam às autoridades civis”.

Esta posição contrasta com a de muitos outros bispos que se apoiam nas decisões de arquivamento deste tipo de casos dos tribunais civis ou eclesiásticos, quando a matéria de facto prescreveu para descartarem qualquer outra responsabilidade nos casos.

Os jornalistas interrogaram o presidente da CEI relativamente a episódios de alegado encobrimento de casos de abuso por parte de bispos. Neste ponto, a resposta do cardeal foi defensiva:

“Hoje é difícil para um bispo encobrir. Uma avaliação não objetiva é quase mais perigosa. Na verdade, o risco é quase o oposto: que, por prudência, também sejam iniciados procedimentos legais para verificar os factos”.

Quanto à situação na Igreja Católica de Itália, recorde-se que este foi um caso em que, já com Zuppi na presidência da CEI, foi decidido não se avançar para um trabalho de investigação por uma entidade independente. Em alternativa, foi reforçada a rede de serviços e das equipas diocesanas, bem como dos centros de escuta, presentes, segundo os dados divulgados, em 70 por cento das Igrejas locais da península italiana.

Neste âmbito, o cardeal anunciou duas novidades: um relatório nacional, a apresentar dentro de dias, sobre as atividades de prevenção e formação e sobre os casos de abusos denunciados ou comunicados à rede de serviços diocesanos e interdiocesanos em 2020 e 2021, realizado por dois institutos universitários de criminologia e vitimologia (relatório que passará, depois, a ter uma periodicidade anual). Um outro estudo, desta vez debruçado sobre um período mais longo (2000 – 2021), visa conhecer e analisar, quantitativa e qualitativamente, os dados sobre os abusos na Igreja. Este trabalho, cuja data de entrega não foi divulgada, baseia-se na informação existente na Congregação (agora Dicastério) para a Doutrina da Fé, que acedeu a colaborar.

A análise dos dados, acrescentou ainda o responsável máximo da CEI, citado pelo jornal da CEI, Avvenire, será realizada “em colaboração com institutos de investigação independentes, que garantirão perfis científicos e morais de alto nível”, sendo essas entidades a escolher os investigadores afetos a esse trabalho. Sempre que necessário poderá haver lugar a “uma pesquisa contextual nos arquivos diocesanos”.

No que diz respeito a indemnizações às vítimas, Zuppi deu uma resposta vaga: trata-se, observou, de “uma discussão muito aberta”. É certo que “já existe um acompanhamento psicológico gratuito nos nossos centros. Teremos o cuidado de ajudar e de estar perto do sofrimento das pessoas”.

Na conferência de imprensa, encontrava-se um representante da Rede L’Abuso, Francesco Zanardi, que considerou o início da investigação apenas no ano 2000 discriminatório relativamente às vítimas de abusos anteriores. O cardeal respondeu que o ano de início corresponde ao “momento em que a Igreja se dotou de regras muito rigorosas a nível universal para combater este flagelo”, permitindo averiguar “os casos que nos dizem respeito de perto e que nos envolvem”. Não se justifica “julgar factos de há 80 anos com os critérios de hoje”, opinou.

 

“As estatísticas oficiais subestimam a magnitude da pobreza e exclusão em Portugal”, denuncia Cáritas

7MARGENS antecipa estudo

“As estatísticas oficiais subestimam a magnitude da pobreza e exclusão em Portugal”, denuncia Cáritas novidade

Ao basear-se em inquéritos junto das famílias, as estatísticas oficiais em Portugal não captam as situações daqueles que não vivem em residências habituais, como as pessoas em situação de sem-abrigo, por exemplo. E é por isso que “subestimam a magnitude da pobreza e exclusão em Portugal”, denuncia a Cáritas Portuguesa na introdução ao seu mais recente estudo, que será apresentado na próxima terça-feira, 27 de fevereiro, na Universidade Católica Portuguesa do Porto.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

 

Ver teatro que “humaniza” e aprender a “salvar a natureza”? É no Seminário de Coimbra

Atividades abertas a todos

Ver teatro que “humaniza” e aprender a “salvar a natureza”? É no Seminário de Coimbra novidade

Empenhado em ser “um lugar onde a Cultura e a Espiritualidade dialogam com a cidade”, o Seminário de Coimbra acolhe, na próxima segunda-feira, 26, a atividade “Humanizar através do teatro – A Importância da Compaixão” (que inclui a representação de uma peça, mas vai muito além disso). Na terça-feira, dia 27, as portas do Seminário voltam a abrir-se para receber o biólogo e premiado fotógrafo de natureza Manuel Malva, que dará uma palestra sobre “Salvar a natureza”. 

Era uma vez na Alemanha

Era uma vez na Alemanha novidade

No sábado 3 de fevereiro, no centro de Berlim, um estudante judeu foi atacado por outro estudante da sua universidade, que o reconheceu num bar, o seguiu na rua, e o agrediu violentamente – mesmo quando já estava caído no chão. A vítima teve de ser operada para evitar uma hemorragia cerebral, e está no hospital com fracturas em vários ossos do rosto. Chama-se Lahav Shapira. [Texto de Helena Araújo]

Vitrais e escultura celebram videntes de Fátima na Igreja da Golpilheira

Inaugurados dia 25

Vitrais e escultura celebram videntes de Fátima na Igreja da Golpilheira novidade

A comunidade cristã da Golpilheira – inserida na paróquia da Batalha – vai estar em festa no próximo domingo, 25 de fevereiro, data em que serão inaugurados e benzidos os novos vitrais e esculturas dos três videntes de Fátima que passarão a ornamentar a sua igreja principal – a Igreja de Nossa Senhora de Fátima. As peças artísticas foram criadas por autores nacionais, sob a coordenação do diretor do Departamento do Património Cultural da Diocese de Leiria-Fátima, Marco Daniel Duarte.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This