Paraísos fiscais roubam-nos o futuro e devem acabar já, pedem os jovens d’A Economia de Francisco

| 22 Nov 20

A carta-compromisso, o discurso do Papa, as intervenções de diferentes convidados ou os testemunhos do que os jovens andam a fazer pelo mundo coincidem: este modelo económico e financeiro não serve, é preciso refazer (quase) tudo. Na carta-compromisso final do encontro A Economia de Francesco, que terminou sábado após três dias de debates em Assis e atravéws de vídeo, várias dessas ideias ficaram expressas. “Pedimos muito, mas se pedíssemos menos não seria suficiente”, dizem os dois mil participantes. 

 

O encontro A Economia de Francesco (o nome foi mantido em italiano, pela referência a Francisco de Assis, que servia de inspiração à iniciativa) terminou neste sábado, 21 de Novembro, com uma carta-compromisso que defende o direito ao trabalho digno, respeito pelos pobres, investimento na educação, apoio à sustentabilidade, igualdade de oportunidades e o fim de paraísos fiscais.

“Sejam imediatamente abolidos os paraísos fiscais no mundo inteiro porque esse dinheiro é subtraído do nosso presente e futuro, e porque um novo pacto fiscal será a primeira resposta a um mundo pós-covid”, afirmaram os participantes, no encontro através de videoconferência, que teve a pandemia como pano de fundo.

No documento, os mais de dois mil participantes de 120 países, incluindo Portugal, manifestam acreditar que a transparência de “instituições financeiras mundiais” e a refundação de outras já existentes como o Banco Mundial e o Fundo Monetário Internacional podem “ajudar o mundo a erguer-se das pobrezas e do desequilíbrio provocados pela pandemia”.

A maior parte dos jovens participou através de ligações vídeo, mas o centro da actividade foi Asssi (centro de Itália), onde a iniciativa deveria ter decorrido em Março – a pandemia obrigou ao seu adiamento.

Os jovens pedem que as empresas e os bancos, grandes e globalizados, “possam ter um comité ético independente no seu governo”. E estes economistas, empresários, empreendedores e estudantes com menos de 35 anos querem ainda “que a pegada ecológica” seja diminuída e que todos possam “partilhar as mais avançadas tecnologias”.

“A custódia dos bens comuns, em especial os globais, como a atmosfera, a floresta, oceanos, a terra, recursos naturais, todos os ecossistemas, a biodiversidade e as sementes” devem ser temas colocados no centro da acção de governos, no ensino das escolas e cursos de economia”, diz o texto final.

Os jovens pedem ainda que se ponha fim ao descarte dos mais pobres, doentes, minorias e desfavorecidos. “A pobreza não é maldição mas infortúnio, e é responsabilidade de quem não é pobre”, afirmam os jovens, que exigem também o direito ao trabalho digno, o respeito dos direitos humanos “na vida de cada empresa e na vida de cada trabalhador”, políticas sociais em cada país e o fim da “exploração de crianças e adolescentes”.

Investimento na educação, igualdade de oportunidades e de género e a afirmação de que um mundo sem guerra é possível são outros apelos do documento final: “Queremos dizer aos nossos filhos que o mundo em guerra acabou para sempre. Que não se subtraiam recursos às escolas e à saúde para construir armas e destinados a guerras.” (nesta ligação, a versão integral do documento em inglês).

Numa outra afirmação que faz recordar um dos slogans do Maio de 1968 em França, diz que o “nosso tempo é difícil, [mas] há que pensar no impossível”. “Pedimos muito, mas se pedíssemos menos, não seria o suficiente”, diz o texto.

 

“Uma narrativa diferente é urgentemente necessária”, diz o Papa

No seu discurso de encerramento dirigido aos jovens, o Papa Francisco – que convocara o encontro –, disse também que “uma narrativa económica diferente é urgentemente necessária, é urgente reconhecer com responsabilidade o facto de o sistema mundial actual ser insustentável, de diferentes pontos de vista”. É preciso um “pacto de Assis”, que encoraje e estimule “modelos de desenvolvimento, progresso e sustentabilidade” que envolvam as pessoas, “especialmente os excluídos”, afirmou.

Este encontro, disse, não é uma meta, “mas o pontapé inicial de um processo que somos chamados a viver como vocação, como cultura e como pacto”, referiu Francisco. Para daqui a um ano, em Assis, está previsto um encontro presencial, se a pandemia o permitir.

“Não estamos condenados a modelos económicos que centrem o seu interesse imediato no lucro, como unidade de medida, e na busca de políticas públicas semelhantes que ignorem os seus próprios custos humanos, sociais e ambientais”, afirmou o Papa, que desafiou ainda os jovens a serem uma presença concreta nas “cidades e universidades, no trabalho e nos sindicatos, nas empresas e nos movimentos, nos cargos públicos e privados, com inteligência, empenho e convicção”.

“A gravidade da situação atual, que a pandemia de covid trouxe ainda mais à tona, exige uma consciência responsável de todos os actores sociais, de todos nós, entre os quais vocês têm um papel primordial”, acrescentou, dirigindo-se aos jovens participantes. O Papa defendeu ao mesmo tempo uma “nova cultura”, com “mudanças nos estilos de vida, nos modelos de produção e consumo, nas estruturas consolidadas de poder que governam hoje as sociedades”.

“A crise social e económica, que muitos sofrem na própria carne e que está a hipotecar o presente e o futuro, com o abandono e a exclusão de tantas crianças e adolescentes e famílias inteiras, não nos permite privilegiar interesses sectoriais em detrimento do bem comum”, afirmou, pedindo que os pobres se tornem “protagonistas das suas vidas e de todo o tecido social” na definição de “novas políticas”.

O Papa pediu que a política e a economia se coloquem “decididamente ao serviço da vida, especialmente da vida humana”, gerando um modelo de solidariedade internacional, que “reconheça e respeite a interdependência entre as nações”.

(o texto do Papa está transcrito em espanhol na página do Vaticano; a seguir, o vídeo com o discurso do Papa, em italiano:)

 

Quem ganha com a vacina? E que fazem os bancos com o nosso dinheiro?

Sexta-feira, no segundo dia de trabalhos, já Muhammad Yunus, Prémio Nobel da Paz, criticara vivamente o actual sistema económico, baseado na procura do lucro. E perguntou mesmo qual será o objectivo dos laboratórios que estão a pesquisar vacinas para a covid: estão mais preocupadas com os ganhos ou a saúde pública? E os governos dos países mais ricos, disse, não fogem à crítica: estão a comprar mais vacinas do que as que necessitam, impossibilitando que os mais pobres tenham também acesso a elas.

O criador do microcrédito lembrou também a responsabilidade de cada pessoa na forma como o sistema financeiro aplica o dinheiro, perguntando aos bancos que recebem as nossas poupanças onde é que aplicam o dinheiro e exigindo investimentos responsáveis – que não incluam indústrias de armamento, baseadas em combustíveis fósseis ou trabalho sem direitos, por exemplo. (Nesta ligação, o vídeo com toda a sessão do segundo dia; a intervenção de Yunus encontra-se a partir da 1h03’40”.)

O economista referiu também o papel do microcrédito: “Se os bancos emprestam aos ricos, nós emprestamos aos pobres; se vão às cidades, nós vamos às aldeias; se vão aos homens, nós vamos às mulheres”. Uma atitude que, como recordava o padre jesuíta Afonso Espregueira no Ponto SJ, já os franciscanos desenvolveram no século XV, ao criar os Montes Pios, mutualidades da época, para quem não tinha acesso a crédito comum.

 

Filosofia económica actual: “O resto do mundo pode cair”, critica John Perkins

Grafite numa rua de Valência (Espanha) alusivo aos pobres. Foto Joanbanjo/Wikimedia Commons

 

Já na sessão de sábado, Kate Raworth, economista da Universidade de Oxford, referiu que as sucessivas crises que o mundo tem vivido são resultado de crises humanas “das finanças, da exploração dos recursos e da expansão da humanidade” até à criação de “um vírus que causou uma pandemia global”.

“É importante garantir a prioridades das pessoas, mas dentro dos limites planetários. O desafio é que estamos muito distantes do equilíbrio”, apontou.

Partindo dos exemplos do Ruanda, Brasil e EUA afirmou: “Os países não vivem realidade separadas, mas interligadas entre si. A história mostra que os países exploradores poluíram e exploraram outros países e os excluiriam de atingir o bem-estar, com dívidas e regras comerciais que extrapolaram esses recursos, com o impacto das alterações climáticas. São os países de baixa renda que pagam isso.” (Nesta ligação, o vídeo com os trabalhos do terceiro dia.)

Tocando em questões que Yunus também referira na véspera, o activista e consultor John Perkins verificou: “Maximizamos lucros e o consumo das pessoas. O resto do mundo pode cair – é a filosofia do que acontece agora: a destruição do meio ambiente com a criação de produtos que destroem. O coronavírus surge nesse contexto”, assinalou.

Nas múltiplas intervenções de jovens, houve vários exemplos de acção e sensibilização para as questões ambientais ligadas à economia: entre eles, Lili, uma adolescente tailandesa, contou como tem tentado sensibilizar os governantes para reduzir o uso de plástico; e três estudantes de um colégio de Milão fizeram um estudo entre os 400 colegas para sensibilizar para o gasto de água (a cidade é a segunda da Europa com maior consumo de água).

Em Portugal, as cinco dezenas de participantes no encontro global assumiram, entretanto, a intenção de “criar comunidades” para dar continuidade à iniciativa.

 

Violência e saque continuam em Cabo Delgado: “Esta é a dor de um povo”, diz missionário refugiado em Pemba

Violência e saque continuam em Cabo Delgado: “Esta é a dor de um povo”, diz missionário refugiado em Pemba novidade

“As lideranças [das aldeias] relatam que, pelos caminhos, estão encontrando muitos corpos já em decomposição e que aconteceram massacres. As acções dos terroristas são violentas, muitas pessoas foram decapitadas, casas queimadas e derrubadas. Esta (…) é a dor de um povo. Gente que continua sem localizar seus familiares. Pessoas que tiveram suas casas queimadas. Muitas pessoas assassinadas. Fala-se de massacres e de 500 mil deslocados. Vidas e vilas destruídas.”

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

Um consistório virtual para os novos cardeais novidade

O Vaticano confirmou nesta terça-feira, 24, que haverá uma plataforma em vídeo para a cerimónia de criação dos novos cardeais, no próximo sábado, para os que não possam estar em Roma fisicamente, garantindo assim as medidas de segurança devido à pandemia. Haverá no máximo 100 pessoas a participar e as visitas de cortesia e abraço da paz entre os novos cardeais ficam cancelados.

Espanha: Milhares protestam contra nova lei da educação “laicista”

Milhares de carros encheram as ruas de diversas cidades espanholas este domingo, 22 de novembro, para protestar contra a nova lei da educação, que passou na passada quinta-feira no Congresso espanhol por apenas um voto. A manifestação foi organizada pela plataforma Más Plurales, que considera que a lei aprovada “desvaloriza o ensino da disciplina de Religião na escola” e constitui uma “agressão à liberdade de consciência, a favor da imposição de uma ideologia laicista imprópria de um Estado não confessional”, conforme pode ler-se no seu manifesto.

Posição de Biden a favor do aborto legal faz sentir bispos dos EUA numa “situação difícil”

As posições do Presidente eleito dos EUA, Joe Biden, sobre imigração, ajuda aos refugiados, justiça racial, pena de morte e alterações climáticas dão aos bispos católicos do país “razões para acreditar que a sua fé o levará a apoiar algumas boas medidas”, de acordo com o presidente da Conferência dos Bispos Católicos dos Estados Unidos (USCCB, na sigla em inglês). Mas o episcopado está de tal modo preocupado com as posições do segundo Presidente católico do país sobre o aborto legal que decidiu criar um grupo de trabalho para tratar o tema. 

Inscreva-se aqui
e receba as nossas notícias

Boas notícias

Dia Mundial dos Pobres: Vaticano oferece testes de covid-19 a sem-abrigo e distribui 5 mil cabazes de alimentos

Dia Mundial dos Pobres: Vaticano oferece testes de covid-19 a sem-abrigo e distribui 5 mil cabazes de alimentos

O Dia Mundial dos Pobres deste ano será assinalado, no próximo domingo, 15 de novembro: o Papa celebrará missa com um grupo de 100 pessoas na Basílica de São Pedro, serão oferecidos testes de covid-19 nas instituições do Vaticano que apoiam a população carenciada, e distribuídos cinco mil cabazes de alimentos para ajudar famílias em 60 paróquias de Roma.

É notícia

Estado de Nova Iorque processa diocese de Buffalo por encobrimento de abusos sexuais

A procuradora-geral do estado de Nova Iorque, Letitia James, processou esta segunda-feira a diocese de Buffalo e dois dos seus antigos bispos, por terem encoberto mais de 20 padres acusados de cometer abusos sexuais e permitido que os mesmos se reformassem ou fossem transferidos, em vez de terem seguido os procedimentos definidos pela Igreja Católica para estes casos, que os teriam levado a um possível abandono do sacerdócio.

Papa e presidente do Conselho Europeu unidos contra o extremismo religioso

O Papa Francisco e o presidente do Conselho Europeu, Charles Michel, falaram ao telefone esta segunda-feira, 23 de novembro, sobre a necessidade de uma “luta contínua contra o ódio religioso e a radicalização”, tendo assinalado como prioridade o “diálogo interconfessional e intercultural”. Discutiram ainda “sobre como abordar a covid-19 de uma perspetiva multilateral, sublinhando as necessidades dos mais vulneráveis”, divulgou Charles Michel na sua conta de Twitter.

Nicarágua: Católicos ajudam vítimas dos furacões “em segredo”, para evitar represálias

A Igreja Católica na Nicarágua organizou no passado domingo, 22 de novembro, uma  recolha de donativos para ajudar as vítimas dos furacões Iota e Eta, que assolaram o país nas últimas semanas. As ajudas foram entregues “em segredo”, por recomendação do cardeal Leopoldo Brenes, arcebispo de Manágua, depois de terem sido conhecidos relatos de ameaças feitas pela Polícia da Nicarágua a alguns fiéis que reuniam apoios para as populações afetadas.

Entre margens

52 ed Orbmevon novidade

Assistimos hoje a uma versão açoriana de uma espécie de 25 de Novembro ao contrário (como no título). Se em 1975 a esquerda antidemocrática tentou tomar o poder pela força, agora é a direita antidemocrática a tentar fazê-lo encavalitada num PSD onde Sá Carneiro já teria muita dificuldade em rever-se.

Um justo chamado Angelo Roncalli

Angelo Roncalli teve um pontificado curto, menos de cinco anos, de 1958 a 1963. Devido à sua idade já avançada e estado de saúde frágil, no momento da sua eleição foi encarado como um Papa de transição. Foi, por isso, com grande surpresa que foi acolhida a notícia da convocação de um concílio ecuménico, o Concílio do Vaticano II, que viria a mudar a vida da Igreja, aproximando-a dos fiéis e reforçando a sua participação litúrgica.

Uma oportunidade para a renovação democrática

Se é importante sublinhar que as identidades pessoais e coletivas configuram convenções socialmente necessárias à convivência, elas constituem, antes de tudo, um desafio e uma tarefa quando reclamam por reconhecimento e justiça no espaço público. No entanto, se exploradas politicamente, dão lugar a expressões de fundamentalismos de vária ordem: muros que separam os “bons” dos “maus”, postos de trabalho para os de “dentro” e não para os de “fora”, entre outros fenómenos conhecidos.

Cultura e artes

Abrir as “páginas seladas” do livro bíblico do Apocalipse em tempo de pandemia

O livro bíblico do Apocalipse (ou da Revelação) é uma profecia para tempos de crise e por isso é importante abrir agora as suas “páginas seladas”. Com esse mote, a comunidade católica da Capela do Rato propõe três sessões sobre o último dos livros da Bíblia cristã. Uma conferência de João Duarte Lourenço, uma leitura de Luís Miguel Cintra e um percurso proposto por Emília Nadal através da arte inspirada naquele texto serão as três etapas propostas para este itinerário.

Dois retábulos em restauro no Mosteiro de Pombeiro

Os retábulos de Nossa Senhora das Dores e de Santo António (bem como as respectivas esculturas) na nave da igreja do Mosteiro de Santa Maria de Pombeiro (Felgueiras) estão a ser sujeitos a uma operação de conservação e restauro, com o objectivo de melhorar a estabilidade estrutural, valorizar a vertente conservativa e restituir, tanto quanto possível, uma leitura integrada do conjunto.

Biblioteca Apostólica do Vaticano dedica Agenda de 2021 à “mulher e os livros”

“Não é possível fazer a história da Biblioteca dos Papas sem iluminar o contributo das mulheres”, escreve o cardeal português José Tolentino Mendonça, bibliotecário da Santa Sé, na apresentação da nova Agenda 2021 da Biblioteca Apostólica Vaticana, dedicada ao tema “A mulher e os livros. A mulher como construtora e guardiã das bibliotecas no tempo”.

Sete Partidas

A geração perdida de Aberfan

Infelizmente, para muitos galeses, outubro no seu país significa também relembrar o desastre de Aberfan. Aberfan é uma terra dos vales galeses como qualquer outra: uma série de casas e estabelecimentos que se encontram entre duas montanhas com o ocasional rio a separá-las. Tem um parque, supermercado, pub, correios e cemitério. No dia 21 de outubro de 1966, o cemitério de Aberfan acolheu mais vidas do que merecia.

Aquele que habita os céus sorri

Agenda

Parceiros

Fale connosco