Paraísos fiscais roubam-nos o futuro e devem acabar já, pedem os jovens d’A Economia de Francisco

| 22 Nov 20

A carta-compromisso, o discurso do Papa, as intervenções de diferentes convidados ou os testemunhos do que os jovens andam a fazer pelo mundo coincidem: este modelo económico e financeiro não serve, é preciso refazer (quase) tudo. Na carta-compromisso final do encontro A Economia de Francesco, que terminou sábado após três dias de debates em Assis e atravéws de vídeo, várias dessas ideias ficaram expressas. “Pedimos muito, mas se pedíssemos menos não seria suficiente”, dizem os dois mil participantes. 

 

O encontro A Economia de Francesco (o nome foi mantido em italiano, pela referência a Francisco de Assis, que servia de inspiração à iniciativa) terminou neste sábado, 21 de Novembro, com uma carta-compromisso que defende o direito ao trabalho digno, respeito pelos pobres, investimento na educação, apoio à sustentabilidade, igualdade de oportunidades e o fim de paraísos fiscais.

“Sejam imediatamente abolidos os paraísos fiscais no mundo inteiro porque esse dinheiro é subtraído do nosso presente e futuro, e porque um novo pacto fiscal será a primeira resposta a um mundo pós-covid”, afirmaram os participantes, no encontro através de videoconferência, que teve a pandemia como pano de fundo.

No documento, os mais de dois mil participantes de 120 países, incluindo Portugal, manifestam acreditar que a transparência de “instituições financeiras mundiais” e a refundação de outras já existentes como o Banco Mundial e o Fundo Monetário Internacional podem “ajudar o mundo a erguer-se das pobrezas e do desequilíbrio provocados pela pandemia”.

A maior parte dos jovens participou através de ligações vídeo, mas o centro da actividade foi Asssi (centro de Itália), onde a iniciativa deveria ter decorrido em Março – a pandemia obrigou ao seu adiamento.

Os jovens pedem que as empresas e os bancos, grandes e globalizados, “possam ter um comité ético independente no seu governo”. E estes economistas, empresários, empreendedores e estudantes com menos de 35 anos querem ainda “que a pegada ecológica” seja diminuída e que todos possam “partilhar as mais avançadas tecnologias”.

“A custódia dos bens comuns, em especial os globais, como a atmosfera, a floresta, oceanos, a terra, recursos naturais, todos os ecossistemas, a biodiversidade e as sementes” devem ser temas colocados no centro da acção de governos, no ensino das escolas e cursos de economia”, diz o texto final.

Os jovens pedem ainda que se ponha fim ao descarte dos mais pobres, doentes, minorias e desfavorecidos. “A pobreza não é maldição mas infortúnio, e é responsabilidade de quem não é pobre”, afirmam os jovens, que exigem também o direito ao trabalho digno, o respeito dos direitos humanos “na vida de cada empresa e na vida de cada trabalhador”, políticas sociais em cada país e o fim da “exploração de crianças e adolescentes”.

Investimento na educação, igualdade de oportunidades e de género e a afirmação de que um mundo sem guerra é possível são outros apelos do documento final: “Queremos dizer aos nossos filhos que o mundo em guerra acabou para sempre. Que não se subtraiam recursos às escolas e à saúde para construir armas e destinados a guerras.” (nesta ligação, a versão integral do documento em inglês).

Numa outra afirmação que faz recordar um dos slogans do Maio de 1968 em França, diz que o “nosso tempo é difícil, [mas] há que pensar no impossível”. “Pedimos muito, mas se pedíssemos menos, não seria o suficiente”, diz o texto.

 

“Uma narrativa diferente é urgentemente necessária”, diz o Papa

No seu discurso de encerramento dirigido aos jovens, o Papa Francisco – que convocara o encontro –, disse também que “uma narrativa económica diferente é urgentemente necessária, é urgente reconhecer com responsabilidade o facto de o sistema mundial actual ser insustentável, de diferentes pontos de vista”. É preciso um “pacto de Assis”, que encoraje e estimule “modelos de desenvolvimento, progresso e sustentabilidade” que envolvam as pessoas, “especialmente os excluídos”, afirmou.

Este encontro, disse, não é uma meta, “mas o pontapé inicial de um processo que somos chamados a viver como vocação, como cultura e como pacto”, referiu Francisco. Para daqui a um ano, em Assis, está previsto um encontro presencial, se a pandemia o permitir.

“Não estamos condenados a modelos económicos que centrem o seu interesse imediato no lucro, como unidade de medida, e na busca de políticas públicas semelhantes que ignorem os seus próprios custos humanos, sociais e ambientais”, afirmou o Papa, que desafiou ainda os jovens a serem uma presença concreta nas “cidades e universidades, no trabalho e nos sindicatos, nas empresas e nos movimentos, nos cargos públicos e privados, com inteligência, empenho e convicção”.

“A gravidade da situação atual, que a pandemia de covid trouxe ainda mais à tona, exige uma consciência responsável de todos os actores sociais, de todos nós, entre os quais vocês têm um papel primordial”, acrescentou, dirigindo-se aos jovens participantes. O Papa defendeu ao mesmo tempo uma “nova cultura”, com “mudanças nos estilos de vida, nos modelos de produção e consumo, nas estruturas consolidadas de poder que governam hoje as sociedades”.

“A crise social e económica, que muitos sofrem na própria carne e que está a hipotecar o presente e o futuro, com o abandono e a exclusão de tantas crianças e adolescentes e famílias inteiras, não nos permite privilegiar interesses sectoriais em detrimento do bem comum”, afirmou, pedindo que os pobres se tornem “protagonistas das suas vidas e de todo o tecido social” na definição de “novas políticas”.

O Papa pediu que a política e a economia se coloquem “decididamente ao serviço da vida, especialmente da vida humana”, gerando um modelo de solidariedade internacional, que “reconheça e respeite a interdependência entre as nações”.

(o texto do Papa está transcrito em espanhol na página do Vaticano; a seguir, o vídeo com o discurso do Papa, em italiano:)

 

Quem ganha com a vacina? E que fazem os bancos com o nosso dinheiro?

Sexta-feira, no segundo dia de trabalhos, já Muhammad Yunus, Prémio Nobel da Paz, criticara vivamente o actual sistema económico, baseado na procura do lucro. E perguntou mesmo qual será o objectivo dos laboratórios que estão a pesquisar vacinas para a covid: estão mais preocupadas com os ganhos ou a saúde pública? E os governos dos países mais ricos, disse, não fogem à crítica: estão a comprar mais vacinas do que as que necessitam, impossibilitando que os mais pobres tenham também acesso a elas.

O criador do microcrédito lembrou também a responsabilidade de cada pessoa na forma como o sistema financeiro aplica o dinheiro, perguntando aos bancos que recebem as nossas poupanças onde é que aplicam o dinheiro e exigindo investimentos responsáveis – que não incluam indústrias de armamento, baseadas em combustíveis fósseis ou trabalho sem direitos, por exemplo. (Nesta ligação, o vídeo com toda a sessão do segundo dia; a intervenção de Yunus encontra-se a partir da 1h03’40”.)

O economista referiu também o papel do microcrédito: “Se os bancos emprestam aos ricos, nós emprestamos aos pobres; se vão às cidades, nós vamos às aldeias; se vão aos homens, nós vamos às mulheres”. Uma atitude que, como recordava o padre jesuíta Afonso Espregueira no Ponto SJ, já os franciscanos desenvolveram no século XV, ao criar os Montes Pios, mutualidades da época, para quem não tinha acesso a crédito comum.

 

Filosofia económica actual: “O resto do mundo pode cair”, critica John Perkins

Grafite numa rua de Valência (Espanha) alusivo aos pobres. Foto Joanbanjo/Wikimedia Commons

 

Já na sessão de sábado, Kate Raworth, economista da Universidade de Oxford, referiu que as sucessivas crises que o mundo tem vivido são resultado de crises humanas “das finanças, da exploração dos recursos e da expansão da humanidade” até à criação de “um vírus que causou uma pandemia global”.

“É importante garantir a prioridades das pessoas, mas dentro dos limites planetários. O desafio é que estamos muito distantes do equilíbrio”, apontou.

Partindo dos exemplos do Ruanda, Brasil e EUA afirmou: “Os países não vivem realidade separadas, mas interligadas entre si. A história mostra que os países exploradores poluíram e exploraram outros países e os excluiriam de atingir o bem-estar, com dívidas e regras comerciais que extrapolaram esses recursos, com o impacto das alterações climáticas. São os países de baixa renda que pagam isso.” (Nesta ligação, o vídeo com os trabalhos do terceiro dia.)

Tocando em questões que Yunus também referira na véspera, o activista e consultor John Perkins verificou: “Maximizamos lucros e o consumo das pessoas. O resto do mundo pode cair – é a filosofia do que acontece agora: a destruição do meio ambiente com a criação de produtos que destroem. O coronavírus surge nesse contexto”, assinalou.

Nas múltiplas intervenções de jovens, houve vários exemplos de acção e sensibilização para as questões ambientais ligadas à economia: entre eles, Lili, uma adolescente tailandesa, contou como tem tentado sensibilizar os governantes para reduzir o uso de plástico; e três estudantes de um colégio de Milão fizeram um estudo entre os 400 colegas para sensibilizar para o gasto de água (a cidade é a segunda da Europa com maior consumo de água).

Em Portugal, as cinco dezenas de participantes no encontro global assumiram, entretanto, a intenção de “criar comunidades” para dar continuidade à iniciativa.

 

Manuel Martins, um precursor da Sinodalidade

Manuel Martins, um precursor da Sinodalidade novidade

Escrevo a propósito da partida deste mundo há quatro anos, que se completam hoje mesmo, dia 24, do bispo Manuel Martins. Há seres humanos que não deveriam morrer. Não por eles, mas por nós. Contrariamente ao que é vulgar dizer-se, são mesmo insubstituíveis. A propósito, evoco também a memória de um outro que nos deixou no passado dia 2 de setembro.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

À escuta dos leitores – um inquérito do 7M sobre o Sínodo dos bispos católicos

Editorial

À escuta dos leitores – um inquérito do 7M sobre o Sínodo dos bispos católicos novidade

Hoje, todos os leitores receberão um inquérito organizado pelo 7MARGENS como forma de auscultação de quem nos tem acompanhado nesta aventura editorial que iniciámos há dias, relacionada com o Sínodo dos Bispos que se inicia no próximo dia 9 de outubro. É a primeira vez que tomamos uma iniciativa deste género.

EUA deportam haitianos para um “país colapsado”

Ponte aérea "inumana"

EUA deportam haitianos para um “país colapsado”

Há 13 mil pessoas debaixo da ponte que liga Del Rio, no Texas (EUA), a Ciudad Acuña, no México, para tentar atravessar deste país para os EUA. Desde domingo, um ritmo de sete aviões por dia começaram a levar essas pessoas de volta ao seu país. No principal aeroporto do Haiti, muitos deportados tentaram voltar para o avião. 

Jorge Sampaio, um laico cristão

Jorge Sampaio, um laico cristão

Já tudo, ou quase tudo, foi dito e escrito sobre a figura do Jorge Sampaio. Assinalando a sua morte, foram, por muitos e de múltiplas formas, sublinhadas as diversas facetas definidoras da sua personalidade nos mais diversos aspetos. Permitam-me a ousadia de voltar a este tema, para sublinhar um aspeto que não vi, falha minha porventura, sublinhado como considero ser merecido.

Fale connosco

Pin It on Pinterest

Share This