ONG apelam a Draghi

“Pare o massacre no Mediterrâneo, cancele o memorando com a Líbia”

| 9 Jul 2021

refugiado libia mediterraneo Foto Anthony Jean SOS Mediterranee

“Não é aceitável falar de ‘resgate de náufragos’, quando é bem conhecido nas instituições europeias e nacionais que regressar à Líbia significa ser condenado à violência, tortura e abusos de todo o tipo”, sublinham as ONG. Foto © Anthony Jean/SOS Mediterranée.

 

Vinte e nove organizações não-governamentais envolvidas na receção e cuidado a refugiados acabam de apelar ao chefe do Governo italiano, Mario Draghi, para que acabe com o apoio à Guarda Costeira da Líbia.

Segundo o apelo, que surge no momento em que a Itália renova contratos estabelecidos com a Líbia relativamente a migrantes que tentam vir para a Europa, seria assim retirada “a principal arma de chantagem das milícias e gangues que continuam a controlar o território líbio e as suas costas” e permitida a evacuação de milhares de migrantes presos em centros de detenção oficiais e não oficiais para países onde os seus direitos, em particular o direito de pedir asilo, estejam garantidos.

Os subscritores do documento referem que, desde o Memorando assinado com a Líbia em 2017, a Guarda Costeira líbia, “para além do massacre de inocentes no mar”, levou de volta 60 mil pessoas, internando-as em centros de detenção governamentais e de milícias paramilitares.

Para as organizações, “não é aceitável falar de ‘resgate de náufragos’, quando é bem conhecido nas instituições europeias e nacionais que regressar à Líbia significa ser condenado à violência, tortura e abusos de todo o tipo”, como, de resto, ainda recentemente reconheceu o Alto Comissário das Nações Unidas, Filippo Grandi.

“A única alternativa possível às mortes no mar – sublinham – não pode ser financiar missões cujo objetivo seja levar os náufragos de volta aos locais onde são detidos e onde as suas vidas estão em risco”.

Entre as medidas propostas, o apelo a Draghi defende que “é necessário promover uma ação política com a UE para uma intervenção de busca e salvamento”, devendo a Itália, “como Estado costeiro, voltar a coordenar as atividades SAR [busca e salvamento] no Mediterrâneo, apoiando ativamente o trabalho realizado por ONG”. Pedem ainda “uma reforma das políticas de asilo europeias que vão no sentido de uma distribuição equitativa entre os Estados, salvaguardando a dignidade das pessoas que chegam às nossas fronteiras”, em conformidade com os princípios da legislação europeia e internacional.

O texto termina pedindo que Draghi “ponha termo a esta situação desumana e inverta o curso da situação, dando vida, com a revogação de todo o apoio às milícias líbias que gerem a chamada Guarda Costeira, a uma nova era de direitos que poderá representar um renascimento moral para a União Europeia, hoje, cada vez mais fechada no seu egoísmo e terreno de sentimentos de ódio e racismo”.

Entre as ONG subscritoras do apelo encontram-se a ActionAid, Amnistia Internacional Itália, Comunità Papa Giovanni XXIII, Comunità di S. Egidio, MSF, OXFAM e Save The Children.

 

Judeus do Partido Trabalhista atacam política de Israel

Reino Unido

Judeus do Partido Trabalhista atacam política de Israel novidade

Glyn Secker, secretário da Jewish Voice For Labor – uma organização que reúne judeus membros do Partido Trabalhista ­–, lançou um violento ataque aos “judeus que colocam Israel no centro da sua identidade” e classificou o sionismo como “uma obscenidade” ao discursar no dia 10 diante de Downing Street, durante um protesto contra os ataques de Israel na faixa de Gaza.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

 

Evento "importantíssimo" para o país

Governo assume despesas da JMJ que Moedas recusou

A ministra Adjunta e dos Assuntos Parlamentares, Ana Catarina Mendes, chegou a acordo com o presidente da Câmara de Lisboa sobre as Jornadas Mundiais da Juventude, comprometendo-se a – tal como exigia agora Carlos Moedas – assumir mais despesa do evento do que aquela que estava inicialmente prevista, noticiou o Expresso esta quarta-feira, 3.

Multiplicar o número de leitores do 7MARGENS

Em 15 dias, 90 novos assinantes

Durante o mês de julho o 7MARGENS registou 90 novos leitores-assinantes, em resultado do nosso apelo para que cada leitor trouxesse outro assinante. Deste modo, a Newsletter diária passou a ser enviada a 2.863 pessoas. Estamos ainda muto longe de duplicar o número de assinantes e chegar aos 5.000, pelo que mantemos o apelo feito a 18 de julho: que cada leitor consiga trazer outro.

Parceria com Global Tree

JMJ promove plantação de árvores

A Fundação Jornada Mundial da Juventude Lisboa 2023 e a Global Tree Initiative estabeleceram uma parceria com o objectivo de levar os participantes e responsáveis da organização da jornada a plantar árvores. A iniciativa pretende ser uma forma de assinalar o Dia Mundial da Conservação da Natureza, que se assinala nesta quinta-feira, 28 de julho.

Representante dos sobreviventes de Nagasaki solidário com a Ucrânia

Nos 77 anos do ataque atómico

Representante dos sobreviventes de Nagasaki solidário com a Ucrânia

“Apelo a todos os membros” do Parlamento japonês, “bem como aos membros dos conselhos municipais e provinciais” para que se “encontrem com os hibakusha (sobreviventes da bomba atómica), ouçam como eles sofreram, aprendam a verdade sobre o bombardeio atómico e transmitam o que aprenderem ao mundo”, escreve, numa carta lida nas cerimónias dos 77 anos do ataque atómico sobre Nagasaki, por um dos seus sobreviventes, Takashi Miyata.

Mar Egeu: dezenas de pessoas desaparecidas em naufrágio

Resgatadas 29 pessoas

Mar Egeu: dezenas de pessoas desaparecidas em naufrágio

Dezenas de pessoas estão desaparecidas depois de um barco ter naufragado no mar Egeu, na quarta-feira, ao largo da ilha grega de Cárpatos, divulgou a ACNUR. A embarcação afundou-se ao amanhecer, depois de da costa sul da vizinha Turquia, em direção a Itália. “Uma grande operação de busca e resgate está em curso.”

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This