Para contornar veto do TC

Parlamento aprovou nova versão da lei da eutanásia

| 6 Nov 2021

eutanasia mulher acamada foto c motortion

O novo texto procura definir mais explicitamente o que é eutanásia, suicídio medicamente assistido, doença grave ou incurável, lesão definitiva de gravidade extrema ou sofrimento. Foto © Motortion.

 

A Assembleia da República aprovou nesta sexta-feira, 5 de Novembro, nove meses depois da primeira votação, a legalização da morte medicamente assistida, com 138 votos a favor (mais dois do que em Janeiro, na primeira votação), cinco abstenções e 84 contra (mais seis do que em Janeiro), num total de 227 deputados.

O texto agora adoptado inclui uma reformulação dos três primeiros artigos da lei que tinha sido aprovada a 30 de Janeiro.

Tanto na primeira votação como agora, votaram a favor quase todos os deputados do PS, o BE, PAN e PEV, o deputado da IL, as duas deputadas não-inscritas e 13 deputados do PSD, incluindo quase toda a direcção do partido. Contra, votou a maioria (61 deputados) do PSD, o PCP, CDS e o deputado do Chega, além de sete deputados do PS, que mantiveram a opção de Janeiro. Dois deputados do PSD (Adão Silva, líder da bancada, e Lina Lopes) mudaram do voto a favor para a abstenção, por causa da altura escolhida para a votação, com o anúncio da dissolução do Parlamento já a correr.

O diploma agora votado pretende ultrapassar o veto do Presidente da República por inconstitucionalidade. O Tribunal Constitucional (TC), a pedido de Marcelo Rebelo de Sousa, pronunciara-se no sentido de considerar o conceito “lesão definitiva de gravidade extrema”​ como excessivamente vago. Agora, o texto procura definir mais explicitamente o que é eutanásia, suicídio medicamente assistido, doença grave ou incurável, lesão definitiva de gravidade extrema ou sofrimento.

A morte medicamente assistida não punível é a que “ocorre por decisão da própria pessoa, maior, cuja vontade seja actual e reiterada, séria, livre e esclarecida, em situação de sofrimento intolerável, com lesão definitiva de gravidade extrema ou doença incurável e fatal, quando praticada ou ajudada por profissionais de saúde”.

A lesão definitiva de gravidade extrema é uma “lesão grave, definitiva e amplamente incapacitante que coloca a pessoa em situação de dependência de terceiro ou de apoio tecnológico para a realização das actividades elementares da vida diária, existindo certeza ou probabilidade muito elevada de que tais limitações venham a persistir no tempo sem possibilidade de cura ou de melhoria significativa”.

O conceito de doença grave ou incurável é definido como a enfermidade que ameaça a vida em fase avançada e que é considerada “incurável e irreversível” e “origina sofrimento de grande intensidade”. O sofrimento pode ser “físico, psicológico e espiritual, decorrente de doença grave ou incurável ou de lesão definitiva de gravidade extrema, com grande intensidade, persistente, continuado ou permanente e considerado intolerável pela própria pessoa”.

Finalmente, a eutanásia é a “administração de fármacos letais, pelo médico ou profissional de saúde devidamente habilitado para o efeito” e o suicídio medicamente assistido é a “auto-administração de fármacos letais pelo próprio doente, sob supervisão médica”.

 

Apelos ao veto do Presidente

Assinatura da declaração “Cuidar até ao fim com compaixão”, em 2018, contra a eutanásia, por representantes de nove confissões religiosas. Foto © Agência Ecclesia.

 

Várias estruturas religiosas manifestaram-se contra a aprovação da lei. Em comunicado enviado ao 7MARGENS, o Grupo de Trabalho Inter-Religioso Religiões-Saúde manifestou a sua convicção comum de que “a vida humana é inviolável e indisponível”.

O grupo junta a Aliança Evangélica, as comunidades Hindu, Islâmica e Israelita, a Igreja Católica, a Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias (Mórmons), o Patriarcado Ecuménico de Constantinopla (Igreja Ortodoxa), a União Budista e a União dos Adventistas do Sétimo Dia.

Remetendo para declaração conjunta sobre o tema assinada em Maio de 2018, o comunicado considera que o futuro das sociedades “não se encontra na oferta da morte, mas na aposta colectiva num modelo compassivo de sociedade” e propõe os cuidados paliativos como a resposta que o Estado “deveria obrigatoriamente oferecer” a todas as pessoas.

Também o presidente da Associação de Juristas Católicos contestou a aprovação da lei e defendeu que o Presidente deve vetá-la, tendo em conta o calendário escolhido para a sua aprovação.

No mesmo sentido apela a Associação dos Médicos Católicos, pedindo ao Presidente da República que faça “tudo o que estiver ao seu alcance para impedir a entrada em vigor de uma lei que desumaniza e atrasa Portugal”, e que traduz “um dia negro na história do país, de retrocesso das conquistas e liberdades dos cidadãos”.

O Movimento Acção Ética expressou igualmente a sua “perplexidade pela pressa legislativa da votação de uma matéria tão sensível num contexto político de dissolução parlamentar”, considerando este “um dia triste para a sociedade portuguesa pelo repúdio da mais elevada conquista da civilização, o direito à vida”. O movimento foi fundado no início deste ano pelo economista António Bagão Félix, o constitucionalista Paulo Otero e os médicos Pedro Afonso e Vítor Gil. No documento, o movimento pede também o veto do Presidente num “cenário de um Parlamento dissolvido”.

O próprio Presidente disse na tarde de sexta-feira, já depois da aprovação da lei, que todos os cenários são possíveis: promulgação da lei, veto ou pedido de fiscalização ao Tribunal Constitucional, tal como aconteceu em Fevereiro, com a primeira versão da lei.

 

Silêncio: a luz adentra no corpo

Pré-publicação 7M

Silêncio: a luz adentra no corpo novidade

A linguagem não é só palavra, é também gesto, silêncio, ritmo, movimento. Uma maior atenção a estas realidades manifesta uma maior consciência na resposta e, na liturgia, uma qualidade na participação: positiva, plena, ativa e piedosa. Esta é uma das ideias do livro Mistagogia Poética do Silêncio na Liturgia, de Rafael Gonçalves. Pré-publicação do prefácio.

pode o desejo

pode o desejo novidade

Breve comentário do p. António Pedro Monteiro aos textos bíblicos lidos em comunidade, no Domingo I do Advento A. Hospital de Santa Marta, Lisboa, 26 de Novembro de 2022.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

 

Bahrein

Descoberto mosteiro cristão sob as ruínas de uma mesquita

Há quem diga que este é o “primeiro fruto milagroso” da viagem apostólica que o Papa Francisco fez ao Bahrein, no início de novembro. Na verdade, resulta de três anos de trabalho de uma equipa de arqueólogos locais e britânicos, que acaba de descobrir, sob as ruínas de uma antiga mesquita, partes de um ainda mais antigo mosteiro cristão.

Manhã desta quinta-feira, 24

“As piores formas de trabalho infantil” em conferência

Uma conferência sobre “As piores formas de trabalho infantil” decorre na manhã desta quinta-feira, 24 de Novembro (entre as 9h30-13h), no auditório da Polícia Judiciária (Rua Gomes Freire 174, na zona das Picoas, em Lisboa), podendo assistir-se também por videoconferência. Iniciativa da Confederação Nacional de Ação Sobre o Trabalho Infantil (CNASTI), em parceria com o Instituto de Apoio à Criança (IAC), a conferência pretende “ter uma noção do que acontece não só em Portugal, mas também no mundo acerca deste tipo de exploração de crianças”.

Porque não somos insignificantes neste universo infinito

Porque não somos insignificantes neste universo infinito novidade

Muitas pessoas, entre as quais renomados cientistas, assumem frequentemente que o ser humano é um ser bastante insignificante, senão mesmo desprezível, no contexto da infinitude do universo. Baseiam-se sobretudo na nossa extrema pequenez relativa, considerando que o nosso pequeno planeta não passa de um “ponto azul” situado num vasto sistema solar.

Mais do que A Voz da Fátima

Pré-publicação

Mais do que A Voz da Fátima

Que fosse pedido a um incréu um texto de prefácio para um livro sobre A Voz da Fátima, criou-me alguma perplexidade e, ao mesmo tempo, uma vontade imediata de aceitar. Ainda bem, porque o livro tem imenso mérito do ponto de vista histórico, com o conjunto de estudos que contém sobre o jornal centenário, mas também sobre o impacto na sociedade portuguesa e na Igreja, das aparições e da constituição de Fátima e do seu Santuário como o centro religioso mais importante de Portugal. Dizer isto basta para se perceber que não é possível entender, no sentido weberiano, Portugal sem Fátima e, consequentemente, sem o seu jornal.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This