Secretário de Estado do Vaticano

Parolin aceita, sob condições, envio de armas para a Ucrânia

| 13 Mai 2022

cardeal pietro parolin foto vatican media

Parolin defendeu a necessidade de “parâmetros claros”, que não especificou, quanto ao fornecimento de armas à Ucrânia. Disse apenas que ele deve acontecer “da maneira mais justa e moderada possível”.  Foto © Vatican Media.

 

O fornecimento de armas à Ucrânia para ajudá-la a defender-se da agressão russa é “moralmente legítimo sob certas condições”, citando o ensinamento da Igreja Católica sobre “guerra justa”, afirmou o secretário de Estado do Vaticano, Pietro Parolin. Citado pela Reuters esta sexta-feira, 13 de maio, em declarações à margem de uma conferência de ministros de Negócios Estrangeiros do G7, em Roma, o secretário de Estado salientou que “há um direito à defesa armada em caso de agressão”, mas “sob certas condições”, as quais se encontram consagradas no Catecismo da Igreja Católica.

“Acima de tudo (a condição) de proporcionalidade, e então que a resposta não produza danos maiores do que os causados ​​pela agressão. Isso no contexto de uma ‘guerra justa'”, disse Parolin. “Eu diria que a questão do envio de armas (para a Ucrânia) pode ser colocada nesse quadro”, acrescentou aquele responsável do Vaticano.

O Papa Francisco, faz notar a Reuters, embora tenha usado termos como “atrocidades” e “agressão injusta”, e tenha falado do sofrimento dos ucranianos na “defesa da sua terra”, absteve-se até agora de rotular o conflito na Ucrânia como uma guerra justa. O Papa tem pedido a proibição de todas as guerras, questionando que um qualquer conflito possa ser totalmente justo.

Parolin defendeu a necessidade de “parâmetros claros”, que não especificou, quanto ao fornecimento de armas à Ucrânia. Disse apenas que ele deve acontecer “da maneira mais justa e moderada possível”.

Na mesma linha de Parolin, o secretário do Vaticano para as Relações com os Estados, arcebispo Paul Richard Gallagher, numa entrevista à televisão italiana, nas vésperas de partir para Kiev, alerta para a questão da proporcionalidade, defendendo “muito cuidado para não [se] entrar numa nova corrida armamentista”, procurando “sempre deixar espaço para o diálogo e a discussão para alcançar a paz”.

 

Russos e americanos dialogam 

Entretanto, enquanto os presidentes da Rússia e da Ucrânia trocam palavras sobre quem quer ou não quer negociar, o chefe do Pentágono, Lloyd Austin, conversou por telefone com o ministro da Defesa russo, Sergey Shoigu, o que acontece pela primeira vez desde o início da guerra.

Segundo relata o jornal italiano Avvenire, nesse diálogo Austin pediu um cessar-fogo rápido na Ucrânia e destacou a importância de preservar os canais de comunicação.

O Departamento de Defesa dos EUA informou que a conversa telefónica não resolveu nenhum “problema grave”, mas o facto é que os representantes da defesa dos dois países conversaram entre si.

 

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

 

"Nada cristãs"

Ministro russo repudia declarações do Papa novidade

O ministro dos Negócios Estrangeiros da Rússia, Serguei Lavrov, descreveu como “nada cristãs” as afirmações do Papa Francisco nas quais denunciou a “crueldade russa”, especialmente a dos chechenos, em relação aos ucranianos. Lavrov falava durante uma conferência de imprensa, esta quinta-feira, 1 de dezembro, e referia-se à entrevista que Francisco deu recentemente à revista America – The Jesuit Review.

Ministro russo repudia declarações do Papa

"Nada cristãs"

Ministro russo repudia declarações do Papa novidade

O ministro dos Negócios Estrangeiros da Rússia, Serguei Lavrov, descreveu como “nada cristãs” as afirmações do Papa Francisco nas quais denunciou a “crueldade russa”, especialmente a dos chechenos, em relação aos ucranianos. Lavrov falava durante uma conferência de imprensa, esta quinta-feira, 1 de dezembro, e referia-se à entrevista que Francisco deu recentemente à revista America – The Jesuit Review.

Desarmar-se

Desarmar-se novidade

Sinto-me um pouco embaraçada. Perguntam-me: como correu o encontro com os meus amigos no Porto e, afinal de contas: o que é isto de “Juntos pela Europa”? O que é que 166 pessoas de 19 países diferentes, de 45 movimentos e comunidades de oito igrejas, podem fazer em conjunto, quando “os semelhantes atraem os semelhantes” e a diversidade é raramente – ou talvez nunca – uma força de coesão? E sem falar das diferentes visões geopolíticas, culturais, históricas, confessionais e, além disso: o que farão agora os russos e os ucranianos, que também estiveram presentes?

Francisco pede “pessoas dispostas a comprometer-se com o bem comum”

O Vídeo do Papa

Francisco pede “pessoas dispostas a comprometer-se com o bem comum” novidade

A 12ª edição de “O Vídeo do Papa” de 2022 acaba de ser publicada e nela Francisco destaca as organizações de voluntariado, e todas as pessoas nelas envolvidas, pelo seu empenho na promoção humana e no bem comum. Na sua intenção de oração, o Papa exorta-os a continuar este trabalho, atuando “não só para as pessoas, mas com as pessoas”, sendo “artesãos da misericórdia”.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This