Secretário de Estado do Vaticano

Parolin aceita, sob condições, envio de armas para a Ucrânia

| 13 Mai 2022

cardeal pietro parolin foto vatican media

Parolin defendeu a necessidade de “parâmetros claros”, que não especificou, quanto ao fornecimento de armas à Ucrânia. Disse apenas que ele deve acontecer “da maneira mais justa e moderada possível”.  Foto © Vatican Media.

 

O fornecimento de armas à Ucrânia para ajudá-la a defender-se da agressão russa é “moralmente legítimo sob certas condições”, citando o ensinamento da Igreja Católica sobre “guerra justa”, afirmou o secretário de Estado do Vaticano, Pietro Parolin. Citado pela Reuters esta sexta-feira, 13 de maio, em declarações à margem de uma conferência de ministros de Negócios Estrangeiros do G7, em Roma, o secretário de Estado salientou que “há um direito à defesa armada em caso de agressão”, mas “sob certas condições”, as quais se encontram consagradas no Catecismo da Igreja Católica.

“Acima de tudo (a condição) de proporcionalidade, e então que a resposta não produza danos maiores do que os causados ​​pela agressão. Isso no contexto de uma ‘guerra justa'”, disse Parolin. “Eu diria que a questão do envio de armas (para a Ucrânia) pode ser colocada nesse quadro”, acrescentou aquele responsável do Vaticano.

O Papa Francisco, faz notar a Reuters, embora tenha usado termos como “atrocidades” e “agressão injusta”, e tenha falado do sofrimento dos ucranianos na “defesa da sua terra”, absteve-se até agora de rotular o conflito na Ucrânia como uma guerra justa. O Papa tem pedido a proibição de todas as guerras, questionando que um qualquer conflito possa ser totalmente justo.

Parolin defendeu a necessidade de “parâmetros claros”, que não especificou, quanto ao fornecimento de armas à Ucrânia. Disse apenas que ele deve acontecer “da maneira mais justa e moderada possível”.

Na mesma linha de Parolin, o secretário do Vaticano para as Relações com os Estados, arcebispo Paul Richard Gallagher, numa entrevista à televisão italiana, nas vésperas de partir para Kiev, alerta para a questão da proporcionalidade, defendendo “muito cuidado para não [se] entrar numa nova corrida armamentista”, procurando “sempre deixar espaço para o diálogo e a discussão para alcançar a paz”.

 

Russos e americanos dialogam 

Entretanto, enquanto os presidentes da Rússia e da Ucrânia trocam palavras sobre quem quer ou não quer negociar, o chefe do Pentágono, Lloyd Austin, conversou por telefone com o ministro da Defesa russo, Sergey Shoigu, o que acontece pela primeira vez desde o início da guerra.

Segundo relata o jornal italiano Avvenire, nesse diálogo Austin pediu um cessar-fogo rápido na Ucrânia e destacou a importância de preservar os canais de comunicação.

O Departamento de Defesa dos EUA informou que a conversa telefónica não resolveu nenhum “problema grave”, mas o facto é que os representantes da defesa dos dois países conversaram entre si.

 

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

“A grande substituição”

[Os dias da semana]

“A grande substituição” novidade

Outras teorias da conspiração não têm um balanço igualmente inócuo para apresentar. Uma delas defende que estamos perante uma “grande substituição”; não ornitológica, mas humana. No Ocidente, sustentam, a raça branca, cristã, está a ser substituída por asiáticos, hispânicos, negros ou muçulmanos e judeus. A ideia é velha.

Humanizar não é isolar

Humanizar não é isolar novidade

É incontestável que as circunstâncias de vida das pessoas são as mais diversas e, em algumas situações, assumem contornos improváveis e, muitas vezes, indesejáveis. À medida que se instalam limitações resultantes ou não de envelhecimento, alguns têm de habitar residências sénior, lares de idosos, casas de repouso,…

Agenda

Fale connosco

Pin It on Pinterest

Share This