Contributos para o Sínodo (6)

Paróquia de Santa Isabel: menos clericalismo, maior participação dos batizados

| 12 Jun 2022

Renovar a reflexão doutrinal sobre a sexualidade, a homossexualidade e o divórcio, reduzir o clericalismo e aumentar a participação dos fiéis, propõe o documento sinodal da Paróquia de Santa Isabel, em Lisboa, em resposta à maior auscultação alguma vez feita à escala planetária, lançada pelo Papa Francisco, para preparar a assembleia do Sínodo dos Bispos de 2023. Esse coro imenso de vozes não pode ser silenciado, reduzido, esquecido, maltratado. O Espírito sopra onde quer e os contributos dos grupos que se formaram para ouvir o que o Espírito lhes quis dizer são o fruto maduro da sinodalidade. O 7MARGENS publica alguns desses contributos, estando aberto a considerar a publicação de outros que queiram enviar-nos.

Fachada da Igreja de Santa Isabel, Lisboa. Foto © GualdimG

Fiéis da paróquia de Santa Isabel, querem uma igreja menos clericalizada. Foto © GualdimG

 

Qual a visão actual da Igreja que resulta da reflexão sinodal realizada?

Aspetos negativos: clericalismo, peso da hierarquia, hipocrisia, incoerência, ostentação. Poucos processos de escuta/desafios à participação dos batizados, particularmente das mulheres. Poucas ferramentas de comunicação, linguagem pouco clara e desadequada aos dias de hoje. Não acompanha a realidade dos cidadãos (homossexuais, recasados católicos), pouca abertura para discutir questões da sexualidade. Não acolhe como poderia os pobres e os doentes.

Aspetos positivos: Espaço de acolhimento e espiritualidade, conforto e escuta da Palavra, transmissão de valores e missão. Comunidade (única) que une pessoas com diversas idades, origens e classes sociais. Papel social e histórico relevante.

 

Quais as áreas em que a Igreja necessita de conversão?

Mais abertura: Igreja com tempo e espaço para todos.

Melhor acolhimento: tornar fácil a aproximação à Igreja, permitindo que cristãos e cidadãos saibam onde ir e quem contactar para ter acesso aos serviços, grupos e atividades de cada paróquia. Maior informalidade na relação com os padres.

Fomentar a participação: desafiar os cristãos a terem um papel ativo através da criação de grupos paroquiais.

Renovação da doutrina, da linguagem e da celebração da fé: sobre os recasados, a sexualidade, os homossexuais, ou o papel das mulheres na Igreja. Adaptar a linguagem litúrgica (tornando-a mais compreensível) e adaptar as celebrações aos participantes (jovens, famílias, pessoas mais velhas).

 

Propostas de mudança para a Paróquia que merecem maior destaque:

Melhorar a comunicação através de recursos digitais com informação atualizada sobre a paróquia, pois isso irá permitir que mais paroquianos participem nas atividades da igreja.

Realizar encontros sobre temas propostos pelos paroquianos (incluindo os jovens) organizados em conjunto pela paróquia e outras entidades ou pessoas.

Maior participação dos fiéis nas celebrações eucarísticas. Maior participação e responsabilização dos paroquianos nas decisões da paróquia.

 

Propostas de mudança para a Igreja diocesana que merecem maior destaque:

Abertura ao mundo. Acolhimento personalizado e caloroso. Participação dos leigos em tarefas necessárias à comunidade. Melhorar e modernizar a comunicação. Maior responsabilização:

instituir assembleias paroquiais sobre as prioridades pastorais das comunidades. Renovar a linguagem e a celebração da fé: melhorar os aspetos estéticos dos espaços eclesiais e a beleza dos atos litúrgicos; promover a participação dos fiéis nas celebrações eucarísticas; diferenciar as celebrações conforme os destinatários.

 

Propostas de mudança para a Igreja em geral:

Voltar ao essencial: escuta da Palavra de Jesus Cristo.

Menos ostentação, mais transparência. Menos clericalismo, maior participação dos batizados.

Prestar contas, combater a corrupção. Renovar a Doutrina, a linguagem e a celebração da fé.

Alterar as disposições que impedem os presbíteros de casar e as mulheres de aceder aos serviços e ministérios (ordenação). Renovar a reflexão doutrinal sobre a sexualidade, a homossexualidade e o divórcio. Reforçar a atenção para os desafios que o Papa Francisco tem feito sobre a Casa Comum e os descartados.

 

Outros pontos de vista relevantes:

Crentes apesar da Igreja: há pessoas que não se conseguem inserir numa comunidade, embora o desejem.

Importância dos marcos (batismo; 1a comunhão; funerais) no percurso de fé e vida.

A eucaristia não faz sentido sem as pessoas se conhecerem.

Pôr cobro à “teologia” baseada no temor do pecado.

O papel da Igreja na construção de comunidade na cidade, sem perder a sua identidade, articulada com outras instituições

A importância de ter dúvidas sobre a fé, a doutrina e poder exprimi-las.

Valorizar os grupos de jovens para colmatar o hiato que existe depois da catequese.

Importância do pequeno grupo como lugar de partilha da fé e da via

Importância do aprofundamento do conhecimento sobre a Bíblia.

Desconstruir a ideia da perfeição como requisito para ser cristão.

Permitir que as Igrejas estejam abertas mais tempo.

Impacto negativo da corrupção no Vaticano e da pedofilia na igreja.

Houve também quem considerasse que está tudo bem, que a Igreja tem resistido e resistirá.

 

Apresentação dos resultados

Todos estes temas foram abordados: Como “caminhar juntos?”; Companheiros de Viagem; Ouvir; Tomar a palavra; Celebrar; Corresponsáveis na missão; Dialogar na Igreja e na Sociedade; Dialogar com as outras confissões cristãs; Autoridade e Participação; Discernir e decidir; Formação para a Sinodalidade.

O tema mais debatido foi “Dialogar na Igreja e na Sociedade” e o que criou maior tensão/discordância foi “Formação para a Sinodalidade”, enquanto o que gerou maior consenso foi “Discernir e decidir. O que deu origem a diversos pontos e vista foi “Tomar a palavra” e o que abriu novos caminhos de missão foi, naturalmente, o “Corresponsáveis na missão”.

Os aspetos mais positivos da reflexão: foi um processo de co-construção da equipa do Sínodo, que conduziu todo o processo; os processos de escuta foram discutidos com a comunidade, assim como os resultados das conversas e dos inquéritos; essa reflexão determinou o conteúdo do documento final; o tempo dedicado à Escuta em pequenos grupos, que permitiu compreender a necessidade que as pessoas têm de serem ouvidas e de fazer parte.

Os aspetos mais negativos da reflexão: o tempo muito limitado que tivemos para esta fase de escuta; o facto de não termos conseguido juntar tantos não crentes e não praticantes como crentes e praticantes; os temas propostos eram em demasia, pelo que a equipa se focou em Ouvir e Discernir e decidir, embora se tenham debatido todos os temas.

 

Breve caracterização da realidade eclesial e do processo sinodal

Paróquia da vigararia III de Lisboa: 5 missas, 3 padres, 25 leitores, 67 escuteiros, 63 catequistas e 400 crianças. Metade dos paroquianos vêm de fora da freguesia.

600 pessoas participam habitualmente nas missas dominicais.

Sete grupos criados propositadamente para o efeito estiveram envolvidos na reflexão sinodal que recebeu contributos de mais de 500 pessoas, sobretudo da faixa etária entre os 41 e 50 anos, seguida dos que têm entre e os 61 e 70 anos

Foi lançado um inquérito e houve reuniões por zoom e presenciais (maioritariamente deste tipo)

O processo sinodal contou com a participação de pessoas que não desenvolvem uma missão específica na comunidade; batizados sem prática dominical; não crentes. A própria equipa dinamizadora da reflexão sinodal, composta por 5 elementos, incluía uma pessoa batizada não crente. A dinamização das conversas foi feita de forma a incluir as reflexões de pessoas crentes e não crentes, praticantes e não praticantes.

O processo sinodal promoveu uma conversa especificamente para jovens (dos 14 aos 21 anos) para a qual os jovens que frequentam a paróquia foram desafiados a levar um amigo não praticante ou não crente. Na catequese, as catequistas identificaram aquilo que os jovens gostam na Igreja e o que poderia mudar.

A divulgação do processo sinodal pode classificar-se como tendo sido boa, assim como a participação e o envolvimento da comunidade. A adesão ao método de discernimento espiritual foi boa e o entusiasmo dos participantes foi muito bom, mas a adesão da sociedade civil não superou o suficiente.

O desejo de continuidade do processo sinodal foi muito forte e o compromisso com a reflexão da comunidade pode classificar-se com forte. As maiores dificuldades de todo o processo foram congregar a comunidade em tempos de pandemia e conseguir a participação da comunidade não crente.

 

Sida: 60% das crianças entre os 5 e os 14 anos sem acesso a tratamentos

Relatório da ONU alerta

Sida: 60% das crianças entre os 5 e os 14 anos sem acesso a tratamentos novidade

O mais recente relatório da ONUSIDA, divulgado esta terça-feira, 29 de novembro,  é perentório: “o mundo continua a falhar à infância” na resposta contra a doença. No final de 2021, 800 mil crianças com VIH não recebiam qualquer tratamento. Entre os cinco e os 14 anos, apenas 40% tiveram acesso a medicamentos para a supressão viral. A boa notícia é que as mortes por sida caíram 5,79% face a 2020, mas a taxa de mortalidade observada entre as crianças é particularmente alarmante.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

 

Bahrein

Descoberto mosteiro cristão sob as ruínas de uma mesquita

Há quem diga que este é o “primeiro fruto milagroso” da viagem apostólica que o Papa Francisco fez ao Bahrein, no início de novembro. Na verdade, resulta de três anos de trabalho de uma equipa de arqueólogos locais e britânicos, que acaba de descobrir, sob as ruínas de uma antiga mesquita, partes de um ainda mais antigo mosteiro cristão.

Gracia Nasi, judia e “marrana”

Documentário na RTP2

Gracia Nasi, judia e “marrana” novidade

Nascida em Portugal em 1510, com o nome cristão de Beatriz de Luna, Gracia Nasi pertencia a uma uma família de cristãos-novos expulsa de Castela. Viúva aos 25 anos, herdeira de um império cobiçado, Gracia revelar-se-ia exímia gestora de negócios. A sua personalidade e o destino de outros 100 mil judeus sefarditas, expulsos de Portugal, são o foco do documentário Sefarad: Gracia Nasi (RTP2, 30/11, 23h20).

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This