Depois do cessar-fogo em 2022

Partes em conflito no Iémen aceitam troca de prisioneiros

| 21 Mar 2023

Um homem, que fugiu da sua aldeia, vive agora num acampamento nos arredores de Marib, no Iémen. Embora o cenário geral tenha acalmado desde 2022, as preocupações permanecem, já que o país enfrenta desafios económicos, com milhões de desalojados. Foto © UNOCHA/Giles Clarke.

 

O processo de paz no Iémen está no seu caminho. Naquele que há um ano era considerado o país com a mais grave emergência humanitária do planeta, o cessar-fogo de abril de 2022 foi seguido, esta segunda-feira, 20 de março, por um novo acordo com vista à libertação de 887 prisioneiros, de ambos os lados do conflito.

Na sequência de dez dias de negociações mediadas por uma delegação da ONU, as duas partes prometeram uma à outra levar a cabo um plano de troca de detidos, que está previsto continuar a curto prazo, com novas etapas. Mas, como disse aos jornalistas o enviado especial da organização, Hans Grundberg, nesse compromisso, as partes fizeram igualmente uma “promessa (…) a milhares de famílias iemenitas que vivem há muito tempo a dor da separação dos seus entes queridos”.

A guerra civil teve início quando, em 2014, milícias houthi, de xiitas, com o apoio do Irão, tomaram o controlo da capital Sanaa e algumas partes da zona ocidental do país, e afrontaram o governo de uma coligação sunita, apoiada pela Arábia Saudita.

Apenas em 2018 os dois lados aceitaram um plano em direção à paz, que incluía precisamente a troca de prisioneiros, o cessar-fogo e a participação da sociedade civil no caminho da paz.

mapa do Iémen e região

A guerra civil teve início quando, em 2014, milícias houthi, de xiitas, com o apoio do Irão, tomaram o controlo da capital Sanaa e algumas partes da zona ocidental do país, e afrontaram o governo de uma coligação sunita, apoiada pela Arábia Saudita.

“Encorajo as partes a libertarem detidos adicionais de forma unilateral e contínua”, apelou Grundberg, observando: “o resultado de hoje é um desenvolvimento bem-vindo e um progresso positivo em direção ao cumprimento pelas partes da sua obrigação sob o Acordo de Estocolmo de libertar detidos relacionados com conflitos numa base de todos por todos.”

Segundo refere a ONU, embora o cenário geral tenha acalmado desde 2022, as preocupações permanecem, já que o Iémen enfrenta desafios económicos, com milhões de desalojados e muitas famílias que lutam pela sobrevivência. Em 2022, quase 11 milhões de pessoas tiveram de ser socorridas todos os meses pelas agências humanitárias.

O que no último ano foi conseguido, em termos de cessar-fogo e apaziguamento, carece de novos passos que consolidem o que se conquistou e abram caminho para um futuro pacífico.

Até há um ano, segundo a BBC, o conflito já tinha originado 233 mil mortes, incluindo 131 mil por causas indiretas, como falta de alimentos, de serviços de saúde e infraestrutura. Mais de 10 mil crianças morreram como consequência direta dos combates.

 

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Cruz Vermelha quer levar ajuda urgente às vítimas das cheias no Brasil

Apelo internacional

Cruz Vermelha quer levar ajuda urgente às vítimas das cheias no Brasil novidade

Com o objetivo de “aumentar a assistência humanitária às comunidades afetadas pelas devastadoras inundações no Rio Grande do Sul, no Brasil”, a Federação Internacional das Sociedades da Cruz Vermelha e do Crescente Vermelho (FICV) lançou um “apelo de emergência de cerca de oito milhões de euros”, anunciou a Cruz Vermelha Portuguesa (CVP), na última quarta-feira, 22 de maio.

A Dignidade da pessoa humana como prioridade

A Dignidade da pessoa humana como prioridade novidade

Na semana depois de Pentecostes é oportuno recordar a publicação da declaração Dignitas Infinita sobre a Dignidade Humana, elaborada durante cinco anos e divulgada pelo Dicastério para a Doutrina da Fé, pondo a tónica na dimensão universal, filosófica e antropológica, do respeito pela pessoa humana enquanto fator de salvaguarda dos direitos humanos, do primado da justiça e do reconhecimento de que todos os seres humanos como livres e iguais em dignidade e direitos.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This