Visitas guiadas em Lisboa

Participantes da JMJ convidados a descobrir o 25 de Abril

| 19 Jul 2023

Museu da GNR em Lisboa. Foto Cláudia Teixeira  Comissão Comemorativa 50 anos 25 de Abril

Os participantes da JMJ poderão visitar o Museu da Guarda Nacional Republicana, instalado no Quartel do Carmo, em Lisboa. Foto © Cláudia Teixeira Comissão Comemorativa 50 anos 25 de Abril.

 

A Comissão Comemorativa 50 anos 25 de Abril associou-se à Jornada Mundial da Juventude e vai desafiar todos os participantes “a descobrirem o momento fundador da democracia portuguesa”, através de visitas guiadas ao Quartel do Carmo, ao Museu da GNR e à mostra expositiva “A Paz é possível. A Vigília da Capela do Rato e a contestação à Guerra Colonial”, que será reposta no Palácio da Independência.

Foi no Quartel do Carmo que, no dia 25 de abril de 1974, se refugiou o presidente do conselho, Marcelo Caetano, e onde se deu a sua rendição, depois de as forças comandadas pelo capitão Salgueiro Maia terem sitiado o local. Para que os participantes na JMJ possam saber mais sobre este momento histórico, a Comissão organizará visitas guiadas ao espaço, em português e em inglês. As sessões terão lugar nos dias 1 (das 11h30 às 13h00 e das 14h00 às 15h30), 2 (das 14h00 às 15h30 e das 15h30 às 17h00), 3 e 4 (15h00 – 16h30), estando sujeitas a inscrição prévia online ou através do e-mail geral@50anos25abril.gov.pt).

Estas sessões incluem a visita ao Museu da Guarda Nacional Republicana, instalado naquele quartel, e à mostra expositiva “A Paz é Possível. A Vigília da Capela do Rato e a contestação à Guerra Colonial”, patente no Palácio da Independência, no Largo de S. Domingos.

Os visitantes poderão encontrar neste espaço fotografias, recortes de imprensa, documentos arquivísticos e outros materiais e, através deles, conhecer alguns momentos e aspetos da contestação de setores católicos à ditadura e à Guerra Colonial, com destaque para acontecimentos como a Vigília pela Paz, organizada na Igreja de S. Domingos em 1968, e a Vigília da Capela do Rato, de 1972.

A mostra, de entrada livre, estará patente entre 25 de julho e 4 de agosto, de segunda a sexta-feira, entre as 10h00 e as 18h00.

Dedicado ao mesmo tema, o documentário da RTP “Um gesto de liberdade — ‘Guerra e Paz’ na Capela do Rato”, da autoria de Jacinto Godinho e de Carlos Oliveira, será exibido no Cinema S. Jorge, em data a divulgar.

Estas iniciativas inserem-se no Festival da Juventude da JMJ, cujo programa completo será divulgado nos próximos dias.

 

Vaticano não identificou “má conduta ou abuso” por parte de cardeal Lacroix

Investigação suspensa

Vaticano não identificou “má conduta ou abuso” por parte de cardeal Lacroix novidade

A Sala de Imprensa da Santa Sé anunciou esta terça-feira, 21 de maio, que a investigação canónica preliminar solicitada pelo Papa Francisco para averiguar as acusações de agressão sexual contra o cardeal canadiano Gérald Cyprien Lacroix não prosseguirá, visto que “não foi identificada qualquer ação como má conduta ou abuso” da parte do mesmo. O nome do prelado, que pertence ao Conselho dos Cardeais (C9), foi um dos apontados numa grande ação coletiva a decorrer no Canadá, listando supostas agressões sexuais que terão ocorrido na diocese do Quebeque, nos anos 1980.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Prémio de direitos humanos para marroquina Amina Bouayach é “instrumento de propaganda”

AAPSO denuncia

Prémio de direitos humanos para marroquina Amina Bouayach é “instrumento de propaganda” novidade

Amina Bouayach, Presidente do Conselho Nacional dos Direitos Humanos (CNDH) de Marrocos, recebeu esta terça-feira, 21 de maio, na Assembleia da República, em Lisboa, o Prémio de Direitos Humanos do Centro Norte-Sul do Conselho da Europa 2023. Mas a Associação de Amizade Portugal – Sahara Ocidental (AAPSO) considera, no mínimo, “estranha” a atribuição do galardão à marroquina.

Senhora do Rosário: Que batalhas há para vencer?

Senhora do Rosário: Que batalhas há para vencer? novidade

A exposição, intitulada «Mês de Maio. Mês de Maria», que tem por curador o Prof. José Abílio Coelho, historiador, da Universidade do Minho, conta com as principais ‘apresentações’ de Nossa Senhora do Rosário, sobretudo em escultura e pintura, que se encontram dispersas por igrejas e capelas do arciprestado de Póvoa de Lanhoso. Divulgamos o texto, da autoria do Padre Joaquim Félix, publicado no catálogo da exposição  «A Senhora do Rosário no Arciprestado Povoense».

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This