Edição integral até 2025

Pascoaes e o primeiro volume da sua “Obra Poética”

| 2 Mar 2023

 

No próximo sábado, dia 4, às 16h, será apresentado na Biblioteca Municipal Albano Sardoeira, em Amarante, o primeiro de cinco volumes a publicar até 2025, nos quais se reúne a obra poética de Teixeira de Pascoaes.

A apresentação estará a cargo de José Rui Teixeira, diretor da Cátedra Poesia e Transcendência, da Universidade Católica, e editor da Officium Lectionis, que edita as obras.

Este primeiro volume reúne a poesia da etapa coimbrã [1895-1901]: Pascoaes partiu para Coimbra no outono de 1895, onde terminou os estudos liceais e se formou em Direito. Entre 1895 e 1901, publicou o seu primeiro livro [logo rejeitado], colaborou com opúsculos, escreveu três poemetos e dois importantes livros: Sempre e Terra Proibida. Estes dois livros [reeditados num profundo processo de reescrita] ocupam a primeira parte deste volume; na segunda parte surgem os três poemetos desta fase: Belo, À Minha Alma e À Ventura; finalmente, na terceira parte, é editada a poesia que integra este volume por questões fundamentalmente documentais: Embriões, Cantigas para o Fado e para as «Fogueiras» do São João e Profecia.

Tendo em conta a importância da obra poética de Pascoaes também em termos espirituais, o 7MARGENS apresenta a seguir o texto (adaptado) do prefácio deste primeiro volume, no qual se apresenta o itinerário desses anos do poeta de Amarante em Coimbra. O seu autor é o editor José Rui Teixeira, organizador da obra, a quem agradecemos a cedência do texto.

 

“Quando Teixeira de Pascoaes inicia, em 1929, o projecto de edição das suas Obras Completas, o primeiro volume reúne apenas dois livros: Sempre e Terra Proibida.” Foto: Teixeira de Pascoaes © comunidadeculturaearte.com

 

Quando Teixeira de Pascoaes inicia, em 1929, o projecto de edição das suas Obras Completas, o primeiro volume reúne apenas dois livros: Sempre e Terra Proibida. Estas versões, no final da década de 1920, resultam de um contínuo processo de reescrita: Sempre, livro de 1898, tinha sido reeditado em 1902 [1903], 1915 e 1923; Terra Proibida, de 1899 [1900], tinha sido reeditado em 1917 e 1923.

Curiosamente, a designação de Obras Completas de Teixeira de Pascoaes tinha aparecido já em quatro publicações anteriores: na 3.ª edição de Sempre (com um importante prefácio do poeta) e na 2.ª edição de Terra Proibida (ambos publicados no Porto, Edição da «Renascença Portuguesa», em 1915 e 1917); na 3.ª edição de Terra Proibida e na 2.ª edição de Verbo Escuro (publicados no Rio de Janeiro, por Álvaro Pinto – Anuário do Brasil, em 1923).

No primeiro volume das Obras Completas, em 1929, não só já não reconhecemos as primeiras edições de Sempre e Terra Proibida, como não encontramos os outros poemas da etapa coimbrã de Teixeira de Pascoaes (1895-1901): as duas partes de Belo (1896-1897), À Minha Alma (1898) e À Ventura (1901), que só seriam reeditados na década de 60, por Jacinto do Prado Coelho.

Para trás, preteridos, Pascoaes deixara Embriões (o seu primeiro livro, publicado no Outono de 1895) e dois opúsculos: Cantigas para o Fado e para as «Fogueiras» do São João (publicado em 1899, por iniciativa de Augusto Gil e Afonso Lopes Vieira, com versos de oito estudantes da Universidade de Coimbra) e Profecia (opúsculo não assinado nem datado, publicado por Pascoaes e Lopes Vieira, em 1900 ou 1901).

Tudo isto torna particularmente difícil a organização do primeiro volume de uma edição da obra poética de Pascoaes. Com efeito, são evidentes três tipologias da poesia que escreveu nesse período, entre a sua partida para Coimbra (1895) e o regresso a Amarante (1901).

 

Sempre e Terra Proibida

Demarcam-se os dois livros – Sempre e Terra Proibida – que o poeta foi reeditando e que constituem, em 1929, o primeiro volume das Obras Completas. São estas as versões definitivas destes livros, constantes no volume I da edição crítica de Jacinto do Prado Coelho, em 1965, precedidas de Belo e À Minha Alma.

Na presente edição – que, não sendo crítica, corresponde ao mesmo propósito de tornar acessível, num corpus único, a obra poética de Pascoaes –, optamos por publicar, numa primeira parte, as versões definitivas de Sempre e Terra Proibida, de acordo com o primeiro volume das Obras Completas (1929).

 

Belo e À Minha Alma

Foto © Página Oficial Facebook “Casa de Pascoaes”

 

Até à edição de Jacinto do Prado Coelho, Belo, À Minha Alma e À Ventura não tinham sido reeditados. Então, Belo e À Minha Alma são integrados no volume I (1965), e À Ventura no volume II (1966).

Ao reunir no mesmo volume Belo, À Minha Alma, Sempre e Terra Proibida, Jacinto do Prado Coelho adverte: «notar-se-ão grandes desníveis» entre os dois primeiros poemas (publicados de acordo com a sua primeira e única edição) e as duas colectâneas «que, tendo sido refundidas em várias reedições», seriam ali «apresentadas no texto definitivo».

De certo modo, a decisão de publicar Belo e À Minha Alma nesse volume I das Obras Completas de Teixeira de Pascoaes é legitimada pela integração do prefácio de Teixeira de Pascoaes à 3.ª edição de Sempre. Lê-se logo no princípio do referido prefácio: «Este livro [Sempre] merece-me um carinho especial, pois é ele a fonte de todo o meu pensamento poético, assim como duas éclogas anteriores (Belo, publicado em 1896 [e 1897])». Depois da transcrição de alguns versos de Belo, Pascoaes acrescenta: «Além das duas citadas éclogas, publiquei, seis ou sete meses antes do Sempre, uma poesia intitulada À Minha Alma, da qual transcreverei também alguns versos reveladores». E conclui: «Já nestes versos, anteriores à publicação de Sempre (1898) se encontra desenhado o vulto da minha inspiração, isto é, a sensibilidade ao enigma das Cousas, a atitude inquieta, interrogadora da alma, o instinto da Saudade. O Sempre e os livros que se lhe seguiram foram escritos durante a febre de criar. A onda levou-me no seu ímpeto. Agora penso dominá-la e adaptá-la às formas do meu espírito. Eis a origem da nova edição das minhas obras.

Em 1915, com quase quarenta anos, Pascoaes é a figura proeminente da Renascença Portuguesa, o poeta-filósofo da Saudade, e propõe – exegeta de si próprio – a nova edição das suas obras à luz do Saudosismo, num processo de analepses (como o que encontramos em O Homem Universal, em 1937) que busca os rudimentos do seu pensamento nos primeiros «trabalhos literários».

Na segunda parte da presente edição, procurando evitar os «grandes desníveis» a que aludia Prado Coelho, publicamos Belo, À Minha Alma e À Ventura, poemas que, não tendo sido reeditados por Pascoaes nas Obras Completas de 1929-1932, foram justificadamente integrados na edição de Prado Coelho, na década de 60.

 

Embriões

Casa-Museu Teixeira de Pascoaes" em Amarante

Foto © Arquivo RTP “Casas com Histórias: Casa-Museu Teixeira de Pascoaes” em Amarante

 

Mais difícil é, evidentemente, a decisão de reeditar Embriões, livro que Teixeira de Pascoaes publicou em 1895. Em Abril desse ano, o jovem poeta estreia-se n’A Flor do Tâmega, jornal amarantino que acolherá composições desse período e que anunciará, em Setembro, a publicação de Embriões.

Se foi difícil o processo de edição deste livro, ainda mais difícil terá sido fazê-lo desaparecer. Como recorda a irmã, Maria da Glória: «Os exemplares que havia lá em casa queimou-os todos. O Guerra Junqueiro, a quem o meu pai o tinha mandado, disse-lhe: “diz ao teu filho que se deixe de versos”». Também a sobrinha, Maria José, recorda esse episódio: «fez uma fogueira no jardim da Casa de Pascoaes e queimou todos os exemplares que conseguiu recolher. Eu, ainda muito pequena e obedecendo às suas ordens, ajudei a lançar os livros para a fogueira».

Certamente mais do que o reconhecimento da fragilidade do seu primeiro livro, a decisão de rejeitá-lo – e destruí-lo – decorre do juízo de Junqueiro. Seja como for, é evidente que Embriões é um objecto literário medíocre, o que é expectável na generalidade das juvenílias. Porém, como repara António Cândido Franco, nos seus versos já se percebe «a obsessiva atenção aos lugares, às personagens e à memória da infância», assim como os rudimentos daquilo que será o seu «acerto nas imagens, plasticidade métrica, percepção transfigurante da natureza e permanente insatisfação formal».

É certo que Teixeira de Pascoaes rejeitou este seu primeiro livro, mas é justo que se encare Embriões «com uma disposição mais compreensiva e menos assertivamente severa do que aquela que vigorou até hoje».

Por motivos essencialmente documentais, integramos este livro na terceira parte da presente edição, bem demarcado de Sempre e Terra Proibida (primeira parte), mas também de Belo, À Minha Alma e À Ventura (segunda parte). Aos poemas de Embriões juntamos as quadras com que Pascoaes participou no opúsculo Cantigas para o Fado e para as «Fogueiras» do São João (1899) e os dois poemas de Profecia (1901?) que lhe são atribuídos.

*  *  *

Neste volume fica, assim, reunida a obra poética de Teixeira de Pascoaes publicada entre a sua partida para Coimbra (1895) e o regresso a Amarante (1901): dois livros que reescreveu com o obstinado compromisso e aura oracular (primeira parte: Sempre e Terra Proibida); três poemas que se situam na fronteira do rudimento e do hiato (segunda parte: Belo, À Minha Alma e À Ventura); e, apenas pelo seu interesse documental, o primeiro poemário (tão enfaticamente rejeitado) e duas colaborações de circunstância (terceira parte: Embriões, Cantigas para o Fado e para as «Fogueiras» do São João e Profecia).

 

Por um mundo que acolha as pessoas refugiadas

Dia Mundial do Refugiado

Por um mundo que acolha as pessoas refugiadas novidade

Dia 20 de Junho é dia de homenagearmos todos aqueles e aquelas que, através do mundo, se veem obrigados e obrigadas a fugirem do seu lar, a suspenderem a vida e a interromperem os seus sonhos no lugar que é o seu. Este é o dia de homenagearmos a força e a coragem desses homens e mulheres – tantos jovens e crianças, meu Deus! – que arriscam a vida na procura de um lugar que os acolha.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Reunião do Conselho dos Cardeais com o Papa voltou a contar com três mulheres

Uma religiosa e duas leigas

Reunião do Conselho dos Cardeais com o Papa voltou a contar com três mulheres novidade

Pela quarta vez consecutiva, o papel das mulheres na Igreja voltou a estar no centro dos trabalhos do Papa e do seu Conselho de Cardeais – conhecido como C9 -, que se reuniu no Vaticano nos últimos dois dias, 17 e 18 de junho. Tratou-se de uma reflexão não apenas sobre as mulheres, mas com as mulheres, dado que – tal como nas reuniões anteriores – estiveram presentes três elementos femininos naquele que habitualmente era um encontro reservado aos prelados.

Liga Operária Católica apela aos trabalhadores que se sindicalizem

Reunida em Seminário Internacional

Liga Operária Católica apela aos trabalhadores que se sindicalizem novidade

“Precisamos que os sindicatos sejam mais fortes e tenham mais força nas negociações e apelamos a todos os os trabalhadores a unirem-se em volta das suas associações”. A afirmação é dos representantes da Liga Operária Católica/Movimento de Trabalhadores Cristãos (LOC/MTC), que estiveram reunidos no passado fim de semana no Museu da Central do Caldeirão, em Santarém, para o seu Seminário Internacional.

Escravatura e racismo: faces da mesma moeda

Escravatura e racismo: faces da mesma moeda novidade

Nos últimos tempos muito se tem falado e escrito sobre escravatura e racismo no nosso país. Temas que nos tocam e que fazem parte da nossa história os quais não podemos esconder. Não assumir esta dupla realidade, é esconder partes importantes da nossa identidade. Sim, praticámos a escravatura ao longo de muitos séculos, e continuamos a fechar os olhos a situações de exploração de pessoas imigradas, a lembrar tempos de servidão.[Texto de Florentino Beirão]

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This