Patriarca à chegada a Lisboa: protagonismo das JMJ será dos jovens

| 29 Jan 19

dav

Foi com um pano de fundo permanente de gritos de júbilo, aclamações e cânticos que uma centena de jovens acolheu o cardeal-patriarca de Lisboa, D. Manuel Clemente, à sua chegada ao aeroporto de Lisboa, depois de ter participado nas Jornadas Mundiais da Juventude (JMJ), no Panamá, onde foi anunciado que as próximas JMJ se realizarão em Lisboa, em 2022.

“Há um ponto muito importante: o protagonismo é deles”, disse o patriarca, em declarações a um grupo de jornalistas, referindo-se aos jovens. “Não vai ser uma jornada organizada pelos bispos, para os jovens, vai ser dos jovens e para os jovens”, apoiada pelos bispos, acrescentou. E, quando já se despedia dos jornalistas, voltou a sublinhar: “O protagonismo é deles.”

Para o cardeal, o factor da lusofonia pesou na decisão. O facto de já ter havido duas JMJ na Península Ibérica – Santiago de Compostela, em 1989, e Madrid, em 2011 – não facilitava a candidatura portuguesa, admitiu. “Mas o facto de Lisboa ter uma ligação à lusofonia, e de ser habitada por dezenas de milhar de populações lusófonas, oriundas sobretudo de África, pesou de certeza na decisão”, acrescentou.

Momentos depois, em declarações ao 7MARGENS, Manuel Clemente acrescentou que esse terá sido mesmo o factor determinante. No Panamá, onde havia vários bispos de Angola, e já há meses, na última reunião dos presidentes dos episcopados lusófonos, o cardeal português falara com os seus colegas lusófonos e todos manifestaram vontade de mobilizarem uma larga participação.

E apoios para que esses jovens possam vir a Portugal? “Temos três anos para agilizar isso o melhor possível”, respondeu, deixando aberta a possibilidade de recolher fundos para apoiar as viagens de jovens africanos. De resto “há muita vontade” de jovens dos cinco continentes virem a Portugal, acrescentou, depois de ter falado, ainda no Panamá, com muitos deles. “Lisboa há-de aguentar este embate, que certamente ultrapassará os dois milhões”, disse ainda.

As jornadas, no entanto, começarão antes, em todo o país, “com variadíssimas actividades” que os portugueses “proporcionarão aos jovens que vêm de toda a parte”. O que não deixará de ser feito com a marca portuguesa do “acolhimento” e de mostrar também a “beleza das cidades”.

De resto, o patriarca manifestou-se “muito contente” e “com vontade de corresponder a este entusiasmo juvenil”, que é “uma gota de água no oceano de entusiasmo juvenil, católico e que vai até além do catolicismo em Portugal”. Deu o exemplo das dezenas de grupos católicos que, por estes dias, estão por todo o país a participar em acções de  voluntariado, na denominada “Missão País”.

Expressando o desejo, “como cidadão”, de que a realização das JMJ ajude a requalificar a zona a norte do rio Trancão, que será também incluída no terreno a preparar para os actos centrais, do fim-de-semana, Manuel Clemente admitiu ainda que a hipótese de Fátima, que chegou a ser pensada, não tinha condições, por o espaço do santuário ser demasiado “pequeno”.

Falta agora também acertar a data das JMJ de Lisboa. Como habitualmente, quando se realizam na Europa, será Julho ou Agosto.  O patriarcado de Lisboa tem já uma página na internet (http://jmj.patriarcado-lisboa.pt/#/pt) com informações sobre as JMJ, sobre a cidade de Lisboa e o patriarcado.  

As JMJ, iniciativa do Papa João Paulo II, iniciada em 1986, na sequência do Ano Internacional da Juventude (1985), realizam-se anualmente em cada diocese e, de três em três anos, com um encontro internacional, que pode reunir centenas de milhar de pessoas (a maior foi a de Manila, nas Filipinas, onde se falou de quatro a cinco milhões de pessoas, e a menor foi a do Panamá, que terminou no último domingo).

Breves

Evento "importantíssimo" para o país

Governo assume despesas da JMJ que Moedas recusou

A ministra Adjunta e dos Assuntos Parlamentares, Ana Catarina Mendes, chegou a acordo com o presidente da Câmara de Lisboa sobre as Jornadas Mundiais da Juventude, comprometendo-se a – tal como exigia agora Carlos Moedas – assumir mais despesa do evento do que aquela que estava inicialmente prevista, noticiou o Expresso esta quarta-feira, 3.

Multiplicar o número de leitores do 7MARGENS

Em 15 dias, 90 novos assinantes

Durante o mês de julho o 7MARGENS registou 90 novos leitores-assinantes, em resultado do nosso apelo para que cada leitor trouxesse outro assinante. Deste modo, a Newsletter diária passou a ser enviada a 2.863 pessoas. Estamos ainda muto longe de duplicar o número de assinantes e chegar aos 5.000, pelo que mantemos o apelo feito a 18 de julho: que cada leitor consiga trazer outro.

Parceria com Global Tree

JMJ promove plantação de árvores

A Fundação Jornada Mundial da Juventude Lisboa 2023 e a Global Tree Initiative estabeleceram uma parceria com o objectivo de levar os participantes e responsáveis da organização da jornada a plantar árvores. A iniciativa pretende ser uma forma de assinalar o Dia Mundial da Conservação da Natureza, que se assinala nesta quinta-feira, 28 de julho.

Abertura da nova sede do CELAM

Francisco relembra as três idolatrias

Recusem a mediocridade espiritual, o pragmatismo dos números e o funcionalismo que sempre ameaçam a marcha do Povo de Deus, recomendou o Papa Francisco aos bispos latino-americanos na sua mensagem por ocasião da inauguração da nova sede do Conselho Episcopal da América Latina e Caribe (CELAM).

Boas notícias

O renascer da Ordem Cisterciense em Portugal

No Mosteiro Trapista de Palaçoulo

O renascer da Ordem Cisterciense em Portugal

Filha de Trás-os-Montes e Alto Douro, acolhi com muita alegria a notícia da construção de um Mosteiro Cisterciense Trapista no planalto mirandês. Monjas italianas escolheram Portugal e estabeleceram-se aqui. Neste lugar aberto às montanhas azuis, ao longe; terra ressequida de xisto: urze, estevas, plantas rasteiras, juntamente com velhos carvalhos e sobreiros. Terra amarela do centeio. Cabras, ovelhas, vacas – o que resta. Nas aldeias, casas fechadas, tantas…

Outras margens

Cultura e artes

Pessoas

Sete Partidas

Acolher sem porquês

Eu e o meu namorado vivemos na Alemanha e decidimos desde o início da guerra na Ucrânia hospedar refugiados em nossa casa. Pensámos muito: nenhum de nós tem muito tempo disponível e sabíamos que hospedar refugiados não é só ceder um quarto, é ceder paciência, muita paciência, compreensão, ajuda com documentos…

Visto e Ouvido

Agenda

[ai1ec view=”agenda”]

Ver todas as datas

Entre margens

Na ressaca da abundância

Fruir é o verbo do presente e andamos pelo mundo atrás de abundâncias: de coisas, de experiências, de bem-estar e de divertimentos, cada vez mais sofisticados e inacessíveis. Vivemos como se a felicidade estivesse fora de nós, nas coisas que corremos para comprar, nas pessoas com quem estamos, nas experiências que vivemos.

Férias — a alegoria das formigas

Hoje, e por estarmos no querido mês de Agosto, dou comigo a refletir sobre este lugar-comum da alegoria das formigas, que é o tempo de férias. Até temos a sorte de viver num país cuja esperança média de vida ronda os 80 anos; desses 80, somos forçosamente influenciados a trabalhar 48. E destes apenas três são tempo de férias.

É possível sonhar na velhice e alcançar

Sonhar?! Sonhos! Uns realizam-se, outros não, mas um homem sem sonhos é um homem pobre, sem visão, sem propósitos. Muitas pessoas têm a ideia de que sonhar é algo somente para os jovens, talvez porque naturalmente têm ainda muito tempo para viver. Mas será isso verdade?! Será possível sonhar na velhice? Entrar na velhice é parar de sonhar, projetar e avançar? Ou o que o impede ou lhe diz que não pode sonhar?

Fale connosco

Pin It on Pinterest

Share This