Patriarca à chegada a Lisboa: protagonismo das JMJ será dos jovens

| 29 Jan 19

dav

Foi com um pano de fundo permanente de gritos de júbilo, aclamações e cânticos que uma centena de jovens acolheu o cardeal-patriarca de Lisboa, D. Manuel Clemente, à sua chegada ao aeroporto de Lisboa, depois de ter participado nas Jornadas Mundiais da Juventude (JMJ), no Panamá, onde foi anunciado que as próximas JMJ se realizarão em Lisboa, em 2022.

“Há um ponto muito importante: o protagonismo é deles”, disse o patriarca, em declarações a um grupo de jornalistas, referindo-se aos jovens. “Não vai ser uma jornada organizada pelos bispos, para os jovens, vai ser dos jovens e para os jovens”, apoiada pelos bispos, acrescentou. E, quando já se despedia dos jornalistas, voltou a sublinhar: “O protagonismo é deles.”

Para o cardeal, o factor da lusofonia pesou na decisão. O facto de já ter havido duas JMJ na Península Ibérica – Santiago de Compostela, em 1989, e Madrid, em 2011 – não facilitava a candidatura portuguesa, admitiu. “Mas o facto de Lisboa ter uma ligação à lusofonia, e de ser habitada por dezenas de milhar de populações lusófonas, oriundas sobretudo de África, pesou de certeza na decisão”, acrescentou.

Momentos depois, em declarações ao 7MARGENS, Manuel Clemente acrescentou que esse terá sido mesmo o factor determinante. No Panamá, onde havia vários bispos de Angola, e já há meses, na última reunião dos presidentes dos episcopados lusófonos, o cardeal português falara com os seus colegas lusófonos e todos manifestaram vontade de mobilizarem uma larga participação.

E apoios para que esses jovens possam vir a Portugal? “Temos três anos para agilizar isso o melhor possível”, respondeu, deixando aberta a possibilidade de recolher fundos para apoiar as viagens de jovens africanos. De resto “há muita vontade” de jovens dos cinco continentes virem a Portugal, acrescentou, depois de ter falado, ainda no Panamá, com muitos deles. “Lisboa há-de aguentar este embate, que certamente ultrapassará os dois milhões”, disse ainda.

As jornadas, no entanto, começarão antes, em todo o país, “com variadíssimas actividades” que os portugueses “proporcionarão aos jovens que vêm de toda a parte”. O que não deixará de ser feito com a marca portuguesa do “acolhimento” e de mostrar também a “beleza das cidades”.

De resto, o patriarca manifestou-se “muito contente” e “com vontade de corresponder a este entusiasmo juvenil”, que é “uma gota de água no oceano de entusiasmo juvenil, católico e que vai até além do catolicismo em Portugal”. Deu o exemplo das dezenas de grupos católicos que, por estes dias, estão por todo o país a participar em acções de  voluntariado, na denominada “Missão País”.

Expressando o desejo, “como cidadão”, de que a realização das JMJ ajude a requalificar a zona a norte do rio Trancão, que será também incluída no terreno a preparar para os actos centrais, do fim-de-semana, Manuel Clemente admitiu ainda que a hipótese de Fátima, que chegou a ser pensada, não tinha condições, por o espaço do santuário ser demasiado “pequeno”.

Falta agora também acertar a data das JMJ de Lisboa. Como habitualmente, quando se realizam na Europa, será Julho ou Agosto.  O patriarcado de Lisboa tem já uma página na internet (http://jmj.patriarcado-lisboa.pt/#/pt) com informações sobre as JMJ, sobre a cidade de Lisboa e o patriarcado.  

As JMJ, iniciativa do Papa João Paulo II, iniciada em 1986, na sequência do Ano Internacional da Juventude (1985), realizam-se anualmente em cada diocese e, de três em três anos, com um encontro internacional, que pode reunir centenas de milhar de pessoas (a maior foi a de Manila, nas Filipinas, onde se falou de quatro a cinco milhões de pessoas, e a menor foi a do Panamá, que terminou no último domingo).

Breves

Sondagem

Brasil deixa de ter maioria católica 

Algures durante este ano a maioria da população brasileira deixará de se afirmar maioritariamente como católica. Em janeiro de 2020, 51% dos brasileiros eram católicos, muito à frente dos que se reconheciam no protestantismo (31%). Ano e meio depois os números serão outros.

Boas notícias

Outras margens

Cultura e artes

Cinema

Interiormente perturbador

Quase no início d’O Acontecimento, já depois de termos percebido que o filme iria andar à volta do corpo e do desejo, Anne conclui que se trata de um texto político. Também esta obra cinematográfica, que nos expõe um caso de aborto clandestino – estamos em França, nos anos 60 –, é um filme político.

Crónicas portuguesas dos anos 80

As causas que sobrevivem às coisas

O Portugal de A Causa das Coisas e de Os Meus Problemas, publicados nos anos 80, fazem sentido neste século XXI? Miguel Esteves Cardoso ainda nos diz quem e o que somos nós? Haverá coisas que hoje se estranham, nomes fora de tempo, outras que já desapareceram ou caíram em desuso. Já as causas permanecem. Pretexto para uma revisitação a crónicas imperdíveis, agora reeditadas.

Carta a Filémon

A liberdade enquanto caminho espiritual

A Epístola a Filémon – um dos mais pequenos escritos do Novo Testamento – constitui o estímulo e o contexto para uma bela reflexão sobre a vivência da liberdade enquanto caminho espiritual. Adrien Candiard – dominicano francês a residir na cidade do Cairo – consegue em breves páginas apresentar um exercício de leitura rico e incisivo sobre a qualidade da vida cristã, mantendo um tom coloquial próprio do contexto de pequenos grupos nos quais este livro encontrou a sua origem.

Pessoas

Sete Partidas

Ser pai no inverno da Estónia

Estou a viver na Estónia há oito anos e fui pai recentemente. Vim para aqui estudar e, como acontece a muitos outros portugueses espalhados por esse mundo, apaixonei-me por uma mulher deste país, arranjei trabalho, casei e o mais recente capítulo da minha história é o nascimento do meu filho, no mês de dezembro de 2021.

Visto e Ouvido

Agenda

[ai1ec view=”agenda”]

Ver todas as datas

Entre margens

Thich Nhat Hanh: Buda e Jesus são irmãos novidade

Regressei ao cristianismo. Mas fui budista zen cerca de quinze anos, integrada na orientação budista zen do mestre japonês Taisen Deshimaru (Associação Zen Internacional); tendo como mestre um dos seus discípulos, Raphael Doko Triet. Gostaria de lhe prestar aqui a minha homenagem pois aprendi muito com ele, ligando-nos ainda – embora à distância – uma profunda amizade.

“A longa viagem começa por um passo”, recriemos…

Inicio o meu quarto ano de uma escrita a que não estava habituada, a crónica jornalística. Nos primeiros três anos escrevi sobre a interculturalidade. Falei sobre o modo como podemos, por hipótese, colocar as culturas moçambicanas e portuguesa a dialogarem. Noutras vezes, inclui a cultura judaica, no diálogo com essas culturas. De um modo geral, tenho-me questionado sobre a cultura, nas suas diferentes manifestações: literatura, costumes, comportamentos sociais, práticas culturais, modos de ser, de estar e de fazer.

O Sínodo dos Bispos não é o sínodo da Igreja

Está a Igreja Católica Romana a caminhar para mais um Sínodo dos Bispos, a acontecer em 2023, e para isso toda uma máquina funciona no sentido da obtenção de mais diretivas ao serviço do Evangelho. Vamos lá lembrar o que está a acontecer: já não é a primeira vez que se realiza um Sínodo dos Bispos para refletir sobre algumas questões colocadas, sem que, no entanto, se sintam alterações substantivas ao funcionamento da Igreja, dando vitalidade ao seu caminhar.

Fale connosco

Abusos na Igreja
Dar voz ao silêncio

Contactos da Comissão Independente

https://darvozaosilencio.org/

E-mail: geral@darvozaosilencio.org

Telefone: (+351) 91 711 00 00

You have Successfully Subscribed!

Pin It on Pinterest

Share This