Patriarca Bartolomeu diz que é “vital” ligar defesa ecológica e fé cristã

| 5 Set 19 | Cristianismo - Homepage, Destaque 2, Newsletter, Últimas

O patriarca Bartolomeu no Amazonas, em 2006, durante o simpósio Reliigão, Ciência, Ambiente, dedicado à região amazónica e ao tema da “água, fonte de vida”: é necessária uma “atenção especial à formação cristã” da juventude, defende Bartolomeu na encíclica sobre a ecologia. Foto © RSE

 

O patriarca Bartolomeu, de Constantinopla, defende que os cristãos são “obrigados a assumir medidas maiores para a aplicação das consequências ecológicas e sociais” da sua fé. Numa encíclica sobre a questão ecológica, publicada no passado domingo, 1 de setembro, o líder espiritual dos cristãos ortodoxos escreve que é “vital” que as estruturas cristãs “promovam iniciativas e atividades para a proteção do meio ambiente, mas também programas de educação ecológica”.

Neste documento de três páginas, o “patriarca verde” dirige-se não só aos ortodoxos, mas também a outros cristãos, representantes de diferentes religiões, líderes políticos, ambientalistas e cientistas sobre a necessidade de “compreender as causas e oferecer respostas adequadas à crise ecológica.”

Bartolomeu manifesta “preocupação com a crise ecológica e com as dimensões e consequências globais do pecado – dessa alienante ‘inversão de valores’ no interior da humanidade – [que] trouxe à tona a conexão entre questões ecológicas e sociais, bem como a necessidade de abordá-las em conjunto.” E acrescenta, sobre uma das tarefas que os cristãos – e a Igreja Ortodoxa, em particular – devem desenvolver, que se deve dar uma “atenção especial à formação cristã” da juventude, “para que ela possa trabalhar como uma área de cultivo e desenvolvimento de um ethos ecológico e solidário”.

O patriarca, cujos textos e pronunciamentos sobre a questão ecológica, são várias vezes citados na encíclica Laudato Si’, do Papa Francisco, defende a necessidade da protecção da “Casa Comum”, ou seja a salvaguarda e protecção dos ecosistemas da Terra, afirmando que mobilizar “forças para a proteção da integridade da criação e para a justiça social são ações interconectadas e inseparáveis.”

O interesse do Patriarcado Ecuménico pela protecção da criação, refere, não surgiu como reação ou em resultado da crise ecológica contemporânea. Esta foi simplesmente a motivação e a ocasião para a Igreja Ortodoxa expressar, desenvolver, proclamar e promover os seus princípios ambientalmente amigáveis, justifica.

Para o patriarca, a “crise ecológica revela que o nosso mundo compreende um todo integral, que os nossos problemas são globais e compartilhados”. E acrescenta, numa crítica implícita ao ceticismo de líderes políticos e cidadãos: “É inconcebível que a humanidade, mesmo reconhecendo a gravidade do problema, continue a comportar-se como se ele não existisse.” Não pode haver progresso genuíno, afirma, “quando a criação ‘muito boa’ e a pessoa humana feitas à imagem e semelhança de Deus sofrem.”

Bartolomeu justifica ainda o interesse da teologia cristã pela questão ecológica como fazendo parte da “identidade” da Igreja: “Respeitar e cuidar da criação são uma dimensão da nossa fé, o conteúdo da nossa vida na Igreja e como Igreja.” O interesse da Igreja pela proteção do meio ambiente é uma extensão da eucaristia “em todas as dimensões de sua relação com o mundo”, acrescenta no texto, cuja versão integral portuguesa pode ser lida aqui.

Comentando esta última observação, um colunista do jornal brasileiro Gazeta do Povo afirma que o patriarca faz “uma leitura sobre a eucaristia que não estamos muito acostumados a fazer, mas que está no cerne da teologia eucarística.”

 

O “patriarca verde”

Bartolomeu no Amazonas, em 2006: a ideia dos simpósios era criar uma rede “entre os mundos da religião, ciência e ambiente, com o interesse de proteger o ambiente.” © RSE

 

Apelidado por vezes de “patriarca verde”, esta não é a primeira vez que o primus inter pares (primeiro entre iguais) dos líderes ortodoxos expressa a sua paixão e preocupação pela defesa do meio ambiente. Durante vários anos, o patriarca dinamizou e apoiou a realização dos simpósios Religião, Ciência e Ambiente (RSE, da sigla em inglês), que juntavam cientistas, teólogos, responsáveis religiosos e ambientalistas.

Em 2006, no simpósio realizado em Manaus e na região amazónica, o patriarca foi também visitar, com os participantes, o Parque Nacional do Jaú, onde experimentou o fogo e o cheiro perfumado da resina das árvores. Como contava na altura o jornalista António Marujo numa reportagem da revista dominical do Público, o patriarca comentou que “tudo o que o macaco come, as pessoas podem comer na floresta”.

Nesse simpósio, Bartolomeu participou numa “bênção das águas” no sítio exacto, diante de Manaus, onde se juntam os rios Negro e Solimões, dando origem ao Amazonas: “Abençoando as águas do grande Amazonas, proclamamos a nossa convicção de que a proteção ambiental é um problema moral e espiritual que diz respeito a todos. (…) Persistir no atual caminho de destruição ecológica não é apenas uma loucura. É um pecado contra Deus e a criação”, disse ele na cerimónia.

Na página oficial dos simpósios RSE, podem ver-se os documentos das diferentes iniciativas, desde o primeiro em 1995 no mar Egeu (Grécia) até ao último em 2009 no rio Mississippi (Estados Unidos). Sendo uma organização não-governamental, criada em 1993, o objetivo da RSE e dos seus simpósios era criar uma “reunião entre os mundos da religião, ciência e ambiente, com o interesse de proteger o ambiente.”

Desde que é patriarca de Constantinopla, em 1991, Bartolomeu tem sido umas das vozes mais ativas na defesa do meio ambiente, da preservação dos ecosistemas e do diálogo entre crenças, religiões e poderes de todo o mundo. Ainda na semana passada, a propósito dos recentes incêndios da Amazónia, afirmara que as “árvores não são valiosas apenas na sua beleza estética ou no seu benefício comercial, mas essencialmente para a nossa defesa contra as mudanças climáticas”.

 

(Este texto teve o contributo de António Marujo)

Artigos relacionados

Mais 14 cristãos mortos a sangue frio no Burkina Faso

Mais 14 cristãos mortos a sangue frio no Burkina Faso

Pelo menos 14 cristãos protestantes foram “executados” durante o serviço religioso que decorria neste domingo, numa igreja protestante no leste do Burkina Faso. O ataque ocorreu em Hantoukoura, perto da fronteira com o Níger (leste do país) e terá sido executado por um dos vários grupos jihadistas que operam na região.

Apoie o 7 Margens

Breves

Formação avançada em património religioso lançada na Católica novidade

A Faculdade de Ciências Humanas (FCH) da Universidade Católica Portuguesa e o Departamento de Turismo do Patriarcado de Lisboa organizaram um programa de formação avançada em Turismo e Património Religiosos, com o objetivo de “promover a aquisição de competências nos domínios do conhecimento e divulgação do património artístico religioso da diocese de Lisboa”.

Cinco cristãos libertados na Índia depois de 11 anos presos por acusações falsas

Cinco cristãos indianos que tinham sido presos em 2008 com acusações falsas, na sequência da morte de Swamy Laxmananda Saraswati em Kandhamal (distrito de Orissa, a quase 700 quilómetros de Calcutá) foram agora libertados, onze anos depois das condenações e quatro anos depois de, em 2015, testemunhos apresentados por dois polícias terem levado à consideração da falsidade das acusações.

Igreja Católica em Espanha tem de “relançar compromisso” com os migrantes, pede responsável das Migrações

O diretor da Comissão de Migrações da Conferência Episcopal Espanhola, José Luis Pinilla, pediu o “relançamento do compromisso” da Igreja Católica em Espanha com os migrantes, fazendo frente à “xenofobia”. Numa conferência sobre Juan Antonio Menéndez, o antigo bispo e presidente desta comissão que morreu em maio de 2019, Pinilla afirmou que é necessária uma Igreja mais comprometida com os migrantes e lembrou os ensinamentos de Menéndez.

Inscreva-se aqui
e receba as nossas notícias

Boas notícias

É notícia

Entre margens

Aprender a dizer amor

Jorge Jesus, treinador do Flamengo, o mais falado clube nos últimos dias, afirmou: “No Brasil aprendi a dizer amor… Em Portugal é uma complicação para dizer amor. Quero desfrutar desse amor”. Sim, mas porque será tão difícil aos portugueses dizê-lo?

Cultura e artes

Concertos de Natal nas igrejas de Lisboa

Começa já nesta sexta-feira a edição 2019 dos concertos de Natal em Lisboa, promovidos pela EGEAC. O concerto de abertura será na Igreja de São Roque, sexta, dia 6, às 21h30, com a Orquestra Orbis a executar obras de Vivaldi e Verdi, entre outros.

“Dois Papas”: um filme sobre a transição na Igreja Católica

Dois Papas é um filme do realizador brasileiro Fernando Meirelles (A CIdade de Deus) que, através de uma conversa imaginada, traduz a necessidade universal de tolerância e, mesmo sendo fantasiado, o retrato das duas figuras mais destacadas da história contemporânea da Igreja Católica. O filme, exclusivo no Netflix, retrata uma série de encontros entre o, à altura, cardeal Jorge Bergoglio (interpretado por Jonathan Pryce) e o atual Papa emérito Bento XVI (interpretado por Anthony Hopkins).

Livro sobre “o facto” Simão Pedro apresentado em Lisboa

Um livro que pretende ser “um testemunho, fruto de uma meditação” sobre a vida do apóstolo Pedro, será apresentado nesta segunda-feira, 2 de Dezembro, em Lisboa (Igreja paroquial de Nossa Senhora de Fátima, Av. Berna, 18h30). Da autoria do padre Arnaldo Pinto Cardoso, Simão Pedro – Testemunho e Memória do Discípulo de Jesus Cristo pretende analisar o “facto de Pedro” que se impôs ao autor, fruto de longos anos de estadia em Roma, a partir de diferentes manifestações.

A primeira poetisa da Europa

Comparada a Homero; segundo Platão, a décima Musa. Era «a Poetisa», tal como Homero era «o Poeta». Manuscritos, nunca os vimos. Provavelmente, queimados, devido ao fanatismo de eclesiásticos bizantinos. Só alguns poemas inteiros chegaram até nós; o resto são fragmentos. Porque nos fascina ainda, uma frase, um verso, passado 2600 anos?…

Sete Partidas

Visto e Ouvido

Agenda

Dez
9
Seg
Falar de vida e fé – Leonor Xavier conversa com Maria Antónia Palla @ Capela do Rato
Dez 9@18:30_19:45
Dez
10
Ter
Apresentação do livro “Os dons do Espírito Santo”, de frei João de São Tomás @ Livraria da Universidade Católica Portuguesa
Dez 10@17:30_18:30

O livro será apresnetado por Manuel Cândido Pimentel, professor da Faculdade de Ciências Humanas da Universidade Católica Portuguesa.

Dez
11
Qua
Apresentação do livro “John Henry Newman”, de Paolo Gulisano @ Capela do Rato
Dez 11@21:15_22:15

O cardeal Newman testemunhou, na Inglaterra do século XIX, uma prodigiosa aventura intelectual e espiritual de diálogo ecuménico (entre a Igreja Católica e a Igreja Anglicana). Reclamava uma fé lúcida, inteligente, em diálogo com a cultura e a tradição patrística (o passado). Antecipou o Vaticano II com a sua compreensão da soberania da consciência. Foi um motivar da intervenção dos leigos na sociedade do seu tempo. A sua recente canonização, em 13 de Outubro, pelo Papa Francisco, é estimulo para se aprofundar o seu pensamento e a novidade do seu testemunho.

O livro será apresentado pelo padre António Martins (Faculdade de Teologia/Capela do Rato) e Artur Mourão, filósofo, tradutor de Newman e membro do Centro de EStudos de Filosofia. O debate é moderado por Nuno André.

Ver todas as datas

Parceiros

Fale connosco