Após ida à AR

Patriarca de Lisboa admite indemnizações às vítimas de abusos

| 5 Set 2023

Rui Valério recebido por Augusto Santos Silva, 5 setembro 2023. Foto Assembleia da República.

Rui Valério falou aos jornalistas após ter sido recebido pelo presidente da Assembleia da República, Augusto Santos Silva. Foto © Assembleia da República.

 

O novo patriarca de Lisboa, Rui Valério, admite que as vítimas de abusos sexuais no seio da Igreja Católica possam vir a ser indemnizadas. “Para mim, isso não está excluído, faz parte da equação”, afirmou em declarações aos jornalistas esta terça-feira, 5 de setembro, no final de um encontro com o presidente da Assembleia da República, Augusto Santos Silva.

Questionado sobre o momento em que assume a liderança do Patriarcado de Lisboa, Rui Valério disse que toma posse “na fase em que a esperança está mais viva na Igreja em Portugal”.

“Se estamos a falar das vítimas, é uma palavra de esperança que lhes quero deixar. Depois da solidariedade, depois da minha presença, depois da sua centralidade, a palavra a dar-lhes é esperança”, referiu o novo patriarca de Lisboa, acrescentando: “Se a indemnização monetária for um apoio para que a pessoa se sinta restituída na integralidade da sua condição de ser humano, na sua capacidade de reconstruir a sua vida, temos de passar por esse caminho, seguir por essa estrada”.

Rui Valério, que tomou posse como novo patriarca de Lisboa, este sábado, 2 de setembro, relembrou depois que a sua é apenas “uma voz entre muitas”, e que se mantém “uma certa constância” naquelas que são as orientações do episcopado.

 

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Irritações e sol na cara

Irritações e sol na cara novidade

“Todos os dias têm muito para correr mal, sim. Mas pode-se passar pela vida irritado? Apitos e palavras desagradáveis, respirações impacientes, sempre com o “não posso mais” na boca.” – A crónica de Inês Patrício, a partir de Berlim

A cor do racismo

A cor do racismo novidade

O que espero de todos é que nos tornemos cada vez mais gente de bem. O que espero dos que tolamente se afirmam como “portugueses de bem” é que se deem conta do ridículo e da pobreza de espírito que ostentam. E que não se armem em cristãos, porque o Cristianismo está nas antípodas das ideias perigosas que propõem.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This