Abusos sexuais

Patriarca garante que fez “tudo o que está previsto”

| 15 Set 2022

patriarca, Manuel Clemente

O cardeal-patriarca de Lisboa, Manuel Clemente, durante as suas declarações à RTP nesta quinta-feira, 15, sobre os casos de abusos sexuais em Lisboa e a audiência que teve com o Papa em 5 de Agosto. Imagem captada da emissão da RTP

 

O cardeal-patriarca de Lisboa, D. Manuel Clemente, declarou à RTP que considera que fez “tudo aquilo que está previsto quer na lei civil quer na lei canónica, quer também no espírito evangélico, que acredita na regeneração das pessoas” em relação aos casos de abuso sexual por parte de membros do clero.

Falando pela primeira vez em público desde as situações que foram divulgadas no final de Julho, o patriarca Clemente referiu-se ainda ao encontro que teve com o Papa no início de Agosto, quando se deslocou a Roma para falar sobre a situação em Lisboa. O cardeal encontrou da parte de Francisco “a melhor compreensão”, disse. E, referindo-se à possibilidade de renúncia que teria apresentado, de acordo com fontes eclesiásticas que na altura falaram ao 7MARGENS, acrescentou que o Papa “está completamente à vontade quer para manter quer para mudar – é essa a sua função”.

“Da minha parte eu fiz o que tinha a fazer”, disse o patriarca, insistindo em que “tudo quanto acontecer será resolvido” de acordo com os critérios apontados – civis, canónicos e evangélicos. “Tudo aquilo que está legalmente previsto, está feito”, disse, nas referidas declarações à RTP.

“Fui a Roma porque achei que o Papa Francisco devia saber directamente por mim aquilo que se dizia e acontecia em Portugal”, acrescentou o patriarca, nas declarações à RTP. “Mas com a particular responsabilidade que a Igreja me confia, era ao Papa que eu tinha de dizer directamente” o que se passava.

À pergunta sobre se teria recebido uma manifestação de confiança da parte do Papa, Manuel Clemente respondeu: “Creio que sim, ele recebeu-me tão benevolamente, escutou-me com tanta atenção…”

Os casos vindos a público respeitam sobretudo a uma vítima de abusos que teria denunciado o seu caso em 1999 e que o patriarca teria chamado para conversar, em 2019, depois de ter sido nomeado para o cargo; e a um caso de 2003, quando era bispo auxiliar de Lisboa, em que teria pedido em 2003, a cinco chefes de escuteiros que se demitissem dos seus cargos, depois de eles terem acusado um padre da zona Oeste de ter abusado de menores, de acordo com uma notícia divulgada pela RTP.

Numa carta aberta publicada a 29 de Julho, Manuel Clemente afirmava ter assumido o compromisso de “tolerância zero” para estas situações e pedia “que ninguém tenha medo” de as denunciar. Já no início deste mês, o patriarca publicou uma carta à diocese, na qual reafirmava o seu “pedido de perdão institucional e convicto” pelos casos de abusos sexuais, garantindo “tudo fazer para que tais casos não se repitam”.

 

Silêncio: a luz adentra no corpo

Pré-publicação 7M

Silêncio: a luz adentra no corpo novidade

A linguagem não é só palavra, é também gesto, silêncio, ritmo, movimento. Uma maior atenção a estas realidades manifesta uma maior consciência na resposta e, na liturgia, uma qualidade na participação: positiva, plena, ativa e piedosa. Esta é uma das ideias do livro Mistagogia Poética do Silêncio na Liturgia, de Rafael Gonçalves. Pré-publicação do prefácio.

pode o desejo

pode o desejo novidade

Breve comentário do p. António Pedro Monteiro aos textos bíblicos lidos em comunidade, no Domingo I do Advento A. Hospital de Santa Marta, Lisboa, 26 de Novembro de 2022.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Breves

 

Bahrein

Descoberto mosteiro cristão sob as ruínas de uma mesquita

Há quem diga que este é o “primeiro fruto milagroso” da viagem apostólica que o Papa Francisco fez ao Bahrein, no início de novembro. Na verdade, resulta de três anos de trabalho de uma equipa de arqueólogos locais e britânicos, que acaba de descobrir, sob as ruínas de uma antiga mesquita, partes de um ainda mais antigo mosteiro cristão.

Manhã desta quinta-feira, 24

“As piores formas de trabalho infantil” em conferência

Uma conferência sobre “As piores formas de trabalho infantil” decorre na manhã desta quinta-feira, 24 de Novembro (entre as 9h30-13h), no auditório da Polícia Judiciária (Rua Gomes Freire 174, na zona das Picoas, em Lisboa), podendo assistir-se também por videoconferência. Iniciativa da Confederação Nacional de Ação Sobre o Trabalho Infantil (CNASTI), em parceria com o Instituto de Apoio à Criança (IAC), a conferência pretende “ter uma noção do que acontece não só em Portugal, mas também no mundo acerca deste tipo de exploração de crianças”.

Porque não somos insignificantes neste universo infinito

Porque não somos insignificantes neste universo infinito novidade

Muitas pessoas, entre as quais renomados cientistas, assumem frequentemente que o ser humano é um ser bastante insignificante, senão mesmo desprezível, no contexto da infinitude do universo. Baseiam-se sobretudo na nossa extrema pequenez relativa, considerando que o nosso pequeno planeta não passa de um “ponto azul” situado num vasto sistema solar.

Mais do que A Voz da Fátima

Pré-publicação

Mais do que A Voz da Fátima

Que fosse pedido a um incréu um texto de prefácio para um livro sobre A Voz da Fátima, criou-me alguma perplexidade e, ao mesmo tempo, uma vontade imediata de aceitar. Ainda bem, porque o livro tem imenso mérito do ponto de vista histórico, com o conjunto de estudos que contém sobre o jornal centenário, mas também sobre o impacto na sociedade portuguesa e na Igreja, das aparições e da constituição de Fátima e do seu Santuário como o centro religioso mais importante de Portugal. Dizer isto basta para se perceber que não é possível entender, no sentido weberiano, Portugal sem Fátima e, consequentemente, sem o seu jornal.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This