Patriarcado encerra processo diocesano para canonização do Padre Cruz

| 17 Dez 20

Padre Cruz: um “apostolado caracterizado pela entrega aos mais pobres” agora a caminho da proclamação como santo da Igreja Católica. Foto: Direitos reservados.

 

O patriarca de Lisboa, D. Manuel Clemente, preside nesta quinta-feira, 17, às 15h, à sessão de clausura do processo diocesano para a causa de canonização do padre jesuíta Francisco Rodrigues da Cruz, conhecido como Padre Cruz e pela sua dedicação aos mais frágeis da sociedade. “Apesar dos problemas de saúde que teve, a vontade de servir o próximo nunca atenuou o fulgor do seu apostolado, caracterizado pela entrega aos mais pobres”, nota o Ponto SJ, portal dos jesuítas em Portugal.

A cerimónia, que pode ser acompanhada em directo na página oficial e nas redes sociais do Patriarcado de Lisboa e dos Jesuítas em Portugal, decorre na igreja de São Vicente de Fora, em Lisboa, e está aberta à participação dos interessados, apenas na condição do respeito pelas medidas sanitárias em vigor.

O encerramento do processo foi anunciado a 19 de Novembro, depois de decidido pelo cardeal-patriarca, após a audição do Tribunal constituído para a causa e do respectivo vice-postulador, padre Dário Pedroso, sj.

Iniciado em 1951, o processo teve uma fase diocesana que decorreu até 1965, recorda o Ponto SJ. Mais tarde, foi necessário completar o processo com elementos requeridos pelas novas normas para a instrução dos processos de canonização.

Depois de, entre outros elementos, terem sido ouvidas várias testemunhas acerca das “virtudes heroicas” do já reconhecido como “servo de Deus”, a terceira Comissão Histórica do processo, nomeada a 11 de Dezembro de 2018 por Manuel Clemente, entregou, a 1 de Outubro do ano passado, os documentos e a sua análise crítica.

O processo seguirá agora para a Congregação para as Causas dos Santos, onde será apresentado pelo postulador da Companhia de Jesus, padre Pascual Cebollada, ainda segundo o PontoSJ. Postulador e vice-postulador terão depois de redigir a Positio, que resumirá a vida do Padre Cruz, apresentando ainda os documentos e testemunhos que pretendem atestar a sua vida de santidade.

Francisco Rodrigues da Cruz nasceu a 29 de Julho de 1859 e morreu a 1 de Outubro de 1948. Foi admitido na Companhia de Jesus a 2 de Setembro de 1940 e a 3 de Dezembro do mesmo ano fez os seus últimos votos.

“Num tempo como aquele que vivemos, a vida do P. Cruz pode e deve servir-nos de inspiração”, escrevia o actual provincial dos jesuítas portugueses, padre Miguel Almeida, quando o patriarca anunciou a conclusão da fase diocesana do processo. “Aprofundar e divulgar o conhecimento que dela temos é um contributo importante para que a sua ‘santidade’ possa tocar um maior número de pessoas.”

 

O segundo apagamento de Aristides

Comentário

O segundo apagamento de Aristides novidade

“Mesmo que me destituam, só posso agir como cristão, como me dita a minha consciência; se estou a desobedecer a ordens, prefiro estar com Deus contra os homens do que com os homens contra Deus.” Esta afirmação de Aristides de Sousa Mendes, cônsul de Portugal em Bordéus em 1940, confirmada por muitas outras de cariz semelhante, mostra bem qual foi o fundamento para a sua decisão de, contra as ordens expressas de Salazar, conceder indiscriminadamente vistos de passagem a milhares de pessoas em fuga do terror nazi.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Vaticano

Mundo não pode ignorar sofrimento de haitianos novidade

O mundo não pode mais ignorar o sofrimento do povo do Haiti, uma ilha que há séculos é explorada e pilhada por nações mais ricas, apontou o arcebispo Vincenzo Paglia, presidente da Pontifícia Academia para a Vida. “O grito de ajuda de uma nação não pode passar despercebido, especialmente pela Europa.”

Fale connosco

Pin It on Pinterest

Share This