Artista morreu aos 87 anos

Paula Rego, as histórias que continuam

| 8 Jun 2022

estudio de paula rego foto wikimedia commons Dinkydarcey

Estúdio de Paula Rego, fotografado em 2007. “Há historias à espera de serem contadas e que nunca o foram antes.” Foto  © Wikimedia Commons Dinkydarcey.

 

As múltiplas notícias sobre a morte de Paula Rego publicadas na imprensa internacional servem para dar conta da riqueza da singular obra que a pintora nos lega. “‘She is dancing among the greats’: the dangerously honest, richly ambiguous Paula Rego”, titula o diário britânico The Guardian. O francês Le Monde prefere destacar uma referência às suas pinturas figurativas, “frequentemente inspiradas em histórias, designadamente em lendas do folclore português, em mitos e em contos de fadas”. Às múltiplas facetas que agora estão a ser referidas, acrescentar-se-ão novos ângulos que o tempo ajudará a descobrir.

Ana Gabriela Macedo, autora de Paula Rego e o Poder da Visão (1), chamou a atenção para “a irredutível complexidade com que Paula Rego urde toda a sua obra, criada como ela gostosamente diz, a partir do seu ‘teatro interior’, dizendo-nos numa piscadela de olho que pintar nada mais é que ‘entrelaçar’ e ‘entrelaçar é como fazer tricô’. Nada mais simples ou, dir-se-ia, mais prosaico…”

Numa das entrevistas que Paula Rego concedeu, em Londres, a Ana Gabriela Macedo, a artista explicou eloquentemente: “O meu tema é a minha história, a história que eu tenho para contar e a minha maneira de a contar”.

A originalidade da obra de Paula Rego encontra-se, dito de outro modo, num desígnio assinalado pela artista numa conversa com Melanie Roberts (2), que Ana Gabriela Macedo cita: “Há historias à espera de serem contadas e que nunca o foram antes. Têm a ver com tudo aquilo sobre o que jamais se ousou tocar – a experiência das mulheres”.

A propósito de um conjunto de exposições de Paula Rego realizadas entre 2018 e 2020 em França, Inglaterra e Portugal, a autora de Paula Rego e o Poder da Visão assinalou no JL aquilo que designou por “carácter ético da pintura de Rego”. É ele que acentua “os paradoxos, as tensões e o inconformismo, em detrimento do absurdo e do grotesco, que demasiadas vezes é apressadamente assinalado na sua obra, como se esta de um vazio se ocupasse”. Como se notava no texto que acompanhava a exposição de Paris, que Ana Gabriela Macedo destacava, Paula Rego procede a uma “reinvenção da pintura”, manifesta “numa obra que desafia os cânones contemporâneos, ao propor uma estética ‘formidavelmente figurativa’, empenhada em ‘dizer o mundo de hoje, através de uma incisão cruel e justa’” (3).

Histórias. Fascinantes histórias. Sobre elas, Ana Gabriela Macedo recordou um antigo texto de Salette Tavares: “Cada quadro de Paula Rego é uma história que co-existe com o quadro, que foi fabricada com ele.  Ela está presente nele. O código não é generalizável, a decifração é quase impossível. Ela quer que o quadro subsista em si mesmo, partido, separado da história. Mas quadro e história surgiram concomitantemente. Quadro estructurado, história estructurada. Ler o arbitrário, ou confessional, ou o permutacional semântico, mesmo ligado a razões de interpretação analítica, é errar completamente. Paula constrói o quadro, constrói a história. (…) Se ouvirmos ela contar o seu quadro, a revelação de uma dimensão nova surge – a história está implícita no quadro – o quadro existe sem ela, ou seja, a história, sendo essência nele, não é precisa para que o quadro real apareça” (4).

Paula Rego recebeu abundantes distinções, como, por exemplo, a Grã-Cruz da Ordem Militar de Sant’Iago da Espada e com a Ordem do Império Britânico com o grau de Oficial, pela sua contribuição para as artes. A artista foi considerada uma das 25 mulheres mais influentes de 2021 pelo jornal Financial Times. O Turner, em 1989, foi um dos vários prémios que recebeu.

(1) Lisboa, Cotovia, 2010
(2) From the Interior. Female Perspectives on Figuration, 1997
(3) Cécile Debray, curadora, e Scarlett Reliquet, programadora cultural do Museu d’Orsay e Orangerie
(4) “A Estructura semântica na obra de Paula Rego”(sic). Expo AICA, SNBA 1974

 

sobre as águas

sobre as águas novidade

Breve comentário do p. António Pedro Monteiro aos textos bíblicos lidos em comunidade, no Domingo XII do Tempo Comum B. ⁠Hospital de Santa Marta⁠, Lisboa, 22 de Junho de 2024.

Apoie o 7MARGENS e desconte o seu donativo no IRS ou no IRC

Uma tarde para aprender a “estar neste mundo como num grande templo”

Na Casa de Oração Santa Rafaela Maria

Uma tarde para aprender a “estar neste mundo como num grande templo”

Estamos neste mundo, não há dúvida. Mas como nos relacionamos com ele? E qual o nosso papel nele? “Estou neste mundo como num grande templo”, disse Santa Rafaela Maria, fundadora das Escravas do Sagrado Coração de Jesus, em 1905. A frase continua a inspirar as religiosas da congregação e, neste ano em que assinalam o centenário da sua morte, “a mensagem não podia ser mais atual”, garante a irmã Irene Guia ao 7MARGENS. Por isso, foi escolhida para servir de mote a uma tarde de reflexão para a qual todos estão convidados. Será este sábado, às 15 horas, na Casa de Oração Santa Rafaela Maria, em Palmela, e as inscrições ainda estão abertas.

Agenda

Fale connosco

Autores

 

Pin It on Pinterest

Share This